Discurso aos participantes e convidados da 10ª Conferência de Moscou sobre Segurança Internacional


Vladimir Putin [*]

Putin.

Senhoras e senhores,

Estimados convidados estrangeiros,

Deixe-me dar-lhes as boas-vindas ao 10º Congresso de Moscou sobre Segurança Internacional. Durante a última década, seu fórum representativo tornou-se um importante local para discutir os problemas político-militares mais urgentes.

Hoje, esta discussão aberta é particularmente pertinente. A situação no mundo está mudando de forma dinâmica e os contornos de uma ordem mundial multipolar estão ganhando forma. Um número crescente de países e povos está escolhendo um caminho de desenvolvimento livre e soberano baseado em sua própria identidade, tradições e valores distintos.

Estes processos objetivos estão sendo combatidos pelas elites globalistas ocidentais, que provocam o caos, deflagrando conflitos antigos e novos e perseguindo a chamada política de contenção, que na verdade equivale à subversão de qualquer opção alternativa de desenvolvimento soberano. Assim, eles estão fazendo tudo o que podem para manter a hegemonia e o poder que estão escapando de suas mãos; eles estão tentando manter os países e os povos no controle do que é essencialmente uma ordem neocolonial. Sua hegemonia significa estagnação para o resto do mundo e para toda a civilização; significa obscurantismo, cancelamento da cultura, e totalitarismo neoliberal.

Eles estão usando todos os meios. Os Estados Unidos e seus vassalos interferem grosseiramente nos assuntos internos dos Estados soberanos, encenando provocações, organizando golpes de Estado ou incitando guerras civis. Por meio de ameaças, chantagem e pressão, eles estão tentando forçar os Estados independentes a se submeterem à sua vontade e a seguirem regras que lhes são estranhas. Isto está sendo feito com um único objetivo em vista, que é preservar sua dominação, o modelo secular que lhes permite apossar tudo no mundo. Este modelo, porém, só pode ser mantido pela força.

É por isso que o Ocidente coletivo – o chamado Ocidente coletivo – está deliberadamente minando o sistema de segurança europeu e juntando alianças militares sempre novas. A OTAN está rastejando para o leste e construindo sua infraestrutura militar. Entre outras coisas, está implantando sistemas de defesa antimísseis e aumentando a capacidade de ataque de suas forças ofensivas. Isto é hipocritamente atribuído à necessidade de reforçar a segurança na Europa, mas na verdade está ocorrendo exatamente o contrário. Além disso, as propostas sobre medidas de segurança mútua, que a Rússia apresentou em dezembro passado, foram mais uma vez desconsideradas.

Eles precisam de conflitos para manter sua hegemonia. É por esta razão que eles destinaram o povo ucraniano para ser usado como bucha de canhão. Eles implementaram o projeto anti-Rússia e foram coniventes com a disseminação da ideologia neonazista. Eles olharam para o lado quando os residentes de Donbass foram mortos aos milhares e continuaram a despejar armas, inclusive armamentos pesados, para uso do regime de Kiev, algo que eles persistem em fazer agora.

Nestas circunstâncias, tomamos a decisão de conduzir uma operação militar especial na Ucrânia, uma decisão que está em total conformidade com a Carta das Nações Unidas. Foi claramente especificado que os objetivos desta operação são garantir a segurança da Rússia e de seus cidadãos e proteger os residentes de Donbass contra o genocídio.

A situação na Ucrânia mostra que os Estados Unidos estão tentando tirar proveito deste conflito. A operação atua da mesma forma em outros lugares, fomentando o potencial de conflito na Ásia, na África e na América Latina. Como é do conhecimento geral, os EUA fizeram recentemente outra tentativa deliberada de alimentar as chamas e agitar os problemas na Ásia-Pacífico. A viagem dos EUA para Taiwan não é apenas uma jornada de um político irresponsável, mas faz parte da estratégia orientada e deliberada dos EUA para desestabilizar a situação e semear o caos na região e no mundo. É uma demonstração descarada de desrespeito a outros países e a seus próprios compromissos internacionais. Consideramos isto como uma provocação cuidadosamente planejada.

É evidente que ao tomar estas ações as elites globalistas ocidentais estão tentando, entre outras coisas, desviar a atenção de seus próprios cidadãos de problemas socioeconômicos urgentes, tais como a queda do nível de vida, o desemprego, a pobreza e a desindustrialização. Eles querem transferir a culpa de seus próprios fracassos para outros países, a Rússia e a China, que estão defendendo seu ponto de vista e elaborando uma política de desenvolvimento soberana sem submeterem-se ao ditame das elites supranacionais.

Vemos também que o Ocidente coletivo está se esforçando para expandir seu sistema baseado em blocos para a região da Ásia-Pacífico, como fez com a OTAN na Europa. Para este fim, eles estão criando alianças político-militares agressivas, como AUKUS e outras.

É óbvio que só é possível reduzir tensões no mundo, superar ameaças e riscos político-militares, melhorar a confiança entre países e garantir seu desenvolvimento sustentável através de um fortalecimento radical do sistema contemporâneo de um mundo multipolar. É óbvio que só é possível reduzir tensões no mundo, superar ameaças e riscos político-militares, melhorar a confiança entre países e garantir seu desenvolvimento sustentável, através de um fortalecimento radical de um sistema contemporâneo de um mundo multipolar.

Reitero que a era do mundo unipolar está se tornando uma coisa do passado. Não importa o quanto os beneficiários do atual modelo globalista se apeguem ao estado familiar de coisas, ele está perdido. As mudanças geopolíticas históricas estão indo em uma direção totalmente diferente.

E, claro, sua conferência é outra prova importante dos processos objetivos que formam um mundo multipolar, reunindo representantes de muitos países que querem discutir questões de segurança em pé de igualdade, e conduzindo um diálogo que leva em conta os interesses de todas as partes, sem exceção.

Quero enfatizar que o mundo multipolar, baseado no direito internacional e em relações mais justas, abre novas oportunidades para combater ameaças comuns, tais como conflitos regionais e a proliferação de armas de destruição em massa, terrorismo e crimes cibernéticos. Todos estes desafios são globais e, portanto, seria impossível superá-los sem a combinação dos esforços e potenciais de todos os Estados.

Como antes, a Rússia participará ativa e assertivamente desses esforços conjuntos coordenados; juntamente com seus aliados, parceiros e colegas pensadores, melhorará os mecanismos existentes de segurança internacional e criará novos mecanismos, bem como fortalecerá de forma consistente as forças armadas nacionais e outras estruturas de segurança, fornecendo-lhes armas e equipamentos militares avançados. A Rússia garantirá seus interesses nacionais, bem como a proteção de seus aliados, e dará outros passos para a construção de um mundo mais democrático onde os direitos de todos os povos e a diversidade cultural e civilizacional sejam garantidos.

Precisamos restaurar o respeito pelo direito internacional, por suas normas e princípios fundamentais. E, é claro, é importante promover as agências universais e comumente reconhecidas, como as Nações Unidas e outras organizações de diálogo internacional. O Conselho de Segurança e a Assembleia Geral das Nações Unidas, como previsto inicialmente, devem servir como instrumentos eficazes para reduzir as tensões internacionais e prevenir conflitos, bem como facilitar o fornecimento de segurança e bem-estar confiáveis de países e povos.

Em suma, quero agradecer aos organizadores da conferência por seu importante trabalho preparatório e desejo a todos os participantes profundas discussões.

Estou certo que o fórum continuará a contribuir significativamente para o fortalecimento da paz e estabilidade em nosso planeta e facilitará o desenvolvimento do diálogo construtivo e da parceria.

Obrigado por sua atenção.

17/Agosto/2022

[*] Presidente da Rússia.

O texto em inglês encontra-se em en.kremlin.ru/events/president/news/69166 e a tradução para português em sakerlatam.org/discurso-aos-participantes-e-convidados-da-10a-conferencia-de-moscou-sobre-seguranca-internacional/

Este discurso encontra-se em resistir.info

23/Ago/22