Guerra e castigo

Dmitry Orlov [*]

Dois candidatos iguais.

"Guerra e castigo" não é apenas um grande romance de um grande autor russo, Tolstoievski; é também a política externa da Rússia. Imaginem que desencadeiam uma guerra na fronteira russa com a esperança de destruir a Rússia – e perdem-na. O que é que acham que vos vai acontecer a seguir? Paz? Não, serás castigado. O vosso castigo, para fins didáticos, pode ser dividido em cinco categorias: financeira, económica, política, social e cultural:

Passando do geral ao específico, falemos da antiga Ucrânia à luz do recente discurso de Putin perante o Ministério dos Negócios Estrangeiros. O texto integral do discurso está disponível aqui [ http://en.kremlin.ru/events/president/news/74285] e recomendo vivamente a sua leitura na íntegra. Neste discurso, Putin deu instruções específicas aos seus colegas do Ministério dos Negócios Estrangeiros, especificando o que estão autorizados a comunicar aos seus homólogos de outras nações.

O que estes funcionários do MNE foram incumbidos de fazer foi quebrar um coro de mentiras repetidas incessantemente pelos media e funcionários ocidentais. A enorme mentira que está no centro de tudo isto é a afirmação, repetida incessantemente, de que a Operação Militar Especial (OME) da Rússia para desmilitarizar e desnazificar a antiga Ucrânia é "um ato de agressão não provocado". Como explicou Putin, trata-se, de facto, de uma ação policial para evitar uma catástrofe humanitária.

Em fevereiro de 2022, as tropas ucranianas estavam concentradas na fronteira das Repúblicas Populares de Donetsk e Lugansk, bombardeando bairros civis e preparando-se para invadir. A resposta atempada da Rússia evitou uma catástrofe humanitária de grandes proporções. Uma vez que Donetsk e Lugansk são habitadas por russos que praticamente não diferem dos que vivem do outro lado da fronteira, nas regiões de Rostov, Belgorod e Voronezh, a Rússia estava a salvar as vidas do seu próprio povo.

Por favor, não confundam a OME com o estratagema favorito dos Washingtonianos, a que chamam "responsabilidade de proteger" ou R2P, defendido pela hipócrita de classe mundial Samantha Power. Este estratagema envolve geralmente a utilização de uma falsa crise humanitária para desencadear uma agressão não provocada, como contra a Sérvia, o Iraque, a Líbia e a Síria. Note-se também que a Ucrânia havia perdido a sua soberania no violento derrube do governo em 2014 e que os seus militares operavam sob controlo remoto de Washington, pelo que os mais de 6000 civis assassinados e os mais de 13500 civis feridos no Donbass pelos militares ucranianos desde 2014 são o genocídio da América.

A primeira tarefa é a Rússia vencer no campo de batalha – depois virá o castigo. Os crimes de guerra não têm fronteiras jurisdicionais nem estatutos de limitações. Cada crime de guerra tem um nome, uma patente e um número de série. Cada crime de guerra é punível com prisão perpétua ou (se a legislação local o permitir) com a execução. Atualmente, existe uma moratória sobre a pena capital na Rússia, mas no futuro, a pedido popular, poderá ser levantada para os criminosos de guerra.

Cristina, de Gorlovka.

A execução por fuzilamento é considerada a forma mais honrosa de morrer. Um simples tiro de pistola na cabeça (a que os russos chamam "tiro de controlo") é relativamente rápido e indolor. O enforcamento público foi o destino dos criminosos de guerra condenados após a Segunda Guerra Mundial. Mas o que fazer com os assassinos desta jovem, Christina, que foi apelidada de Madona de Gorlovka, morta com fogo de artilharia ou de morteiro? Porque não ser um pouco mais criativo?

Como sempre, podem existir circunstâncias atenuantes. Suponhamos que é um pobre ucraniano semi-analfabeto (o ensino primário e secundário ucraniano é bastante deplorável) a quem a propaganda americana fez uma lavagem cerebral implacável para odiar irracionalmente os russos até ao ponto da insanidade. O facto de ser considerado non compos mentis faria do pobre rapaz um mau candidato a ser julgado por crimes de guerra.

Ou que tal um pai de família que tivesse sido obrigado a alistar-se nas forças armadas ucranianas enquanto a sua família era mantida como refém pelo regime de Kiev e que teria sido gravemente maltratado se se tivesse recusado a cumprir as ordens criminosas do regime? Um procurador argumentaria que um crime de guerra continua a ser um crime de guerra, quer seja cometido sob coação ou não, e que cumprir ordens criminosas é em si mesmo um crime, mas um júri poderia vacilar em dar um veredito de culpado.

Bem, então, o que dizer dos funcionários norte-americanos que conceberam o brilhante plano de transformar a Ucrânia numa organização anti-Rússia e de utilizar os pobres ucranianos involuntários como carne para canhão para atirar à Rússia, numa tentativa falhada de a enfraquecer fatalmente ou, idealmente, de a destruir? Para eles, métodos verdadeiramente medievais de tortura e humilhação vêm inevitavelmente à mente de algumas pessoas.

Isto pode parecer uma digressão autoindulgente do tema sério do discurso de Putin perante o MNE, mas penso que é importante compreender a mentalidade dos apoiantes médios e trabalhadores de Putin que tornaram a Rússia grande de novo. Na televisão russa, os talk shows que discutem a utilização de armas nucleares para destruir a América tornaram-se visivelmente mais populares nos últimos tempos. Destruir a América, dizem os especialistas aos telespectadores, não é assim tão difícil.

Tudo o que se tem de fazer é destruir quatro grandes portos marítimos usando bombas nucleares tácticas relativamente pequenas... e depois é só esperar um mês ou dois. Uma vez que os EUA já não fabricam nem metade do que precisam para sobreviver, incluindo alimentos, não persistiriam muito tempo depois disso. Isto é, continuarão a existir, como muitos países verdadeiramente miseráveis, mas não como um país com o qual a Rússia ou o resto do mundo se devam preocupar, ou assim asseguram estes especialistas à audiência. Mas ainda há alguma inquietação quanto ao perigo de começar uma grande e má guerra nuclear.

Outros peritos congratulam-se com o facto de os Estados Unidos estarem, de qualquer modo, nas últimas e de uma combinação de factores, alguns financeiros, outros físicos, lhe darem o golpe de misericórdia em breve, sem que seja necessário correr o risco de iniciar uma guerra nuclear. O mal-estar terminal dos EUA é muito mais do que a óbvia incapacidade de governar demonstrada pelos geriátricos que supostamente os governam, ou o facto de cada geração seguinte de americanos ser menos capaz do que a anterior. O que está em causa são os números; mais concretamente, os milhões de milhões de dólares. Os juros da dívida federal ascendem agora a um milhão de milhões de dólares por ano. O défice orçamental federal atingiu os dois mil milhões por ano. Para manter a solvência, o governo federal dos EUA tem de pedir emprestado mais mil milhões de três em três meses.

Putin parece estar de acordo com o segundo campo; adiou o arranque da OME o mais possível e não tem pressa em terminá-la, muito possivelmente para coincidir com o momento em que os Estados Unidos se vão abaixo depois de se terem deixado abater com uma pena. A grande maioria dos russos confia no seu julgamento e tem paciência suficiente para esperar pelos EUA. Os vídeos de Biden a congelar de cada vez que um cartão perfurado fica preso no seu recipiente de cartões perfurados ou a defecar para dentro da fralda quando está ao lado do Presidente de França numa cerimónia solene, ou da sua encantadora assistente Kamala a dizer disparates e a cacarejar loucamente, criam a imagem de um inimigo que pode ser afastado com alguns golpes judiciosos com a ponta de um pau afiado, em vez de ser mantido à distância com armas nucleares.

No seu discurso, Putin definiu alguns termos para a cessação do conflito armado na antiga Ucrânia. Algumas pessoas interpretaram estes termos como sendo pontos para discussão ou negociação futura; não são. Estes termos devem ser aceites – caso em que poderá haver paz – ou rejeitados – caso em que a ação militar continuará e um grande número de ucranianos continuará a morrer. E depois virá o próximo conjunto de condições, que serão piores do que as actuais. Ainda hoje, numa conferência de imprensa no Vietname, Putin recordou gentilmente que as condições actuais não serão oferecidas durante muito tempo e que serão alteradas à medida que a situação no terreno evoluir.

Algumas pessoas interpretaram as condições de Putin como uma espécie de ultimato. É evidente que seria bom que procurassem num dicionário um grande vocábulo como "ultimato". Um ultimato é "uma exigência final ou uma declaração de termos, cuja rejeição resultará em retaliação ou numa rutura de relações". Um ultimato não pode incluir palavras como "deve", como em "A Ucrânia deve adotar um estatuto neutro e não alinhado, ser livre de armas nucleares e submeter-se a desmilitarização e desnazificação".

Também não pode incluir condições ou ofertas para negociar com base nessas condições, como em "... assim que Kiev concordar com o curso de ação proposto hoje, incluindo a retirada total das suas tropas da DPR, da LPR, das regiões de Zaporozhye e Kherson, e iniciar este processo com seriedade, estamos preparados para iniciar negociações prontamente e sem demora". E aqui está a "condição" final: "Naturalmente, isto implica também o levantamento de todas as sanções ocidentais contra a Rússia".

Aqueles que exigem estridentemente que Zelensky, ou Biden, ou quem quer que seja, negoceie com Putin sobre as suas condições, estão a esquecer-se de um ponto importante:   atualmente, não há realmente ninguém com quem Putin possa negociar. Zelensky, de acordo com a Constituição ucraniana, já não é o Presidente: o seu mandato de cinco anos terminou em maio e, para obter um novo mandato, tem de ganhar umas eleições, que ele cancelou. Com a saída de Zelensky, de acordo com a Constituição ucraniana, o poder passa automaticamente para o presidente do parlamento, o Verkhovna Rada; só que o presidente, um antigo campeão de perda de peso chamado Ruslan Stefanchuk, recusou-se a tomar as rédeas. E depois, na ausência de novas eleições, o mandato da Verkhovna Rada expira a 11 de agosto, altura em que o poder na antiga Ucrânia reverte para as regiões, algumas das quais seriam então livres de organizar um referendo público e de votar a favor da adesão à Rússia.

Qualquer pessoa que pense que as condições actuais de Putin, que expiram em breve, são inaceitáveis, não deve esperar pela próxima ronda, porque o próximo conjunto de condições será inaceitável à enésima potência. Isto é, cada conjunto de condições seguinte será garantidamente pior do que o anterior, e simplesmente não se sabe o que restará da antiga Ucrânia, se é que restará alguma coisa, se se permitir que a OME siga o seu curso até ao fim. Esta previsão é uma extrapolação baseada num padrão estabelecido.

Catástrofe ucraniana.

Mas se os EUA estão nas últimas, porquê fazer-lhe ofertas que claramente não está preparado para aceitar? Porque não ignorá-lo durante todo o tempo? A resposta não tem a ver com os Estados Unidos ou com o Ocidente, mas com o resto do mundo, que agora constitui uma maioria global, inclui todas as nações economicamente em desenvolvimento e tem relações geralmente amigáveis ou neutras com a Rússia. Perante este vasto público, a Rússia esforça-se por aparecer como uma nação pacífica que tenta pôr fim a um conflito armado que lhe foi imposto pelos hostis EUA que procuram infligir-lhe danos para a roubar. Mas a Rússia não é uma vítima; está à altura do desafio e está a contrariar esta ameaça e, ao fazê-lo, tornou-se o campeão do Sul Global no seu esforço para pôr fim ao legado da opressão ocidental. Como campeã de todo o mundo, menos do Ocidente, a Rússia não deve parecer egoísta ou gananciosa, mas sim altamente moral. Sendo uma nação 75% cristã (e 25% muçulmana), a Rússia tem de fazer o que é cristão:   oferecer aos pecadores um caminho para a confissão, o arrependimento e, finalmente, a expiação e a salvação.

Se os americanos que fomentaram a profana confusão ucraniana não aceitarem a responsabilidade e expiarem os seus crimes com contrição e humildade, irão certamente para o Inferno, mas enquanto algum deles permanecer vivo, o caminho da salvação deve ser mantido aberto para eles. Putin, como cristão ortodoxo, deve acreditar que "Cristo Jesus veio ao mundo para salvar os pecadores, dos quais [ele é] o primeiro" [1 Timóteo 1:15] e abster-se de julgar os outros, oferecendo-lhes antes uma oportunidade de arrependimento e salvação.

Embora a continuação da ação militar seja, neste momento, inevitável, o que a Rússia procura é a segurança, não só para si, mas para toda a Eurásia. Putin expressou-o da forma mais clara possível:   "...a futura arquitetura de segurança deve estar aberta a todos os países da Eurásia que desejem participar na sua criação... [incluindo] também os países europeus e da NATO". Ou não, sendo a sua participação inteiramente voluntária.

E qual é a maior ameaça à segurança da Europa? "A principal ameaça para os europeus é a sua dependência crítica e crescente dos Estados Unidos nos aspectos militar, político, tecnológico, ideológico e informativo." A Rússia quer ajudar a Europa a libertar-se da ocupação norte-americana, que é um resquício de 80 anos da Segunda Guerra Mundial e que deveria ter terminado há 35 anos, com o fim da Guerra Fria. Qual o papel que Putin vê para os EUA no futuro? "É necessário, a longo prazo, eliminar gradualmente a presença militar de potências externas na região euro-asiática". Esta é provavelmente a forma mais suave e educada de expressar "Yankee, go home!" que alguém poderia ter formulado.

22/Junho/2024

[*] Escritor.

A versão em inglês encontra-se em https://boosty.to/cluborlov/posts/07a82414-207f-4316-9207-a7f773e44fd3

Este artigo encontra-se em resistir.info

25/Jun/24