A crise irreversível do capitalismo

por Monthly Review

Capa da MR de Novembro/2008. No editorial do número de Setembro da Monthly Review (escrito em fins de Julho) perguntámos porque, com os Estados Unidos a salvarem o sector financeiro da economia ao custo considerável de centenas de milhares de milhões de dólares, não havia indignação pública. Como observámos naquele momento, "Afinal de contas parece não haver explicação satisfatória para a falta de protesto popular sobre uma série de doações ad hoc a derramar centenas de milhares de milhões de dólares de dinheiro público sobre os mestre das finanças, colectivamente o grupo mais rico de capitalistas sobre o planeta. E isto levanta a questão: Estará esta actual indignação, no entanto, a crescer subterraneamente, não ouvida e não vista? Será que ela arrebentará subitamente, como uma velha toupeira, de forma imprevista e de modos não imaginados?" O colapso do Lehman Brothers em 15 de Setembro, o resultante congelamento dos mercados de crédito, o plano de emergência do secretário do Tesouro Henry Paulson para um salvamento de US$700 mil milhões de firmas financeiras, a oferecer "dinheiro por lixo", isto é, propondo comprar os resíduos tóxicos de títulos apoiados por hipotecas virtualmente sem qualquer valor a expensas do contribuinte — respondeu rapidamente à nossa pergunta. Quando o Tesouro dos EUA envolveu-se no acto com a sua proposta de salvamento, requerendo autorização do Congresso (anteriormente a Reserva Federal conduzira os salvamentos, ao ponto de os títulos do Tesouro terem afundado para apenas cerca da metade dos activos do Fed, como explicámos em Setembro), desencadeou-se o inferno. Subitamente, a indignação pública que estivera a crescer abaixo da superfície explodiu. A classe capitalista estado-unidense foi abruptamente confrontada com uma grande crise política, assim como económica.

A ira visível da população quanto ao plano de salvamento não impediu o Departamento do Tesouro, a liderança do Congresso, o presidente, e os dois candidatos presidenciais — juntamente com o capital financeiro — de avançarem e remendarem em conjunto um acordo baseado em grande medida na proposta original de Paulson. O que era completamente inesperado, contudo, foi a revolta na Câmara dos Deputados em 29 de Setembro, com 133 republicanos e 95 democratas a votarem contra o pacote de salvamento dos US$700 mil milhões, levando à maior queda pontual na história do mercado de acções dos EUA. Não há dúvida, os detentores do poder logo abriram o seu caminho, e uma versão da proposta do Departamento do Tesouro, com elementos acrescentados destinados a dar cobertura política aos representantes que alteraram os seus votos, foi logo aprovada. Mas a revolta inicial na Câmara mudou para sempre a natureza da pior crise financeira desde a Grande Depressão, tornando-a pela primeira vez abertamente política, deixando uma herança de discordância popular. A politização da questão do salvamento e as cada vez mais desesperadoras condições económicas garantem que as consequências a longo prazo para o capitalismo estado-unidense serão imensas.

Ninguém tem uma bola de cristal para olhar o futuro, e a natureza desta crise torna impossível prever o que acontecerá a seguir. Mas umas poucas coisas parecem óbvias. Primeiro, o salvamento a ser executado pelo Departamento do Tesouro, apesar de maciço, na melhor das hipóteses apenas impedirá um colapso imediato. Ele não porá fim à crise financeira. O génio da financiarização está fora da garrafa e vai levar tempo para enfiá-lo ali outra vez. A crise dos empréstimos habitacional e hipotecário de qualquer forma não foi debelada. A Reserva Federal e outros agentes do governo federal já despejaram mais do que os US$700 mil milhões do pacote do salvamento (incluindo resgate de hipotecas de casas) no sistema financeiro ao longo do ano passado na forma de empréstimos, garantias, swaps, dádivas e tomadas de controle ("A Tally of Federal Rescues", New York Times, September 28, 2008; "Treasury and Fed Looking at Options", New York Times, September 29, 2008). Ao mover-se rapidamente da condição de prestamista de último recurso para a de investidor de último recurso, o governo federal esticou enormemente o seus recursos — já sob tensão devido às guerras do Iraque e do Afeganistão.

Segundo, o declínio rápido da hegemonia económica dos EUA agora é óbvio para todo o mundo e é provável que prejudique a vontade de investidores e governos estrangeiros de tomarem dólares — o que é necessário para financiar a dívida crescente dos EUA. Está a crescer a pressão internacional para impedir Washington de exportar a sua crise para fora. O presidente brasileiro Luís Inácio Lula da Silva pediu que os estados latino-americanos, africanos e asiáticos não fossem tornados "vítimas do casino erguido pela economia americana" ("U.S. Crisis Deepens Divisions in S. America," Washington Post, October 1, 2008). Na verdade, o imperialismo estado-unidense está a enfraquecer-se visivelmente por toda a parte — apesar do US$ 1 milhão de milhões (trillion) de despesas militares reais só em 2007 (ver "The U.S. Imperial Triangle and Military Spending," Monthly Review, October 2008).

Terceiro, o problema real ainda não está a ser tratado: a estagnação da economia dos EUA (e de países capitalistas avançados). Isto não é tanto um efeito da crise financeira, como habitualmente se supõe, e sim em primeiro lugar a causa do vasto crescimento da superestrutura financeira — e a razão porque a explosão da bolha financeira é um desastre tão imenso e actualmente inultrapassável (ver "The Financialization of Capital and the Crisis," MR, April 2008). A estagnação da produção, simbolizada pelos recentes US$25 mil milhões em garantias federais a empréstimos aos grandes fabricantes de automóveis, recebeu relativamente pouca atenção face à crise financeira astronómica, mas continua no cerne do mal-estar económico.

Finalmente, agora está a penetrar profundamente na consciência pública nos Estados Unidos que a questão mais importante no fim das contas é: Quem pagará? O acordo do salvamento evadiu-se à questão ao deixar para o próximo presidente sugerir um caminho para compensar o público pelas perdas com a compra de lixo financeiro tóxico pelo Tesouro. O que isto significa é que a batalha política real apenas começou.

CRISE IRREVERSÍVEL

Se são estas as dimensões principais do problema, o que deveria a esquerda estado-unidense fazer nesta altura? Não é uma pergunta de resposta fácil. Não é nossa tarefa consertar o seu sistema. Nem é ele de facto consertável. Como Harry Magdoff e Paul Sweezy argumentaram em 1988, no rescaldo na crise do mercado de acções de 1987, isto é, julgado a partir de uma visão mais ampla, uma Crise Irreversível. Não há portanto soluções visíveis. Sob tais circunstâncias, a ênfase deveria ser sobre a redução da desigualdade, o fortalecimento da posição dos trabalhadores, proporcionar empregos decentes para pessoas efectuarem o trabalho para o qual estão preparadas, e garantir bens sociais essenciais como: cuidados de saúde adequados, alimentação, habitação, educação, Segurança Social, pensões de reforma e protecção ambiental. Os gastos militares deveriam ser cortados drasticamente e utilizados para financiar programas sociais necessários. Deveria ser aplicado um imposto sobre o comércio de títulos e idealmente também um imposto sobre a riqueza. Tais coisas só podem ser alcançadas, contudo, se a população se levantar e exigir controle sobre a política económica. Mais uma vez, não deveríamos pretender nem por um momento que qualquer destas coisas repararia o que há de errado com o sistema capitalista. Não o faria. Mas algumas destas medidas são necessárias para criar uma vida melhor para a vasta maioria da população, e como um passo de afastamento do capitalismo e em direcção a uma melhor alternativa socioeconómica.

Certamente há algo a dizer quanto à visão do deputado Peter DeFazio (D-OR) quando, em resposta ao salvamento de Paulson, escreveu ("Wall Street Bailout Won't Help Main Street," Eugene Register-Guard, September 29, 2008): "Na Workds Progress Administration, do presidente Franklin Roosevelt, investimos em construção de estradas, pontes, barragens hidroeléctricas e outros projectos de obras públicas para reconstruir a economia quebrada do nosso país". DeFazio avançava para argumentar que se um plano de salvamento deveria ser adoptada este deveria ser pago por uma transferência fiscal de títulos, tal como realmente existiu nos Estados Unidos de 1914 a 1966. O senador Bernie Sanders, de Vermont, propôs um [plano] de cinco anos, com uma sobretaxa de 10 por cento sobre indivíduos com rendimentos de mais de US$500 mil por ano e sobre famílias com rendimentos de mais de US$1 milhão por ano. Nada disto resolveria as contradições nucleares do sistema. Mas tais acções representariam um arranque na direcção correcta. É mais do que tempo de que na implacável guerra de classe que tem sido travada pela classe capitalista contra a classe trabalhadora, desde o princípio da década de 1970, o povo estado-unidense pelo menos comece a defender-se em massa, insistindo para que as suas necessidades sejam atendidas. Em grande parte do resto do mundo a existência contínua da ordem do capital monopolista-financeiro dominado pelos EUA, habitualmente identificada como neoliberalismo, já está — ou estará em breve — a ser desafiada.

Estes problemas serão discutidos mais completamente na revisão do mês de Dezembro e num livro de John Bellamy Foster e Fred Magdoff, The Great Financial Crisis: Causes and Consequences, a ser publicado em Janeiro pela Monthly Review Press.

Não precisamos recordar aos leitores da MR que o actual desastre económico é apenas parte de um fracasso mais geral do sistema capitalista, e que há outras razões igualmente prementes para a revolta: mais notavelmente, as crescentes catástrofes da guerra e da destruição ambiental. O que estamos a enfrentar muito claramente é um novo momento histórico, no qual uma política genuinamente radical pode voltar a ser possível — nos próprios Estados Unidos.

03/Outubro/2008

O original encontra-se em http://monthlyreview.org/nfte081101.php . Tradução de JF.

Este editorial encontra-se em http://resistir.info/ .
03/Nov/08