Enquanto a Europa e os EUA nunca estiveram tão alinhados, o 'Ocidente' paradoxalmente também nunca esteve tão sozinho

– Aí está a linha de fundo: permitir que a carnificina na Ucrânia continue; ficar sentado a observar os 'heróicos ucranianos a sangrarem a Rússia até secar'; fazer o suficiente para sustentar o conflito (fornecendo algumas armas), mas não o suficiente para intensificá-lo; e interpretá-lo como a luta heroica pela democracia, para satisfazer a opinião pública.

Alastair Crooke [*]

Comunidade internacional.

Muito ocasionalmente, uma única anedota pode resumir quase completamente um momento da história. E este fê-lo: em 2005, Zbig Brzezinski, o arquiteto do Afeganistão como atoleiro para a União Soviética, e autor de O Grande Tabuleiro de Xadrez (que incorporou a máxima de Mackinder segundo a qual “aquele que controla o coração da Ásia controla o mundo” na política externa dos EUA), sentou-se em Washington com Alexander Dugin, filósofo político russo e defensor de um renascimento cultural e geopolítico do “território central”.

Brzezinski já tinha escrito no seu livro que, sem a Ucrânia, a Rússia nunca se tornaria uma potência do território central; mas, com ela, a Rússia pode e quer. O encontro realizou-se tendo por cenário o suporte fotográfico de um tabuleiro de xadrez colocado entre Brzezinski e Dugin (para promover o livro de Brzezinski). Essa ilustração com um tabuleiro de xadrez levou Dugin a perguntar se Brzezinski considerava o xadrez um jogo para dois: “Não, retorquiu ele: é um jogo para um. Sempre que uma peça de xadrez se move você vira o tabuleiro e move as peças de xadrez do outro lado. Não há 'outro' neste jogo”, insistiu Brzezinski.

É claro que o jogo de xadrez com uma só mão estava implícito na doutrina de Mackinder: "Aquele que controla o território central" era uma mensagem para as potências anglo-americanas nunca permitirem uma potência central unida. (Isso, claro, é precisamente o que está a acontecer a cada momento).

E, na segunda-feira, Biden citou Brzezinski em voz alta, enquanto discursava na Mesa Redonda dos Negócios nos EUA. Chegou ao final do seu breve discurso, onde falou sobre a invasão da Ucrânia pela Rússia e o futuro económico da América:

“Acho que isto nos apresenta algumas oportunidades significativas para fazer algumas mudanças reais. Estamos num ponto de inflexão, acredito, na economia mundial: [e] não apenas na economia mundial – [que] ocorre no mundo a cada três ou quatro gerações. Como um dos meus, como me disse um dos principais militares numa reunião reservada no outro dia, morreram 60 milhões de pessoas entre 1900 e 1946; e desde então estabelecemos uma ordem mundial liberal o que não acontecia há muito tempo. Muitas pessoas morreram, mas em parte nenhuma se chegou perto do caos. E agora é a hora em que as coisas estão a mudar. Haverá uma nova ordem mundial lá fora; e temos de liderá-la e de unir o resto do mundo livre para fazê-lo”.

Novamente, não há 'outro' no tabuleiro. Quando os movimentos se realizam, o tabuleiro gira 180º para jogar do outro lado.

O ponto aqui é que o contra-ataque cuidadosamente deliberado pelo espírito da época de Brzezinski foi formalmente lançado em Pequim com a declaração conjunta de que nem a Rússia nem a China aceitam que os Estados Unidos joguem xadrez sozinhos sem outros no tabuleiro. Isso representa a questão que define esta época vindoura: a abertura da geopolítica. É uma questão pela qual os 'outros' excluídos estão preparados para ir à guerra (não veem escolha).

Um segundo jogador de xadrez deu um passo à frente e insiste em jogar – a Rússia. E um terceiro está pronto: a China. Outros estão a fazer fila silenciosamente para testemunhar como se dá o primeiro ajuste nesta guerra geopolítica. Parece, pelos comentários de Biden citados acima, que os EUA pretendem usar sanções, e todas as medidas sem precedentes do Tesouro dos EUA, contra os dissidentes de Brzezinski. A Rússia deve ser um exemplo do que espera quem quer que apareça a exigir um assento no conselho.

Mas é uma abordagem que está fundamentalmente errada. Ela deriva da célebre máxima de Kissinger de que "quem controla o dinheiro controla o mundo". Estava errado desde o início: sempre controlou o mundo 'aquele que controla os alimentos, a energia (humana e fóssil) e o dinheiro. Mas Kissinger simplesmente ignorou as duas primeiras condições exigidas – e a última imprimiu-se nos circuitos mentais de Washington.

E aqui está o paradoxo: quando Brzezinski escreveu o seu livro, vivia-se numa época muito diferente. Hoje, enquanto a Europa e os EUA nunca tinham estado tão alinhados, o 'Ocidente', paradoxalmente, também nunca esteve tão sozinho . A oposição à Rússia pode ter parecido desde o início um unificador global: a opinião mundial opor-se-ia tão fortemente ao ataque de Moscovo, que a China pagaria um alto preço político por não entrar no movimento anti-Rússia. Mas não é assim que está a acontecer.

“Enquanto a retórica dos EUA critica a Rússia por ‘crimes de guerra’ e a crise humanitária na Ucrânia e outros”, o antigo embaixador indiano Bhadrakumar observa que “as capitais mundiais veem isto como um confronto entre a América e a Rússia. Fora do campo ocidental, a comunidade mundial recusa-se a impor sanções contra a Rússia ou mesmo a demonizar aquele país”.

A Declaração de Islamabad emitida na quarta-feira após a 45ª reunião dos ministros das Relações Exteriores dos 57 membros da Organização da Conferência Islâmica recusou-se a endossar sanções contra a Rússia. Nenhum país do continente africano ou da Ásia Ocidental, Ásia Central, Sul e Sudeste Asiático impôs sanções contra a Rússia”.

Pode muito bem haver aqui um outro fator em jogo: pois quando estes últimos Estados ouvem frases como "os ucranianos, pelo seu heroísmo, conquistaram o direito de entrar no nosso "clube de valores"', eles sentem o sopro de um debilitado cheiro a Europa "branca" agarrada aos botes salva-vidas.

A realidade é que as sanções a que Biden se referiu em seu discurso já falharam. A Rússia não entrou em falência; a bolsa de valores de Moscovo está aberta; o rublo está em recuperação; a sua conta-corrente está de boa saúde e a Rússia está a vender energia a preços de saldo (mesmo depois do desconto).

Em suma, o comércio 'será desviado', não destruído (o benefício de ser um exportador de bens quase totalmente produzidos localmente – ou seja, uma economia-fortaleza).

A segunda excentricidade na política de Biden é que a doutrina Clausewitziana (à qual a Rússia adere amplamente) defende o desmantelamento do 'centro de gravidade do inimigo, para alcançar a vitória', neste caso, presumivelmente, o controle ocidental da moeda de reserva global e dos sistemas de pagamentos. Hoje, no entanto, são a Europa e os EUA que o têm estado a desmantelar e a fecharem-se ainda mais na inflação crescente e na contração da atividade económica, nalgum ataque inexplicável de masoquismo moral.

Como Evans-Pritchard observa no Telegraph, “O que está claro é que a política de sanções ocidentais é o pior de todos os mundos. Estamos a sofrer um choque de energia que está a inflacionar ainda mais as receitas da guerra da Rússia... Há um medo generalizado de uma revolta de coletes amarelos em toda a Europa, uma suspeita de que um público instável não tolerará o choque do custo de vida assim que os horrores da Ucrânia perderem a novidade nas telas de TV”.

Mais uma vez, talvez possamos atribuir este comportamento paradoxal à obsessão de Kissinger pelo poder do dinheiro e ao esquecimento de outros fatores importantes.

Tudo isso levou a um certo mal-estar que se infiltrou nos corredores do poder em algumas capitais da NATO ao longo do curso que o conflito na Ucrânia está a tomar: a NATO não intervirá; não implementará uma zona de exclusão aérea; e ignorou incisivamente o novo pedido de Zelensky de mais equipamento militar. Ostensivamente, isso reflete o gesto "altruísta" do Ocidente para evitar uma guerra nuclear. Na realidade, no entanto, o desenvolvimento de novos armamentos pode transformar a geopolítica de um momento para o outro (por exemplo, o destruidor de bunkers inteligente hipersónico Kinzhal da Rússia). O fato é que, em geral, a NATO não pode prevalecer militarmente contra a Rússia na Ucrânia.

Parece que o Pentágono – por enquanto – venceu a guerra com o Departamento de Estado e iniciou o processo de 'corrigir a narrativa'.

Compare essas duas narrativas dos EUA:

O Departamento de Estado sinalizou na segunda-feira que os EUA estão a desencorajar Zelensky de fazer concessões à Rússia em troca de um cessar-fogo. O porta-voz “deixou muito claro que está aberto a uma solução diplomática que não comprometa os princípios fundamentais no centro da guerra do Kremlin contra a Ucrânia. Quando solicitado a explicar a sua afirmação, Price disse que a guerra é “maior” do que a Rússia e a Ucrânia. “O ponto chave é que há princípios que estão em jogo aqui que têm aplicabilidade universal em todos os lugares”. Price disse que Putin estava a tentar violar “princípios fundamentais”.

Mas, o Pentágono “lançou duas bombas da verdade” na sua batalha com o Estado e o Congresso para evitar o confronto com a Rússia:   “A conduta da Rússia nesta guerra brutal conta uma história diferente da visão amplamente aceite de que Putin pretende demolir a Ucrânia e infligir danos civis máximos – e revela o ato de equilíbrio estratégico do líder russo”, relatou a Newsweek num artigo intitulado “Os bombardeiros de Putin podem devastar a Ucrânia, mas ele está a segurar-se. Aqui está o porquê".

Um deles cita um analista não identificado da Agência de Inteligência de Defesa (DIA) do Pentágono dizendo:   “O coração de Kiev mal foi tocado. E quase todos os ataques de longo alcance foram direcionados a alvos militares. Um oficial aposentado da Força Aérea dos EUA que agora trabalha como analista para uma empresa que trabalha para o Pentágono acrescentou:  “Precisamos de entender a conduta real da Rússia. Se apenas nos convencermos de que a Rússia está a bombardear indiscriminadamente, ou [que] está a deixar de causar mais danos porque o seu pessoal não está à altura da tarefa ou porque é tecnicamente inepto, então não estamos a ver o conflito real”.

A segunda 'bomba da verdade' mina diretamente a dramática advertência de Biden sobre um ataque químico de falsa bandeira. A Reuters informou: “Os Estados Unidos ainda não viram nenhuma indicação concreta de um ataque iminente de armas químicas ou biológicas russas na Ucrânia, mas estão a monitorizar de perto os fluxos de informação para eles, disse um alto funcionário da defesa dos EUA”.

Biden está posicionado no meio, dizendo 'Putin é um criminoso de guerra', mas também que não haverá luta da NATO com a Rússia. “A única finalidade do jogo agora”, disse um alto funcionário do governo num evento privado no início deste mês, “é o fim do regime de Putin. Até lá, enquanto Putin ficar, [a Rússia] será um estado pária que nunca será bem-vindo de volta à comunidade das nações. A China cometeu um grande erro ao pensar que Putin se vai safar disso”.

Aí está – a linha de fundo: Permitir que a carnificina na Ucrânia continue; ficar sentado a observar os 'heróicos ucranianos a sangrarem a Rússia até secar'; fazer o suficiente para sustentar o conflito (fornecendo algumas armas), mas não o suficiente para intensificá-lo; e interpretá-lo como a luta heroica pela democracia, para satisfazer a opinião pública.

A questão é que não está a funcionar assim. Putin pode surpreender a todos em Washigton DC ao sair da Ucrânia quando a operação militar da Rússia estiver completa. (A propósito, quando Putin fala da Ucrânia, ele geralmente desconta a parte ocidental adicionada por Estaline como ucraniana).

E não está a dar certo com a China. Blinken disse como justificação das novas sanções impostas à China na semana passada:   “Estamos comprometidos em defender os direitos humanos em todo o mundo e continuaremos a usar todas as medidas diplomáticas e económicas para promover a responsabilidade”.

As sanções foram impostas porque a China não repudiou Putin. Só isso. A linguagem da responsabilidade e (da expiação) usada, no entanto, pode ser entendida apenas como uma expressão da cultura contemporânea desperta. Basta apresentar algum aspeto da cultura chinesa como politicamente incorreto (como racista, repressivo, misógino, supremacista ou ofensivo), e imediatamente ele se torna politicamente incorreto. E isso significa que qualquer aspeto dessa cultura pode ser usado à vontade pela Administração como merecedor de sanção.

O problema novamente se volta para a recusa do Ocidente em aceitar 'outros' no tabuleiro de xadrez. O que pode fazer a China, senão encolher os ombros para tal absurdo?

Biden, no seu discurso na Mesa Redonda, antecipou – mais uma vez – uma nova ordem mundial; sugeriu que um Grande Reinício está a chegar.

Mas talvez um 'Reinício do acerto de contas' de uma ordem diferente esteja nas cartas; um que reporá muitas coisas em relação ao que, até há relativamente pouco tempo, realmente funcionava. A política e a geopolítica metamorfoseiam-se a cada momento.

04/Abril/2022

[*] Ex-diplomata britânico, fundador e diretor do Fórum de Conflitos de Beirute.

O original encontra-se em www.strategic-culture.org/news/2022/03/28/geo-politics-is-metamorphosing-at-every-moment/ e a tradução de TAM em pelosocialismo.blogs.sapo.pt/enquanto-a-europa-e-os-eua-nunca-191630

Este artigo encontra-se em resistir.info

11/Abr/22