O Verão da vida perigosa

– A plutocracia acredita que depois poderá comprar tudo por uma ninharia, enquanto as moscas ainda estão a pôr ovos nos cadáveres europeus.

Pepe Escobar [*]

Macron, Le Petit Roi.

Assim, como era de prever, Le Petit Roi de Paris foi esmagado nas votações europeias. Convocou eleições legislativas antecipadas, dissolvendo a Assembleia Nacional num ato de vingança cega e pueril contra os cidadãos franceses, atacando de facto a democracia institucional francesa.

O que, de qualquer modo, não significa grande coisa, porque os lineamentos de "liberdade, igualdade, fraternidade" foram há muito usurpados por uma oligarquia grosseira.

A segunda volta destas novas eleições francesas terá lugar a 7 de julho – quase coincidindo com as eleições antecipadas britânicas de 11 de julho, e apenas alguns dias antes da catástrofe urbana de combustão lenta que serão os Jogos Olímpicos de Paris.

Os salões de Paris estão em polvorosa com a intriga sobre a razão pela qual o pequeno fantoche dos Rothschild com um complexo de Napoleão está a atirar todos os seus brinquedos para fora do carrinho porque não conseguir o que quer.

Afinal, o que ele realmente deseja é tornar-se um "Presidente de Guerra" – juntamente com o Cadáver na Casa Branca, Starmer no Reino Unido, Rutte na Holanda, a Medusa Tóxica von der Lugen em Bruxelas, Tusk na Polónia, sem ter de responder perante o povo francês.

É quase certo que Le Petit Roi enfrentará a perspetiva real de se tornar um Presidente pato manco que precisa de obedecer a um parlamento de direita; as conversas do Palácio do Eliseu já se juntaram ao circo, dando a impressão de que ele poderia demitir-se (o que foi posteriormente desmentido). No entanto, se Le Petit Roi se lançar numa guerra contra a Rússia, nenhum cidadão francês o seguirá, muito menos o – lamentável – exército francês.

Mas há coisas mais importantes em jogo. Na sequência das mensagens – auspiciosas – de mudança de jogo para a Maioria Global saídas do fórum de S. Petersburgo na semana passada, ancoradas na abertura e na inclusão, a reunião dos ministros dos Negócios Estrangeiros dos BRICS 10 em Nizhny Novgorod pegou no bastão no início desta semana.

O ministro dos Negócios Estrangeiros Lavrov sublinhou três pontos fundamentais:

  1. "Os países do Sul Global não querem continuar a depender dos dois pesos e duas medidas do Ocidente e dos seus caprichos.
  2. "Todos sabem que os países BRICS já são a locomotiva da economia mundial".
  3. "Nós [na reunião dos ministros dos Negócios Estrangeiros dos BRICS] sublinhámos a necessidade de esforços consistentes para criar uma nova ordem mundial, onde a igualdade dos Estados independentes será a chave."

Agora, compare com a reunião do G7, que está a encolher, no final desta semana, em Puglia, no sul de Itália:   a mesma canção de sempre, desde um "novo aviso duro" aos bancos chineses ("Não façam negócios com a Rússia ou então!") a ameaças vociferantes contra a parceria estratégica China-Rússia.

E, por último, mas não menos importante, a conspiração suplementar para retirar os juros dos enormes activos russos congelados/roubados, com a intenção de os enviar para o país 404; a própria Medusa Tóxica anunciou que o país 404 vai receber da UE, em julho, 1,5 mil milhões de euros dos rendimentos dos activos russos roubados, 90% dos quais para comprar armas.

Quanto ao vice-secretário de Estado norte-americano Kurt Campbell – o homem que inventou o defunto "pivot para a Ásia" durante o mandato da Harpia Hillary Clinton, no início dos anos 2010 – já havia avançado que Washington iria sancionar empresas e bancos chineses por causa das relações de Pequim com o complexo militar-industrial russo.

Bandeiras falsas e simetria perfeita

Segundo vários indicadores, a Europa está prestes a implodir/explodir, não com um estrondo, mas com um gemido agonizante, nos próximos meses. É crucial recordar que as eleições antecipadas em França e na Grã-Bretanha coincidirão também com a cimeira da NATO, a 11 de julho – onde o belicismo alimentado pela russofobia atingirá o paroxismo.

Entre os cenários possíveis, é de esperar algum tipo de falsa bandeira que possa ser atribuída diretamente à Rússia. Poderia ser um momento Franz Ferdinand; um momento Golfo de Tonkin; ou mesmo um momento USS Maine antes da guerra americano-espanhola.

O facto é que a única forma de estes "líderes" de toda a NATOstão e o seu reles agente do MI6 com uma t-shirt verde suada em Kiev sobreviverem é fabricando um casus belli.

Se de facto isso acontecer, a data pode ser avançada: entre a segunda semana de julho e o final de agosto; e certamente não mais tarde do que a segunda semana de setembro.

Outubro será demasiado tarde: demasiado próximo das eleições americanas.

Por isso, preparem-se para viver perigosamente neste Verão.

Entretanto, O Urso não está propriamente a hibernar. O Presidente Putin, antes e durante o fórum de São Petersburgo, elaborou a resposta "simétrica" de Moscovo aos ataques de Kiev com mísseis da NATOstão – já em curso.

Há três membros da NATOstão que estão a fornecer mísseis com um alcance de 350 km ou mais: EUA, Reino Unido e França.

Bases militares dos EUA na Europa.

Assim, uma resposta "simétrica" implicaria que a Rússia fornecesse às nações do Sul Global armamento avançado – capaz de provocar sérios danos aos nós do Império das Bases.

E aqui estão os principais candidatos a receber essas armas – conforme amplamente debatido não só nos canais de televisão russos como também nos corredores do fórum de São Petersburgo.

Ásia Ocidental: Irão (que já as tem); Síria (precisa muito delas); Iémen; Iraque (seria muito útil para o Hashd al-Shaabi) e Líbia.

Ásia Central, Nordeste e Sudeste Asiático: Afeganistão, Myanmar (estes dois países estiveram presentes em São Petersburgo) e Coreia do Norte.

América Latina: Cuba, Venezuela e Nicarágua (basta ver a atual investida russa nas Caraíbas).

África: República Centro-Africana, Congo, Etiópia, Somália, Sudão do Sul e Zimbabué (basta ver a recente digressão africana de Lavrov).

O Sr. Zircon diz olá

E isto traz-nos a animada questão de uma força naval russa que se encontra nas Caraíbas, encabeçada pela fragata hipersónica armada com mísseis Admiral Gorshkov e pelo submarino nuclear Kazan.

O indispensável Andrei Martyanov observou que o Gorshkov "transporta 32 Onyx, Zircon, Kalibrs e Otvet. Estes são os mísseis de cruzeiro mais avançados e mortíferos da história, com um sério pedigree de combate. O Kazan, que é um SSGN da classe Yasen, transporta também 32 VLS e, além disso, tem 10 tubos de torpedo que podem disparar não só torpedos".

Bem, esta força naval não está obviamente lá para lançar a Terceira Guerra Mundial. Martyanov explica que "embora ambos possam atingir toda a costa oriental dos Estados Unidos e do Canadá, não estão lá por essa razão. Deus nos livre se chegarmos a uma verdadeira Terceira Guerra Mundial, há muitos Bulavas, Avangards, Sarmats e Yarses para lidar com esse negócio horrível. Não, tanto o Gorshkov como o Kazan estão lá para mostrar que podem alcançar qualquer navio de combate ou navio estratégico de transporte marítimo que transporte qualquer conjunto de combate militar da América do Norte para a Europa, no caso de algum maluco decidir tentar sobreviver a uma guerra convencional com a Rússia em 404".

O que é ainda mais intrigante é que, depois de passar algum tempo em Havana, a força naval permanecerá nas Caraíbas para uma série de exercícios – e será acompanhada por outros navios da Marinha russa. Permanecerão nestas águas até ao final de O verão da Vida Perigosa. Só para o caso de algum chanfrado ter ideias extravagantes.

Entretanto, a possível escalada para uma Guerra Quente na Europa prossegue sem parar, com a NATO, através da sua tábua epilética de madeira norueguesa, a alterar radicalmente as regras estabelecidas para as guerras por procuração, com uma explosão de insensatez atrás da outra.

As Forças Armadas da Ucrânia (AFU) já são capazes, através da NATO, de destruir bens militares e civis russos – armazenamento de petróleo, aeroportos, instalações de energia, cruzamentos ferroviários e até concentrações de tropas.

Todos e os seus vizinhos estarão à espera de respostas "simétricas".

Para todos os efeitos práticos, a decisão crucial foi tomada pela rarefeita plutocracia que realmente dirige o espetáculo:   forçar a Europa a entrar em guerra contra a Rússia. É essa a lógica subjacente a todo o retórico [teatro] kabuki sobre um "Schengen militar" e uma nova Cortina de Ferro, desde o Ártico, passando pelos chihuahuas do Báltico, até à raivosa Polónia.

A plutocracia acredita realmente que depois poderá comprar tudo por uma ninharia, enquanto as moscas ainda põem ovos nos cadáveres radioativos da Europa.

12/Junho/2024

Ver também:
  • As três mensagens principais de São Petersburgo para a maioria global
  • Zajárova: "EE.UU. quiere empapar de sangre a todo el continente europeo"
  • [*] Analista geopolítico.

    O original encontra-se em strategic-culture.su/news/2024/06/12/the-summer-of-living-dangerously/

    Este artigo encontra-se em resistir.info

    14/Jun/24