O reconhecimento russo das LDNR – algumas reflexões iniciais

The Saker [*]

Ouvi a reunião completa do Conselho de Segurança russo, depois o discurso de Putin à nação, depois a assinatura dos tratados de cooperação e apoio mútuo.

A primeira coisa que quero salientar é que este foi um evento muito cuidadosamente orquestrado – e não me refiro apenas às reuniões e à assinatura ao vivo de hoje. Para aqueles de nós que acompanham de perto a política russa, não pode haver dúvidas de que tudo isto foi preparado muito ANTES do ultimato russo ao Ocidente.

Este é "o plano" a que Putin uma vez se referiu abertamente.

Permitam-me que deixe isto claro: este reconhecimento NÃO deve, repito, NÃO, ser visto isoladamente. É apenas UMA FASE de um PROCESSO que começou há pelo menos um ano, ou mais, e há muito mais por vir.

A seguir, isto deve ser repetido novamente, NÃO se trata das LDNR, do Donbass ou mesmo da Ucrânia, trata-se de uma nova arquitectura de segurança na Europa e portanto em todo o nosso planeta.

Isto significa que a Rússia esperava exactamente a reacção que acabou por ter (os políticos ocidentais são fantasticamente previsíveis, sendo tanto ignorantes como estúpidos e arrogantes) e isso deu-lhe uma base legal para tomar a acção actual (chame-lhe R2P, ou dever moral, ou prevenção de genocídio ou o que mais desejar).

Quero aproveitar esta oportunidade para expressar a minha profunda gratidão ao Presidente Biden e ao Chanceler Scholz que desempenharam ambos o seu papel com perfeição, especialmente Scholz com o seu comentário "conversa de genocídio ridícula". Em termos mais gerais, muito do crédito pelo que acabou de acontecer hoje vai para os líderes do Império que desempenharam a sua função exactamente como o Kremlin esperava que o fizessem.

A seguir, quero mencionar imediatamente as sanções. Que se diga claramente: quaisquer que sejam as sanções que o Ocidente agora concorde, será as que teriam feito em qualquer caso. Repito:   o reconhecimento de hoje das LDNR terá exactamente influência ZERO sobre a determinação maníaca do Ocidente em destruir a Rússia e o seu povo. Por outras palavras, as sanções vindouras eram inevitáveis. Isso significa que a Rússia "perdeu" exactamente *nada* através desse movimento. De facto, tanto durante a reunião do Conselho de Segurança como no seu discurso, Putin insinuou que, se alguma influência tiveram, as sanções ocidentais foram mais benéficas para a economia russa (especialmente a economia real e não apenas o valor das acções russas ou do rublo).

As sanções são um tema que só interessa aos políticos ocidentais (e às suas 5ª e 6ª colunas na Rússia). Os russos 1) lembram-se que durante a sua história tanto a Rússia como a URSS estiveram mais ou menos sempre sob algum tipo de sanções e 2) que o objectivo do Ocidente não é alcançar um equilíbrio com a Rússia, mas subjugá-la e destruí-la (o próprio Putin disse-o há muitos anos).

Neste contexto, o foco interminável nas sanções (do inferno ou não) não é apenas imoral, é claramente estúpido.

A seguir, quero mencionar quatro ameaças específicas feitas por Putin hoje (note-se, uma vez que o pessoal de RP no Kremlin ainda está a trabalhar ao seu ritmo habitual, terei de as fazer de memória, por favor tenha isso em mente):

Mais uma vez, vou repetir aqui o que escrevi acima:   este reconhecimento NÃO deve, repito, NÃO, ser visto isoladamente. É apenas UMA FASE num PROCESSO que começou há pelo menos um ano, ou mais, e muito mais está para vir.

A menos que os Ukies o recebam – e provavelmente não o farão – espero plenamente que a Rússia estenda abertamente o "guarda-chuva militar" sobre as LDNR. Isso não significa que ela terá de deslocar tropas, embora isso seja agora também uma possibilidade, mas que qualquer futura operação terrestre dos Ukie será contrariada pelo poderio total dos militares russos. Oficialmente, desta vez. Os Ukros ao longo da linha de demarcação ouviram-no da própria boca de Putin: temos um alvo pintado em cada um de vós. Embora eu não apostasse nada além dos Ukros, acredito que a clara ameaça de hoje terá um forte efeito dissuasor, quer os Ukies o admitam (não vai acontecer) ou não.

Depois de ouvir tudo isto, ainda tenho algumas perguntas para as quais por enquanto não obtive resposta:

Fronteiras de Donetsk e Lugansk.
  1. Em que fronteiras exactas é que a Rússia reconhece a LNR e a DNR? Ao longo da linha de demarcação ou ao longo das suas fronteiras administrativas originais? (ver mapa). Suspeito fortemente que, durante algum tempo, a Rússia manterá um flou artistique sobre este tópico, mas o que Putin quis dizer foi um reconhecimento das LDNR nas suas fronteiras administrativas originais. Se estou certo, isto também significa que a Rússia não libertará o resto de Banderistão, o que também aprovo inteiramente: os ucranianos precisam de se libertar, por uma vez, daquela constante espera pelos moscovitas para os libertarem dos seus "amigos ocidentais"!

  2. Putin mencionou as imensas somas de dinheiro que a Rússia despejou na Ucrânia, mesmo depois de se ter transformado em Banderistão. Será que a Rússia *finalmente* irá impor um embargo económico a esse Estado nazi?

  3. Tendo as DNR/LNR acabado de serem reconhecidas, elas não são membros do CSTO. Não só isso, mas duvido muito que todos os membros do CSTO irão reconhecer as LDNR em breve. Portanto, se houver necessidade de lançar uma operação de "coacção à paz", irá a Rússia agir unilateralmente, talvez com a Bielorrússia, ou tentará ela conseguir algum tipo de operação conjunta com outros países? Isto acabou de chegar: o Ministério da Defesa russo anunciou que recebeu a ordem de fornecer/garantir a segurança das LDNR! Isso significa que foi ordenada uma imposição de paz (coacção à paz)!

Alguns serão tentados a concentrar-se no que os políticos ocidentais irão dizer ou fazer a seguir. Não faço ideia do que poderão ou não fazer a seguir, mas aconselho-os a serem extremamente cuidadosos, porque o estado de espírito na Rússia é determinado. Se alguém ainda acreditar que Putin está a fazer bluff, então desejo-lhes boa sorte, porque o melhor que podem esperar é uma morte rápida e indolor.

Para os norte-americanos, tudo é medido em dólares. Para os europeus, tudo é medido em euros. Durante a II Guerra Mundial, a Rússia perdeu 27 milhões do seu próprio povo, dois terços dos quais civis, e para os chineses, perderam uns impressionantes 35 milhões. Estes são países e nações que não serão quebrados, ou comprados, por dólares ou euros.

Depois, há o seguinte: se o Ocidente aplicar "sanções do inferno" à Rússia, o que farão os líderes do Ocidente no dia seguinte à imposição de tais sanções? A verdade é que o Ocidente já está com a capacidade esgotada para sanções. Mas vamos supor que haverá ainda mais sanções. Do inferno, não menos. E depois?

Nada, é claro.

A Rússia já há muito que se afastou do Ocidente, não só culturalmente mas também economicamente (Mishustin confirmou isso hoje). Se a UE quer cometer seppuku económico – isso está bem para a Rússia. O Kremlin está bastante disposto a aumentar o mostrador da dor, mas se os líderes ocidentais quiserem aumentar o mostrador da dor uns sobre os outros (os EUA a aumentar o mostrador da dor económica para a UE), por todos os meios, a Rússia não se oporá.

Como sempre, sugiro que não saltemos demasiado depressa para outras conclusões: vamos esperar pelas transcrições oficiais completas, depois as declarações dos principais políticos (que serão encarregados de implementar/interpretar estas declarações). Nesta situação, as palavras são importantes (pelo menos as dos funcionários russos).

Concluirei com uma advertência: Espero plenamente que os agentes da CIA/MI6 na Rússia (5ª coluna: liberais; 6ª coluna: emo-Marxistas e pseudo-patriotas) desencadeiem pessoalmente uma GRANDE ofensiva PSYOP contra Putin e esta decisão. Os argumentos incluirão tudo e qualquer coisa entre "não suficiente" e "demasiado", incluindo o inevitável "demasiado pouco demasiado tarde". Se há uma coisa que precisa de saber sobre a 5ª e 6ª colunas na Rússia é que para eles qualquer êxito de Putin (ou mesmo enquanto Putin estiver no poder) é categoricamente inaceitável e deve ser negado a todo o custo. Assim, se bem que afirmem odiar-se mutuamente, realmente odeiam Putin muito mais. Na verdade, odeiam Putin muito, muito mais do que amam a Rússia. Exorto vivamente todos os leitores a pensarem sempre cui bono quando ouvirem os seus infindáveis lamentos derrotistas!

Bem, vou terminar aqui: vamos ver o que acontece a seguir.

21/Fevereiro/2022

[*] Analista militar.

O original encontra-se em thesaker.is/russia-recognition-of-the-ldnr-a-few-initial-thoughts/

Este artigo encontra-se em resistir.info

22/Fev/22