Estarão os israelenses a comportar-se de forma inteligente?

Dmitry Orlov [*]

'A batalha entre os israelitas e os amorreus', Nicolas Poussin, 1625.

Eu não ia escrever sobre Israel, mas por acaso estava no Museu Hermitage de São Petersburgo hoje e me deparei com “A batalha entre os israelitas e os amorreus”, uma pintura a óleo sobre tela de 1625 do artista francês Nicolas Poussin, e pensei: esses israelitas irritantes estão de volta, não estão? De fato, eles estão!

É terça-feira após o sábado em que os iranianos lançaram seu grande ataque aéreo contra Israel, em resposta à destruição indescritivelmente grosseira da embaixada iraniana em Damasco, na Síria, e o mundo ainda está esperando que Israel responda ao contra-ataque – com a respiração suspensa ou, como é cada vez mais o caso, sem. Contra-atacar o Irã seria algo inteligente para Israel não fazer, e os judeus têm a reputação de serem inteligentes… não tanto os judeus israelenses – porque quão inteligente é querer viver em um lugar onde todos os vizinhos te odeiam e querem matá-lo? Mas mesmo assim…

Destruir uma embaixada, a propósito, é politicamente a pior coisa que um país pode fazer e geralmente resulta em repercussões muito desagradáveis. Gêngis Khan, que nunca exagerou a inteligência de seus inimigos, explicitou isso em seu código legal Great Yasa, que contém um artigo com a seguinte redação: “Qualquer pessoa que maltratar meus emissários terá sua cidade arrasada e seus habitantes mortos”. Zhongxing, em 1226, e Kozelsk, em 1238, sofreram esse destino. Líderes nacionais inteligentes sabem que, se destruírem a embaixada de um país, devem esperar um grande massacre. Netanyahoo não é um líder nacional inteligente; ele é um criminoso de guerra que precisa ser preso pelo resto de sua vida. Isso cabe aos israelenses resolverem democraticamente; mas se não conseguirem fazer isso…

Os americanos deixaram bem claro que consideram que o incidente foi concluído de forma satisfatória (muitos drones e foguetes iranianos foram abatidos com sucesso com a ajuda dos EUA e seus aliados, portanto, é hora de distribuir medalhas e promoções novamente). Eles não estão querendo repetir o exercício porque ele custou caro, seus estoques de mísseis estão esgotados e os fundos são escassos. Os países da região, que muito hesitantemente permitiram o uso de seu espaço aéreo para combater o ataque iraniano, estão muito mais preocupados com as chuvas torrenciais que estão ocorrendo atualmente.

Os israelenses estão alegando uma taxa de interceptação absurdamente alta, inatingível com qualquer tecnologia concebível. Isso é bom o suficiente para os israelenses, suponho, mas certamente não é bom o suficiente para os planejadores militares israelenses, cujo trabalho é lidar com a realidade, não com propaganda e ficção militar.

Os iranianos alegam que o que eles queriam conseguiu passar – o que provavelmente é verdade – tornando seu ataque um projeto de demonstração válido. Porque foi só isso que aconteceu: O Irã pode lançar esse tipo de ataque em todos os dias que terminam em “feira” pelos próximos anos, sem nenhuma pressão econômica e sem pedir ajuda à Rússia ou à China.

Drone Shaed.

O ataque iraniano incluiu muitos drones Shahed. Eles carregam cerca de 50 kg de explosivos e gasolina suficiente para voar 1.500 km. Eles são fabricados de forma muito barata, sendo que a maior parte dos componentes caros são os eletrônicos. A fuselagem é feita de isopor, o tanque de combustível é uma garrafa de plástico e o motor é um pequeno e barato motor chinês de dois tempos com vida útil de apenas algumas horas. Eles voam bem devagar (menos de 200 km/h), não voam muito alto e tendem a balançar e ondular em vez de seguir uma trajetória reta, especialmente se o vento estiver um pouco forte.

Isso, ironicamente, faz com que seja muito difícil abatê-los usando sistemas de defesa aérea. A primeira coisa que um foguete de defesa aérea faz quando é lançado é voar até uma altitude razoavelmente alta – alguns milhares de metros – e, em seguida, tentar encontrar e travar seu alvo. Nesse ponto, o alvo é um ponto minúsculo que se arrasta lentamente contra o terreno de fundo, com sua assinatura de radar e sinal térmico obscurecidos por carros e edifícios abaixo. O foguete, então, aponta para baixo e acelera em direção a ele, enquanto se desvia em sua trajetória incerta, e tenta explodir perto o suficiente para atingi-lo. Às vezes isso funciona, às vezes não, mas é difícil determinar o que aconteceu, pois o ato final do Shahed é bastante semelhante ao de um abate: ele desliga o motor e cai do céu como uma pedra, detonando sua carga útil com o impacto.

Um fato importante a saber sobre o Shahed é que ele é praticamente idêntico ao Geranium 2 russo (os russos gostam de batizar seus sistemas de armas com nomes de flores, sendo suas tulipas e jacintos particularmente letais). As diferenças estão principalmente nos componentes eletrônicos, que estão em constante evolução; o pequeno motor de dois tempos fabricado na China provavelmente é o mesmo e a estrutura de isopor é, muito provavelmente, idêntica. Os russos têm lançado com sucesso enxames de Geraniums sobre a antiga Ucrânia, para esgotar os estoques ucranianos de mísseis Patriot antes de demolir algum alvo importante – como uma bateria Patriot – usando um ataque de foguete. Isso significa que, se os iranianos de repente ficassem sem Shaheds (depois de lançarem centenas deles por dia contra Israel durante meses a fio), eles poderiam simplesmente pedir mais alguns aos russos e ninguém notaria a diferença; certamente não os israelenses, se ainda restasse algum, que continuariam se encolhendo em abrigos antibombas todas as noites.

Os iranianos também dispararam alguns foguetes balísticos antigos, que podem ser abatidos com mais certeza. Eles são acionados apenas durante a parte inicial de seu voo e, depois disso, seguem uma trajetória balística previsível, determinada pela gravidade, inércia e resistência do ar, o que os torna alvos fáceis. Os iranianos têm um número ridiculamente grande de foguetes desse tipo guardados em cavernas aqui e ali. Eles não são muito úteis para atingir alvos com precisão, mas são úteis para esgotar as reservas de foguetes de defesa aérea, que são muito caros e escassos.

Mísseis iranianos.

Por fim, os iranianos dispararam apenas sete de seus novos foguetes hipersônicos, dos quais nenhum foi abatido. Há apenas quatro países no mundo que conseguiram controlar a tecnologia de mísseis hipersônicos:   Rússia, China, Coreia do Norte e Irão. Apenas um país no mundo tem a capacidade de abater foguetes hipersônicos: a Rússia, usando seu sistema S-500. Nem Israel, nem os EUA, nem seus aliados poderiam ter abatido nenhum desses foguetes; eles são simplesmente rápidos demais. E agora o ponto principal: se esses sete foguetes hipersônicos iranianos carregassem cargas nucleares, Israel não existiria mais. O Irã tem uma fatwa permanente contra o uso de armas nucleares, mas se, de repente, enfrentasse uma ameaça existencial de Israel, essa política poderia sofrer uma mudança repentina e Israel deixaria de existir.

Ao realizar essa demonstração, o Irão prestou um grande serviço à sua aliada, Rússia: ele esgotou o suprimento de foguetes de defesa aérea disponíveis para seus inimigos ocidentais. Como esses foguetes são muito caros, estão em falta e agora são necessários para o próprio ocidente, nenhum deles estará disponível para a Ucrânia. Isso, por sua vez, significa que a força aérea russa continuará a ter acesso irrestrito aos céus de toda a antiga Ucrânia, o que lhe permitirá bombardear qualquer instalação que considere estar contribuindo para o esforço de guerra ucraniano ou para os contínuos ataques terroristas ucranianos em solo russo, ou hospedando tropas ou mercenários da OTAN, ou de outros países. Isso é algo bom de se ter, mas significativo, e a Rússia certamente demonstrará ao Irã sua gratidão de várias maneiras, grandes e pequenas.

O aspecto econômico da operação do Irão é o mais significativo. Especialistas militares estimaram que toda a operação custou ao Irã cerca de US$50 milhões; por outro lado, militares norte-americanos divulgaram que a missão de defesa aérea custou a eles cerca de US$1000 milhões, enquanto que, no total (incluindo os foguetes lançados por Israel), o preço provavelmente ultrapassou US$2000 milhões. Isso faz com que a proporção de despesas seja de 1:40 a favor do Irão. Considerando que a economia do Irão era 15 vezes maior do que a de Israel antes da ação militar que começou em 7 de outubro de 2023, e é 20 vezes maior agora que a de Israel encolheu pelo menos um quarto, chegamos à conclusão inevitável de que Israel não pode continuar assim. Você pode pensar que a economia dos EUA é infinitamente grande e que poderia compensar o défice, mas há a espiral da morte da dívida para se ter em mente: uma pilha de dívidas do tamanho de um terço da economia dos EUA precisa ser rolada durante o próximo ano e todo o orçamento de defesa dos EUA está prestes a ser consumido pelos juros da dívida nacional. Qualquer pessoa que pense que os EUA ainda podem ser um aliado confiável para alguém não é inteligente, mas vamos dar aos judeus israelenses o benefício da dúvida.

Conclusão: Israel não mais provocará o Irão bombardeando aliados ou bens iranianos – porque agora sabe que não pode se dar ao luxo de continuar a contra-atacar as respostas às suas provocações, e nem seu aliado do outro lado do Atlântico, cada vez mais financeiramente angustiado, politicamente errático e geralmente não confiável.

16/Abril/2024

[*] Escritor.

O original encontra-se em boosty.to/cluborlov/posts/78f878c6-1271-428f-8238-9ccc6a1e8f8e e a tradução em sakerlatam.blog/os-israelenses-estao-se-comportando-de-forma-inteligente/

Este artigo encontra-se em resistir.info

18/Abr/24