"São animais, não pessoas":  Zelensky libertou violadores de crianças condenados e torturadores como reforço militar

Esha Krishnaswamy [*]

O secretário-geral da ONU decidiu dar credibilidade – já não falando dos desacreditados governantes UE/NATO – ao governo de Kiev, assumindo as suas posições e mesmo reivindicações. Ou é incompetente, ou inconsequente, ou pior. Tinha obrigação de não ignorar o Relatório da Amnistia Internacional, relatos de cidadãos ucranianos e trabalhos de investigação jornalística. António Guterres que então qualificou bombardeamentos da NATO como intervenção humanitária, fez mais uma vez papel de, no dizer popular, “santo de pau carunchoso”. O presente trabalho de investigação jornalística mostra-nos o percurso e ações dos grupos nazis no drama da Ucrânia após o golpe de 2014, saudados pelos patronos ocidentais como defensores da democracia.
DVC

O fundador do Batalhão Tornado. De acordo com uma reportagem de 11 de julho nos media ucranianos, Ruslan Onishenko, comandante do extinto Batalhão Tornado, foi libertado como parte do esquema do presidente Zelensky para conseguir prisioneiros com experiência de combate.

Com um compromisso inabalável com o fascismo, Onishenko é conhecido como um sádico psicopata envolvido em agredir sexualmente crianças, torturar brutalmente prisioneiros e assassinatos. A libertação de Onishenko deve-se a um decreto de 27 de fevereiro de Zelensky para libertar ex-membros condenados do batalhão nazi Tornado, como Danil “Mujahed” Lyashuk, um fanático da Bielorrússia que incentivou abertamente o ISIS e se gabou de torturar prisioneiros por puro prazer. De acordo com o decreto de Zelensky, os prisioneiros com experiência em combate poderiam “compensar sua culpa” lutando nos “pontos mais quentes”.

Em 2015, quando foi fornecido apoio oficial ao Batalhão Tornado, Onishenko enviou uma mensagem para dois colegas “patriotas”, Voldomor e Svetlana Savichuk, propondo a Svetlana “chupar meu pau na frente dos miudos” (sic). (Veja capturas da conversa aqui).Também pediu a Savichuk para realizar atos lascivos com seus filhos para seu prazer visual. Apesar da magnitude de seus crimes, que incluíram tortura, assassinato, estupro – incluindo crianças – sequestro, amputação e muito mais, Onishenko foi condenado a meros 11 anos de prisão em 11 de abril de 2017. Agora, depois de cumprir apenas cinco anos da sentença, o predador foi libertado por um presidente que é saudado pelos patronos ocidentais como defensor da democracia.

O ato de Zelensky não é apenas um sinal de desespero pelas suas forças armadas serem derrotadas no leste. Ele aumentou a impunidade virtual que os batalhões ucranianos infestados de criminosos e neonazis têm desfrutado durante mais de oito anos como executores oficiais do regime pós-Maidan.

À medida que as unidades regulares desertavam após o Maidan, os batalhões paramilitares preenchiam a lacuna

Em fevereiro de 2014, quando o golpe Euromaidan apoiado pelos EUA expulsou o presidente democraticamente eleito da Ucrânia, o novo regime de Kiev enfrentou uma crise. Em todo o país, unidades militares e governos locais estavam cheios de russos étnicos e outros elementos supostamente “anti-patrióticos”. Políticos étnicos russos, principalmente do leste, foram rotulados como “deputados radicais” e sequestrados, caçados ou forçados a fugir.

Em 23 de fevereiro de 2014, Oleksandr Turchynov tornou-se presidente interino da Ucrânia e promulgou uma legislação abrangente sem mandato eleitoral ou constitucional. Por toda a Ucrânia, a maioria dos cidadãos recusou-se a reconhecer a legitimidade do novo regime golpista. Áreas a leste do rio Dnieper habitadas por um grande número de falantes de russo, judeus, muçulmanos e outras minorias nacionais logo se tornaram alvos dos paramilitares de direita como o batalhão Tornado de Onishenko.

Nas cidades do leste em Lugansk, Donetsk, Mariupol, Odessa e Kharkiv, os habitantes sitiaram prédios do governo local e prédios dos serviços de segurança ucranianos pressionando por um referendo sobre a independência. Nem os militares locais nem a polícia tentaram parar esses manifestantes.

De acordo com um Relatório militar dos EUA de 2016:

Nenhuma resistência armada foi encontrada pelas forças pró-russas no início. De facto, a verdadeira situação no terreno era ainda pior. De acordo com o ministro do Interior ucraniano, 70% da polícia da região havia permitido ou ajudado ativamente as ocupações de edifícios.

Quando o governo pós-Maidan se recusou a conceder a esses cidadãos um referendo ou uma representação significativa no governo, dois dos Oblasts orientais, Donetsk e Lugansk, declararam independência.

A crise de legitimidade do governo pós-Maidan cresceu quando Unidades militares ucranianas enviadas a Donetsk para liquidar a rebelião acabou desertando para o lado dos habitantes anti-Maidan. Desesperado para salvar o novo regime, o presidente interino não eleito Turchynov anunciou operações antiterroristas em larga escala, a fim de "sufocar os terroristas" no leste. No entanto, os militares ucranianos permaneceram obstinados, recusando-se em grande parte a seguir as ordens de Kiev.

Em abril de 2014, a 25ª brigada aérea das Forças de Ataque de Alta Mobilidade das Forças Armadas ucranianas foi enviada a Donetsk para travar uma guerra contra seus moradores. No entanto, nas palavras de Turchynov, em 17 de abril de 2014, no Verkhovna Rada, "a 25ª Brigada Aerotransportada, cujos militares mostraram cobardia e se renderam, será dissolvida. O Ministério da Defesa recebeu essa instrução".

Turchynov enviou uma ordem correspondente ao Ministério Público exigindo a punição criminal dos militares desobedientes. Enquanto o Ministério da Defesa ucraniano negava que a brigada tivesse desertado para o lado dos separatistas, tanques da unidade começaram a hastear a bandeira da RPD, como até os grandes media ocidentais relataram.

Dias após o presidente interino "dissolver" a 25ª Brigada, o recém-instalado "vice-governador" de Dnipropetrovsk anunciou a formação de "forças especiais" a fim de "proteger o oblast" de cair nas "mãos da Rússia". Enquanto o salário mediano na Ucrânia em 2014 era 3 480 ₴ (US$117), "voluntários" para esses batalhões, recebiam 29 528 ₴ (US$1000) por mês. Quase dez vezes o salário médio na Ucrânia.

Após a perda de partes de Lugansk e Donetsk e de toda a península da Crimeia, Kiev acreditava que o Oblast de Dnipropetrovsk, com sua grande população de língua russa, seria o próximo Oblast a declarar independência. Incapaz de confiar nos militares ucranianos, nem na atual força policial, que eles consideravam estar "infiltrada por separatistas pró-russos", Kiev oficialmente delegou nos paramilitares fascistas que tinham funcionado como forças musculadas de rua durante o golpe Maidan.

Em março de 2014, Kiev aprovou uma lei que estabelecia uma "guarda nacional" a ser supervisionada pelo Ministério do Interior. Com o consentimento do então ministro do Interior Arsen Avakov, o bilionário ucraniano Igor Kholmoisky financiou a criação de algumas das mais notórias forças de defesa territorial. O primeiro destes "batalhões especiais de polícia", Dnipro-1, nasceu da fortuna do oligarca. Um dos delegados de Kholmoisky, Boris Filatov, afirmou que o objetivo desses batalhões especiais era "unir o país novamente".

Ao invés disso, estes batalhões especiais (Dobrobats) foram recrutados no núcleo de ativistas Maidan que lutaram contra a polícia anti-motim do presidente deposto. Oleg Lyashko, um auto-intitulado "deputado do povo" que fundou o Partido Radical e apareceu no palco principal durante os comícios pró-golpe Euromaidan, tentou estabelecer seu próprio Dobrobat chamado "Ucrânia." Como Lyaschko não tinha dinheiro para financiar um batalhão, o seu grupo teve de fazer testes para obter o apoio dos oligarcas, voluntariando-se para lutar na cidade de Torez, no Donetsk.

Nessa época, Ruslan Onishenko era conhecido pela sua carreira criminosa com três condenações por roubo, agressões e sequestro. Nascido Ruslan Abalmaz, ele adotou o nome da família da sua mulher, "Onishenko", depois do Euromaidan. Tendo nascido em Torez, tornou-se uma figura central na "formação e testes" do novo batalhão de Lyashko.

O plano para retomar Torez aos separatistas fracassou, Onishenko e o seu grupo fugiram para Dnepropetrovsk, para a cidade do multimilionário Igor Kholmoisky. Finalmente, com o apoio do ministro do Interior Arsen Avakov e do seu vice, o político de direita Anton Gerashenko, Onishenko foi capaz de convencer Kholmoisky a financiar um novo batalhão chamado "Shaktorysk".

Em junho de 2014, uma campanha de relações públicas pelo Batalhão Shaktyorsk começou na EspressoTV, sítio não oficial dos "batalhões especiais", bem como em UkroTV, elogiando Onishenko como "o homem que luta pela alma do país".

No mesmo mês, os combatentes do Shaktorysk passaram a ser treinados sob os auspícios do comando da polícia regional. Em 8 de julho de 2014, esta recente unidade policial foi oficialmente "graduada" e fez juramento antes de ser colocada em Mariupol.

De acordo com o ex-agente da SBU Vassily Prozorov, que denunciou os crimes do Shaktorysk, "A partir da decisão do ministro do Interior Avakov de estabelecer unidades especiais de “patrulha” policial dentro da estrutura do Ministério do Interior, estas unidades começaram a aparecer como cogumelos depois da chuva". Os batalhões especiais cresceram de apenas dois, a seguir ao Euromaidan, para 59 em alguns meses.

Sete dias antes de terem abandonarem o campo de treino, os membros do batalhão Shaktoyrsk exibiam suas tendências sádicas. Em 1 de julho, uma semana antes do treino da unidade terminar, um civil local chamado Ruslan Kyrenkov visitava a casa de um amigo quando foi abordado por "um bando de homens armados". Eles o arrastaram para fora da casa, alegando que ele era um separatista, levaram-no para uma de suas prisões secretas. A sua provação durou dois dias, mas ele disse a esta jornalista, "parecia que tinham sido 15 dias".

Kyrenkov foi amarrado a uma cadeira, enquanto um membro mascarado do batalhão lhe aplicou um maçarico aceso sobre o peito e braços. Ele foi torturado três dias seguidos. Ainda hoje, carrega as cicatrizes de sua tortura. "Estavam muito mais escuros", disse sobre suas feridas de terceiro grau, "mas agora branquearam".

O Batalhão de Shaktoyrsk não era o único na barbárie. Muitos dos “batalhões especiais” operavam com total impunidade, enquanto os seus comandantes arrecadavam dinheiro com o contrabando de praticamente qualquer mercadoria, sabendo que podiam estabelecer um monopólio por meio da violência.

Por exemplo, em julho de 2015, o Right Sektor operava contrabando de tabaco na cidade de Mukachevo. Quando eclodiu um conflito entre duas fações desta unidade de extrema-direita, houve um tiroteio e a polícia tentou intervir.

De acordo com o Ministério Público local: “Em 11 de julho, por volta das 14h20 pessoas armadas e camufladas com os rótulos “Right Sektor” e dísticos semelhantes nos seus automóveis chegaram para um encontro com locais num café com o objetivo de dividir as esferas de influência. Eclodiu um conflito e os homens armados começaram a disparar no estabelecimento supracitado. De acordo com informações preliminares, 6 policias e 3 civis sofreram ferimentos de armas de fogo com vários graus de gravidade. Cinco dos homens armados com as etiquetas “Right Sektor” também sofreram ferimentos”.

Os membros do Right Sektor acabaram fugindo da polícia, que não conseguiu desarmá-los. Depois da polícia os ter perseguido, retaliaram fazendo refém um menino de 6 anos. Em 25 de julho de 2015, não tendo desarmado o Right Sektor, o ministro Arseniy Avakov suspendeu o chefe de polícia de Mukachevo. O gangue de direita agora poderia não apenas prosseguir as suas atividades de contrabando sem assédio policial, mas também decidir quem seria o próximo chefe da polícia local.

Zelensky a zombar da corrupção da polícia ucraniana.

Junto com a impunidade total, os paramilitares de direita receberam um stock aparentemente infinito de armas dos EUA. O então comediante Zelensky abordou este caso numa das suas cenas de comédia televisivas. Numa parte particularmente notável, Zelensky interpretou um policia pós-Maidan cuja única qualificação para o trabalho era ser sobrinho do chefe. Na cena, uma infeliz unidade de policias novatos acidentalmente explode dentro de um tanque. “Não se preocupe, a América vai substituí-lo”, declarou com um encolher de ombros de indiferença.

O comediante Zelensky zombava da corrupção da polícia ucraniana pós-Maidan. Como presidente, Zelensky parece ter esquecido os danos causados ao seu país pelos Dobrobats completamente fora de controlo – e autorizou a continuação da sua violência.

Tornado é formado durante o fracasso militar em 2014

Em agosto de 2014, o Batalhão Shakhtyorsk de Ruslan Onishenko participou noutra malfadada operação do governo para retomar uma área controlada pelos separatistas, desta vez na cidade oriental de Ilovaisk. Os Dobrobats acabaram sendo cercados por combatentes da Milícia Popular de Donetsk e forçados a abortar a missão. A dolorosa derrota foi um fator importante para forçar o governo do golpe de Kiev a negociar com as repúblicas separatistas do Donbass sob as diretrizes dos Acordos de Minsk.

Estranhamente, apesar de recuar com o rabo entre as pernas, o Batalhão Shakhtyorsk de Onishenko recebeu um louvor do ministro Arseny Avakov pela sua suposta bravura em Ilovaisk. No entanto, apenas um mês depois, em setembro de 2014, o presidente Poroshenko e outros membros do gabinete decidiram dissolver o Shakhtyorsk, acusando-o de saqueios.

Numa declaração confusa, Avakov disse:  "Enquanto lutava bravamente dentro de Ilovasky, o batalhão Shakhtyorsk foi dissolvido sob minhas ordens por causa de muitos casos de saques em Volnovakha e outros lugares próximos".

O batalhão Shakhtyorsk foi, assim, dividido em dois grupos: um que se autodenominava "Santa Maria”, e um segundo liderado por Onishenko chamado "Tornado", que consistia em grande parte de habitantes pró-Maidan de Lugansk e Donetsk, bem como alguns estrangeiros.

Enquanto isso, sob quatro vagas de mobilização em 2015, a Ucrânia tentou expandir as suas forças armadas regulares de 130 000 para 230 000. No entanto, a natureza casual do recrutamento só conseguiu atrair soldados que não eram capazes de efetivamente se envolverem em qualquer operação de combate. Em março de 2015, Yuri Birukov, um dos conselheiros do então presidente e oligarca multimilionário Petro Poroshenko, afirmou no Facebook que a Ucrânia conseguiu recrutar um grande número de "alcoólicos, vigaristas, drogados e idiota".

Em 2015, só na região do Donbass, as forças armadas ucranianas tiveram 16 000 casos de deserção. Algumas destas deserções ocorreram após uma lei que autorizava oficiais a legalmente dispararem sobre desertores. O governo ucraniano foi cada vez mais forçado a recorrer a extremistas Dobrobats como Tornado e líderes psicóticos como Onishenko para ajudar a combater os separatistas do leste.

"Esta unidade está fora de controlo": funcionários ucranianos e relatórios de direitos humanos patrocinados pelo Departamento de Estado detalharam o inacreditável sadismo do Tornado.

Tornado, como os outros Dobrobats, recrutaram uma mistura de fanáticos de extrema-direita e criminosos endurecidos. Suas fileiras incluíam o extremista bielorrusso Danil Lyashuk, que passou pela chamada "Mujahed" e fez declarações sobre a sua conversão ao Islão e apoio ao ISIS. Embora não esteja claro se Lyashuk realmente serviu no ISIS, ele estimulou abertamente o apetite da milícia islâmica pelo sadismo. Numa gravação áudio de 2015, Lyashuk proclamou: "sem tortura, a vida não é viver." Este tornou-se o seu lema.

Imediatamente após a sua formação oficial, alguns membros do Tornado começaram a vender suas armas no mercado negro. Em 2 de novembro de 2014, seis membros do Tornado foram desarmados e transferidos para Zaporizhya. Lá, eles tentaram extorquir dinheiro do presidente da municipalidade, Alexander Sin. No entanto, ele manteve-se firme e exigiu que fossem transferidos para fora de sua região. Então deparou-se com acusações de corrupção, separatismo e traição, pelos elementos nacionalistas radicais, mas por fim, garantiu a transferência destes extremistas para Lugansk, que ainda estava sob o controle de Kiev em 2015.

O Kharkiv Human Rights Group elaborou um relatório encomendado pelo Departamento de Estado dos EUA detalhando o terror imposto aos locais pelas "patrulhas diárias" do Tornado em Lugansk:

“Pessoas usando camuflados, com metralhadoras, derrubaram portas, invadiram casas particulares, realizaram buscas (sem permissão dos juízes), "requisitaram" valores, humilharam e espancaram proprietários, e ameaçaram matá-los. Eles arrastaram pessoas das ruas e postos de controlo com sacos sobre suas cabeças, levaram-nos para caves, onde "realizaram operações de identificação de separatistas" entre os moradores da localidade.

Muitos homens foram levados à força de suas casas sob escolta para um hospital em Novaya Kondrashovka. A maioria dos detidos foi libertada, mas houve casos de pessoas que desapareram depois de serem ilegalmente detidas por elementos do batalhão. Entre o verão de 2014 e o final de 2016, houve 11 casos conhecidos de moradores desaparecidos de Stanytsia Luhanska”.

Em 3 de janeiro de 2015, dois moradores de Lugansk, Sergey Valuveskii e seu amigo Kosta, foram vítimas do batalhão Tornado durante uma visita de rotina a uma loja na vila de Mareko. Para espanto dos moradores, a loja estava cheia, quando uma coluna de homens com equipamento militar, os rostos cobertos e espingardas automáticas, entrou. Valuveskii disse a um dos homens mascarados na loja: "Você está aí com uma metralhadora exibindo-se na frente de uma garota".

Este comentário inócuo foi suficiente para os milicianos mascarados arrastarem Valuveskii e Kosta para fora da loja e espancá-los com as metralhadoras. Depois, foram atirados dentro de uma viatura e levados para uma cave do hospital em Novaya Kondrashova. Após duas semanas de tortura, voltou para casa tão desfigurado que sua esposa foi incapaz de reconhecê-lo.

Enquanto Onishenko vagueia livremente graças a Zelensky, vários moradores de Lugansk que incorreram na ira da sua unidade permanecem na prisão pelos motivos mais insólitos. Um exemplo particularmente perturbador da crueldade do Tornado ocorreu após uma explosão num posto de controlo na cidade de Stanitsa Luganskaya que matou um soldado em janeiro de 2015. Um mês após a explosão, o Batalhão Tornado deteve um aposentado de 65 anos chamado Nikolay Ruban. De acordo com alegações de Markiyan Lubkivsky, conselheira do presidente dos Serviços de Segurança SBU da Ucrânia, o aposentado foi apanhado "em flagrante" carregando "TNT" e um detonador escondido num pote de mel.

Nikolay Ruban foi posteriormente torturado numa prisão subterrânea mantida pelo batalhão Tornado, de acordo com o relato de um colega prisioneiro.

"Eu o vi, esse avô, que mais tarde foi condenado por segurar um pote de mel num bloqueio", o ex-companheiro de cela disse ao Kharkiv Human Rights Group. "Ele também estava na cave de Motobond. Em primeiro lugar, o avô foi espancado. Ele estava quase nu e completamente descalço. Suas roupas estavam rasgadas. Ele chorava o tempo todo e pedia-me para explicar por que estava detido. Eles vinham a cada duas horas para o fazerem ceder. Pessoas diferentes vinham cada vez. Quando [um colega de cela] e eu fomos soltos, ele ainda estava lá. Assim como os outros prisioneiros. O que lhes aconteceu depois, não sei. Mais tarde soube que tinha sido condenado a 15 anos, fiquei chocado".

Ruban foi transferido para a custódia da SBU, onde depois de um ano, durante um julgamento altamente suspeito em que a única evidência era a posse de um pote de mel, foi condenado a 15 anos de prisão por cometer atos de terrorismo. Aparentemente também confessou ser um espião russo.

Outro local chamado Sergey Petrinko alegou que o Batalhão Tornado "o levou e a um amigo em plena luz do dia, a meio da tarde". No calabouço do batalhão, ele perdeu a noção do tempo e caiu num estupor aterrorizado. "Alguns estavam sempre lá", lembrou Petrinko. "Alguns foram trazidos, alguns foram levados, outros foram resgatados". Ele também testemunhou que raposas na floresta haviam desenterrado ossos de outro conhecido cujo corpo fora atirado depois de morrer na câmara de tortura do Tornado.

Em cima destes atos de crueldade, os membros do Tornado vangloriaram-se de extrema violência sexual, incluindo o estupro de crianças pequenas. Foi a propensão da unidade para esta perversão que provavelmente levou o Ministério do Interior a dar ordem de dissolução do grupo em junho de 2015.

Contudo, o governo ucraniano teve uma surpresa quando percebeu que não tinha autoridade para controlar esses batalhões. Depois da ordem de dissolver e revistar as bases do Tornado, o vice-ministro do Interior Gerashenko apareceu no Canal 112 pró-oposição para protestar contra o paramilitar extremista que ele havia pessoalmente designado. "Há uma ordem judicial para revistar a base onde o batalhão Tornado está localizado", Gerashenko declarou. "Se alguém se permite não cumprir a ordem judicial, neste caso, esta unidade está fora de controlo".

Mais tarde, em 18 de junho de 2015, o procurador militar-chefe Anatoliy Matios relatou que os combatentes do Tornado se recusaram a desarmar e barricaram-se na sua base numa escola em Severodonetsk.

As autoridades ucranianas foram finalmente capazes de prender Onishenko no aeroporto de Donetsk. Seus irmãos de armas responderam recusando-se durante vários dias a obedecer às ordens de Kiev, bloqueando a entrada a investigadores na sua base para realizar buscas, e ameaçando resistência armada se a polícia tentasse fazê-lo com o uso da força.

No meio da crise, Gennadiy Moskal, então presidente da Administração Militar-Civil de Lugansk, informou que os combatentes do batalhão Tornado tinham tomado posições defensivas e implantado equipamento militar preparando-se para uma batalha com Kiev. Eventualmente, depois de serem enviadas outras unidades militares ucranianas, o batalhão foi finalmente reprimido e seus membros presos.

Um filme de terror na vida real foi evidenciado no julgamento do batalhão Tornado

Após as prisões, o procurador-chefe ucraniano descobriu provas de crimes hediondos cometidos por vários membros do Batalhão. No telefone de Daniel "Mujahed" Lyshook, o promotor encontrou um vídeo (em 2:23), de outros dois membros do batalhão Tornado violando um terceiro homem. Lyshook alegou durante o julgamento que ordenou aquele horrível estupro porque achou divertido.

Durante os julgamentos de 2016, outra vítima sequestrada testemunhou ter sido acorrentado a uma bola amarela gigante durante semanas (ver após a marca de 10 minutos). O processo judicial também trouxe imagens doentias dos telemóveis dos combatentes do Tornado mostrando mulheres desfiguradas e cadáveres abandonados apodrecendo em bases militares.

O julgamento do batalhão Tornado ouviu depoimentos de 111 testemunhas, juntamente com evidências em zonas de Lugansk, de pelo menos 80 corpos, atribuíveis à violência do Tornado. Os juízes estavam esmagados com imagens de genitálias mutiladas, castrações e outras formas de tortura sexual.

Uma testemunha exibiu uma cicatriz em seu braço: um pénis e dois testículos sádicos gravados no braço esquerdo por um membro do Tornado com uma faca de esculpir. Na galeria, uma mãe foi forçada a ouvir testemunhos de como seu filho foi brutalmente violado pelo batalhão antes de ser morto. Testemunhas descreveram como uma menina de 10 anos foi sequestrada para resgate e violada repetidamente em filme até morrer pouco mais de uma semana depois de ser sequestrada.

O governo de Kiev reagiu com a condenação obrigatória dos capangas do Tornado, descrevendo-os como uma coleção de maçãs podres que não refletiam o caráter geral dos militares ucranianos.

Tatyana Chornovil, uma ativista do Euromaiden e ex-membro do batalhão ultranacionalista Aidar, foi ao canal 112 pouco antes do julgamento emitir um declaração dramática: "Os comandantes do Tornado foram presos e seus telemóveis apreendidos. Este é um vídeo de várias orgias sexuais, estupros. E eu até diria que havia recém-nascidos. Eu entendo que a mãe deste recém-nascido foi forçada a fazer isso sob a ameaça de morte de seu filho. Houve estupros de menores de idade. São animais, não pessoas".

Agora, Zelensky deixa os "animais" fora de suas gaiolas com a cobertura da guerra. Embora os membros do Tornado representem algumas das bestas mais selvagens que perseguiram a população, 58 outros batalhões precisamente como eles permanecem operacionais em toda a Ucrânia.

30/Julho/2022

Ver também:
  • How Corrupt is Ukrainian President Volodymyr Zelensky?
  • Assim o quiseste, assim o tiveste — o preço da energia
  • [*] Advogada, apresentadora de podcasts e especialista em estudos sobre revoluções coloridas, anti-imperialismo e História. Colabora em FAIR e The Greyzone.

    O original encontra-se em “These are animals, not people”: Zelensky frees convicted child rapists, torturers to reinforce depleted military

    Este artigo encontra-se em resistir.info

    27/Ago/22