O mundo fragmentado caminha como sonâmbulo para a III Guerra Mundial

Pepe Escobar [*]

Klaus Schwab, o patrão do Fórum Económico Mundial .

As auto-proclamadas "elites" de Davos têm medo. Estão assustadas. Nas reuniões desta semana do Fórum Económico Mundial, o articulador-mor Klaus Schwab – exibindo a sua marca registada de vilão estilo Bond – insistiu reiteradamente acerca de um imperativo categórico: precisamos de "Cooperação num Mundo Fragmentado".

Se bem que o seu diagnóstico da "mais crítica fragmentação" em que o mundo está agora afundado seja previsivelmente sombrio, Herr Schwab sustenta que "o espírito de Davos é positivo" e que, no final, todos nós poderemos viver felizes numa "economia verde sustentável".

O que Davos tem conseguido nesta semana é inundar a opinião pública com novos mantras. Há o "O Novo Sistema" que, considerando o fracasso abjeto do Great Reset (Grande Reinicialização), agora assemelha-se a uma atualização apressada do – avariado – sistema operativo atual.

Davos precisa de novo hardware, novas capacidades de programação, até mesmo de um novo vírus. Mas por enquanto tudo o que está disponível é uma "poli-crise": ou, na linguagem de Davos, um "cluster de riscos globais relacionados com efeitos combinados".

Em linguagem simples: uma tempestade perfeita

Aborrecidos e insuportáveis sujeitos daquela ilha do Divide e impera (Divide and Rule) no norte da Europa acabam de descobrir que a "geopolítica", infelizmente, nunca entrou realmente no túnel do "fim da história": para espanto deles, está agora centrada – mais uma vez – em toda a Eurásia central (Heartland), tal como esteve durante a maior parte da história registada.

Queixam-se de geopolítica "ameaçadora", expressão que é um código para a Rússia-China, com o Irão anexado.

Mas a cereja no bolo alpino é a arrogância/estupidez a dominar o jogo: a cidade de Londres e os seus vassalos estão furiosos porque o "mundo feito por Davos" está em colapso rápido.

Davos não "fabricou" mundo nenhum para além do seu próprio simulacro.

Davos nunca acertou em nada, porque estas "elites" estavam sempre ocupadas a elogiar o Império do Caos e as suas letais "aventuras" por todo o Sul Global.

Davos não só não conseguiu prever todas as crises económicas recentes e importantes, mas sobretudo a atual "tempestade perfeita", ligada à desindustrialização do Ocidente Coletivo, inspirada pelo neoliberalismo.

E, claro, Davos não tem a menor ideia sobre a verdadeira Reinícialização que está a ter lugar rumo à multipolaridade.

Os que se auto-descrevem como líderes de opinião estão ocupados em "redescobrir" que A montanha mágica de Thomas Mann foi colocada em Davos – "contra o pano de fundo de uma doença mortal e de uma guerra mundial iminente" – há quase um século atrás.

Bem, hoje em dia a "doença" – totalmente bioweaponizada – não é exatamente mortal em si mesma. E a "iminente Guerra Mundial" está de facto a ser ativamente encorajada por uma cabala de neocons e neoliberais-cons dos EUA: um Estado Profundo bipartidário, não eleito e não responsabilizado, nem sequer sujeito a ideologia. O criminoso de guerra centenário Henry Kissinger ainda não o entendeu.

Um painel de Davos sobre desglobalização estava cheio de inconsistências (non-sequiturs), mas pelo menos uma dose de realidade foi fornecida pelo ministro dos Negócios Estrangeiros húngaro Peter Szijjarto.

Quanto ao vice-primeiro-ministro chinês Liu He, com os seus vastos conhecimentos de finanças, ciência e tecnologia, pelo menos foi muito útil para estabelecer as cinco principais diretrizes de Pequim para o futuro previsível – para além da habitual sinofobia imperial.

A China irá concentrar-se na expansão da procura interna; em manter as cadeias industriais e de fornecimento "suaves"; ir para o "desenvolvimento saudável do sector privado"; aprofundar a reforma das empresas estatais; e visar um "investimento estrangeiro atrativo".

Resistência russa, precipício americano

Emmanuel Todd não esteve em Davos. Mas foi o antropólogo, historiador, demógrafo e analista geopolítico francês que acabou por amarfanhar todas as penas caras ao Ocidente coletivo com um objeto antropológico fascinante: uma entrevista baseada na realidade.

Todd falou a Le Figaro – o jornal preferido do establishment francês e da alta burguesia. A entrevista foi publicada na sexta-feira passada, na página 22, ensanduichada entre as proverbiais arengas russofóbicas e com uma menção extremamente breve no fundo da primeira página. Por isso, as pessoas tiveram realmente de trabalhar arduamente para a encontrar.

Todd brincou que tem a reputação – absurda – de "rebelde destruidor" em França, ao passo que no Japão é respeitado, apresentado nos principais meios de comunicação e os seus livros são publicados com grande êxito, incluindo os mais recentes (mais de 100 mil exemplares vendidos): "A Terceira Guerra Mundial já começou".

Significativamente, este best-seller japonês não existe em francês, pois toda a indústria editorial sediada em Paris está reboque da linha UE/NATO no que se refere à Ucrânia.

O facto de Todd acertar em várias coisas é um pequeno milagre no atual panorama intelectual europeu, extremamente míope (há outros analistas especialmente em Itália e na Alemanha, mas têm muito menos peso do que Todd).

Eis, portanto, os Grandes Pontos de Todd em modo conciso.

Com base em tudo isto, Todd esmaga o mito vendido pelas "elites" da UE/NATO – incluindo Davos – de que a Rússia está "isolada", sublinhando como os votos na ONU e o sentimento geral em todo o Sul Global caracterizam a guerra, "descrita pelos principais meios de comunicação social como um conflito sobre valores políticos, de facto, a um nível mais profundo, como um conflito de valores antropológicos".

Entre a luz e a escuridão

Será que a Rússia – ao lado do verdadeiro Quad, como os defini (com a China, Índia e Irão) – está a prevalecer nos desafios antropológicos?

O verdadeiro Quad tem tudo o que é preciso para desabrochar num novo foco transcultural de esperança num "mundo fragmentado".

Um misto da China confucionista (não dualista, sem divindade transcendental, mas com o Tao a fluir através de tudo) com a Rússia (cristã ortodoxa, reverenciando a divina Sofia); a Índia politeísta (roda do renascimento, lei do karma); e o Irão xiita (Islão precedido pelo zoroastrismo, a eterna batalha cósmica entre Luz e Trevas).

Esta unidade na diversidade é certamente mais apelativa, e edificante, do que o eixo da Guerra para sempre.

Será que o mundo aprenderá com ele? Ou, para citar Hegel – "o que aprendemos com a história é que ninguém aprende com a história" – estaremos nós condenados sem esperança?

18/Janeiro/2023

[*] Analista político. As suas obras principais estão aqui.

O original encontra-se em www.presstv.ir/Detail/2023/01/18/696545/world-sleepwalks-World-War-III.

Este artigo encontra-se em resistir.info

19/Jan/23