Fantoche bushiano no Iraque:
Ministro da Educação abre fogo sobre estudantes

por Ahmed Aljubouri

Khudayer al-Khuza'i, o ministro pistoleiro. No dia 27 de Junho de 2008 o ministro da Educação do Iraque, "Khudayer al-Khuza'i", encontrava-se de visita a um dos centros de exame final no campus da faculdade de Educação situada no distrito "Seba' Abkar" da cidade de Adhamiya. Quando o ministro entrou no centro, os estudantes começaram a queixar-se das suas péssimas condições: não havia energia para pôr a ventilação a funcionar, a temperatura era de 55º C e não havia água para beber. Os estudantes também relataram ao ministro muitos outros problemas que se lhes punham e que lhes dificultava muito a realização dos seus exames finais. Ao ouvir as queixas daqueles estudantes frustrados, o ministro da Educação puxou da pistola e começou a alvejar os estudantes com balas verdadeiras. Em simultâneo os seus guarda-costas começaram a disparar à toa sobre os estudantes. Foram mortos e feridos muitos estudantes iraquianos inocentes neste terrível incidente.

Irmãos e irmãs de todo o mundo, pergunto-vos em nome do que quer que adoreis ou acrediteis, alguma vez ouvistes falar duma coisa assim na história? Já ouvistes alguma vez falar de um ministro da Educação a disparar balas verdadeiras contra estudantes desarmados? Suponho que uma coisa destas só pode acontecer na era desastrosa da "democracia" no Iraque imposta pelo sr. Bush. O que o sr. Bush impôs no Iraque foi um grupo de criminosos e de ex-condenados e um deles é esse ministro da Educação Khudayer al-Khuza'i. Permitam-me que esclareça um pouco os seus antecedentes para que, caros leitores, fiqueis a conhecer um pouco do chamado governo iraquiano que recebeu o poder e goza do forte apoio do sr. Bush.

O seu nome completo é "Khudayer Moses Jaafer al-Khuza'i". A sua nacionalidade inicial era iraniana e a segunda é canadiana. É nesse país que a família recebe pensões da segurança social. A acrescentar a isto também tem nacionalidade iraquiana. É um membro importante das milícias da divisão al-Anzi do partido al-Da'wa. Afirmou ter um doutoramento em ciências do Alcorão na Universidade Qum do Irão. Mas quando o director do Departamento de Ciências do Alcorão, Dr. Khairo, provou que ele não possuía tal grau e que na realidade o ministro al-Khuza'i não possuía nenhum grau académico de nenhum país, o Dr. Khairo foi sequestrado e assassinado. Veio a demonstrar-se depois que este ministro nem sequer tem um certificado académico básico, tendo sido reprovado no quinto ano da escola primária. Um dos iraquianos que viveu com ele no mesmo edifício em Londres disse-me que "fiquei estupefacto quando li que ele afirmava ter um doutoramento. Sabia bem que ele tinha chumbado o quinto ano da escola primária. Sabia que ele costumava ganhar a vida antes da invasão a trabalhar como rozkhon ". Rozkhon é uma pessoa que conta histórias tristes num funeral para fazer chorar os acompanhantes do mesmo. Os acompanhantes normalmente dão pequenas gratificações aos rozkhon, 25 cêntimos ou meio dólar. A própria palavra rozkhon é uma palavra iraniana, não é iraquiana.

Outra coisa importante sobre este ministro é que ele é um importante chefe dos esquadrões da morte no Iraque. No ano passado, em 2007, alguns dos residentes na cidade de al-Sha'ab avisaram o exército americano de estranhos sons de gritos e choros que saíam da mesquita de al-Husseiniya, uma das mesquitas controladas pelas milícias da divisão al-Anzi do partido al-Da'wa, chefiadas pelo ministro Khuza'i. Quando o exército americano entrou nesta mesquita deparou-se com coisas terríveis: locais de tortura, instrumentos de tortura como brocas eléctricas, cabos eléctricos, grandes facas, e ácido para queimar carne humana. As pessoas que ali se encontravam relataram tristemente que muitos inocentes sequestrados e ali encerrados haviam sido massacrados algumas horas antes de o exército americano ter entrado na mesquita. Logo a seguir o exército americano dirigiu-se directamente ao gabinete do jornal do partido al-Da'wa no distrito de al-Wezwriya. Este local também era controlado pelas milícias da divisão al-Anzi do partido al-Dawa que são formadas na sua maioria por gente da Guarda Revolucionária Iraniana. Tragicamente encontraram ali as mesmas coisas: locais de tortura, instrumentos de tortura e montes de cadáveres.

Agora permitam-me que vos fale um pouco dos prejuízos e da destruição que ele provocou no Ministério da Educação desde que ali assumiu o cargo. A primeira coisa que fez foi despedir a maior parte dos empregados competentes, respeitáveis e qualificados, em especial os directores-gerais e chefes de departamento e substituí-los por ex-condenados e gente ignorante que, tal como ele, não tinham qualquer grau académico. A única qualificação que tinham era a sua lealdade e afinidade com o Irão e com o seu chefe Ali Khameini que o ministro al-Khuza'i adora. A segunda coisa mais importante que ele fez no Ministério da Educação foi roubar todo o dinheiro destinado a reconstruir e mobilar as escolas. Deitou a mão a cerca de dois mil milhões de dólares e dividiu-os por alguns dos funcionários do ministério que haviam sido por ele nomeados. O que tinha o cargo mais elevado era o inspector-geral do ministério. A parte do ministro al-Khuza'i neste roubo foi de 500 mil dólares, que foram depositados na sua conta num dos bancos de Amman, na Jordânia por um dos empreiteiros fictícios que alegadamente não recebeu qualquer contrato para a construção de escolas iraquianas.

23/Julho/2008

Ver também:
  • Employment Mafia Inside the Iraqi Government Led by the Education Minister Who Lately Bought a 460 Million Dollar Palace In Canada

    O original encontra-se em http://www.iraqirabita.org/english/index.php?do=article&id=868 .
    Tradução de Margarida Ferreira


    Este artigo encontra-se em http://resistir.info/ .
  • 19/Ago/08