A guerra dos Cachinhos Dourados e do três ursos

Dmitry Orlov [*]

A menina dos cachinhos dourados .

Está feliz com a forma como a guerra na antiga Ucrânia está indo? A maioria das pessoas não, por uma razão ou outra. Algumas odeiam o facto de lá haver uma guerra, enquanto outras gostam, mas odeiam o facto de ainda não ter sido não vencida, nem por um lado nem por outro. Grande quantidade de ambos os tipos são encontrados dos dois lados da nova Cortina de Ferro construída às pressas em toda a Eurásia entre o Ocidente coletivo e o Oriente coletivo. Isto parece razoável; afinal, odiar a guerra é um procedimento padrão para a maioria das pessoas (a guerra é o inferno!) e, por extensão, uma pequena guerra é melhor do que uma grande e uma guerra curta é melhor do que uma longa. E também tal raciocínio é banal, insípido, previsível, sem imaginação.

Raramente se encontra um observador da guerra que esteja feliz com o progresso e a duração da guerra. Felizmente, a televisão estatal russa mostra um muito significativo quase diariamente. É o presidente da Rússia, Vladimir Putin. Tendo prestado atenção a ele durante mais de vinte anos, posso afirmar com confiança que nunca esteve tão imbuído de serenidade calma e autoconfiança temperada com humor. Este não é o comportamento de alguém que se sente em risco de perder uma guerra. O representante do Ministério da Defesa parece sombrio diante das câmaras – um comportamento condizente com homens que enviam outros homens para combater e, possivelmente, para serem feridos ou morrerem; mas longe da câmara eles trocam um rápido sorriso. (Os russos não dão sorrisos estúpidos com olhos de peixe ao estilo americano, raramente mostram os dentes quando sorriem e nunca na presença de lobos ou ursos).

Dado que o índice de aprovação de Putin está firme em torno dos 80% (um número além do alcance de qualquer político ocidental), é razoável supor que ele é apenas a ponta visível de um gigantesco iceberg de 100 milhões de russos que aguardam calmamente a conclusão bem-sucedida da operação militar especial para desmilitarizar e desnazificar a antiga República Socialista Soviética da Ucrânia. Esses 100 milhões de russos raramente são ouvidos e, quando fazem barulho, é para protestar contra a confusão burocrática ou para que sejam levantados fundos privados a fim de remediar a escassez de alguns equipamentos especiais solicitados pelas tropas: óculos de visão noturna, drones, miras óticas e todos os tipos de equipamentos táticos sofisticados.

Muito mais barulho é feito por um ou dois por cento cujo plano de negócios foi destruído pelo súbito aparecimento da Nova Cortina de Ferro. Os mais tolos pensavam que fugir para o ocidente ou para o sul (para a Turquia, Cazaquistão ou Geórgia) de alguma forma magicamente resolveria seus problemas; não resolveu e não resolverá. As pessoas que esperaríamos gritar mais alto seriam os ativistas LGBTQ, que pensaram usar o dinheiro dos subsídios ocidentais para construir a Sodoma Oriental e a Gomorra Oriental. Foram prejudicados e amordaçados por novas leis russas que os rotulam como agentes estrangeiros e proíbem propaganda desse tipo. De facto, o próprio termo LGBTQ agora é ilegal, e assim, suponho, eles terão que usar PPPPP em vez disso ("P" é para "pídor", que é o termo russo genérico para qualquer tipo de sexual, degenerado ou desviante).

Pode-se observar com bastante facilidade que aqueles que estão menos felizes com o curso da campanha russa são também os menos propensos a serem russos. Os menos felizes de todos são os que no Centro de Operações Informativas e Políticas do Serviço de Segurança da Ucrânia estão encarregados de criar e manter o Fantasma da Vitória Ucraniana. Estes são seguidos em Washington, que estão bastante enfurecidos com a agitação russa e o arrastar dos pés. Eles também foram duramente pressionados para mostrar que os ucranianos estão ganhando enquanto os russos estão perdendo. Para este objetivo, retratam cada reposicionamento tático russo ou retirada tática como uma enorme e humilhante derrota pessoal para Putin e cada ataque ucraniano suicida às posições russas como uma grande vitória heroica. Mas esta tática de relações públicas perdeu eficácia ao longo do tempo e agora a Ucrânia tornou-se um tópico tóxico nos EUA que a maioria dos políticos americanos preferiria esquecer, ou pelo menos manter fora dos noticiários.

Para ser justo, os jogos táticos russos de gato e rato neste conflito têm sido nada menos que irritantes. Os russos passaram algum tempo em torno de Kiev a fim de atrair as tropas ucranianas para longe do Donbass e evitar o seu ataque; uma vez que isso foi feito, eles retiraram-se. Grande vitória ucraniana! Também passaram algum tempo em torno da costa do Mar Negro perto de Odessa, ameaçando uma invasão marítima, para atrair as forças ucranianas nessa direção, mas nunca invadiram. Mais uma vitória ucraniana! Os russos ocuparam uma grande parte da região de Kharkov que os ucranianos deixaram em grande parte sem defesa, então, quando os ucranianos finalmente lhe prestaram atenção, retiraram-se parcialmente para trás de um rio a fim de conservar recursos. Mais uma vitória ucraniana! Os russos ocuparam/libertaram a capital regional de Kherson, evacuaram todas as pessoas que queriam ser evacuadas e depois se retiraram para uma posição defensável atrás de um rio. Vitória de novo!

Com todas essas vitórias ucranianas, é realmente uma maravilha que os russos tenham conseguido ganhar cerca de 100 km2 das mais valiosas áreas da antiga Ucrânia, mais de 6 milhões de habitantes, garantiram uma rota terrestre para a Crimeia e abriram um canal vital que lhe fornece água para irrigação e que os ucranianos haviam bloqueado alguns anos atrás. Isso não parece ser uma derrota; isso parece um excelente resultado de uma campanha de verão única e limitada.

A Rússia já alcançou vários dos seus objetivos estratégicos; o resto pode esperar. Quanto tempo devem esperar? Para responder a essa pergunta, precisamos olhar para fora do escopo limitado da operação especial da Rússia na Ucrânia. A Rússia tem peixes maiores para fritar, e fritar peixe leva tempo porque comer peixe mal cozido pode transmitir parasitas desagradáveis, como ténia e verme hepático. E assim, eu gostaria de convidá-los para a cozinha secreta da Mãe Rússia, para ver o que está na tábua de corte e estimar quanto processamento térmico será necessário para transformar tudo numa refeição segura e nutritiva.

Misturando nossas metáforas alimentares, permita-me apresentar Cachinhos Dourados [NR] com seus três ursos e suas papas. O que a Rússia parece estar fazendo é manter sua operação militar especial em movimento num ritmo constante. Ir muito rápido não permitiria tempo suficiente para cozinhar os vários peixes e aumentaria o custo da campanha em baixas e recursos. Ir muito devagar daria aos ucranianos e à NATO tempo para se reagruparem e rearmarem e impedirem o processamento térmico adequado dos vários peixes.

Num esforço para encontrar o ritmo ideal para o conflito, a Rússia inicialmente comprometeu apenas um décimo dos seus soldados profissionais no ativo, depois trabalhou arduamente para minimizar a taxa de baixas. Optou por começar a apagar as luzes em toda a antiga Ucrânia apenas depois do regime de Kiev tentar explodir a ponte do Estreito de Kerch, que ligava a Crimeia ao continente russo. Finalmente, convocou apenas 1% dos reservistas para aliviar a pressão das tropas da linha de frente e potencialmente se preparar para a próxima etapa, que é uma campanha de inverno – na qual os russos são famosos.

Com esta informação de fundo exposta, podemos agora enumerar e descrever os vários objetivos auxiliares que a Rússia planeia alcançar ao longo desta Guerra dos Cachinhos Dourados. O primeiro e talvez mais importante conjunto de problemas que a Rússia tem que resolver é interno. O objetivo é reorganizar a sociedade, a economia e o sistema financeiro russos, de modo a prepará-los para um futuro desocidentalizado.

Desde o colapso da URSS, vários agentes ocidentais, como o NED, o Departamento de Estado dos EUA, várias fundações Soros e uma ampla variedade de subsídios e programas de intercâmbio ocidentais fizeram sérias incursões na Rússia. O objetivo geral era enfraquecer e, finalmente, desmembrar e destruir a Rússia, transformando-a num servo complacente dos governos ocidentais e corporações transnacionais que lhes forneceriam mão-de-obra barata e matérias-primas. Para ajudar nesse processo, essas organizações ocidentais fizeram o que puderam para levar o povo russo à eventual extinção biológica e substituí-lo por uma raça mais dócil e menos aventureira.

Desde há mais de 30 anos, as ONG ocidentais começaram a corromper as mentes dos jovens da Rússia. Nenhum esforço foi poupado para denegrir o valor da cultura russa, para falsificar a história russa e para substituí-las tanto pela cultura pop ocidental como por narrativas de propaganda. Essas iniciativas alcançaram êxito limitado. A URSS e a cultura soviética permaneceram sempre populares, mesmo entre aqueles que eram jovens demais para ter experimentado a vida na URSS em primeira mão. Onde os danos foram mais graves foi na educação. Excelentes livros didáticos da era soviética que ensinavam os alunos a pensar de forma independente foram destruídos e substituídos por importações. Estes foram, na melhor das hipóteses, úteis para treinar especialistas em campos estreitamente definidos que podem seguir procedimentos e receitas previamente definidos, mas não podem explicar como esses procedimentos e receitas foram alcançados ou para criar novos.

Os professores russos, que viam seu trabalho não apenas em instruir, mas em educar seus alunos para serem bons russos, amarem e estimarem seu país, foram substituídos por educadores treinados no Ocidente que viam como sua missão fornecer um serviço competitivo, baseado no mercado na educação qualificada e competente. Consumidores! Quem são essas pessoas? Bem, felizmente, a Internet se lembra de tudo, mas identificá-los e substituí-los leva tempo, assim como encontrar, atualizar e reproduzir os livros didáticos mais antigos e excelentes.

E os jovens deixados para trás por essa onda de destruição? Felizmente, nem tudo está perdido. A operação militar especial está-lhes fornecendo algumas lições muito valiosas que seus educadores ignorantes deixaram de fora: que a Rússia – uma aglomeração única e milagrosa de muitas nações, línguas e religiões diferentes – foi preservada e expandida ao longo dos séculos através dos esforços de heróis cujos nomes não são apenas lembrados, mas venerados. Além do mais, alguns deles estão vivos hoje, lutando e trabalhando no Donbass. Uma coisa é visitar museus, ler livros antigos e ouvir histórias sobre os grandes feitos dos avós e bisavós durante a Grande Guerra Patriótica; outra bem diferente é ver a história desenrolar-se através dos olhos de seu próprio pai ou irmão. Dê-lhes mais um ano ou dois e os jovens da Rússia aprenderão a olhar com desdém os produtos dos propagadores da cultura orientados para o Ocidente da Rússia. Seus anciãos já o fazem: pesquisas de opinião mostram que a grande maioria dos russos vê a influência cultural ocidental como negativa.

E o que dizer desses propagadores da cultura russa que têm adorado todas as coisas ocidentais? Aqui, uma coisa muito curiosa aconteceu. Quando a operação militar especial foi anunciada pela primeira vez, eles se manifestaram contra ela e a favor dos nazis ucranianos – uma coisa estúpida a fazer, mas eles acharam bom e apropriado manter suas opiniões políticas harmonizadas com as de seus patronos e ídolos ocidentais, de modo a permanecer nas suas boas graças. Alguns deles protestaram contra a guerra (ignorando o facto de que ela já estava a acontecer há oito longos anos). E então alguns deles fugiram do país com uma pressa indecorosa.

Tenha em mente que não são nem cirurgiões nem cientistas de foguetes: são pessoas que andam de um lado para o outro no palco enquanto fazem barulhos com as mãos e a boca; ou são pessoas que se sentam enquanto os maquiladores fazem coisas em seus rostos e cabelos, depois repetem incessantemente linhas escritas para eles por outra pessoa. Não são pessoas que têm a capacidade de analisar uma situação política complicada e fazer a escolha certa. Numa época anterior e mais sã, suas opiniões seriam firmemente ignoradas, mas tal é o efeito da Internet, dos media sociais e de todo o resto, que qualquer histérico pode gravar um pequeno vídeo e milhões de pessoas, não tendo nada melhor a fazer com o seu tempo, assistirão nos seus telemóveis e farão comentários.

O facto dessas pessoas estarem voluntariamente a limpar o espaço mediático russo de sua presença é um desenvolvimento positivo, mas leva tempo. Se a operação militar especial terminasse amanhã, não há dúvida de que eles tentariam voltar e fingir que nada disso aconteceu. E então a cultura popular russa permaneceria uma fossa de estilo ocidental cheia de personalidades vazias que procuram glorificar cada pecado mortal em prol da notoriedade e ganho pessoal. A Rússia tem muitas pessoas talentosas ansiosas para tomar o seu lugar – se ao menos elas ficassem fora o tempo suficiente para que todos se esquecessem delas!

Particularmente prejudicial para o futuro da Rússia foi o surgimento e a preeminência das elites económicas e financeiras pró-ocidentais. Desde a privatização aleatória e, em muitos casos, criminosa dos recursos estatais na década de 1990, foi levantada toda uma corte de poderosos agentes económicos que não têm em mente os interesses da Rússia. Em vez disso, são atores económicos puramente egoístas que até muito recentemente pensavam que seus ganhos ilícitos lhes permitiriam entrar na sociedade ocidental elegante. Essas pessoas geralmente têm mais que um passaporte, tentam manter suas famílias em algum enclave rico fora da Rússia, enviam seus filhos para escolas e universidades no Ocidente, e seu único uso da Rússia é como território que podem explorar com seus esquemas de extração de riqueza.

Quando, em resposta ao início da operação militar especial da Rússia, o Ocidente montou um ataque especulativo ao rublo, forçando o banco central da Rússia a impor controlos cambiais rigorosos, esses membros da elite russa foram forçados a começar a pensar em fazer uma escolha importante. Eles poderiam ficar na Rússia, mas então teriam que cortar seus laços com o Ocidente; ou poderiam mudar-se para o Ocidente e viver das suas economias, mas então ficariam cortados da fonte da sua riqueza. Sua escolha foi facilitada pelos governos ocidentais que trabalharam duro para confiscar a propriedade de cidadãos russos ricos, congelar suas contas bancárias e submetê-los a várias outras indignidades e inconveniências.

Ainda assim, é uma escolha difícil para fazerem percebendo que, apesar de sua riqueza às vezes fabulosa, para o Ocidente coletivo eles são apenas alguns russos que podem ser roubados. Muitos deles não estão mentalmente preparados para alinhar a sua sorte com a do seu próprio povo, que foram ensinados a desprezar e explorar para ganho pessoal. Uma rápida vitória na operação militar especial da Rússia lhes permitiria pensar que seus problemas eram de natureza temporária. Dado tempo suficiente, alguns fugirão para sempre, enquanto outros decidirão ficar e trabalhar para o bem comum na Rússia.

Em seguida estão vários membros do governo russo que, tendo sido educados em economia ocidental, são incapazes de entender a transformação económica que está ocorrendo na Rússia, sem se importar em ajudá-la. A maior parte do que se passa por pensamento económico no Ocidente é apenas uma elaborada cortina de fumaça sobre este ditado fundamental:  "Os ricos devem ser autorizados a ficar mais ricos, os pobres devem ser mantidos pobres e o governo não deve tentar ajudá-los (muito)". Isso funcionou enquanto o Ocidente tinha colónias para explorar, seja através da boa e velha conquista imperial, pilhagem e rapina, ou através do neocolonialismo financeiro dos "assassinos económicos" de John Perkins, ou, como recentemente foi admitido a contragosto por vários altos funcionários da UE, aproveitando a energia russa barata.

Isso não funciona mais – nem no Ocidente, nem na Rússia ou em qualquer outro lugar, e as mentalidades precisam se ajustar. Há uma grande inércia nas nomeações para cargos governamentais, onde há muitos interesses investidos disputando poder e influência. Leva tempo para que ideias tão básicas penetrem no sistema como o facto de que o FED dos EUA não tem mais o monopólio planetário da impressão de dinheiro. Portanto, já não é necessário que o banco central da Rússia tenha dólares em reserva para cobrir suas emissões de rublos para defendê-lo contra ataques especulativos, uma vez que não é necessário que o banco central da Rússia permita que os especuladores de moeda estrangeira corram desenfreadamente e encenem ataques especulativos.

Mas alguns resultados já foram alcançados, e eles são nada menos que espetaculares:  nos últimos meses, apenas alguns desvios bem escolhidos da ortodoxia económica ocidental fizeram do rublo a moeda mais forte do mundo, permitiram que a Rússia ganhasse mais receita exportando menos petróleo, gás e carvão, e permitiram que reduzisse a inflação a quase zero. Desde o início da operação militar especial, a Rússia tem sido capaz de reduzir grandemente a sua dívida nacional e aumentar as receitas do governo. Um fim rápido da operação militar especial da Rússia pode significar o fim de tais milagres e um retorno muito indesejável ao status quo ante insustentável.

Além do mundo intangível das finanças, mudanças igualmente significativas têm ocorrido em toda a economia física russa. Anteriormente, muitos setores económicos, incluindo vendas de carros, construção e melhoria de casas, desenvolvimento de software e muitos outros, eram de propriedade estrangeira e os lucros dessas atividades deixavam o país. Então foi tomada a decisão de bloquear a expatriação de dividendos. Em resposta, as empresas estrangeiras venderam seus ativos russos, tendo uma enorme perda e privando-se de acesso ao mercado russo.

A mudança foi bastante impressionante. Por exemplo, no início de 2022, as empresas automobilísticas ocidentais possuíam uma grande parcela do mercado automóvel russo. Muitos dos carros vendidos eram montados em fábricas de propriedade estrangeira e os lucros dessas vendas expatriados. Agora, menos de um ano depois, as montadoras europeias e americanas praticamente desapareceram da Rússia, substituídas por uma indústria automobilística interna rapidamente renascida. As montadoras chinesas imediatamente conquistaram uma grande participação de mercado para si mesmas, enquanto a Coreia do Sul continuou a negociar com a Rússia e manteve sua participação de mercado.

Igualmente impressionantes foram as mudanças na indústria aeronáutica. Anteriormente, as companhias aéreas russas estavam voando Airbuses e Boeings, a maioria alugados. Após o início da operação especial, os políticos ocidentais exigiram que esses arrendamentos fossem rescindidos e as aeronaves devolvidas aos seus proprietários, negligenciando o facto de que isso seria ruinoso financeiramente (saturando o mercado de aeronaves usadas e destruindo a procura por novas aeronaves) e, além disso, fisicamente impossível, dado que não havia como efetuar a transferência das aeronaves. Em resposta, as companhias aéreas russas nacionalizaram o registo das aeronaves, pararam de voar para destinos hostis onde suas aeronaves poderiam ser apreendidas e começaram a fazer pagamentos de arrendamento em rublos para contas especiais no banco central russo.

Então veio a notícia de que a Aeroflot está pretendendo comprar mais de 300 novos jatos de passageiros, todos russos, МС-21s, SSJ-100s e Tu-214s, com as primeiras entregas previstas para 2023. Houve uma luta para substituir quase todos os componentes de origem ocidental, como componentes para a asa de fibra de carbono do MC-21, para motores a jato, aviónica e muito mais. Durante esse período, muitos dos Boeings e Airbuses anteriormente arrendados serão eliminados, mas a participação de mercado dessas empresas no maior país da Terra desaparecerá para sempre.

Os danos aos fabricantes de aeronaves ocidentais têm contrapartida nos danos às companhias aéreas ocidentais. No início das hostilidades, o Ocidente coletivo fechou seu espaço aéreo para a Rússia, e a Rússia retribuiu. O problema é que a Europa é pequena e fácil de voar, enquanto a Rússia é enorme e voar ao redor leva um dia inteiro. As companhias aéreas europeias de repente descobriram que não podem competir em rotas para o Japão, China ou Coreia.

Na sequência do encerramento do espaço aéreo vieram outras sanções, tanto da UE como dos EUA, todas elas ilegais, uma vez que o Conselho de Segurança da ONU é o único órgão com poderes para impor sanções. Neste momento, a UE está a trabalhar no nono pacote de sanções, todas as quais foram apelidadas de "sanções do inferno". Falando em inferno, no Inferno de Dante Alighieri há nove círculos do inferno, então talvez o rolo compressor das sanções esteja prestes a seguir seu curso.

Essas sanções deveriam ter destruído rapidamente a economia russa e causado tanta agitação social e sofrimento que o povo se reuniria na Praça Vermelha e derrubaria o temido ditador Putin (ou assim pensavam os especialistas em política externa ocidental). Claramente, nada disso aconteceu e o índice de aprovação de Putin está mais alto do que nunca. Por outro lado, as pessoas de bem da UE estão de facto a começar a sofrer. Não podem mais dar-se ao luxo de aquecer suas casas ou tomar banhos quentes regulares, a comida tornou-se escandalosamente cara e tudo está dando tão errado que enormes multidões de manifestantes têm-se reunido em toda a Europa e exigindo, entre outras coisas, o fim das sanções anti-russas, a normalização das relações com a Rússia e um retorno aos negócios como de costume. É improvável que as suas exigências sejam satisfeitas, uma vez que isso significaria uma grande perda de face para os líderes europeus.

Mas há uma razão mais importante pela qual as sanções permanecerão: um retorno aos negócios como de costume significaria que a Rússia mais uma vez forneceria energia e matérias-primas para a Europa de forma barata, permitindo que as empresas europeias lucrassem com o trabalho dos russos. Isso é bastante pouco atraente e, portanto, é improvável que aconteça. A Rússia está usando as sanções como uma oportunidade para reconstruir sua indústria doméstica e reorientar seu comércio para longe de nações hostis e em direção a nações amigas que são justas e simpáticas nas suas relações com a Rússia. Também está trabalhando duro para eliminar gradualmente o uso de moedas que Dmitry Medvedev chamou de "tóxicas"; ou seja, o dólar americano e o euro.

Adicione a esta lista uma maravilhosa nova inovação russa chamada "importação paralela". Se alguma empresa, em conformidade com as sanções anti-russas, se recusar a vender seus produtos para a Rússia ou a prestar serviços ou atualizar seus produtos na Rússia, então a Rússia comprará esses produtos e atualizações de uma terceira, quarta ou quinta parte sem permissão dos EUA, da UE ou do fabricante. Se um determinado produto de marca ficar indisponível, os russos simplesmente renomeiam a marca e fazem o mesmo produto, ou fazem com que os chineses ou outro parceiro comercial façam isso por eles. E se o Ocidente se recusa a licenciar sua propriedade intelectual para a Rússia, então essa propriedade intelectual se torna livre na Rússia.

Isso funciona particularmente bem com o software: cópias gratuitas de software de marca são tão boas quanto as cópias pagas, e se o suporte técnico, treino ou outros serviços associados se tornarem indisponíveis no Ocidente, os russos simplesmente organizam seus próprios. A propriedade intelectual de vários tipos compõe uma grande parte da riqueza ocidental, e as sanções ocidentais estão tendo o efeito de permitir que a Rússia faça uso dela gratuitamente. Graças à tecnologia digital moderna também funciona muito bem com hardware. Produtos de engenharia podem ser obtidos comprando os modelos 3D numa pen e imprimindo-os em 3D ou gerando-os automaticamente num NC mill. Putin gosta de usar a expressão "tsap-tsarap" para descrever esse processo. É difícil traduzir, mas pertence ao ato de um gato arrebatar sua presa com suas garras. O que a Rússia anteriormente tinha que pagar é agora grátis, graças às sanções.

Uma vez que a Guerra dos Cachinhos Dourados é, afinal, uma espécie de guerra, precisamos discutir brevemente seus aspetos militares. O objetivo declarado é desmilitarizar e desnazificar a antiga Ucrânia, e até certo ponto isso já foi alcançado: a maior parte da blindagem e artilharia que a Ucrânia herdou da URSS já foi destruída; a maioria dos batalhões nazistas obstinados estão mortos ou são uma sombra dos antigos. Foram-se também a maioria dos voluntários que uma vez lutaram do lado ucraniano. Depois de mais de 100 mil soldados ucranianos "terem sido mortos" desde fevereiro de 2022 (como declarado francamente, depois timidamente negado, pela presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen), e depois de talvez até 500 mil baixas, de grande quantidade de homens em idade de serviço militar a subornarem para sair do país e várias vagas de recrutamento, é uma escolha magra. Com bem mais de cem vítimas ucranianas por dia, a colheita deve ficar ainda mais magra ao longo do tempo.

Mercenários estrangeiros têm sido usados para preencher a lacuna – britânicos, polacos, romenos – mas há um grande problema com eles: como Júlio César apontou, muitas pessoas estão dispostas a matar por dinheiro, mas ninguém quer morrer por dinheiro. Informações atualizadas sobre as baixas russas são um segredo de Estado e o único número divulgado pelo ministro da Defesa, Sergei Shoigu, no final de setembro de 2022, foi de 5 937 mortos desde o início da campanha. Diz-se que a taxa de vítimas é significativamente menor desde então.

Atualmente, ainda não há escassez de idiotas do lado ucraniano e tão pouco há escassez de armamento ocidental doado. Primeiro vieram tanques usados da era soviética e outros sistemas de armas doados de toda a Europa Oriental; depois vieram os sistemas de armas ocidentais reais. E agora, em toda a NATO, ouvem-se gritos de que eles não têm mais nada que possam dar aos ucranianos: o armazém está vazio. Também não podem fabricar mais armas rapidamente. Para começar a produzir armas no mesmo ritmo que a Rússia está fazendo, precisariam primeiro se reindustrializar – e não há nem os recursos humanos, nem o dinheiro para fazê-lo. E assim o exército russo está a desmilitarizar a Ucrânia e o resto da NATO com ela. No processo, está aperfeiçoando a arte de lutar uma guerra terrestre contra a NATO – sem que um único país da NATO sequer cogite tal ideia.

Talvez seja espírito de missão, ou talvez este tenha sido o plano o tempo todo, mas o que a Rússia está a fazer neste momento é destruir a NATO. Deve lembrar-se que há um ano a Rússia exigiu que os EUA honrassem certas garantias de segurança feitas como condição para permitir a reunificação pacífica da Alemanha; ou seja, que a NATO não se expandiria para o leste. "Nem um centímetro a leste" é o que se lê no registo oficial da reunião. Gorbachev e Shevardnadze não conseguiram colocar este acordo no papel e ser assinado, mas um acordo verbal é um acordo. Há um ano, a oferta da Rússia era bastante moderada: que a NATO se retirasse para suas fronteiras pré-1997, quando ela se expandiu para a Europa Oriental.

Como geralmente acontece ao negociar com os russos, sua oferta inicial é geralmente a melhor. Por tudo o que sabemos, com base em como as coisas estão indo na Ucrânia, a melhor e última oferta da Rússia pode exigir que a NATO se dissolva completamente. Afinal, o Pacto de Varsóvia foi dissolvido há 31 anos, mas a NATO ainda está por aí e é maior do que nunca; para quê? Para lutar contra a Rússia? Bem, então, o que estão esperando? Venham fazê-lo! Isso pode até não assumir a forma de uma negociação. Por exemplo, a Rússia poderia dizer, dar uma sova rápida na Letónia (ela merece um golpe ou dois por abusar da sua grande população nativa russa ao estilo nazista) e depois recuar e dizer: "Vamos lá, NATO, venha e morra heroicamente à nossa porta pela pobre pequena Letónia!" Nisso, os funcionários da NATO permanecerão unidos, mas muito quietos, examinando cuidadosamente os seus próprios sapatos e os dos outros. Uma vez que se torne claro que não haverá ofertas para lançar a Terceira Guerra Mundial para vingar a Letónia, a NATO silenciosamente secará e rebentará.

Finalmente, chegamos àquilo que talvez seja a razão menos importante para a Guerra Cachinhos Dourados: a própria antiga Ucrânia. Em vista dos outros objetivos estratégicos da Rússia, parece mais uma peça de sacrifício numa jogada de xadrez. Dado o que a Rússia já alcançou nos últimos nove meses – quatro novas regiões russas, seis milhões de novos cidadãos russos, uma ponte terrestre para a Crimeia, abastecimento de água de irrigação para a Crimeia – não resta muito para a Rússia alcançar militarmente antes que sua campanha atinja o estágio de retornos decrescentes. A adição das regiões de Nikolaev e Odessa e o controlo total da costa do Mar Negro seriam, naturalmente, muito valiosos; o controle de Kharkov e Kiev um pouco menos. O controle de toda a cascata hidroelétrica de Dniepr é definitivamente agradável de se ter. Quanto ao resto, poderia ser deixado a definhar como um terreno baldio desindustrializado e despovoado, rotulado de "Principalmente inofensivo".

Deixem-me divulgar um detalhe pessoal. Dois dos meus avós eram de Zhitomir, meu pai nasceu em Kiev, meu primeiro interesse romântico foi uma garota de Odessa, e ao longo dos anos eu tive tantos amigos de Odessa, Kharkov, Lvov, Kiev, Donetsk, Vinnitsa e em outros lugares como em qualquer outro lugar da Rússia. Rússia? Você leu certo: não há como me convencer de que o chamado "território ucraniano" de alguma forma não é a Rússia ou que as pessoas que vivem lá de alguma forma não são russas – independentemente de algumas delas terem sofrido lavagem cerebral recentemente. Além do mais, nenhuma dessas pessoas que conheci ao longo dos anos jamais pensou em si mesmas como o mínimo ucraniano e provavelmente veria a própria ideia de uma identidade nacionalista ucraniana como sintomática de uma condição mental. O rótulo de "ucraniano" era para eles um sem sentido bolchevique; desde então, a ucranianidade foi transformada num método ocidental para explorar pequenas variações étnicas, a fim de fazer um grupo de russos lutar contra outro grupo de russos.

Caso você tenha dúvidas, vamos aplicar o bom e velho teste do pato: as pessoas de lá andam e se parecem com russos? Todo esse território, com uma pequena exceção no extremo oeste, fez parte da Rússia em qualquer lugar entre dez e três séculos; a maioria das pessoas lá, e praticamente toda a população urbana, fala russo como sua língua nativa; sua religião é predominantemente ortodoxa russa; eles são geneticamente indistinguíveis do resto da população russa. Então, o que aconteceu com eles?

Infelizmente, um pequeno pedaço desta terra russa passou três séculos em cativeiro do Império Austro-Húngaro ou como parte da Grande Polónia, e isso envenenou suas mentes com ideias estrangeiras, como o catolicismo e o nacionalismo étnico. Ao contrário da Rússia, que é um monolito multinacional, multiétnico e religiosamente diverso, o Ocidente é um mosaico de nacionalismos étnicos, e onde há nacionalistas pode haver nazistas, limpeza étnica e genocídio.

Tal como uma gota de veneno infecta todo o prato, esses ucranianos ocidentais, com muita ajuda e fundos dos nazistas alemães, depois dos americanos e dos canadianos, conseguiram infetar uma grande parte do antigo território ucraniano com um falso nacionalismo baseado numa história forjada e uma cultura cozinhada com negligência. As proibições oficiais do ensino e, por fim, do uso do russo provocaram uma geração de jovens que são essencialmente analfabetos do seu russo nativo. Eles são ensinados em ucraniano, mas a literacia ucraniana está próxima de um oxímoro, uma vez que nada de grande consequência foi alguma vez escrito ou publicado nessa linguagem e a vasta maioria das obras literárias ucranianas são, adivinhou, em russo.

A operação militar especial russa em andamento desde fevereiro de 2022 polarizou toda a população. Aqueles que decidiram estar com a Rússia em 2014 estavam, obviamente, muito felizes por finalmente obter alguma ajuda da Rússia. As regiões agora russas de Donetsk, Lugansk, Zaporozhye e Kherson votaram de bom grado para se juntar à Rússia. Mas, no que diz respeito ao resto do antigo território ucraniano, a polarização é principalmente na direção oposta. Aqueles que queriam estar com a Rússia votaram principalmente com os pés e agora estão vivendo em algum lugar da Rússia.

Isso é algo que só o tempo pode consertar. Finalmente, a população da antiga Ucrânia será forçada a fazer uma escolha: eles podem ser russos, ou eles podem ser refugiados em algum lugar da Europa, ou eles podem morrer lutando contra os russos na frente. Note que mesmo Donetsk e Lugansk não fizeram essa escolha imediatamente, como a Crimeia fez. Naquela época, apenas cerca de 70% de sua população era a favor de deixar a Ucrânia e voltar à Rússia. Foram necessários oito anos de bombardeios ucranianos implacáveis para convencê-los a fazer essa escolha.

Ao longo desses anos seguintes, os "ucranianos" obstinados deixaram para trás uma população que era quase 100% pró-russa. Foi só então que o Kremlin lhes concedeu reconhecimento oficial, enviou tropas para defendê-los da invasão iminente e, logo depois, aceitou-os na Federação Russa. E agora o mesmo tipo de operação de triagem tem que ocorrer em todo o resto da antiga Ucrânia. Quanto tempo vai demorar? Só o tempo dirá, mas já está claro que, no que diz respeito à Rússia, não há nenhuma razão convincente para se apressar.

02/Dezembro/2022

[NR] Cachinhos Dourados (Goldilocks), conto infantil do século XIX.

Por favor, descarregue meus últimos ensaios:
  • Ready… Set… Bolt!, 2022
  • [*] Escritor.

    O original encontra-se em thesaker.is/the-goldilocks-war/.

    Este artigo encontra-se em resistir.info

    07/Dez/22