Você ainda não viu nada

– Recordem, será que pedi desculpas pela minha citação de alguns dias atrás? Agora Vladimir Putin faz uma citação mais ou menos do mesmo género:

Andrei Martyanov [*]

Declaraçãoes de Putin.

O que quer ele dizer com isto? É exatamente isto que ele quer dizer e [o mesmo] que eu adverti durante anos, sendo a Operação Militar Especial (OME) uma resolução cinética para uma Pax Americana em colapso.

Eles deveriam ter percebido que já tinham perdido desde o início da nossa operação militar especial, porque o seu início significa também o início de um colapso completo da ordem mundial americana.

O princípio do buraco profundo

Ainda não reconheceram que enquanto a Rússia jogava de modo relativamente gentil, tiveram a oportunidade de organizar a sua derrota com decoro adequado e delicadezas diplomáticas e, talvez, até de beneficiar disso a longo prazo. Mas não é assim que as "elites" ocidentais são criadas e "educadas" e elas duplicam [as apostas], violando o princípio fundamental da fuga do buraco profundo – é preciso parar de cavar para ter uma oportunidade. Mas não estes tipos.

Registo também que as Forças Armadas russas estão a utilizar uma pequena fração das suas forças na OME e mesmo esta pequena fração, auxiliada pelas heroicas milícias das Repúblicas de Lugansk e Donetsk, demoliu a VSU como uma força organizada em três meses. Não tem de acreditar em mim quanto a isto – um certo número de peritos militares norte-americanos (e europeus) admite que antes da OME a VSU era o segundo maior exército da Europa, depois da Turquia, e provavelmente o segundo em termos de capacidade militar, sem mencionar o facto de [estar sob] um comando direto da NATO e do ISR. Eis porque repito ad nauseam – isto não é o Afeganistão 2.0, trata-se de algo muito pior para o mundo ocidental e esta amostra é apenas a primeira a ser removida do poder, porque ela, inclusive através dos seus inexperientes relações públicas, contribuiu poderosamente para tornar o já inconsequente Reino Unido, em termos da nova ordem mundial emergente, num toldo de circo totalmente explodido. Olhem para este sujeito:

Boris.

Ele tem a imbecilidade escrita na sua cara. Se os orgulhosos britânicos não puderam reconhecer no que estavam a votar (não que os trabalhistas sejam melhores, de qualquer modo), então merecem totalmente o que votaram. Quem vem a seguir? Olaf Scholz? É possível! Quem temos nós na cadeia de comando nos EUA se de alguma forma Joe for removido? Exatamente:

 
Kamala.

Senhor, tenha piedade de todos nós no Ocidente, porque isto não vai acabar bem, especialmente quando Putin diz abertamente:   querem combater a Rússia? Tentem. O que é que ainda não vimos? Tenho algumas especulações na esfera militar a que me posso entregar, mas mesmo o que sabemos hoje é suficiente para concluir – e, mais uma vez, falo disto há anos – que o Ocidente combinado (leia-se os EUA e a NATO) perderam a corrida aos armamentos. Eles tão pouco conseguem apreender a escala das coisas.

A Rússia parece estar em vias de uma recessão muito mais superficial do que se esperava no início deste ano, relatou a Bloomberg na quarta-feira, citando peritos. Os carregamentos de petróleo que estão a aumentar têm atenuado o impacto das sanções dos EUA e da UE, dizem eles. De acordo com a publicação, economistas do JPMorgan Chase, Citigroup, e outros grandes bancos estão a cortar as suas perspetivas para a queda da produção este ano para tão pouco quanto 3,5%. Responsáveis russos, alguns dos quais previram uma contração de até 12%, preparam-se agora para atualizar as suas previsões para menos de metade disso.

São cretinos os que dirigem o ocidente conjunto. Leiam o que digo: tais pessoas não conseguem encontrar o seu próprio rabo com as duas mãos numa sala bem iluminada. Boa sorte para todos nós, porque, de facto, ainda não vimos nada.

07/Julho/2022

Ver também:
  • UK Military Begins Training 10,000 Ukrainians On British Soil Amid Calls For "Insurgency"
  • [*] Autor de:

    O original encontra-se em smoothiex12.blogspot.com/2022/07/you-aint-seen-nothing-yet.html

    Este artigo encontra-se em resistir.info

    10/Jul/22