Reflexões da classe dominante

– Notas acerca da conferência da CIP realizada em 01/Julho/2016

por Daniel Vaz de Carvalho

António Saraiva, presidente da CIP. 1 – ORADORES

Elementos do Business Europe; representantes de associações patronais da França, Espanha, Luxemburgo, Alemanha; dirigentes de empresas; gente ligada à CIP; deputados ao PE: Maria João Rodrigues (PS) e José Manuel Fernandes (PSD): Elementos do governo M. Centeno (substituindo A. Costa); Caldeira Cabral; A. Santos Silva (no almoço-debate, com admissão restrita mediante inscrição prévia). Orientava os trabalhos o jornalista Paulo Ferreira.

2 – GERAL

Os oradores incidiram no essencial sobre o Brexit (fora da ordem de trabalhos), a digitalização da indústria como o futuro da indústria na "Europa" (só por exceção se terá falado em UE…), os incentivos ao investimento, e as questões laborais (tema recorrente mesmo fora dos temas das intervenções).

3 – O BREXIT

Praticamente todos os oradores acharam que tinham obrigação de condenar os britânicos ("os ingleses") pelo resultado do referendo. Falou-se na campanha de "mentiras" do Brexit. Mas as pessoas "cultas", a "nova geração", os "mais qualificados", votaram "sim", o "não" viria de gente "ignorante, "estúpida", etc. Independentemente de repetirem as críticas que os media divulgaram, foi nítido o incómodo que a democracia causa aos burocratas e seus mentores.

4 – A DIGITALIZAÇÃO DA INDÚSTRIA

O Anexo 1 apresenta o conceito de reindustrialização e de política industrial para o século XXI, baseado na "digitalização da indústria". Trata-se de transpor para formato digital o que é físico. Pretende-se usar as mais avançadas tecnologias da informação, comunicação e localização (TICL), robótica, etc.

Assim a concepção, a produção, controlo de qualidade, armazenamento, expedição, gestão podem ser realizadas através da ligação de redes informáticas, em diferentes partes ou países por subcontratantes ou tarefeiros "altamente qualificados".

Carlos Moedas diz que potencia em cinco anos na "Europa" 110 mil milhões de euros de "redução de custos". Tudo isto é apresentado como grande vantagem para o "consumidor" permitindo oportunidades de inovação, pequenas séries, maior importância dada aos detalhes ao gosto dos clientes, por exemplo em carros topo de gama e equipamento de luxo.

As oportunidades não deixam de vir com ameaças: "a revolução tecnológica terá um impacto negativo para os que se atrasarem".

É um processo "com um mínimo de intervenção humana", em que a "fábrica" está dispersa e não existe mais uma concentração de trabalhadores. Enfim, pretendem atingir o ideal capitalista da fábrica sem operários.

5 – INVESTIMENTO PRIVADO

O Anexo 2 apresenta as 10 propostas da CIP para o crescimento económico necessário e a resolução do problema do desemprego. Basicamente, foi nestas propostas que se basearam as intervenções.

O tema da "confiança" foi recorrente. O investimento "não se decreta" é necessário criar "confiança". Mais confiança, menos regulações, menos legislação da CE e menos impostos. Maria João Rodrigues aponta para a "união bancária" como forma de resolver a falta de investimento na zona euro e a recapitalização da banca, tendo "um mercado de capitais único". Mira Amaral, disse que para resolver os problemas da indústria portuguesa não basta o 4.0 [NR] ; que apenas 2% dos doutorados (Phisical Doctors) trabalhavam em "business".

A CIP está a preparar um novo programa industrial.

6 – QUESTÕES LABORAIS

A 10ª proposta da CIP, incide nas questões laborais, considera "fundamental preservar as reformas implementadas nos últimos anos, no sentido de favorecer a competitividade das empresas e a sua adaptabilidade às constantes alterações dos mercados, bem como avançar com novas medidas que reforcem esse objetivo". Considera absolutamente irreversíveis as alterações de 2012 do Código do Trabalho.

Silva Peneda: "é óbvio o que vai acontecer no mercado de trabalho: apenas 25% dos empregos criados são contrato permanente, a tendência é baixar. Pretende-se pessoal qualificado e flexível, mas as pessoas estão focadas na produção em massa. "Os sistemas sociais estão desadequados: devem estar focados no indivíduo e não na profissão."

A revolução tecnológica será servida por "profissões não rotineiras" que atingirão 50% dos trabalhadores, as outras profissões enfrentarão "o desemprego e a desigualdade salarial". O "não rotineiro" consiste em um trabalhador hoje ter horário completo, depois parcial: hoje numa empresa amanhã noutra ou noutro local; hoje empregado amanhã…

Para Gonçalo Lobo Xavier (na CESE pela CIP), "a flexibilidade laboral é uma virtude". "Não há semana em que não haja greves em França ou na Bélgica". Citou um "sindicalista grego" que demorou 12 horas a ir de Atenas a Bruxelas devido a greves: "estou farto destes sindicatos". O representante da MEDEF (França) disse que as pessoas querem segurança e emprego "mais nada". No fascismo não se diria melhor…

Em resumo pretende-se que "o mercado de trabalho" tem de estar preparado para a revolução tecnológica e a inovação. O conceito de segurança no emprego dos "anos 50 e 60" (?!) tem de ser substituído pela "flexisegurança". "Os sindicatos não estão a perceber o filme". A relação com o trabalho tem de ser muito diferente do passado.

7 – QUESTÕES DA UE

A revolução tecnológica deve ter uma abordagem abrangente a nível europeu. Mas o Investimento deve ser feito a pensar na globalização (leia-se: ignorando as necessidades nacionais). Se "completar a construção europeia" pareceu ser uma ideia geral, não deixa de haver muitas divergências. Assim o representante francês: diz que a UE tem de fazer melhor que cada país e se não se pensar nas pessoas a UE desaparece. Mira Amaral afirma que políticas monetárias não resolvem os nossos problemas.

8 – COMO CONCLUSÃO

As contradições são mais que evidentes em todo os discursos: a sociedade inclusiva e a flexibilidade; a flexisegurança e as regras orçamentais, etc. Burocratas e capitalistas sentem contudo que a maior dificuldade aos seus planos é o sindicalismo de classe. O mais chocante é que para esta gente, em tudo o que se tratou não existem pessoas dotadas de vontade e aspirações. Nos seus planos têm de ser uma espécie de "plasticina" moldada ao sabor de uns seres superiormente iluminados. Como dizia o salazarismo: "nós sabemos o que é melhor para Portugal e os portugueses".

Também os fascismos se apresentaram como "modernidade". Mas como o passado de há muito demonstrou, nenhuma "revolução tecnológica" salva o capitalismo das suas contradições e crises.

05/Julho/2016

[NR] Indústria 4.0: Acrónimo para 4ª Revolução Industrial

Anexos:
1- CIP, O conceito de reindustrialização, indústria 4.0 e a política industrial para o século XXI – o caso português
2- CIP, Acreditamos em Portugal – 10 prioridades para o crescimento e o emprego


Estas notas encontram-se em http://resistir.info/ .
09/Jul/16