A Rússia está preparada para "transformar" a segurança no Golfo Pérsico

– É o único Estado com o poder, as ferramentas, a suavidade e as relações necessárias para conduzir o Golfo Pérsico a um novo paradigma de segurança

Pepe Escobar [*]

Segurança no Golfo Pérsico.

É impossível compreender a retomadas das conversações nucleares da JCPOA em Viena sem considerar a grave turbulência interna da administração Biden.

Toda a gente e a sua vizinhança está consciente das expectativas directas de Teerão:   todas as sanções – sem excepções – devem ser eliminadas de forma verificável. Só então a República Islâmica reverterá o que é chamado de "medidas correctivas", ou seja, a intensificação do seu programa nuclear para responder a cada nova "punição" americana.

A razão pela qual Washington não está a apresentar uma posição igualmente transparente é porque, bizarramente, as suas circunstâncias económicas estão muito mais convulsionadas do que as do Irão sob sanções. Joe Biden enfrenta agora uma dura realidade interna: se a sua equipa financeira elevar as taxas de juro, a bolsa de valores entrará em crash e os EUA serão mergulhados em profunda aflição económica.

Democratas em pânico estão mesmo a considerar a possibilidade de permitir o impeachment de Biden por uma maioria republicana no próximo Congresso devido ao escândalo Hunter Biden (ver aqui e aqui).

De acordo com uma alta fonte de segurança nacional dos EUA, não partidária, há três coisas que os democratas pensam poder fazer para atrasar o acerto de contas final:

Primeiro, vender parte do stock da Reserva Estratégica de Petróleo em coordenação com os seus aliados para fazer baixar os preços do petróleo e reduzir a inflação.

Segundo, "encorajar" Pequim a desvalorizar o yuan, tornando assim as importações chinesas mais baratas nos EUA, "mesmo que isso aumente materialmente o défice comercial dos EUA. Estão em troca oferecem as tarifas impostas por Trump". Supondo que isto acontecesse, e é um “se” importante, isto teria um duplo efeito prático, baixar os preços em 25 por cento nas importações chinesas em paralelo com a depreciação da moeda.

Em terceiro lugar, "planeiam fazer um acordo com o Irão, não importa qual, para permitir que o seu petróleo volte a entrar no mercado, fazendo baixar o preço do petróleo". Isto implicaria que as actuais negociações em Viena chegassem a uma conclusão rápida, porque "eles precisam de um acordo rapidamente". Estão desesperados".

Não há qualquer evidência de que a equipa que realmente dirige a administração Biden será capaz de obter os pontos dois e três; pelo menos quando as realidades da Guerra Fria 2.0 contra a China e a Iranofobia bipartidária são consideradas.

Ainda assim, a única questão que realmente preocupa a liderança democrata, de acordo com a fonte de inteligência, é ter as três estratégias para passar pelas eleições a médio prazo. Posteriormente, poderão ser capazes de aumentar as taxas de juro e darem-se tempo para alguma estabilização antes da eleição presidencial de 2024.

Então, como os aliados dos EUA reagem a isso? Movimentos bastante intrigantes estão prestes a acontecer.

Em caso de dúvida, torne-se multilateral

Há menos de duas semanas em Riade, o Conselho de Cooperação do Golfo (CCG), numa reunião conjunta com a França, Alemanha e Reino Unido, mais o Egipto e a Jordânia, disse ao enviado dos EUA ao Irão, Robert Malley, que para todos os efeitos práticos, eles querem que a nova ronda da JCPOA seja bem sucedida.

Uma declaração conjunta, partilhada por europeus e árabes, observou que "um regresso ao cumprimento mútuo do [acordo nuclear] beneficiaria todo o Médio Oriente, permitiria mais parcerias regionais e intercâmbio económico, com implicações duradouras para o crescimento e o bem-estar de todas as pessoas no região, incluindo no Irão".

Isto está longe de implicar um melhor entendimento da posição do Irão. Revela, de facto, que a mentalidade predominante do CCG é dominada pelo medo: algo deve ser feito para domar o Irão, acusado de "recentes actividades" nefastas como o sequestro de petroleiros e o ataque a soldados norte-americanos no Iraque.

Portanto, é isto que o CCG está a oferecer voluntariamente aos americanos. Agora compare isto com o que os russos estão a propor a vários protagonistas em toda a Ásia Ocidental.

Essencialmente, Moscovo está a reviver o Conceito de Segurança Colectiva para a Região do Golfo Pérsico, uma ideia que tem estado latente desde os anos 90. Aqui está o conceito na generalidade.

Assim, se o raciocínio da administração dos EUA for previsivelmente de curto prazo – precisamos do petróleo iraniano de volta ao mercado – a visão russa aponta para uma mudança sistémica.

O Conceito de Segurança Colectiva apela a um verdadeiro multilateralismo – não exactamente a preferência de Washington – e "a adesão de todos os Estados ao direito internacional, às disposições fundamentais da Carta das Nações Unidas e às resoluções do Conselho de Segurança da ONU".

Tudo isto está em contraste directo com a imperial "ordem internacional baseada em regras".

É demasiado exagerado assumir que a diplomacia russa está prestes a realizar por si própria um milagre:   uma entente cordiale entre Teerão e Riade.

Contudo, já há progressos tangíveis, por exemplo, entre o Irão e os Emirados Árabes Unidos. O vice-ministro dos Negócios Estrangeiros iraniano, Ali Bagheri, manteve uma "reunião cordial" no Dubai com Anwar Gargash, conselheiro principal do Presidente dos EAU, Khalifa bin Zayed Al Nahyan. Segundo Bagheri, eles "concordaram em abrir uma nova página nas relações Irão-UAE".

Geopoliticamente, a Rússia possui o ás definitivo: mantém bom relacionamento com todos os actores no Golfo Pérsico e, além disso, fala frequentemente com todos eles, e é amplamente respeitada como mediadora pelo Irão, Arábia Saudita, Síria, Iraque, Turquia, Líbano, e outros membros do CCG.

A Rússia também oferece o material militar mais competitivo e de ponta do mundo para sustentar as necessidades de segurança de todas as partes.

E depois há a realidade geopolítica global e nova. A Rússia e o Irão estão a forjar uma parceria estratégica reforçada, não só geopolítica mas também geoeconómica, totalmente alinhada com a Parceria da Grande Eurásia, conceptualizada pela Rússia – e também demonstrada pelo apoio de Moscovo à recente ascensão do Irão à Organização de Cooperação de Xangai (SCO), o único Estado da Ásia Ocidental a ser admitido até à data.

Além disso, três anos atrás, o Irão lançou a sua própria proposta de quadro de segurança regional para a região denominada HOPE (o Hormuz Peace Endeavor) com a intenção de reunir os oito estados litorâneos do Golfo Pérsico (incluindo o Iraque) para abordar e resolver as questões vitais de cooperação, segurança e liberdade de navegação.

O plano iraniano não se afastou muito do terreno. Enquanto o Irão sofre de relações adversos com alguns dos seus públicos pretendidos, a Rússia não carrega nenhuma desses fardos.

O jogo dos US$5,4 milhões de milhões

Campo de gás de Chalous

E isso leva-nos ao ângulo essencial do Pipelinistão, que no caso Rússia-Irão gira em torno do novo campo de gás Chalous no Mar Cáspio, de muitos milhões de milhões de dólares.

Um sensacionalismo recente considera Chalous como permitindo à Rússia "assegurar o controlo sobre o mercado europeu da energia".

A história não é bem assim. Chalous, de facto, permitirá ao Irão – com contribuição russa – tornar-se um grande exportador de gás para a Europa, algo que Bruxelas evidentemente aprecia. O chefe da KEPCO do Irão, Ali Osouli, espera que seja formado um "novo hub de gás no norte para permitir ao país abastecer 20 por cento das necessidades de gás da Europa".

De acordo com a Transneft russa, Chalous só por si poderia fornecer até 52 por cento das necessidades de gás natural de toda a UE durante os próximos 20 anos.

Chalous é algo significativo:   um campo duplo, separado por cerca de nove quilómetros, o segundo maior bloco de gás natural no Mar Cáspio, logo atrás de Alborz. Pode manter reservas de gás equivalentes a um quarto do imenso campo de gás de South Pars, colocando-o como a 10ª maior reserva de gás do mundo.

Chalous é um caso exemplar de cooperação geoeconómica Rússia-Irão-China (RIC). O proverbial viés especulativo ocidental apressou-se a proclamar o acordo de gás de 20 anos como um revés para o Irão. A repartição final, não totalmente confirmada, é de 40% para a Gazprom e Transneft, 28% para a CNPC e CNOOC da China, e 25% para a KEPCO do Irão.

Fontes de Moscovo confirmam que a Gazprom irá gerir todo o projecto. A Transneft será encarregada do transporte, o CNPC está envolvido no financiamento e facilidades bancárias, e o CNOOC será responsável pelas infraestruturas e engenharia.

Estima-se que todo o sítio de Chalous valerá uns espantosos US$5,4 milhões de milhões.

O Irão não poderia, por si só, dispor dos fundos necessários para acometer um empreendimento tão maciço. O que está definitivamente estabelecido é que a Gazprom ofereceu à KEPCO toda a tecnologia necessária para a exploração e desenvolvimento de Chalous, juntamente com financiamento adicional, em troca de um acordo generoso.

É crucial, Moscovo reiterou também o seu pleno apoio à posição de Teerão durante a actual ronda da JCPOA em Viena, bem como em outras questões relacionadas com o Irão que chegam ao Conselho de Segurança da ONU.

As letras miúdas em todos os aspectos chave de Chalous podem ser reveladas com o tempo. É de facto uma parceria estratégica geopolítica/geoeconómica vantajosa para a Rússia, Irão e China. E vai muito além do famoso "acordo de 20 anos" sobre petroquímicos e venda de armas, firmado por Moscovo e Teerão em 2001, numa cerimónia no Kremlin quando o Presidente Putin recebeu o então Presidente iraniano Mohammad Khatami.

Não há duas formas de o fazer. Se existe um país com o poder, as ferramentas, a suavidade e os relacionamentos necessários para empurrar o Golfo Pérsico a um novo paradigma de segurança, esse país é a Rússia – com a China não muito atrás.

01/Dezembro/2021

[*] Jornalista.

O original encontra-se em thecradle.co/Article/columns/4179

Este artigo encontra-se em resistir.info

07/Dez/21