A baixa escolaridade dos patrões portugueses

– Inferior à dos trabalhadores e à dos patrões dos países da UE
– Obstáculo à recuperação económica e ao desenvolvimento do país

por Eugénio Rosa [*]

Neste estudo, utilizando dados do Eurostat, mostro que:
(1) Em Portugal, o nível de escolaridade da maioria dos patrões é inferior à dos trabalhadores (55,8% têm o ensino básico e apenas 21,7% o ensino superior, enquanto os trabalhadores 45,5% têm o ensino básico e 27,2% o ensino superior);
(2) Na UE o nível de escolaridade dos patrões é muito superior à dos patrões portugueses (apenas 17,5% têm o ensino básico);
(3) A baixíssima escolaridade dos patrões portugueses constitui um obstáculo sério à recuperação económica e ao desenvolvimento do país mas, apesar disso, ninguém fala nem se preocupa;
(4) Contrariamente ao que se pretende fazer crer a produtividade do trabalho em Portugal tem aumentado mais que a média da UE (entre 2004 e 2013, aumentou em Portugal 11,9% e na UE apenas 7,2%) e os custos salariais reais têm diminuído mais no nosso país do que na UE. (Portugal: -4,2%; UE: -0,5%)

A produtividade e a competitividade das empresas, de que tantas vezes se fala (a competitividade transformou-se no "novo deus" do Capital e dos seus defensores), dependem muito da liderança, da organização e da inovação a nível das empresas. E estas dependem muito da competência e da capacidade de quem as dirige e organiza, ou seja, do empresário. Por isso, o seu nível de escolaridade é fundamental pois, embora não seja uma condição suficiente, é condição absolutamente necessária para aceder a maiores e mais elevados níveis de conhecimento, de competência e das capacidades indispensáveis e ter maior capacidade de adaptação e de resposta num mundo onde o comercio, a inovação e o saber estão cada vez mais globalizados e em permanente alteração. Por essa razão, o baixíssimo nível de escolaridade da maioria dos patrões portugueses, inferior mesmo à dos trabalhadores, como se vai mostrar, `de que ninguém fala e parece não se preocupar (patrões e governo só falam da necessidade de aumentar a qualificação dos trabalhadores, mas não a dos patrões que é tão ou ainda mais necessária), constitui um obstáculo sério à recuperação económica e ao desenvolvimento do país.

A MAIORIA DOS PATRÕES PORTUGUESES CONTINUA A TER UM BAIXO NÍVEL DE ESCOLARIDADE, MESMO INFERIOR À DOS TRABALHADORES

Os dados do quadro 1 são do Eurostat e mostram que a esmagadora maioria dos patrões portugueses continuava a ter, em 2015, um baixíssimo nível de escolaridade, constituindo um obstáculo estrutural ao desenvolvimento do país.

Quadro 1.

Em 2015, mais de metade dos patrões portugueses tinha apenas o ensino básico ou menos. O número de patrões com o ensino secundário e pós-secundário era apenas de 45,5 mil (22,4%), e os com o ensino superior somente 44 mil (21,7%), enquanto os que tinham o ensino básico eram 113,2 mil (55,8%). Enquanto a nível de patrões, a percentagem dos que possuíam apenas o ensino básico (55,8%) era bastante superior aos que possuíam o ensino secundário mais os que possuíam o ensino superior ( 44,1% do total) , em relação aos "assalariados" (trabalhadores por conta de outrem ) verificava-se precisamente o contrário. Os que possuíam o ensino secundário e superior (54,5%) eram claramente maioritários, sendo o seu numero de 1.998,4 mil, enquanto os trabalhadores com o ensino básico eram 1.666,9 mil.

O NÍVEL MÉDIO DE ESCOLARIDADE DOS PATRÕES NA UNIÃO EUROPEIA

Uma análise comparativa do nível médio de escolaridade dos patrões dos países da União Europeia, revela também que o nível de escolaridade dos patrões portugueses é claramente inferior à média da UE. O quadro 2, com dados do Eurostat, prova isso.

Quadro 2.

Em Portugal, em 2015, 55,8% dos patrões portugueses possuía apenas o ensino básico, enquanto na União Europeia os patrões com este baixíssimo nível de escolaridade, eram apenas de 17,5%, ou seja, três vezes menos. No nosso país, os patrões com o ensino secundário representavam 22,4% do total de patrões, enquanto nos países da União Europeia a percentagem era de 43,9% (+96%, quase o dobro); finalmente, em Portugal, a percentagem de patrões com o ensino superior era apenas 21,7%, enquanto a média nos países da U.E. atingia 38,3% (+76,5%). É evidente que com patrões com este baixíssimo nível de escolaridade o país não conseguirá vencer os graves problemas que enfrenta atualmente nem os desafios futuros . Esta é uma questão "tabu" para a maioria dos media, e para o próprio governo que não se "atreve" a enfrentá-la, apesar de constituir um défice estrutural do país e um obstáculo importante ao desenvolvimento do país.

PRODUTIVIDADE DO TRABALHO TEM AUMENTADO MAIS EM PORTUGAL DO QUE NA UE

Contrariamente ao que muitas vezes se pensa ou diz, nomeadamente nos media, o aumento da produtividade do trabalho em Portugal tem sido superior à média dos países da União Europeia e o custo salarial real tem diminuído muito mais no nosso país do que nos países da União Europeia. É o Eurostat que confirma isso (quadro 3).

Quadro 3.

Entre 2004 e 2013 (são os últimos dados disponibilizados pelo Eurostat, mas a situação atual certamente não alterou) a produtividade real do trabalho por empregado aumentou 7,2% em média nos 28 países da União Europeia, enquanto em Portugal cresceu 11,9% (+65,3%). Neste mesmo período, o custo salarial real unitário diminuiu nos países da U.E.-28 apenas -0,5%, enquanto em Portugal reduziu-se -4,2%, ou seja, diminuiu 8 vezes mais. Estes dados oficiais mostram de uma forma muito clara que a razão da falta de produtividade e competitividade das empresas portuguesas não está nem no baixo crescimento da produtividade do trabalho nem no aumento do custo salarial real. As verdadeiras causas são certamente outras e, uma delas, é certamente o baixíssimo nível de escolaridade da esmagadora maioria dos empresários portugueses que os torna incapazes de enfrentar com êxito os desafios do mundo atual. Com estes empresários o país não vai certamente longe, mas ninguém fala disso.

08/Dezembro/2016

[*] edr2@netcabo.pt

Este artigo encontra-se em http://resistir.info/ .
12/Dez/16