A conexão Nuland – Budanov – tajique

– A população russa deu ao Kremlin carta branca total para exercer um castigo brutal e máximo – seja ele qual for e onde for.

Pepe Escobar [*]

Comecemos pela possível cadeia de acontecimentos que podem ter conduzido ao ataque terrorista de Crocus. Isto é do mais explosivo que há. Fontes da inteligência em Moscovo confirmam discretamente que esta é uma das principais linhas de investigação do FSB.

4 de dezembro de 2023. O antigo presidente do Estado-Maior Conjunto, general Mark Milley, apenas três meses após a sua reforma, diz ao porta-voz da CIA, The Washington Post:  "Não deve haver nenhum russo que vá dormir sem se perguntar se vai ter a garganta cortada a meio da noite (...) É preciso voltar lá e criar uma campanha atrás das linhas".

Budanov.

4 de janeiro de 2024: Numa entrevista à ABC News, o "chefe de espionagem" Kyrylo Budanov define o roteiro:   ataques "cada vez mais profundos" na Rússia.

31 de janeiro: Victoria Nuland desloca-se a Kiev e encontra-se com Budanov. Depois, numa conferência de imprensa duvidosa, à noite, no meio de uma rua vazia, promete "surpresas desagradáveis" a Putin:   código para guerra assimétrica.

22 de fevereiro: Nuland aparece num evento do Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais (CSIS) e repete as "surpresas desagradáveis" e a guerra assimétrica. Este facto pode ser interpretado como o sinal definitivo para Budanov começar a utilizar as operações sujas.

25 de fevereiro: O New York Times publica um artigo sobre as células da CIA na Ucrânia: nada que os serviços secretos russos não saibam já.

Depois, uma pausa até 5 de março – altura em que um jogo de sombras crucial pode ter estado em vigor. Cenário privilegiado:   Nuland foi um dos principais conspiradores das operações sujas, juntamente com a CIA e o GUR ucraniano (Budanov). Facções rivais do Estado Profundo aperceberam-se disso e manobraram para a "eliminar" de uma forma ou de outra – porque os serviços secretos russos teriam inevitavelmente ligado os pontos.

Mas Nuland, de facto, ainda não está "reformada"; continua a ser apresentada como subsecretária de Estado para os Assuntos Políticos e apareceu recentemente em Roma para uma reunião relacionada com o G7, embora o seu novo emprego, em teoria, pareça ser na Universidade de Columbia (uma manobra de Hillary Clinton).

Entretanto, os meios para uma grande "surpresa desagradável" já estão a postos, às escuras, e totalmente fora do radar. A operação não pode ser cancelada.

5 de março: Little Blinken anuncia formalmente a "reforma" de Nuland.

7 de março: Pelo menos um tajique, entre os quatro membros do comando terrorista, visita o local do Crocus e tira uma fotografia.

7 e 8 de março à noite: As embaixadas dos EUA e do Reino Unido anunciam simultaneamente um possível ataque terrorista em Moscovo, dizendo aos seus cidadãos para evitarem "concertos" e reuniões nos próximos dois dias.

9 de março: o cantor patriótico russo Shaman, muito popular, actua no Crocus. Esta pode ter sido a ocasião cuidadosamente escolhida para a "surpresa desagradável" – uma vez que ocorre apenas alguns dias antes das eleições presidenciais, de 15 a 17 de março. Mas a segurança no Crocus era maciça, pelo que a operação foi adiada.

22 de março: O atentado terrorista no Crocus City Hall.

ISIS-K: a derradeira lata de vermes

A ligação de Budanov é traída pelo modus operandi – semelhante ao dos anteriores ataques terroristas dos serviços secretos ucranianos contra Daria Dugina e Vladimir Tatarsky:   reconhecimento próximo durante dias, ou mesmo semanas; o ataque; e depois uma corrida para a fronteira.

E isso leva-nos à ligação com o Tajiquistão.

Parece haver muitos buracos na narrativa inventada pelo grupo de esfarrapados que se transformou em assassinos em massa:   seguir um pregador islamista no Telegram; ofereceram o que mais tarde se verificou ser uns insignificantes 500 mil rublos (cerca de 4.500 dólares) para que os quatro disparassem sobre pessoas ao acaso numa sala de concertos; enviaram metade do dinheiro por Telegram; foram encaminhados para um esconderijo de armas onde encontraram AK-12 e granadas de mão.

Os vídeos mostram que usaram as metralhadoras como profissionais; os disparos foram precisos, com rajadas curtas ou fogo único; sem qualquer tipo de pânico; usaram eficazmente as granadas de mão; fugiram do local num instante, derretendo-se, quase a tempo de apanhar a "janela" que os levaria a atravessar a fronteira para a Ucrânia.

Tudo isto requer treino. E isso também se aplica a enfrentar um contrainterrogatório desagradável. Ainda assim, o FSB parece ter quebrado todos eles – literalmente.

Surgiu um potencial manipulador, chamado Abdullo Buriyev. Os serviços secretos turcos haviam-no identificado anteriormente como um dos responsáveis pelo ISIS-K, ou Wilayat Khorasan, no Afeganistão. Um dos membros do comando Crocus disse ao FSB que o seu "conhecido" Abdullo os ajudou a comprar o carro para a operação.

E isto leva-nos à maior lata de vermes de todas: o ISIS-K.

O alegado emir do ISIS-K, desde 2020, é um tajique afegão, Sanaullah Ghafari. Não foi morto no Afeganistão em junho de 2023, como os americanos andam a dizer:  pode estar atualmente escondido no Balochistão, no Paquistão.

No entanto, a verdadeira pessoa de interesse aqui não é o tajique Ghafari, mas o checheno Abdul Hakim al-Shishani, o antigo líder da organização jihadista Ajnad al-Kavkaz ("Soldados do Cáucaso"), que lutava contra o governo de Damasco em Idlib e depois fugiu para a Ucrânia devido à repressão do Hayat Tahrir al-Sham (HTS) – em mais uma daquelas rixas clássicas entre jihadistas.

Shishani foi avistado na fronteira, perto de Belgorod, durante o recente ataque inventado pelos serviços secretos ucranianos dentro da Rússia. É mais um vetor das "surpresas desagradáveis".

Shishani estava na Ucrânia há mais de dois anos e adquiriu cidadania. Ele é, de facto, o elo de ligação entre os bandos de Idlib, na Síria, e o GUR, em Kiev, uma vez que os seus chechenos trabalharam em estreita colaboração com a Jabhat al-Nusra, que era praticamente indistinguível do ISIS.

Shishani, ferozmente anti-Assad, anti-Putin e anti-Kadyrov, é o clássico "rebelde moderado" anunciado durante anos como um "combatente da liberdade" pela CIA e pelo Pentágono.

Alguns dos quatro desgraçados tadjiques parecem ter seguido uma doutrinação ideológica/religiosa na Internet, ministrada pelo Wilayat Khorasan, ou ISIS-K, numa sala de conversação chamada Rahnamo ba Khuroson.

O jogo de doutrinação era supervisionado por um tajique, Salmon Khurosoni. Foi ele quem deu o primeiro passo para recrutar o comando. Khurosoni é, sem dúvida, um mensageiro entre o ISIS-K e a CIA.

O problema é que o modus operandi do ISIS-K para qualquer ataque nunca inclui um punhado de dólares:   a promessa é o Paraíso através do martírio. No entanto, neste caso, parece que foi o próprio Khurosoni que aprovou a recompensa de 500 mil rublos.

Depois de Buriyev ter transmitido as instruções, o comando enviou o bayat – o juramento de fidelidade do ISIS – a Khurosoni. A Ucrânia pode não ter sido o seu destino final. Uma outra ligação de informação estrangeira – não identificada pelas fontes do FSB – tê-los-ia enviado para a Turquia e depois para o Afeganistão.

É exatamente aí que se encontra Khurosoni. Khurosoni pode ter sido o cérebro ideológico do Crocus. Mas, crucialmente, não é o cliente.

O caso de amor ucraniano com bandos terroristas

Os serviços secretos ucranianos, SBU e GUR, têm usado a galáxia do terror "islâmico" a seu bel-prazer desde a primeira guerra da Chechénia, em meados da década de 1990. Milley e Nuland sabiam-no, como é óbvio, uma vez que, no passado, houve sérias divergências, por exemplo, entre o GUR e a CIA.

Na sequência da simbiose de qualquer governo ucraniano pós-1991 com diversos grupos de terror/jihadi, Kiev pós-Maidan turbinou estas ligações, especialmente com os bandos de Idlib, bem como com os grupos do norte do Cáucaso, desde o Shishani checheno ao ISIS na Síria e depois ao ISIS-K. O GUR tem por objetivo recrutar habitualmente os integrantes do ISIS e do ISIS-K através de salas de conversação em linha. Exatamente o modus operandi que conduziu ao Crocus.

Uma associação "Azan", fundada em 2017 por Anvar Derkach, membro do Hizb ut-Tahrir, facilita efetivamente a vida dos terroristas na Ucrânia, incluindo os tártaros da Crimeia - desde o alojamento à assistência jurídica.

A investigação do FSB está a estabelecer um rasto:   O Crocus foi planeado por profissionais – e certamente não por um bando de tadjiques de baixo QI. Não foi planeado pelo ISIS-K, mas pelo GUR. Uma clássica falsa bandeira, com os tadjiques sem noção a pensarem que estavam a trabalhar para o ISIS-K.

A investigação do FSB também está a revelar o modus operandi padrão do terror online, em todo o lado. Um recrutador concentra-se num perfil específico; adapta-se ao candidato, especialmente ao seu QI – baixo –; fornece-lhe o mínimo necessário para um emprego; depois, o candidato/executor torna-se descartável.

Toda a gente na Rússia se lembra de que, durante o primeiro ataque à ponte da Crimeia, o condutor do camião kamikaze desconhecia totalmente o que transportava,

Quanto ao ISIS, toda a gente que segue seriamente a Ásia Ocidental sabe que se trata de um gigantesco esquema de diversão, completo com os americanos a transferirem os operacionais do ISIS da base de Al-Tanf para o Eufrates oriental, e depois para o Afeganistão após a humilhante "retirada" do Hegemon. O projeto ISIS-K começou, de facto, em 2021, depois de se ter tornado inútil utilizar os capangas do ISIS importados da Síria para bloquear o progresso implacável dos talibãs.

O correspondente de guerra russo Marat Khairullin acrescentou mais um pedaço suculento a esta salada:   ele revela de forma convincente o ângulo do MI6 no ataque terrorista ao Crocus City Hall (em inglês no Moon of Alabama, em duas partes, postado por "S").

O FSB está mesmo a meio do meticuloso processo de desvendar a maioria, se não todas, as ligações ISIS-K-CIA/MI6. Quando tudo estiver estabelecido, haverá um inferno para pagar.

Mas a história não fica por aqui. Inúmeras redes terroristas não são controladas pela inteligência ocidental – embora trabalhem com a inteligência ocidental através de intermediários, normalmente "pregadores" salafistas que negoceiam com agências de inteligência sauditas e do Golfo.

O caso dos helicópteros "negros" da CIA que extraem jihadistas da Síria e os lançam no Afeganistão é mais uma exceção – em termos de contacto direto – do que a norma. Por isso, o FSB e o Kremlin serão muito cuidadosos quando se trata de acusar diretamente a CIA e o MI6 de gerirem estas redes.

Mas mesmo com uma negação plausível, a investigação do Crocus parece estar a conduzir exatamente ao ponto que Moscovo pretende:   descobrir o intermediário crucial. E tudo parece apontar para Budanov e os seus capangas.

Ramzan Kadyrov deixou cair uma pista extra. Disse que os "curadores" do Crocus escolheram de propósito instrumentalizar elementos de uma minoria étnica – os tadjiques – que mal falam russo para abrir novas feridas numa nação multinacional onde dezenas de etnias vivem lado a lado há séculos.

No final, não resultou. A população russa deu ao Kremlin carta branca total para exercer um castigo brutal e máximo – seja ele qual for e onde for.

26/Março/2024

Ver também:
  • É a guerra:   o verdadeiro moedor de carne começa agora
  • [*] Analista geopolítico.

    O original encontra-se em strategic-culture.su/news/2024/03/26/the-nuland-budanov-tajik-crocus-connection/

    Este artigo encontra-se em resistir.info

    26/Mar/24