Camuflando uma agenda de classe

Independentemente das reservas que se possam ter sobre a concepção de Keynes, o fenómeno empírico do enfraquecimento ou desaparecimento da "burguesia educada" é inegável.

Prabhat Patnaik [*]

John Maynard Keynes, 1883-1946.

A atitude do BJP em relação a um imposto sobre as heranças é uma lição objetiva sobre a forma como os grupos fascistas operam. O facto de ter havido um imenso aumento da desigualdade de rendimentos e de riqueza no país durante a era neoliberal é bem conhecido. Na verdade, este não é um fenómeno confinado apenas à Índia; é um fenómeno internacional que tem sido muito discutido, mesmo nos círculos da alta burguesia, há já algum tempo. No Fórum Económico Mundial, por exemplo, a necessidade de tomar algumas medidas de compensação tem sido repetidamente mencionada.

Por outras palavras, até os mais ricos do mundo reconhecem que o crescimento desenfreado da riqueza e da desigualdade de rendimentos constitui uma ameaça para o futuro do capitalismo. Foi este reconhecimento que levou, há algum tempo, vários multimilionários americanos a emitirem uma declaração a sugerir que deveria ser imposta uma maior tributação a eles próprios e a outras pessoas ricas.

No entanto, o segmento rico indiano, pelo menos na época atual, é singularmente desprovido de qualquer visão de futuro. Acredita que o apoio a um grupo fascista que pode ganhar eleições jogando a carta religiosa-comunal, e que depois usa medidas autoritárias extremas para suprimir qualquer desafio ao seu domínio, será suficiente para permitir que a sua quota de riqueza e rendimento aumente ad infinitum. Houve uma altura em que elementos importantes da burguesia indiana, como G. D. Birla, costumavam aconselhar os capitalistas do país a não ostentarem a sua riqueza; mas esse foi um período em que o medo de uma reação popular assombrava a burguesia. Já não é esse o caso. Atualmente, os líderes da burguesia já não se sentem tão assombrados; estão confiantes de que a sua aliança com os elementos do Hindutva impedirá qualquer desafio ao seu domínio que surja devido à sua quota-parte de riqueza excessivamente grande. E a forma como os elementos do Hindutva lidaram com a proposta do imposto sucessório dá uma ideia da razão pela qual estão tão confiantes.

A forma mais óbvia de atacar a desigualdade de riqueza é através de um imposto progressivo sobre a riqueza para financiar despesas que beneficiem os pobres, através da instituição de um conjunto de direitos económicos universais. Há algum tempo, estimámos que era eminentemente viável angariar os recursos necessários para cinco desses direitos através de um imposto sobre a riqueza de 2% e de um imposto sobre a herança de um terço sobre o 1% mais rico da população da Índia. Thomas Piketty e os seus associados, que tem escrito sobre os perigos da crescente desigualdade, também sugeriram recentemente um imposto sobre a riqueza de 2% e um imposto sobre a herança de um terço, sobre toda a riqueza líquida na Índia superior a 10 milhões. A sua inclusão de um imposto sobre a herança juntamente com o imposto sobre a riqueza é significativa:   de facto, se um imposto sobre a riqueza é para ter qualquer impacto através da redução da desigualdade de riqueza, então deve ser complementado por um imposto sobre a herança para evitar que a riqueza escape à rede fiscal.

Isto pode ser defendido mesmo em termos teóricos burgueses:   a riqueza herdada não pode ser reivindicada de forma alguma como tendo sido "ganha", mesmo por aqueles que justificam a riqueza com base no facto de esta representar os frutos do "ganho". Se a riqueza do pai é justificada com base no facto de ele a ter "ganho", o facto de o filho possuir essa riqueza não pode ser justificado com o mesmo fundamento. A riqueza herdada, por outras palavras, é um puro ganho inesperado que se acumula numa pessoa por mero acaso do seu nascimento, e não pode ser justificada nem mesmo pela teoria burguesa. É por isso que a maior parte dos países capitalistas avançados têm impostos substanciais sobre as heranças, sob a forma de impostos sucessório. O Japão, por exemplo, tem um imposto sucessório que vai até 55 por cento. Mas o facto chocante é que a Índia não tem qualquer imposto sobre a herança.

O absurdo desta situação foi constatado mesmo por pessoas que não são de modo algum esquerdistas ou que se opõem à agenda neoliberal. De facto, foi um congressista não residente com conhecimentos técnicos, Sam Pitroda, que recentemente lançou a ideia de um imposto sobre as heranças; e a liderança do [partido] BJP caiu-lhe em cima como uma tonelada de tijolos. Os super-ricos indianos ficaram obviamente assustados com esta ideia; e esperava-se que o BJP, como defensor dos super-ricos, viesse em seu socorro atacando a ideia. Mas não o fez com base em qualquer dos vários motivos esperados, nomeadamente, que um tal imposto seria difícil de implementar, ou que destruiria os incentivos dos capitalistas, ou que criaria uma atmosfera em que a finança global ficaria assustada e relutante em vir para a Índia, tornando precária a nossa situação da balança de pagamentos. Atacou a ideia com base em argumentos inteiramente espúrios e totalmente comunal-fascistas, segundo os quais esse imposto iria retirar dinheiro aos hindus e entregá-lo aos muçulmanos! Acrescentou ainda, para dar um toque de sentimentalismo à sua construção sórdida, que esse imposto tiraria os [colares] mangalsutras das mulheres hindus para beneficiar os "infiltradores"!

Uma campanha de desinformação desta envergadura não tem precedentes. Um imposto sucessório não é obviamente um imposto com base na religião; é um imposto com base na magnitude da riqueza que é herdada. A sugestão do BJP de que será imposto por motivos religiosos é espantosa. Mas, caso se ficasse com a impressão de que o BJP tinha apenas cometido um erro e decidido ficar calado sobre o assunto, tomou medidas para dissipar essa impressão:   o ministro-chefe da UP, Adityanath, observou recentemente que um imposto sucessório seria semelhante ao jazia aplicado [aos não muçulmanos] por Aurangzeb, que era obviamente um tributo imposto por motivos religiosos.

Nem Narendra Modi nem Adityanath podem ser desculpados com o argumento de que ignoram o significado de um imposto sucessório. O facto de se agarrarem a este tema da tributação da riqueza hindu para beneficiar os muçulmanos é uma propagação deliberada da falsidade. E mostra muito claramente como os super-ricos estão a ser protegidos através de uma falsa narrativa religiosa, que simultaneamente alimenta o ódio contra uma religião minoritária e contra um partido político da oposição por alegadamente apaziguar essa minoria.

Assim, para o BJP, a tirada contra o imposto sucessório mata três coelhos de uma cajadada só:   promove mais ódio contra esta minoria; arrasa o partido político da oposição; e mata a ideia de um imposto sucessório, protegendo assim os super-ricos que são o seu principal patrono. E esta proeza é conseguida recorrendo a uma falsidade sórdida, do tipo a que os grupos comunal-fascistas recorrem habitualmente.

Mas isto levanta outra questão. A premissa subjacente a qualquer acordo democrático é que o povo seja capaz de compreender todas as questões do domínio público e tomar posições informadas e sensatas sobre cada uma delas. Mas é claro que numa sociedade de exploração em que o povo é deliberadamente mantido na ignorância, torna-se importante que as questões sejam discutidas em público e explicadas ao povo. A tradição marxista teoriza explicitamente sobre este assunto e atribui um papel importante aos intelectuais que romperam seus vínculos com a classe dominante(declassed) para levar a teoria ao povo trabalhador. Mas mesmo muitos escritores burgueses reconhecem a importância, não de intelectuais desclassed (pois estes não conhecem a sociedade em termos de classe), mas de uma intelligentsia educada e consciente, para explicar as questões perante o povo e, assim, fazer funcionar a democracia. O economista burguês John Maynard Keynes, por exemplo, falou da importância da "burguesia educada" para o funcionamento de uma democracia. A tarefa da "burguesia educada", de acordo com a conceção keynesiana, teria sido precisamente explicar às pessoas que um imposto sobre a herança não é um tributo imposto com base na religião. A ascensão de elementos fascistas na política, com as suas narrativas deliberadamente falsas, é portanto indicativa, de acordo com esta concepção, de uma marginalização ou de uma abdicação de responsabilidade por parte da "burguesia educada".

Independentemente das reservas que se possam ter sobre a concepção de Keynes, o fenómeno empírico do enfraquecimento ou desaparecimento da "burguesia educada" é inegável. O próprio facto de os manda-chuvas do BJP poderem apresentar um imposto sobre as heranças como um imposto baseado na religião, sem que os meios de comunicação social façam barulho, é indicativo deste desaparecimento. Na verdade, os chamados media "serviçais" (ou media de colo) são um sintoma do seu desaparecimento.

A questão é:   porque é que isto acontece? A "burguesia educada" é, afinal, um segmento da burguesia. Só pode desempenhar o papel que Keynes pensava que devia desempenhar, quando tem uma ideia clara da direção que deve tomar uma sociedade burguesa com um sistema político democrático. O seu enfraquecimento como pilar democrático e, por conseguinte, a sua aquiescência ao projeto fascista, é uma indicação da gravidade do beco sem saída a que chegou o capitalismo neoliberal, um beco sem saída que Keynes não poderia ter imaginado e que pressagia grandes lutas de classes que Keynes havia desejado que o capitalismo evitasse.

02/Junho/2024

[*] Economista, indiano, ver Wikipedia

O original encontra-se em peoplesdemocracy.in/2024/0602_pd/camouflaging-class-agenda

Este artigo encontra-se em resistir.info

05/Mai/24