O advento do ecossistema monetário descentralizado dos BRICS+

– A desdolarização em marcha

Pepe Escobar [*]

Símbolo da nova moeda.

Preparem-se para o que poderá ser a bomba geoeconómica de 2024:   o advento de um ecossistema monetário descentralizado.

Bem-vindo a The Unit – um conceito que já foi discutido pelo Grupo de Trabalho de Serviços Financeiros e Investimento criado pelo Conselho Empresarial do BRICS+ e que tem sérias hipóteses de se tornar política oficial do BRICS+ já em 2025.

Segundo Alexey Subbotin, fundador da Arkhangelsk Capital Management e um dos criadores da The Unit, trata-se de um novo sistema de resolução de problemas que aborda a principal questão geoeconómica destes tempos conturbados: uma crise global de confiança.

Subbotin é um profissional financeiro experiente nos domínios da banca de investimento, da gestão de activos e dos negócios. Subbotin dirige o projeto The Unit sob os auspícios do IRIAS [The International Research Institute for Advanced Systems], uma organização intergovernamental internacional criada em 1976 ao abrigo do Estatuto das Nações Unidas.

A Maioria Mundial está farta do quadro monetário centralizado criado há 80 anos em Bretton Woods [acordos económicos –em Bretton Woods, EUA – que definiram o sistema financeiro internacional após a Segunda Guerra Mundial] e dos seus defeitos endémicos:   défices crónicos que alimentam despesas militares imprudentes, bolhas especulativas, sanções políticas e indirectas, abuso das infra-estruturas de liquidação e de pagamento, protecionismo e falta de arbitragem justa.

The Unit, por outro lado, oferece uma solução fiável, rápida e rentável para os pagamentos transfronteiriços. Como uma nova forma de moeda internacional que pode ser emitida de forma descentralizada e depois reconhecida e regulada a nível nacional, The Unit – uma solução transacional – é um fator de mudança.

Oferece uma solução única para os estrangulamentos da infraestrutura financeira mundial:   é elegível para operações bancárias tradicionais, bem como para as formas mais recentes de banca digital.

The Unit pode também ajudar a pôr termo à fixação injusta de preços no comércio de mercadorias, através da criação de uma nova Bolsa Mercantil Eurasiática – justa e eficiente – em que as transacções e liquidações possam ser efectuadas numa nova moeda, aproximando os fluxos comerciais e de capitais e abrindo caminho ao desenvolvimento de novos produtos financeiros para o investimento direto estrangeiro (IDE).

A força da Unidade, de um ponto de vista concetual, é que ela elimina a dependência direta da moeda de outras nações e oferece, particularmente à Maioria Global, uma nova forma de moeda apolítica - com um enorme potencial para ancorar o comércio e o investimento justos.

Trata-se, de facto, de um novo conceito em termos de moeda internacional – indexada ao ouro (40%) e às moedas dos BRICS+ (60%). Não é nem uma criptomoeda nem uma stablecoin – como pode ver aqui.

A magia da abordagem fractal

A Maioria Global compreenderá imediatamente o objetivo principal de The Unit:   harmonizar o comércio e os fluxos financeiros, mantendo-os acima das pressões políticas ou das "regras" que podem ser contornadas à vontade. A consequência inevitável é a soberania financeira. O que importa em todo este processo são políticas monetárias independentes orientadas para o crescimento económico.

É este o principal atrativo da Maioria Global: um ecossistema completo que oferece uma infraestrutura monetária independente e complementar. E isto pode certamente ser ampliado aos parceiros dispostos do Ocidente coletivo.

Passemos agora ao aspeto prático: como explica Subbotin, o ecossistema de The Unit pode evoluir facilmente porque é construído sobre uma arquitetura fractal apoiada por regras simples. Os novos centros da Unit podem ser criados por agentes soberanos ou privados, seguindo regras pormenorizadas supervisionadas pelo IRIAS, um organismo acreditado pela ONU.

Os organizadores de The Unit utilizam um registo descentralizado, uma tecnologia que garante a transparência e exclui qualquer controlo de capitais ou manipulação das taxas de câmbio.

Isto significa que a ligação está disponível para todas as DEX [plataformas de câmbio descentralizadas] e plataformas digitais abertas operadas por bancos comerciais e centrais em todo o mundo.

Em última análise, qualquer pessoa pode utilizar The Unit para efeitos de contabilidade, escrituração, fixação de preços, liquidação, pagamento, poupança e investimento.

Não é de surpreender que as possibilidades institucionais sejam muito atrativas, uma vez que The Unit pode ser utilizada para efeitos de contabilidade e liquidação para os BRICS+, para pagamentos e fixação de preços para a União Económica Eurasiática (UEE) ou como moeda de reserva para a África Subsariana.

The Unit já foi aprovada pelo Conselho Empresarial dos BRICS e está na ordem de trabalhos da reunião ministerial crucial que se realizará na Rússia no próximo mês e que definirá o roteiro para a cimeira de Kazan, em outubro.

Por outras palavras, The Unit tem tudo o que é preciso para ser posta em cima da mesa e tornar-se um tópico sério de discussão pelos BRICS+, e ser adoptada já em 2025.

Será que Musk e o NDB vão aderir?

Atualmente, a prioridade dos criadores de The Unit – que acompanhei durante mais de um ano em várias reuniões detalhadas em Moscovo – é informar o grande público sobre o novo sistema.

A equipa de The Unit não tem qualquer desejo de mergulhar nas águas turvas da política ou de ser consumida por argumentos ideologicamente convincentes. As referências directas a conceitos estimulantes, mas por vezes controversos, ou a autores como Zoltan Pozsar correriam o risco de enterrar o conceito de The Unit e limitar o seu potencial impacto.

O que se avizinha pode ser extraordinariamente excitante, uma vez que o apelo de The Unit pode estender-se de Elon Musk ao Novo Banco de Desenvolvimento (NDB) dos BRICS, na esperança de mobilizar uma série de parceiros cruciais. Depois de uma avaliação positiva por parte do ministro das Finanças Anton Siluanov – que se mantém em funções no novo governo russo – não parece impossível que Putin e Xi discutam este assunto cara a cara esta semana em Pequim.

A conclusão principal é que a Maioria Global deve ser encarada como uma resposta realista e técnica a um problema teoricamente insolúvel:   um sistema de pagamentos e de câmbio reconhecido a nível mundial, livre de pressões políticas. Este é o jogo do momento – não há outro.

Entretanto, os criadores da The Unit estão abertos a críticas construtivas e a todo o tipo de colaboração. Mas, mais cedo ou mais tarde, a batalha será travada e, nessa altura, será uma questão de passar a uma velocidade superior.

"Academicamente sólido, tecnologicamente inovador"

Vasily Zhabykin, coautor do livro branco de The Unit e fundador do CFA.Center, o parceiro tecnológico de The Unit no centro de inovação Skolkovo, em Moscovo, insiste que The Unit "representa um dinheiro apolítico e pode servir de elo de ligação entre o Sul e o Ocidente".

A Unidade pode fazer girar todas as rodas, ao contrário da maior parte dos outros conceitos que incluem "assassinos de dólares", etc. Não queremos fazer mal a ninguém. O nosso objetivo é melhorar a eficiência dos fluxos de capital e dinheiro que atualmente falham. Pelo contrário, The Unit é a 'cura para o cancro centralizado'".

Subbotin e a equipa de The Unit "estão ansiosos por conhecer novos parceiros que partilhem a nossa abordagem e estejam dispostos a acrescentar valor ao nosso projeto". Se assim for, devem "enviar-nos três propostas sobre a forma como podem ajudar e melhorar a The Unit".

Um seguimento arrojado poderia ser, por exemplo, uma conferência virtual sobre The Unit, com a participação do economista russo Sergey Glazyev, Yannis Varoufakis, Jeffrey Sachs e Michael Hudson, entre outros.

Por e-mail, Glazyev, membro da Academia Russa de Ciências e ministro da Integração e Macroeconomia da União Económica Eurasiática (EAEU), resumiu o potencial da Unidade:

"Tenho acompanhado o desenvolvimento de The Unit há mais de um ano e posso confirmar que se trata de uma solução muito oportuna e realista. É academicamente sólida, tecnologicamente inovadora e, ao mesmo tempo, complementar à infraestrutura bancária existente.

"O seu lançamento sob os auspícios de uma instituição das Nações Unidas confere-lhe uma legitimidade que a atual estrutura de Bretton Woods claramente não possui. As recentes ações da administração americana e o silêncio retumbante do FMI indicam claramente a necessidade de mudança.

"Uma abordagem descentralizada para a criação de uma potencial moeda de comércio global, cujo valor intrínseco é indexado ao ouro físico e às moedas BRICS+, faz de The Unit a mais promissora de todas as abordagens que foram consideradas. Equilibra as prioridades políticas de todos os parceiros, ao mesmo tempo que ajuda cada economia soberana a desenvolver-se de forma óptima.

"O Novo Banco de Desenvolvimento (NDB) e o BRICS+ irão abraçar o conceito da Unidade e ajudar a torná-la o pináculo da nova infraestrutura financeira global emergente, livre de interferências políticas maliciosas e centrada no comércio justo e no crescimento económico sustentável."

A relação comercial entre a Rússia e o Irão é um exemplo claro e concreto de como os problemas associados à Unidade podem ser resolvidos. Trata-se de dois grandes actores dos BRICS. O comércio entre a Rússia e o Irão não é viável devido às sanções e os dois países não podem efetuar pagamentos em dólares americanos ou euros.

As empresas russas sofrem perdas significativas quando passam a efetuar pagamentos em moeda nacional. Em cada transferência, as empresas russas perdem em média até 25% devido à diferença entre a taxa de mercado no Irão e a taxa nacional.

E aqui está o que temos de recordar: os BRICS+ e a Maioria Mundial só podem tornar-se mais fortes através do desenvolvimento de laços geoeconómicos mais estreitos. A eliminação do capital especulativo ocidental libertará o comércio local de produtos de base e reunirá capital para investimento no desenvolvimento sustentável. The Unit pode muito bem ser a chave para esse potencial promissor.

14/Mai/2024

Ver também:
  • De-Dollarization Bombshell: The Coming of BRICS+ Decentralized Monetary Ecosystem
  • [*] Analista geopolítico.

    O original encontra-se em Sputnik e em reseauinternational.net/lavenement-de-lecosysteme-monetaire-decentralise-des-brics-ou-le-choc-de-la-dedollarisation/

    Este artigo encontra-se em resistir.info

    15/Mai/24