O cancro não se cura com votos ou palavras bonitas

Carlos Marques

Centrão, cartoon de Kleber.

De todo o texto do Miguel Sousa Tavares, na realidade só esta citação importa:   “E os outros são os 80% que não votaram no Chega ou os 50% que pagam IRS”.

O Ventura pode ser o demagogo, mas a corja como Miguel Sousa Tavares e Francisco Mendes da Silva, é que é o verdadeiro fascismo que trouxe o país a este ponto.

Com que então, os que não pagam IRS não valem a pena… Devem ser desprezados por terem salários e pensões miseráveis, decorrentes de um regime político, (NeoLiberalismo e USAtlantismo, EUropeísmo e Globalismo), e de um sistema económico, (€uro, ataques aos trabalhadores, recusa em distribuir riqueza, Estado fraco para com os fortes, etc), que é profundamente fascista e que é exatamente o que o MST e o FMS defendem…

Esta citação do MST diz-me tudo o que preciso de saber dele e dos do “centro moderado” e da “democracia liberal”. Eles, do PS até ao CDS, passando por PSD e IL, e incluindo os mais EUrofanáticos e fans da NATO no Livre e PAN, e agora também em parte do BE, é que são o cancro. O Ventura é apenas uma metástase.

E, enquanto não perceberem isto, o Ventura e os Venturas por esse Ocidente fora vão continuar a crescer como cogumelos. Até ao dia em que se volta à ditadura de facto, com o fascismo de botas cardadas. E isto é inevitável, pois como se vê no texto do MST, as elites não têm capacidade mental nem predisposição social para perceber.

Agora a culpa é de quem vota no Ventura… Quem não vota nos amigos do MST e do FMS é ignorante… E há que escolher entre ser livremente miserável ou abdicar da liberdade para sair da miséria, como se não houvesse mais nada pelo meio… É insultuosa a “lógica” do MST e companhia. Mas eles precisam desta “lógica” para evitar a realidade.

Vamos a ela:

1) O offshore da Madeira continua aberto, e os ricos têm todos os esquemas e mais alguns à disposição, legalizados, para poderem fugir aos impostos, mas os que votam no Ventura é que são maus…

2) em Portugal fecham urgências por falta de pessoal, por falta de r€sp€ito pelos profissionais, mas quem não paga IRS (por ter salário ou pensão miserável) é que é mau…

3) Portugal atacou direitos laborais e destruiu a contratação coletiva e o sindicalismo, tudo isto matou qualquer hipótese de se poder subir o poder de compra dos salários, mas quem desespera e vota em protesto é que é ignorante…

4) Portugal é um dos maiores prejudicados da ditadura neoliberal do €uro e isso condena o país a uma morte lenta, mas ai, ai, aí: os populismos é que são a causa do problema…

5) Tudo quanto é público é cada vez mais gerido na “lógica” privada (RTP, Lusa, CGD, TAP) ou já foi privatizado a privatizado a estrangeiros que não querem saber do país, (ANA, Galp, EDP, REN, CTT, PT, Cimpor), privando-nos de qualquer rumo ou sector estratégico. A seguir, vão vender o que falta da Escola Pública, do SNS, e das pensões, mas as pessoas a quem é dito pela propaganda que isto é certo e não há alternativa, por mais que sintam os efeitos nefastos, é que são o problema…

6) Os portugueses ou ficam em Portugal na miséria e a ver todos os dias a desigualdade, ou emigram, ou ficam a ver as suas famílias partidas quando seus filhos emigram. No país sobram trabalhos mal pagos, quase escravatura, que são aproveitados por imigrantes a quem o nosso país não diz nada. As elites acham muito bem, pois isto é para eles apenas um número bonito na folha de excel de pagamentos das suas empresas. Acham que os humanos devem andar de país em país a adaptar-se às necessidades da elite económica. E depois, quando esse povinho f*dido decide votar zangado, o povinho é que é chamado de ignorante pelos amigos da elite que são os únicos com voz na imprensa mainstream…

7) No ano de 2023, o poder de compra do salário médio só subiu na China, na Rússia, e no México. E só não subiu em Cuba, Venezuela, Irão, e outros, devido às sanções ILEGAIS que acabam por ser mais eficazes contra países mais pequenos ou com limitações de recursos. É bom não esquecer também como o FMI esmaga países, como Egipto, ou destrói totalmente países como o Haiti.

A elite ocidental está a fazer guerra contra a Rússia, está a preparar outra contra a China, e um grupo de senadores em Washington já ameaçou invadir o México. E, claro, as sanções ILEGAIS são para manter. E o FMI é o Nosso Senhor Jesus Cristo da economia Mundial…

8) Após anos e anos de austeridade e “contas certas” (cortar onde o povo precisa, para satisfazer as metas das elites), agora esbanja-se na guerra como se não houvesse amanhã, ora para apoiar nazis em Kiev, ora genocidas em Telavive, fora todas as outras poucas vergonhas, como bombardear o Iémen – como se navegar no Mar Vermelho para levar armas aos sionistas genocidas fosse um direito divino do povo “superior” do Ocidente…

Mas o povinho, se está zangado, miserável, e se protesta na rua, é porque lhe falta chá… É porque é demasiado ignorante para perceber o genial plano (globalismo belicista) da elite, e não entende a perfeição do regime político (ditadura da burguesia ocidental) em que vive.

Pois, meu caro MST e companhia, se há problema por estes lados, é exatamente por ainda só existirem 20% de votos antissistema. Deviam ser mais! E não deviam ser só votos, deviam ser paus, pedras, cocktails molotov, bombas, forcas e guilhotinas!

É para mim insultuoso que perante tanto fascismo da elite, belicismo, colaboração com nazis e sionistas genocidas, perante um sistema económico de roubo e ameaça aos não-ocidentais, e de desigualdade pornográfica contra os próprios povos ocidentais, ainda não tenha havido nenhuma bomba em Bruxelas, Frankfurt, Washington, Wall Street, Davos, Doha, Langley, Pentágono, em Westminster, na City e um pouco por todos os países vassalos, nas filiais do império a que, os ainda cegos, chamam “parlamentos nacionais”, mas onde já nada se decide e onde já nenhum povo se representa.

Estão à espera de quê? Que o senil octogenário Genocide Joe dê início à ÚLTIMA guerra mundial, e que imbecis como Macron, Kaja Kallas, Duda, Meloni, etc, peguem nos tais “miseráveis” que não pagam IRS e nos mobilizem a todos à força para morrer numa trincheira às portas de um país não-ocidental? Estão à espera que os EUA cumpram a promessa (como fizeram no Nord Stream) de destruir Taiwan só para impedir que a China destrone os EUA na liderança do mercado dos chips?

Querem mesmo empobrecer, ainda mais, em nome da “liberdade” de um multibilionário fazer passeios espaciais de 10 minutos?

Querem esperar pela finalização do GENOCÍDIO da Palestina e pela ativação da guerra na Sérvia só para que a NATO possa, respetivamente , ter uma enorme base militar na Mesopotâmia e anexar o Kosovo?

Querem continuar a ser “bons alunos” que aceitam o autoritarismo e a censura impostos por não-eleitos na EUropa?

Querem esperar para ver os vossos filhos a viver em barracas, em nome da “liberdade” das elites acumularem propriedade e especularem com casas de habitação vazias, e no final ainda terem de ouvir os mete-nojo, como o MST, a dizer que o problema são os vossos filhos, que são preguiçosos demais para terem 2000€/mês para pagar de renda?

P”TA QUE PARIU ISTO TUDO! Se não perceberam que é para aqui que vamos, e que os Venturas são apenas uma consequência, e não a causa do problema, então não perceberam nada!

O 25 de Abril está morto, após facadas sucessivas. E nem houve um único dia de luto pelos Capitães de Abril que nos deram a verdadeira Liberdade. Mas o Parlamento português obedeceu aos não eleitos da UE/NATO, para declarar luto por um racista, fascista, criminoso, chamado Navalny…

Nos bálticos já se vai ao ponto de destruir estátuas dos soldados soviéticos que derrotaram o nazismo, de proibir a celebração do Dia Da Vitória a 9 de Maio, de prender idosos veteranos que vão colocar flores nesses locais nesse dia, ameaçaram prender qualquer russo que se atrevesse a votar (o Francisco Mendes da Silva e companhia defenderam o mesmo para os catalães…), permitem marchas que glorificam as milícias nacionalistas e fascistas que colaboraram com Hitler, apoiam os seus equivalentes no Ucranazistão e, a Kaja Kallas, já faz declarações a preparar o povo para “não ter medo das armas nucleares” e que “ser a favor da paz é suicídio”… E, no final disto tudo, as elites globalistas NeoLib e NeoCon, com os MST e os FMS incluídos – e até os Daniel Oliveira -, ainda se atrevem a chamar-lhe “democracia”…

Meus senhores, a ditadura fascista de Salazar ajudou Hitler da forma mais tímida possível, sendo neutral (em vez de respeitar a aliança mais antiga do Mundo e ir em auxílio do Reino Unido). Mas a atual ditadura fascista de Portugal tem ainda menos decência, e viola a sua neutralidade inscrita na Constituição de forma a ajudar diretamente os nazis na Ucrânia e os imperialistas genocidas dos EUA em qualquer parte do globo!

A Alemanha está a enviar armas para o genocídio de um povo semita (os palestinianos), e os sionistas de Israel vão ao ponto de mandar a polícia do regime de opressão racial/étnica/religiosa (apartheid) espancar até os Judeus ortodoxos que se manifestam pela paz e recusam ser mobilizados. Por menos que isto, a NATO destruiu a Líbia inteira. Portanto o que é que os países da NATO mereciam agora que lhes fizessem?

Nós, no Ocidente (em graus diferentes em cada país) estamos, de facto, inseridos num Império genocida, cuja política externa é de belicismo, e a política interna é de fascismo económico disfarçado de “liberdade individual” ou de “democracia” liberal.

No plano interno, a desigualdade será cada vez mais pornográfica: os países vassalos serão cada vez menos soberanos e cada vez mais esmagados. No plano externo, continuam as forever wars para lucro dos oligarcas do Military Industrial Complex, as sanções ilegais para provocar miséria e fome nos países que se atrevem a dizer não ao Tio Sam e, numa destas agressões ocidentais contra a maior potência nuclear do mundo, o Ocidente gastas biliões dos seus recursos para ajudar meia dúzia de nazis a executar os planos de meia dúzia de pançudos em Washington.

Nesta conjuntura, os Venturas não passam de uma insignificante metástase. O próprio regime político e a sociedade dominada pela elite globalista (da “democracia” liberal) é que é o cancro. E o cancro não se cura com votos ou palavras bonitas. Cura-se com quimioterapia. O paciente só sobrevive se MATAR todas as células cancerígenas! E, como é óbvio, qualquer metástase morre também durante esse tratamento. Ninguém sobrevive tolerando o cancro. Não é um amigo com quem possamos chegar a entendimento. Temos mesmo de o matar!

No dia em que Julien Assange for libertado, e em que Bruno Amaral de Carvalho for diretor da RTP ou da LUSA (e a LUSA deixar de ser mero repetidor da AP/Reuters/etc); no dia em que Edward Snowden puder voltar vivo e livre aos EUA, e que, gente como Leyen, Stoltenberg, Nuland, estiverem em prisão perpétua, em que a NATO for desmantelada, e em que a Palestina deixar de estar ocupada; no dia em que os embaixadores russos forem convidados de honra no 9 de Maio na Europa inteira, e em que Pequim seja a primeira visita oficial de um Presidente português; no dia em que o Brasil, um país árabe e um país africano, tiverem assento permanente no Conselho de Segurança da ONU (ou do que vier a substituir a ONU…); no dia em que a maioria dos trabalhadores esteja sindicalizada, e que a comunicação social volte a falar a verdade (e as atuais PRESStitutas despedidas e condenadas por colaboração tal como se fez em Nuremberga); no dia em que cada país tenha a sua moeda e o dólar não seja moeda de reserva, e que a prioridade de todos os Bancos Centrais seja o pleno emprego e o fim da pobreza, então nesse dia saberemos que a quimioterapia funcionou.

Uns sonham com o dia em que todos tenham casa, educação, saúde, e possam ir de transporte público a todo o lado, possam viver em paz, ninguém passe fome, e a preocupação com o dinheiro no final do mês seja coisa do passado.

Outros sonham com a continuação deste longo dia em que só um grupo restrito pode viver no luxo, em que o Império domina pela guerra e genocídio, em que se chama ignorante ou preguiçoso a quem passa dificuldades, e onde tanto os demagogos como as elites (de formas diferentes) se aproveitam dos miseráveis.

Não há lugar para estes dois tipos de pessoas neste planeta. Ou o paciente mata o cancro, ou o cancro mata ambos e de caminho ainda destrói o planeta.

Exemplo prático: ou alguém dá um tiro em Netanyahu e mais meia dúzia de tiros no grupo central do sionismo (em Israel, na Europa, e nos EUA), ou milhões de humanos continuarão a sofrer.

As leis do chamado “estado de direito” não se aplicam aqui. A proibição de matar só se aplica em tempos de normalidade. E os demónios genocidas não merecem, não podem, ser tratados com as leis dos humanos. Aliás, foram eles próprios (os sionistas cristãos USAmericanos) a dizer que uma resolução de cessar-fogo aprovada no Conselho de Segurança da ONU “não é” vinculativa, Isto é, eles próprios admitem que nenhuma Lei do Mundo se lhes aplica. Portanto, estamos à espera de quê? Quimioterapia! Já!

29/Março/2024

O original encontra-se em estatuadesal.com/2024/03/29/o-cancro-nao-se-cura-com-votos-ou-palavras-bonitas/

Este artigo encontra-se em resistir.info

30/Mar/24