Teologia da segurança:   vigilância e controlo no Estado colonial israelense

MPR

Professora Nadera Shalhoub-Kevorkian.

Em março, a professora Nadera Shalhoub-Kevorkian foi suspensa pela Universidade Hebraica de Jerusalém, onde lecciona. No mês seguinte, a polícia prendeu-a por "incitamento contra o Estado de Israel". Posteriormente, um tribunal israelense decidiu que a sua detenção era ilegal.

Foi libertada sob a condição de, para além do pagamento de uma fiança, ter de se submeter a novos interrogatórios à porta fechada e sem a presença de um advogado.

Em suma, nada de novo ou diferente do terrorismo de Estado que tem caracterizado o Estado de Israel desde o seu nascimento.

A universidade está a pressioná-la para que fique calada. Quer que ela se demita do seu cargo. Recebe ameaças de morte nas redes sociais e desloca-se pelo campus acompanhada pelos seus alunos para que não a matem.

É especialista naquilo a que chama "teologia da segurança". Os Estados – e em especial o Estado israelense – fabricam ideologias para justificar a sua violência, uma técnica que a hasbara israelense utilizou em várias ocasiões e que é regularmente aceite sem contestação pelos grandes meios de comunicação social.

A professora publicou vários livros na Cambridge University Press, bem como numerosos artigos científicos, que mostram o impacto da repressão nos palestinos e nos próprios israelenses. Como o tribunal que julgou o seu caso foi obrigado a admitir, os livros e artigos de Shalhoub-Kevorkian são estudados até na própria Universidade Hebraica de Jerusalém.

O seu livro Security Theology, Surveillance and the Politics of Fear, publicado em 2015, baseia-se em entrevistas com vítimas palestinas da vigilância e opressão israelenses. Insere-se numa longa tradição de estudos sobre o colonialismo que remonta às obras clássicas de Frantz Fanon, Albert Memmi e Fisent Sayegh e se estende a estudos de académicos como Patrick Wolfe, Steven Salaita, Brenna Bhandar ou Ronit Lentin.

A noção de Israel como um Estado colonial tem também uma longa tradição na sociologia israelense dominante e oferece um modelo para explicar uma forma específica de exercício do poder que é simultaneamente típica e inventa formas novas e únicas de controlo demográfico e de regulação do apartheid.

A prática de longa data e a política explícita de Israel de saquear casas e terras palestinas para expandir as propriedades israelenses é típica das colónias de povoamento que procuram deslocar os povos indígenas e substituí-los por colonos. Ao manter um conjunto completamente separado de leis e regulamentos, infraestruturas e direitos de propriedade para judeus e palestinos, cria um regime típico dos Estados coloniais que Fanon descreveu como formações "maniqueístas".

Israel também se enquadra na definição de apartheid, tal como é definida pelo direito internacional.

O que é menos típico é o cuidado que Israel, uma colónia tardia, tem tido para mascarar a natureza da sua dominação, através da expansão lenta mas constante dos seus colonatos desde a limpeza étnica de 1948 e da cuidadosa fragmentação e dispersão do aparelho jurídico através do qual controla, expulsa e intimida a população palestina.

04/Maio/2024

Ver também:
  • Un médico palestino muere torturado en una cárcel israelí
  • O original encontra-se em mpr21.info/teologia-de-la-seguridad-vigilancia-y-control-en-el-estado-colonial-israeli/

    Este artigo encontra-se em resistir.info

    05/Mai/24