Os BRICS manifestam-se sobre a Palestina

– A gravidade em torno da recém ampliada constelação BRICS está a atrair aderentes árabes, muçulmanos e do Sul Global para a mensagem do influente grupo sobre direito internacional, Palestina e cessação de guerras eternas.

Pepe Escobar

BRICS posicionam-se acerca da Palestina.

MOSCOU – Algo de magnitude extraordinária aconteceu em Moscou no dia 23 de maio. O rei do Bahrein, Hamad bin Isa Al Khalifa, pediu pessoalmente ao presidente russo Vladimir Putin que ajudasse a organizar uma conferência de paz sobre a Palestina, para a qual a Rússia seria a primeira nação não árabe convidada.

Al-Khalifa e Putin tiveram duas rodadas de discussões – uma delas a portas fechadas – durante as quais o foco principal sempre foi a Palestina. O monarca do Bahrein observou que, em uma rara demonstração de unidade, o mundo árabe finalmente se uniu em um acordo para acabar com a guerra em Gaza. Ficou implícito que a Rússia foi posteriormente escolhida como o mediador mais confiável para acabar com o conflito brutal.

O Bahrein – e a Liga Árabe – reconhecem que a posição russa está centrada no que Putin havia definido anteriormente como a “fórmula da ONU”: um Estado palestino independente com capital em Jerusalém Oriental.

Essa é a posição dos países do BRICS-10 e de praticamente toda a Maioria Global. Crucialmente, essa também é a posição comum da China e do mundo árabe, reafirmada em Pequim apenas uma semana após a reunião entre a Rússia e o Bahrein.

O problema é como implementar a “fórmula” quando o hegemon dos EUA, aliado incondicional de Israel, tem o controle virtual sobre as Nações Unidas.

Em 2020, quando Tel Aviv estava anunciando abertamente a inevitável anexação da Cisjordânia, os Acordos de Abraão estavam quebrando um grande tabu árabe de apoiar abertamente Israel, por meio dos acordos de normalização assinados em Washington DC por Bahrein, Emirados Árabes Unidos, Marrocos e Sudão.

Nove meses atrás, a Palestina estava praticamente isolada e destinada à extinção por meio de políticas israelenses silenciosas para forçar a expulsão gradualmente. Mas nunca subestime o poder de um genocídio cometido em plena luz do dia, em vídeo. Hoje, a parceria estratégica Rússia-China, o BRICS e a Maioria Global foram mobilizados para consagrar a Palestina como um Estado soberano – fiel à recente votação da supermaioria da Assembleia Geral da ONU para aceitar a Palestina como membro da ONU.

Será um caminho longo, sinuoso e espinhoso que tem o potencial de dividir o mundo em dois.

Lavrov explica tudo

O fórum de São Petersburgo, na semana passada, ofereceu três mensagens cruciais para a Maioria Global, com foco no BRICS. O ponto crucial das sessões pode ter sido a geoeconomia, mas uma mensagem de apoio à Palestina, agora inevitável, foi deixada de lado.

Depois de um painel que discutiu ostensivamente a oferta e a procura de petróleo e gás, e que abordou o papel de princípio do Iêmen no Mar Vermelho contra o genocídio de Gaza, o apoio à Palestina, em meio a sorrisos amigáveis (mas não registrados), foi enfático por parte de todos – do secretário-geral da OPEP, Haitham al-Ghais, ao ministro de energia dos Emirados Árabes Unidos, Suhail Mohamed al-Mazrouei.

O mesmo num painel Rússia-Omã, vindo do ministro do Comércio Qais bin Mohammed bin Moosa al-Yousef.

No início desta semana, a tragédia da Palestina foi abordada em detalhes – nos pontos 34 e 35 – na declaração conjunta dos 10 ministros das Relações Exteriores do BRICS, que se sentaram à mesma mesa pela primeira vez em Nizhny Novgorod, preparando-se para a importantíssima cúpula anual do BRICS em outubro próximo, em Kazan, sob a presidência russa. Três pontos muito importantes foram levantados lá:

Primeiro, os ministros “reafirmaram sua rejeição a qualquer tentativa de deslocar, expulsar ou transferir à força o povo palestino de suas terras”. Em segundo lugar, eles coletivamente “expressaram séria preocupação com o contínuo e flagrante desrespeito de Israel às leis internacionais, à Carta da ONU, às resoluções da ONU e às ordens da Corte”. E, em terceiro lugar, os dez ministros das Relações Exteriores:

“Reafirmaram seu apoio à adesão plena da Palestina às Nações Unidas e reiteraram seu compromisso inabalável com a visão da solução de dois Estados com base no direito internacional, incluindo as resoluções relevantes do Conselho de Segurança da ONU e da AGNU e a Iniciativa de Paz Árabe, que inclui o estabelecimento de um Estado da Palestina soberano, independente e viável, de acordo com as fronteiras internacionalmente reconhecidas de junho de 1967, com Jerusalém Oriental como sua capital, vivendo lado a lado em paz e segurança com Israel.”

Este é o BRICS falando em uma só voz – incluindo, de forma crucial, representantes dos principais estados de maioria muçulmana: Irã, Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos e Egito.

Em seguida, o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, numa sessão ampliada do BRICS, definida como BRICS+/BRICS Outreach, ofereceu um contexto extra e importante.

“Realizamos uma reunião intra-palestina em Moscou. Fizemos isso várias vezes. Na última vez em que foi realizada, no final de fevereiro e início de março deste ano, todas as facções palestinas, incluindo o Hamas e o Fatah, estavam presentes. Pela primeira vez, um evento desse tipo terminou com a adoção de uma declaração conjunta na qual todos, inclusive o Hamas, expressaram sua disposição de unir as fileiras palestinas com base na plataforma da Organização para a Libertação da Palestina. Anteriormente, não foi possível conseguir isso”.

Lavrov explicou por que, para a Rússia, é essencial restaurar a unidade palestina:

“Somente uma Palestina unida pode ser parceira nas negociações que visam alcançar o resultado máximo desejado. Enquanto os palestinos estiverem divididos, é improvável que isso funcione. Agora, sem nenhum palestino, eles estão começando a pensar no que fazer com a Faixa de Gaza em seguida:   estabelecer algum tipo de protetorado de países árabes, ou introduzir algum tipo de força de manutenção da paz, ou declarar artificialmente que esses serão territórios governados pela Autoridade Nacional Palestina. Todas essas iniciativas são impostas por agentes externos.”

E isso nos leva ao cerne da posição russa: “O componente mais importante de nossa política de longo prazo nessa área será apoiar o movimento para a criação de um Estado palestino em total conformidade com as resoluções da ONU.”

Como responder “simetricamente”

Todos os itens acima resumem a posição oficial russa, cuidadosamente calibrada. Moscou abomina a escalada irracional e ininterrupta de Israel, enquanto as propostas de cessar-fogo são abundantes. Ao mesmo tempo, não tomará partido – nem do Hamas nem do Ansarallah do Iêmen. Esse é um consenso que diplomatas e analistas russos expressam rotineiramente: A Rússia não entrará em uma guerra a milhares de quilômetros de distância enquanto estiver lutando contra uma ameaça existencial dos EUA/OTAN bem na sua fronteira ocidental.

Após as respostas de Putin na sessão de perguntas e respostas que se seguiu ao seu discurso na sessão plenária em São Petersburgo, houve um debate sobre que tipo de respostas “simétricas” o Ministério da Defesa da Rússia apresentaria para contra-atacar o sinal verde da OTAN para ataques com mísseis de longo alcance dentro da Federação Russa.

A Ásia Ocidental, previsivelmente, aparece no cenário favorito: armas de ataque avançadas instaladas na Síria, descritas como “armas sírias” para espelhar o subterfúgio ocidental das “armas ucranianas”. Essas armas complementariam as armas já instaladas nas bases russas de Khmeimim e Tartus – que cobrem o Mediterrâneo Oriental, o Líbano, Israel e as bases dos EUA na Jordânia, na Síria ocupada e no Iraque ocupado – e seriam operadas por pessoal russo, da mesma forma que o pessoal dos EUA/OTAN opera as armas “ucranianas”.

Um espinho nos BRICS

Agora chegamos ao espinho no arranjo de flores do BRICS:   a Arábia Saudita.

Uma Casa Branca desarticulada e o Estado Profundo dos EUA parecem ter encontrado uma fórmula para afastar Riad de seu novo papel como forte participante do BRICS:   um tratado de defesa histórico, apelidado de Acordo de Aliança Estratégica, à espera da formalização das relações de Riad com Tel Aviv.

O Acordo de Aliança Estratégica precisaria obter uma maioria de dois terços de votos no Senado dos EUA. No entanto, a insistência na “normalização com Israel” pode muito bem acabar com o acordo, já que o príncipe herdeiro saudita Mohammad bin Salman (MbS) agora tem opções a considerar cuidadosamente, não apenas em relação à tragédia de Gaza, mas também em relação às suas novas alianças com o BRICS.

A posição oficial de Riad sobre a Palestina está ligada ao BRICS; o fim da guerra/genocídio em Gaza e o estabelecimento de um Estado palestino. E cada grão de areia nas terras do Islã tem plena consciência de que uma Tel Aviv governada por uma multidão etnocêntrica de extremistas não aceitará uma solução de dois Estados.

Além disso, uma aliança militar entre a Arábia Saudita e os EUA é totalmente incompatível com o fato de Riad se tornar um membro influente do BRICS. Em vez disso, os movimentos do tabuleiro de xadrez apontam para, mais cedo ou mais tarde, uma possível aliança militar da Maioria Global para contra-atacar a escalada da guerra dos EUA/OTAN – híbrida ou não – contra o surgimento de um mundo multipolar multinodal, policêntrico e, na terminologia de Putin em São Peterburgo, “harmônico”.

Acrescente a isso a expiração, no início desta semana, do acordo entre os EUA e a Arábia Saudita, assinado há 50 anos para estabelecer o petrodólar, essencialmente em troca da proteção militar dos EUA.

Já no ano passado, Riad deixou claro que o acordo não seria renovado quando fechou um acordo com a China baseado no comércio de energia usando o petroyuan.

Portanto, em teoria, estamos avançando ainda mais no caminho para o fim do petrodólar, juntamente com a expansão do yuan digital. O Banco Central da Arábia Saudita é agora um “participante pleno” do Projeto mBridge, que reúne o Centro de Inovação do BIS, o Banco Central da Tailândia, o Banco Central dos Emirados Árabes Unidos, o Banco Popular da China e a Autoridade Monetária de Hong Kong.

Essencialmente, o mBridge é uma plataforma de moeda digital de vários bancos centrais (CBDC) compartilhada entre bancos centrais e bancos comerciais, que permite pagamentos e liquidações internacionais instantâneos. A Tailândia, por exemplo, está comprando petróleo dos Emirados Árabes Unidos usando o mBridge.

Há nada menos que 26 observadores da mBridge – um grupo bastante variado, incluindo o Banco de Investimento em Infraestrutura da Ásia (AIIB), liderado pela China, o Banco Central Europeu, o FMI e o Banco Mundial.

Com a adesão da Arábia Saudita ao mBridge, a Saudi Aramco – depois de se abrir aos investidores estrangeiros com uma enorme IPO – acaba de ceder mais 0,64% de seu capital, com 60% dos compradores americanos. A Aramco é uma enorme fonte de dividendos para os acionistas: este ano, esse valor chegará a incríveis US$141 mil milhões.

Adivinhe quem são os principais novos investidores? As três grandes empresas – Vanguard, BlackRock e State Street – agora todas mergulhadas no petróleo saudita.

Árabes, CENTCOM e Israel: juntos na cama?

E agora o fator complicador final.

Na segunda-feira, oficiais militares do Bahrein, Egito, Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos e Jordânia – que inclui três membros do BRICS e o Bahrein, amigo da Rússia – reuniram-se com Herzi Halevi, chefe do Estado-Maior da IDF, para discutir… a cooperação em defesa.

A reunião foi facilitada por ninguém menos que o CENTCOM dos EUA. Apesar de ser a mais discreta possível, a reunião ainda vazou, dada a justaposição do genocídio de Gaza com uma reunião dos principais líderes árabes com os piores inimigos do mundo árabe.

Um epígono pós-moderno dos cínicos que habitavam a Ágora na Grécia Antiga observaria que, com “amigos” árabes do CENTCOM como esses – três deles membros do BRICS -, a Palestina não precisa de inimigos.

Enquanto isso, a tragédia persiste em muitos níveis. Enquanto os estudantes chineses do ensino médio de todo o estado da civilização demonstram seu apoio à Palestina depois de fazer seus exames de admissão à universidade, o eixo EUA-Israel homogeneíza o terrorismo, vinculado ao fracasso do Projeto Ucrânia, juntamente com a matança ininterrupta de palestinos.

Tudo está sendo sugado para o buraco negro do terrorismo, com a OTAN agora rearmando abertamente o Batalhão Azov neonazista e Kiev atacando civis em Belgorod com drones e espalhando minas em parques onde brincam crianças .

Todos os componentes da Legião Estrangeira do Terror, alimentada por hegemons, estão se unindo, em sintonia com Israel, que é essencialmente o ISIS com armas nucleares. Mas, apesar de todos os seus ideais elevados e da crença sagrada na ONU, os BRICS ainda não apresentaram uma estratégia sólida e prática para combater o horror.

15/Junho/2024

O original encontra-se em thecradle.co/articles/the-brics-weigh-in-on-palestine e a tradução em sakerlatam.blog/os-brics-se-manifestam-sobre-a-palestina/

Este artigo encontra-se em resistir.info

20/Jun/24