Irão-Rússia atingem a estratégia máxima

– Três não são uma multidão: A cimeira Irão-Rússia desta semana, juntamente com os exercícios militares da Rússia-Irão-China no Mar de Omã, antes de uma reunião Xi-Putin dentro de duas semanas, sugere uma visão estratégica em avanço rápido para as três potências euro-asiáticas.

Pepe Escobar [*]

 O Presidente iraniano a fazer as suas orações no Kremlin.

A visita oficial à Rússia do presidente iraniano Ebrahim Raisi, a convite de Vladimir Putin, gerou uma das imagens geopolíticas mais impressionantes do século XXI:   Raisi a fazer as suas orações da tarde no Kremlin.

Indiscutivelmente, mais do que as horas de discussões sólidas sobre dossiês geopolíticos, geoeconômicos, de energia, comércio, agricultura, transporte e aeroespacial, esse visual será impresso em todo o Sul Global como um símbolo apropriado do processo contínuo e inexorável de integração eurasiana.

Raisi foi a Sochi e Moscovo pronto para oferecer a Putin sinergia essencial no confronto com um Império decadente e unipolar cada vez mais propenso ao irracionalismo. Ele deixou claro no início de suas três horas de discussões com Putin: nosso relacionamento renovado não deve ser “de curto prazo ou posicional – será permanente e estratégico”.

Putin deve ter saboreado as torrentes de significados embutidos em uma das declarações de fato de Raisi: “Temos resistido aos americanos por mais de 40 anos”.

No entanto, muito mais produtivo, foi “um documento sobre cooperação estratégica” entre Irão e Rússia que Raisi e sua equipe apresentaram a autoridades russas.

Raisi enfatizou que este roteiro “pode determinar a perspectiva de pelo menos 20 anos à frente”, ou pelo menos esclarecer “a interação estratégica de longo prazo entre a República Islâmica do Irão e a Federação Russa”.

O ministro das Relações Exteriores, Hossein Amir-Abdollahian, confirmou que ambos os presidentes encarregaram seus principais diplomatas de trabalhar no roteiro. Esta é, de facto, uma atualização de um tratado de cooperação anterior de 20 anos, assinado em 2001, originalmente planeado para durar 10 anos, e depois prorrogado duas vezes por cinco anos.

Um item-chave da nova parceria estratégica de 20 anos entre os dois vizinhos certamente será uma rede de compensação baseada na Eurásia projetada para competir com o SWIFT, o sistema global de mensagens entre bancos.

Começando com Rússia, Irão e China (RIC), esse mecanismo tem o potencial de unir nações membros da Organização de Cooperação de Xangai (SCO), União Econômica da Eurásia (EAEU), ASEAN, BRICS e outras organizações regionais de comércio/segurança. O peso geoeconómico combinado de todos esses actores inevitavelmente atrairá muitos outros no Sul Global e até na Europa.

A base já existe. A China lançou seu Sistema de Pagamento Interbancário Transfronteiriço (CIPS) em 2015, usando o yuan. A Rússia desenvolveu o seu  Sistema de Transferência de Mensagens Financeiras (SPFS). Construir um sistema financeiro russo-chinês independente ligando os dois não deve ser um problema. A questão principal é escolher a moeda padrão – possivelmente o yuan.

Uma vez que o sistema esteja a funcionar, isso é perfeito para o Irão, que deseja muito aumentar o comércio com a Rússia, mas continua prejudicado pelas sanções dos EUA. O Irão já assinou acordos comerciais e está envolvido no desenvolvimento estratégico de longo prazo com a Rússia e a China.

O novo roteiro

Quando Amir-Abdollahian descreveu a visita de Raisi à Rússia como um “ponto de viragem na política de boa vizinhança e olhando para o Oriente”, ele estava a dar a versão curta do roteiro seguido pela nova administração iraniana: “uma política centrada no vizinho, uma política centrada na Ásia com foco em olhar para o Oriente e uma diplomacia centrada na economia”.

Em contraste, a única 'política' de facto implantada pelo Ocidente coletivo contra a Rússia e o Irão são as sanções. Anulá-las está, portanto, no topo da agenda de Moscovo e Teerão. O Irão e a EAEU já têm um acordo temporário. O que eles precisam, mais cedo ou mais tarde, é se tornarem parceiros plenos em uma área de livre comércio.

Enquanto Amir-Abdollahian elogiava a resolução de disputas com vizinhos, como Iraque e Turcomenistão, e a reconfiguração do tabuleiro diplomático com Omã, Catar, Kuwait, Emirados Árabes e até Arábia Saudita, o presidente Raisi – ao se dirigir à Duma – optou por pormenorizar tramas estrangeiras complexas para despachar redes de terroristas Takfiri para “novas missões do Cáucaso à Ásia Central”.

Como disse Raisi, “a experiência mostrou que apenas o pensamento islâmico puro pode impedir a formação do extremismo e do terrorismo takfiri”.

Raisi foi implacável com o Império: “A estratégia de dominação agora fracassou, os Estados Unidos estão na sua posição mais fraca e o poder das nações independentes está a experimentar um crescimento histórico”. E ele certamente seduziu a Duma com sua análise da NATO:

“A NATO está empenhada na penetração nos espaços geográficos de vários países sob o pretexto de cobertura. Mais uma vez, eles ameaçam estados independentes. A difusão do modelo ocidental, a oposição às democracias independentes, a oposição à auto-identificação dos povos – isso está precisamente na agenda da NATO. É apenas um engano, vemos o engano no seu comportamento, que acabará por levar à sua desintegração”.

O tema principal de Raisi é 'resistência', e isso foi acentuado em todas as suas reuniões. Ele enfatizou devidamente as resistências afegãs e iraquianas: “Nos tempos modernos, o conceito de resistência desempenha um papel central nas equações de dissuasão”.

A República Islâmica do Irão tem tudo a ver com essa resistência: “Em diferentes períodos históricos do desenvolvimento do Irão, sempre que nossa nação levantou a bandeira do nacionalismo, independência ou desenvolvimento científico, enfrentou sanções e pressões dos inimigos da nação iraniana”, enfatizou Raisi.

Sobre o JCPOA, com a nova rodada de negociações em Viena ainda atolada para todos os fins práticos, Raisi disse: “a República Islâmica do Irão leva a sério chegar a um acordo se as outras partes levarem a sério o levantamento das sanções de forma eficaz e operacional”.

O professor da Universidade de Teerão Mohammad Marandi, agora em Viena como consultor de alto nível da delegação iraniana, compara sua experiência com as negociações originais do JCPOA em 2015, quando era observador. Marandi observa que, no que diz respeito aos americanos, “é a mesma mentalidade. Nós somos o chefe, temos privilégios especiais”.

Ele ressalta que “um acordo não é iminente”. Os americanos se recusam a dar garantias:   “O principal problema é o alcance das sanções, eles querem manter muitas delas em vigor. Na verdade, eles não querem o JCPOA. Basicamente, é a mesma atitude de Trump”.

Marandi oferece soluções práticas. Removam todas as sanções de pressão máxima. Aceitem “um processo de verificação razoável se não tiverem intenção de enganar o povo iraniano novamente”. Forneçam garantias para que “os iranianos saibam que não violarão o acordo novamente. O Irão não aceitará ameaças ou prazos durante as negociações”. É improvável que os americanos aceitem qualquer dos pontos acima.

O contraste entre as administrações de Raisi e Rouhani é gritante:   “Na esperança de obter algo do Ocidente, a administração anterior desperdiçou sérias oportunidades tanto com a China quanto com a Rússia. Agora é uma história completamente diferente”, diz Marandi.

O ângulo chinês é bastante intrigante. Marandi observa como Amir-Abdolliahan acaba de voltar da China; e como a única nação na Ásia Ocidental da qual os chineses podem depender de forma confiável é o Irão. Isso está incorporado no seu acordo estratégico de 20 anos, muitos dos quais devem ser adotados pelo mecanismo Rússia-Irão.

Os lineamentos de um novo mundo

A essência da exposição de Raisi à Duma é que o Irão vem vencendo batalhas em duas frentes diferentes:   contra o terrorismo salafista-jihadista e contra a campanha americana de máxima pressão económica.

E isso coloca o Irão numa posição muito boa como parceiro russo, com seu “amplo potencial económico, especialmente nas áreas de energia, comércio, agricultura, indústria e tecnologia”.

Sobre sua posição geoeconómica, Raisi observou como “a localização geográfica privilegiada do Irão, especialmente no corredor norte-sul, pode tornar o comércio da Índia para a Rússia e a Europa menos caro e mais próspero”.

Corredor Internacional de Transporte Norte-Sul.

Em 2002, Rússia, Irão e Índia assinaram um acordo para estabelecer o Corredor Internacional de Transporte Norte-Sul (INSTC), uma rede multimodal de transporte rodoviário-ferroviário de 7.200 km ligando Índia, Irão, Afeganistão, Azerbaijão, Rússia e Ásia Central até a Europa como um corredor de transporte alternativo ao Canal de Suez. Agora Putin e Raisi querem o máximo impulso para o INSTC.

A visita de Raisi aconteceu pouco antes de um exercício conjunto crucial, com o nome de código '2022 Marine Security Belt', iniciado no Mar de Omã, na verdade ao norte do Oceano Índico, com unidades marítimas e aéreas das marinhas iraniana, chinesa e russa.

O Mar de Omã conecta-se ao ultra-estratégico Estreito de Ormuz, que se conecta ao Golfo Pérsico. Os habitantes do Pentágono dificilmente acharão graça na estratégia 'Indo-Pacífico'.

Todos os itens acima explicam uma interconexão mais profunda. A reunião Putin-Raisi precede em duas semanas a reunião Putin-Xi no início dos Jogos Olímpicos de Inverno em Pequim – quando se espera que eles levem a parceria estratégica Rússia-China para o próximo nível.

Uma nova ordem liderada pela Eurásia abrangendo a grande maioria da população mundial é um trabalho em rápido progresso. A China usando a Eurásia como o palco maior para atualizar seu papel global, em paralelo à interação sino-russa-iraniana em rápida evolução, traz implicações maiores vitais para os guardiões ocidentais da 'ordem baseada em regras' imperial.

A desocidentalização da globalização, do ponto de vista chinês, envolve uma terminologia completamente nova (“comunidade de destino compartilhado”). E dificilmente há exemplos mais flagrantes de "destino compartilhado" do que sua interconexão mais profunda com a Rússia e o Irão.

Uma das questões geopolíticas cruciais do nosso tempo é como uma hegemonia emergente, supostamente chinesa, se articulará. Se as acções falam mais alto do que as palavras, então a hegemonia chinesa parece solta, maleável e inclusiva, totalmente diferente da variedade americana. Por um lado, diz respeito à maioria absoluta do Sul Global, que será envolvido e terá voz.

O Irão é um dos líderes do Sul Global. A Rússia, profundamente implicada na desocidentalização da governação global, ocupa uma posição única – diplomaticamente, militarmente, como fornecedora de energia – como o canal especial entre o Oriente e o Ocidente: a insubstituível ponte eurasiana e a garantia da estabilidade do Sul Global.

Tudo isso está em jogo agora. Não é à toa que os líderes das três principais potências eurasianas estão a reunir-se e discutir pessoalmente, daqui a poucos dias.

À medida que o eixo atlantista se afoga em sobranceria, arrogância e incompetência, bem-vindo aos contornos do mundo eurasiano pós-ocidental.

21/Janeiro/2022

[*] Analista especializado em assuntos asiáticos.

O original encontra-se em https://thecradle.co/Article/columns/6033

Este artigo encontra-se em resistir.info

24/Jan/22