O que poderia acontecer se os EUA rejeitassem o ultimato russo?

The Saker [*]

Há muitas discussões em curso sobre o que a Rússia poderia fazer se o Ocidente ignorasse o seu ultimato. Tudo o que me proponho fazer aqui é partilhar convosco algumas reflexões. Não se trata de uma análise exaustiva, apenas algumas ideias minhas sobre o que tenho ouvido.

Primeiro, Putin é simultaneamente muito previsível e, ao mesmo tempo, muito imprevisível. A coisa previsível sobre Putin é que ele só usa a força quando já não há outra opção. A coisa muito imprevisível sobre Putin é como e onde ele está disposto a usar a força. Ele não interveio no Donbass, o que todos esperavam, e não permitiu sequer que as LDNR tomassem Mariupol, sem se importar com o resto da Ucrânia. Mas quando transferiu uma força especial para a Síria, ninguém previu a sua chegada. Idem à mudança para proteger a Crimeia de uma invasão ucraniana. Ao avaliar os próximos passos possíveis de Putin, temos de ter em mente este paradoxo de ele ser previsível e imprevisível.

Em segundo lugar, não há maneira de a Rússia começar simplesmente uma guerra, nem contra a Ucrânia, nem contra a UE ou a NATO e nem contra os EUA. Só um tolo ignorante desencadearia deliberadamente uma situação que pudesse resultar num holocausto nuclear planetário. Mas a Rússia tem muitas outras opções.

Terceiro, enquanto nos anos 60 a URSS precisava de Cuba (ou da Venezuela) para posicionar os seus mísseis a fim de forçar os EUA a retirar os seus mísseis da Turquia, hoje em dia a Rússia não tem tal necessidade. As armas russas, tanto nucleares como convencionais, podem chegar aos EUA a partir de praticamente qualquer lugar, incluindo da Rússia, é claro.

Em quarto lugar, todos os porta-aviões da US Navy e outros navios têm agora alvos hipersónicos pintados sobre si, e eles sabem-no. Isto afectará dramaticamente o que a USN pode ser ordenada a fazer ou para onde se deve enviar. Alguns observadores acusaram a Rússia de ter a Ucrânia como refém. Isto é um disparate. Mas sim, os russos estão, para todos os efeitos práticos, a manter toda a USN como refém, desde pequenos barcos-patrulha a grupos de combate de porta-aviões inteiros. A única, mas importante, excepção a esta dominação são os submarinos de ataque nuclear, onde a Rússia tem paridade qualitativa (ou mesmo superioridade), mas onde os EUA têm uma forte vantagem quantitativa sobre a Rússia. Contudo, os submarinos da USN não têm mísseis modernos e não podem vencer uma guerra sozinhos. Têm também as mãos ocupadas com a China.

Em quinto lugar, sabemos pela dimensão da força terrestre russa actualmente destacada a várias centenas de quilómetros da fronteira russo-ucraniana que se trata de uma força defensiva cuja tarefa seria deter um ataque terrestre ucraniano contra as LDNR (forças Ukie, mas de menor dimensão, estão destacadas a algumas dezenas de quilómetros dessa mesma fronteira). Portanto, não espere para breve tanques russos no centro de Kiev.

Além disso, porque deveria a Rússia interferir de alguma forma se tanto a Ucrânia como a UE estão a cometer proactivamente suicídio cultural, económico, político, social e até espiritual?

Sexto, não nos devemos concentrar apenas no teatro europeu de operações militares. Recordemos que a China e a Rússia são agora oficialmente "mais do que aliados" e que a Rússia pode vender à China exactamente o tipo de material militar que realmente horrorizaria os EUA. Do mesmo modo, a Rússia pode facilmente atingir as forças dos EUA em qualquer parte do Pacífico, dissimuladamente e abertamente, a propósito.

Sétimo, depois há o Médio Oriente. Imagine-se o que a Rússia poderia fornecer, rapidamente, a, digamos, o Irão (enquanto fornece garantias verbais, mas significativas a Israel de que a Rússia não permitiria ao Irão utilizar esses sistemas contra Israel, a menos, claro, que Israel atacasse primeiro (Nota: não há muito amor entre a Rússia e Israel, mas pelo menos ambos os lados são suficientemente inteligentes para se compreenderem mutuamente, o que ajuda muito quando necessário).

Em oitavo lugar, a Rússia tem uma enorme vantagem sobre EUA+NATO na guerra electrónica (desde o nível táctico ao estratégico) e pode facilmente utilizá-la com um efeito devastador enquanto a NATO não tem nada para retaliar da mesma espécie. A propósito, isto também se aplica ao Médio Oriente onde, aparentemente, a Rússia tem os meios para interromper/ludibriar os sinais GPS em toda a região.

Nono, não devemos assumir que a Rússia só pode retaliar proactivamente, isso seria um erro. Por exemplo, a Rússia pode fazer à Alemanha o que o Kremlin fez à Ucrânia: deixar de atender as suas chamadas e permitir que o Nord Stream 2 seja totalmente detido. Porquê? Porque embora isto afecte apenas marginalmente a Rússia (os preços do gás já estão altos e a China absorve muito dele), ao mesmo tempo que é uma sentença de morte para a economia alemã, especialmente para as exportações. Assim, permitir que o NS2 fique "indefinidamente" (na realidade temporariamente) suspenso seria a melhor e, possivelmente, a única forma de trazer os alemães actualmente delirantes de volta à realidade.

Décimo, a Rússia poderia deixar de vender energia aos EUA. Sim, os EUA estão a importar muita energia da Rússia e se os russos decidirem parar com isto, o já claramente "pré-apocalíptico" estado da economia dos EUA sofrerá ainda mais e não se vê como os EUA possam recorrer à Venezuela ou ao Irão em busca de energia :-) Quanto a "Biden", ele já teve de libertar uma parte das reservas dos EUA.

Décimo primeiro, a Rússia poderia fechar o seu espaço aéreo a todos os países da NATO, estou a falar aqui do tráfego aéreo civil. A Rússia tem o espaço aéreo mais caro do planeta, e se ela o fechar aos transportadores ocidentais, o caos resultante no ar e no solo será total. Quanto aos custos de voar à volta da Rússia, eles seriam absolutamente enormes.

Em décimo segundo lugar, todos sabemos que a Rússia tem uma enorme vantagem sobre qualquer outro país em matéria de defesas aéreas. Combinada com a sua vantagem na guerra electrónica e nos sistemas automatizados de gestão de batalha, isso significa que a Rússia pode implantar uma "cúpula electrónica" não só sobre o Báltico ou o Mar Negro, mas também sobre toda a Ucrânia ou sobre as principais áreas do Médio Oriente. Os EUA+NATO chamam-lhe "anti-acesso/negação de área (A2/AD)" e estão bastante assustados com isto.

Mapa do Mar Negro.

Décimo terceiro, há então o movimento óbvio: reconhecer as LDNR como estados soberanos. Há um forte apoio a tal movimento, tanto nas LDNR como na Rússia. O Kremlin poderia fazer isso sem mover um único soldado ou disparar um único tiro, e depois observar o que os Ukronazis em Kiev fariam em relação a isso. O meu palpite é que os Ukronazis não fariam muito sobre isso, mas se o fizerem, os russos simplesmente declararão uma zona de exclusão aérea sobre as LDNR e avisarão que qualquer ataque às LDNR resultará na destruição da força atacante. Se os Ukies persistirem, as forças atacantes serão vaporizadas enquanto o resto dos militares Ukie perderão a sua coesão e desfazer-se-ão sob o efeito combinado de ataques russos e capacidades A2/AD. Putin falou recentemente do "ainda não reconhecido" e falou de "genocídio". Agora que sabemos que um Kalibr lançado de submarino tem um alcance "superior a 1000 km", vejamos como um submarino russo pode alcançar todos os Ukies a partir do centro do Mar Negro (Odessa estaria a menos de 500 km desse submarino) e lembremo-nos de que os Ukies não têm qualquer capacidade de guerra anti-submarina (ASW) e apenas defesas aéreas da era soviética (e estas de qualquer forma estão em péssimas condições). Para informação: a frota do Mar Negro tem 6-7 SSK (subs diesel-eléctricos), ao passo que as defesas costeiras russas "cobrem" todo o Mar Negro.

Décimo quarto, raramente, se é que alguma vez, informou-se no Ocidente, que a Ucrânia tem conduzido ataques terroristas tanto nas LDNR e mesmo na própria Rússia. Até agora, a Rússia nunca retaliou da mesma forma. Mas lembram-se do que aconteceu depois de os Takfiris terem explodido vários edifícios na Rússia? Se não, o que aconteceu foi a 2ª guerra chechena e a obliteração total dos Takfiris na Chechénia (o que todos os "analistas" ocidentais consideravam à partida como uma tarefa impossível). Até ao momento, o FSB conseguiu abortar todos os ataques ucranianos, mas se um for bem sucedido, então está acabado o regime de Kiev.

Décimo quinto, a Ucrânia está actualmente a construir bases navais para a NATO em vários locais, incluindo uma no Mar de Azov (que é o plano que os dois génios Johnson e Zelenskii conceberam). Supõe-se que este plano crie uma marinha ucraniana dentro de dois anos. Consegue imaginar como seria fácil para a Rússia deixar Johnson e Ze "brincar de Lego" durante algum tempo e depois simplesmente desactivar estas futuras bases?

Tenho a certeza de que há muitas mais opções que não considerei acima.

O poder do ultimato russo está precisamente no facto de os russos terem prometido fazer "alguma coisa" militar e/ou militar-técnica, mas não terem escrito o que essa "alguma coisa" poderia ser. Aposto que, na realidade, não estamos a lidar com uma única "alguma coisa", mas sim com uma sucessão de passos graduais que irão exercer cada vez mais pressão sobre os EUA e a NATO/UE (não que esta última seja a menos importante). Tenha em mente que, embora os EUA possam fazer contra-propostas, não estão em posição de fazer quaisquer ameaças críveis, daí a assimetria fundamental entre os dois lados:  A Rússia pode fazer ameaças críveis, ao passo que os EUA só podem produzir mais palavras, algo a que os russos basicamente deixaram de prestar atenção.

A partir de agora, o jogo é simples: A Rússia irá gradualmente aumentar o "mostrador da dor" e ver como o Império vai enfrentar isto. A China estará a fazer exactamente o mesmo pois as acções russas e chinesas são obviamente coordenadas de modo cuidadoso.

A minha sensação é que o tio Shmuel deixará os europeus guinchar de dor e apenas lhes dará "firme apoio moral aos nossos amigos, parceiros e aliados", preocupando-se apenas com uma coisa: ele próprio. Tão logo a dor comece a afligir seriamente os EUA, estes últimos serão forçados a negociar tanto com a Rússia como com a China.

Nessa altura, a Rússia e a China teriam vencido.

Quando a Rússia aumentará o mostrador da dor?

Pode-se imaginar que os primeiros passos serão dados em breve, a menos que o lado americano mostre alguns sinais tangíveis de estar disposto não só a negociar de forma significativa mas também a fazê-lo rapidamente. Putin acaba de repetir hoje que nenhuma táctica de adiamento dos EUA será aceitável para a Rússia.

Até agora, parece que os EUA irão fazer uma contra-oferta a Moscovo. Se for a treta habitual sobre a exclusividade dos EUA, o mostrador da dor será mostrado muito em breve, nas próximas semanas. Se a administração "Biden" for realmente séria e mostrar sinais tangíveis, verificáveis, de que Washington negociará, então a Rússia poderá esperar um pouco mais, estamos a falar de um mês, talvez apenas um pouco mais. Mas ninguém na Rússia está a falar de anos, ou mesmo de muitos meses. O relógio está agora a contar e os EUA têm de agir com grande rapidez: antes de Março, com certeza.

Terminarei com uma nota semi-optimista: "Biden" já me surpreendeu pelo menos duas vezes e talvez "ele" o faça novamente? Muitos analistas russos parecem pensar que Sullivan é a voz da sanidade na administração dos EUA. Também sabemos que o general Milley não estava disposto a arriscar um ataque preventivo chinês (o que seria um peido num furacão em comparação com o que os russos poderiam desencadear contra os EUA se decidissem antecipar um ataque dos EUA contra a Rússia). Haverá mais vozes sãs no estado americano (profundo ou não)? Talvez os Estados Unidos façam o que a Rússia fez e tentem parecer recuar apenas para ganhar tempo? Mesmo isso seria preferível a uma guerra em grande escala. Além disso, os russos estão bem conscientes de uma possível estratégia de retardamento, pelo que fizeram o seu ultimato vinculado a um prazo específico: "mostrem-nos algo tangível, e não apenas platitudes, ou então tomaremos medidas unilaterais".

Qualquer Presidente americano sensato não tentaria chamar a isto “o bluff de Putin".

Esperemos e rezemos para que "Biden" tenha sanidade suficiente para entender isso. Os EUA acabam de anunciar que uma resposta oficial será apresentada a Moscovo na sexta-feira.

Continuo muito, muito duvidoso, mas suponho que a esperança seja a última a morrer.

PS: hoje Putin falou com Sholtz e Macron, ontem com Johnson.
PPS: Putin declarou hoje que está "farto" do Ocidente: "E quando o direito internacional e a Carta das Nações Unidas interferem com eles, declaram tudo isto obsoleto e desnecessário". E quando algo corresponde aos seus interesses, referem-se imediatamente às normas do direito internacional, à Carta das Nações Unidas e às regras humanitárias internacionais. Estou farto de tais manipulações".

21/Dezembro/2021

[*] Analista militar.

O original encontra-se em thesaker.is/what-could-happen-next-if-the-usa-rejects-the-russian-ultimatum/

Este artigo encontra-se em resistir.info

/Dez/21