A URSS foi vendida por US$12 mil milhões

– Gorbachov, ao invés de um obituário

Aleksandr Dudchak [*]

Bush, Reagan, Gorbachov.

Gorbachov nunca foi o defensor ingénuo da "mudança" que fingiu ser. Ele declarou abertamente:  "O objetivo da minha vida era a destruição do comunismo, que é uma ditadura insuportável sobre o povo... Eu poderia fazer isso com mais sucesso realizando as mais altas funções (no Estado). Por isso, minha esposa Raisa recomendou que eu constantemente me esforçasse para os cargos mais altos. E quando pessoalmente me familiarizei com o Ocidente, minha decisão tornou-se irrevogável. Tive que eliminar toda a liderança da PCUS e da URSS. Também tive que remover a liderança em todos os países socialistas... com tais propósitos, encontrei pessoas com ideias semelhantes. Em primeiro lugar, foram Yakovlev e Chevardnadze, que têm grandes méritos para o derrubar do comunismo..."

"Você pode comemorar o Natal com segurança. A URSS já não existe". – esta famosa frase de Gorbachov foi dirigida ao presidente americano. Em resposta, Bush assegurou a Gorbachov a sua sincera gratidão.

A partir de 1985, Gorbachov criou sistematicamente as estruturas de uma economia “sombra” no partido, tanto na URSS quanto no exterior, adotando e implementando várias decisões do partido e do governo. Para realizar as tarefas que se atribuiu, Gorbachov determinou pessoalmente uma lista de representantes autorizados de entre os membros do Comité Central da PCUS, a Direção Principal do Comité Central da PCUS, a liderança do KGB, o Ministério das Finanças e o Banco Central.

Para resolver a questão das reformas urgentes na economia da URSS, sob a liderança de Gorbachov uma nova lei sobre empresas estatais foi aprovada em janeiro de 1988. Segundo ela, o Estado foi isentado de responsabilidade pelas obrigações das empresas. As empresas também não cumpriam as obrigações para com o Estado. Essa lei trouxe caos e desorganização às atividades económicas das empresas. Ao mesmo tempo, mantendo uma economia planificada, a distribuição centralizada de fundos foi mantida. Os ministérios ainda eram obrigados a fornecer às empresas tudo o que precisavam, mas as empresas, sob a nova lei, poderiam desfazer-se da sua propriedade segundo os seus critérios.

A economia do país tornou-se uma via de sentido único. As empresas tiveram a oportunidade de gradualmente se afastarem das ordens estatais e desenvolver-se de acordo com seu próprio plano resolvendo independentemente questões correntes, bem como em relação às formas de venda de mercadorias e preços. Mas a falta de infraestruturas de mercado e organizações intermediárias dificultou muito esse caminho. Apesar da cláusula da lei de falências, os subsídios estatais não permitiam que as organizações fossem liquidadas, fortalecendo-se assim o círculo vicioso: distribuição estatal inadequada de fundos, "lavagem" do orçamento estatal e má gestão do país.

Em maio de 1988, sob pressão de Gorbachov, o Soviete Supremo da URSS aprovou a Lei "Sobre a Cooperação". Por trás das frases gerais e inúmeros artigos da lei estava oculta a sua verdadeira essência: as empresas eram autorizadas a criar cooperativas com direito ao uso de recursos estatais centralizados. Mas, ao contrário de pequenas empresas, e mesmo ao contrário de empresas maiores, essas cooperativas poderiam, de acordo com a lei, conduzir de forma independente operações de exportação, criar bancos comerciais e criar suas próprias empresas no exterior. Ao mesmo tempo, os lucros em moeda estrangeira não estavam sujeitos a serem retidos. No período de 1988 até o início de 1989, o Conselho de Ministros da URSS adotou decisões que aboliram o monopólio estatal sobre a atividade económica com o estrangeiro, proibiram as alfândegas de deter a carga das cooperativas e permitiram que deixassem os lucros no exterior.

Usando recursos administrativos, Gorbachov primeiro libertou empresas das suas obrigações para com o país, depois transferiu os ativos do país para as mãos de cooperativas e abriu amplamente as fronteiras da URSS.

Em questão de semanas, as empresas estatais foram na sua maioria registadas como cooperativas, propriedade de parentes de diretores, secretários de comités regionais e membros do Comité Central da PCUS. Enquanto os fundos públicos ainda previam recursos para a produção das fábricas e centrais elétricas, agora os próprios diretores tinham o direito de dispor desses produtos. Eles começaram a direcionar esses recursos para a propriedade de cooperativas "familiares" e a enviarem-nos para o exterior. Cimento, metais, produtos petrolíferos e gás, algodão, madeiras, fertilizantes, minerais, borracha e couro – tudo o que o Estado enviara às empresas para a produção e abastecer o mercado interno foi enviado em comboios para o exterior através das "zonas verdes" nas fronteiras. Gestores e funcionários das cooperativas começaram a acumular capital em contas pessoais no exterior. De acordo com o plano de Gorbachov, na hora "H", esses fundos regressaram legalmente ao país, através dos seus bancos, para comprarem os seus próprios empreendimentos.

Em 1988-1989, cooperativas formadas "por decisão do partido" exportaram metade dos bens de consumo produzidos no país e os ativos disponíveis da URSS. O mercado interno entrou em colapso, havendo escassez de produtos industriais e alimentícios no país. Por ordem de Gorbachov e Ryzhkov, as reservas de ouro da União Soviética foram usadas para comprar comida no exterior. O ouro fluiu para o exterior para a compra de alimentos "estrangeiros". Muitas vezes, sob o pretexto de mercadorias estrangeiras, produtos nacionais comprados no mercado interno eram importados. Nos portos de Leninegrado, Riga ou Tallinn, navios eram carregados como sendo cereais de ração baratos, contornavam a Europa e regressavam a Odessa como contendo trigo alimentar "importado" para a URSS a um preço de 120 dólares por tonelada. Somente em 1989, 2 750 kg de ouro foram exportados para comprar sementes de milho dos Estados Unidos e Canadá. A rota de transporte de ouro atravessou o Tartaristão, e depois foi enviada para Israel juntamente com diamantes no valor de 28 milhões de dólares.

Em 13 de fevereiro de 1990, Gorbachov emitiu uma diretiva "Sobre a necessidade de considerar certos aspetos legais da vida do partido em relação aos resultados do plenário de fevereiro (1990) do Comité Central da PCUS". Esta diretiva referia-se à necessidade de mudança para um sistema multipartidário na URSS e à possibilidade de retirar ao partido a sua propriedade, principalmente edifícios fornecidos a comités partidários, outras organizações e instituições do PCUS: editoras, gráficas, casas de repouso, casas de saúde e outras instalações sociais, veículos, etc.

Uma ordem ultra secreta de Gorbachov e Ryzhkov estabeleceu um procedimento especial para a taxa de câmbio do dólar para os funcionários do Comité Central. Os altos funcionários foram autorizados a trocar 1 dólar americano à taxa de 62 kopecks, e para todos os outros cidadãos do país a troca era de 1 dólar por 6 rublos e 26 kopecks. Membros do Comité Central e funcionários da nomenklatura foram autorizados a obter empréstimos de bancos, comprar moeda estrangeira e exportá-la para o exterior, abrindo contas pessoais em bancos estrangeiros.

Tudo isso aconteceu quando trabalhadores soviéticos, cientistas, militares e funcionários já não recebiam salário. O desemprego em massa começou, greves e comícios começaram, alimentos e produtos industriais desapareceram, os laços económicos e financeiros entre as empresas foram interrompidos, nas Repúblicas foram criados partidos comunistas orientados para a "soberania nacional", foram também criadas frentes populares.

Os líderes das Repúblicas da União, olhando para o que estava a acontecer em Moscovo, começaram uma campanha anti-russa. Houve confrontos nacionais no Cáucaso, nos Estados Bálticos e na Ásia Central. Os primeiros tiros foram disparados na Transnístria. Refugiados russos vieram das repúblicas inundando a Rússia, onde ninguém precisava deles. Os meios de comunicação de massa transmitiam apelos ao "povo russo" para ajudar seus compatriotas que estavam numa situação sem precedentes. Eles indicaram o número das contas para as quais se era solicitado transferir dinheiro, "que todos façam o máximo que puderem". Ninguém tinha dinheiro, e os salários dos trabalhadores não eram pagos há vários meses... Comícios em massa de trabalhadores de diversos ramos da economia nacional, relacionados com o não pagamento de salários e uma existência de pobreza, tornaram-se comuns. Em pouco tempo, 166 minas – cerca de 180 000 trabalhadores – entraram em greve.

Em 13 de março de 1990, não sem a participação de Gorbachov, o artigo 6º da Constituição do país, que garantia ao PCUS um monopólio político na URSS, foi revogado. O PCUS perdeu a hegemonia política, mas a sua elite sob a liderança de Gorbachov, com seu capital, já se havia se tornado uma casta à parte. O país começou a "democracia galopante" na forma da introdução do dólar americano na economia, o que levou ao colapso completo do sistema financeiro da URSS.

Fila do pão.

Através do dono de um canal de televisão, Maxwell, milhares de milhões de dólares foram da URSS para o Ocidente. Ele vendia rublos soviéticos por moeda estrangeira no Ocidente, e esses fundos eram depositados em contas privadas.

Para vender o rublo soviético para o Ocidente, Gorbachov, em conluio com Maxwell, com a ajuda do ministro das Finanças da URSS, Pavlov e do gerente do Banco Estatal da URSS Gerashchenko, atraíram o financeiro suíço Schmidt da empresa "Burogemeinschaft", que ficou envolvido na mediação. Os suíços voaram para Moscovo e mantiveram conversações com Pavlov e Gerashchenko.

Eles concordaram em retirar 280 mil milhões de rublos da URSS e vendê-los. Schmidt era um financeiro experiente e tinha um claro entendimento do estado de circulação de dinheiro na União Soviética (na URSS naquela época havia apenas 139 mil milhões de rublos de dinheiro em circulação). Depois de receber a oferta de Pavlov para vender 280 mil milhões de rublos, Schmidt fez-lhe uma pergunta: "Você vai retirar todo esse dinheiro de circulação?" "Parcialmente", respondeu o ministro das Finanças da URSS, esclarecendo: "Mas não pense que somos idiotas. Nós somos ricos. Não se preocupe connosco! Nós vamos imprimi-los novamente”.

O acordo foi preparado por Gerashchenko e Pavlov por ordem secreta de Gorbachov. Pavlov, Gerashchenko e Schmidt chegaram a acordo sobre como vender 280 mil milhões de rublos para o Ocidente, concordando em atuar em quatro etapas, designadamente:

No total, foram recebidos 12 mil milhões de dólares por 280 mil milhões de rublos. O acordo foi concluído na véspera do golpe de Agosto de 1991.

Acabou a fazer anúncios da Pizza Hut.

A venda de dinheiro soviético foi pessoalmente liderada pelos ex-ministros das Finanças da URSS V. Pavlov e V. Orlov. V. Pavlov chegou à Suíça incógnito no final de 1990 (com passaporte falso). Não teve contactos nem com a embaixada soviética em Berna nem com as autoridades suíças. Em Zurique, Pavlov realizou reuniões secretas com Schmidt e chefes de bancos suíços, alemães, franceses e britânicos e, no final de janeiro de 1991, o novo ministro das Finanças, V. Orlov, também viajou para a Suíça com documentos falsos, onde se reuniu e conversou com representantes dos círculos financeiros dos EUA e da Europa. Além da questão dos mecanismos de transferência de fundos para o Ocidente, Orlov disse que Gorbachov e seu governo gostariam de vender uma quantidade significativa de ouro, diamantes e platina, mas temiam que, devido a fugas de informações, os preços no mercado mundial pudessem cair.

No final da transação, de acordo com testemunhas, Pavlov disse a Schmidt: "Os que lhe enviaram os números das contas são aqueles para os quais você precisa transferir esse dinheiro. Na última fase, o Sr. Orlov supervisionará pessoalmente a transação". Conforme o acordo, os valores especificados em rublos equivalentes foram exportados da URSS para a Suíça. Schmidt, como ele mesmo disse, comprou a União Soviética por apenas 12 mil milhões de dólares.

O roubo do dinheiro soviético levou o país a um colapso completo. O dano ao Estado foi incalculável: 360 mil milhões de rublos das poupanças do trabalho do povo da URSS, que estavam em caixas económicas, foram desvalorizados e o sistema financeiro do país entrou em colapso.

Este acordo acabou por levar ao colapso completo da URSS. O clã Gorbachov desvalorizou o rublo soviético a um nível infinitamente baixo, para depois por um centavo serem comprados os gigantes da nossa indústria e os maiores depósitos de matérias-primas. Em 1985-1987, 1 dólar americano em liquidações internacionais custava 0,6 rublos, em 1990, já 3,6 rublos, e em 1991 o custo de 1 dólar chegou a 18 rublos. Após o colapso da URSS, a tomada de poder pelo grupo Yeltsin e a saída de rublos soviéticos pelo grupo Gorbachov, a cotação cambial em 1992 caiu para um 1 dólar por 1000 rublos. Se em 1985-1987 o custo de uma refinaria de petróleo era de 500 milhões de rublos, ou seja, 790 milhões de dólares à taxa de câmbio da época, então em 1992 era de apenas 500 000 dólares. Estrangeiros começaram a comprar a Rússia por tostões...

31/Agosto/2022

[*] Economista, ucraniano.

O original encontra-se em www.stalkerzone.org/gorbachev-instead-of-an-obituary/

Este artigo encontra-se em resistir.info

03/Set/22