A cimeira da SCO no Cazaquistão foi um divisor de águas

Pepe Escobar [*]

Dirigentes de Estados membros da SCO na cimeira de Astana.

É impossível exagerar a importância da cúpula de 2024 da Organização de Cooperação de Xangai (SCO) nesta semana em Astana, no Cazaquistão. Ela certamente pode ser interpretada como a antecâmara da crucial cúpula anual do BRICS, sob a presidência russa, em outubro próximo, em Kazan.

Vamos começar com a declaração final. Por mais que os membros da SCO afirmem que “mudanças tectônicas estão em andamento” na geopolítica e na geoeconomia, já que “o uso de métodos de força está aumentando, com as normas do direito internacional sendo sistematicamente violadas”, eles estão totalmente comprometidos em “aumentar o papel da SCO na criação de uma nova ordem internacional democrática, justa, política e econômica”.

Bem, não poderia haver um contraste mais nítido com a “ordem internacional baseada em regras” imposta unilateralmente.

Os 10 membros da SCO – com o novo membro, Bielorússia – são explicitamente a favor de “uma solução justa para a questão palestina”. Eles “se opõem a sanções unilaterais”. Eles querem criar um fundo de investimento da SCO (o Irã, por meio do presidente em exercício Mohammad Mokhber, apoia a criação de um banco comum da SCO, assim como o NDB do BRICS).

Além disso, os membros que “fazem parte do Tratado de Não Proliferação Nuclear defendem o cumprimento de suas disposições”. E, o mais importante, eles concordam que “a interação dentro da SCO pode se tornar a base para a construção de uma nova arquitetura de segurança na Eurásia”.

O último ponto é, de fato, o cerne da questão. Essa é a prova de que a proposta de Putin no mês passado, diante dos principais diplomatas russos, foi totalmente debatida em Astana – após o acordo estratégico da Rússia com a RPDC, que de fato vincula a segurança na Ásia como indivisível à segurança na Europa. Isso é algo que permanece – e continuará a permanecer – incompreensível para o Ocidente coletivo.

Uma nova arquitetura de segurança em toda a Eurásia é uma atualização do conceito russo de Parceria da Grande Eurásia – envolvendo uma série de garantias bilaterais e multilaterais e, nas palavras do próprio Putin, aberta a “todos os países da Eurásia que desejarem participar”, incluindo os membros da OTAN.

A SCO deve se tornar um dos principais impulsionadores desse novo arranjo de segurança – em total contraste com a “ordem baseada em regras” – juntamente com a CSTO, a CIS e a União Econômica da Eurásia (EAEU).

O roteiro à frente, é claro, inclui a integração socioeconômica e o desenvolvimento de corredores de transporte internacional – do INSTC (Rússia-Irã-Índia) ao “Corredor do Meio” apoiado pela China.

Mas os dois pontos cruciais são militares e financeiros:   “Eliminar gradualmente a presença militar de potências externas” na Eurásia; e estabelecer alternativas aos “mecanismos econômicos controlados pelo Ocidente, expandindo o uso de moedas nacionais em acordos e estabelecendo sistemas de pagamento independentes”.

Tradução: o processo meticuloso conduzido pela Rússia para desferir um golpe fatal na Pax Americana é essencialmente compartilhado por todos os membros da SCO.

Bem-vindo ao SCO+

O presidente Putin estabeleceu os princípios básicos mais adiante, quando confirmou o “compromisso de todos os estados-membros com a formação de uma ordem mundial justa, baseada no papel central da ONU e no compromisso dos estados soberanos com uma parceria mutuamente benéfica”.

Ele acrescentou que “as metas de longo prazo para uma maior expansão da cooperação em política, economia, energia, agricultura, alta tecnologia e inovação estão definidas no projeto de estratégia de desenvolvimento da SCO até 2035”.

Essa é uma abordagem bastante chinesa para o planejamento estratégico de longo prazo: Os planos quinquenais da China já estão mapeados até 2035.

O presidente Xi foi mais enfático no que diz respeito à parceria estratégica Rússia-China: ambos devem “fortalecer a coordenação estratégica abrangente, opor-se à interferência externa e manter conjuntamente a paz e a estabilidade” na Eurásia.

Mais uma vez, é a Rússia e a China como líderes da integração da Eurásia e do impulso em direção a um mundo multinodal (itálico meu; nodal com um “n”).

A cúpula em Astana mostrou como a SCO realmente intensificou o jogo depois de incorporar a Índia, o Paquistão e o Irã – e agora a Bielorrússia – como novos membros, além de estabelecer atores importantes como a Turquia, a Arábia Saudita, os Emirados Árabes Unidos, o Catar e o Azerbaijão como parceiros de diálogo, e o Afeganistão e a Mongólia como observadores estratégicos.

É um longo caminho desde que os Cinco de Xangai originais – Rússia, China e três “estões” da Ásia Central – criaram a organização em 2001, essencialmente como um órgão antiterrorismo/separatismo. A SCO evoluiu para uma cooperação geoeconômica séria, discutindo em detalhes, por exemplo, questões de segurança da cadeia de suprimentos.

A SCO agora vai muito além de uma aliança econômica e de segurança focada no Heartland, pois abrange 80% da massa terrestre da Eurásia; representa mais de 40% da população mundial; ostenta uma participação de 25% no PIB global – e está aumentando; e gera um valor de comércio global de mais de US$ 8 milhões de milhões em 2022, de acordo com os números do governo chinês. Além disso, os membros da SCO detêm 20% das reservas globais de petróleo e 44% do gás natural.

Portanto, não é de se admirar que um dos principais acontecimentos deste ano no Palácio da Independência em Astana tenha sido a primeira reunião da SCO+, sob o tema “Fortalecimento do Diálogo Multilateral”.

Um verdadeiro “quem é quem” dos parceiros da SCO estava lá, desde o presidente do Azerbaijão Ilham Aliyev, o emir do Qatar Sheikh Tamim bin Hamad Al Thani e o presidente da Turquia Recep Tayyip Erdogan, até o membro do Conselho Supremo dos Emirados Sheikh Saud bin Saqr Al Qasimi, o presidente do Conselho Popular do Turcomenistão Gurbanguly Berdimuhamedov, o secretário-geral da ONU Antonio Guterres e o secretário-geral da SCO Zhang Ming.

As relações bilaterais da Rússia com muitos desses atores da SCO+ foram bastante substanciais.

O primeiro-ministro da Índia, Modi, não foi a Astana, enviando o primeiro-ministro Jaishankar, que mantém relações fabulosas com o ministro das Relações Exteriores Lavrov. Modi foi reeleito para seu terceiro mandato no mês passado e está trabalhando até o pescoço na frente doméstica, com seu BJP agora comandando uma maioria muito mais estreita no Parlamento. Na próxima segunda-feira, ele estará em Moscou – e se encontrará com Putin.

O proverbiais hackers do “Divide and Rule” (Divide e impera) consideraram o não comparecimento de Modi em Astana como prova de uma séria divisão entre Índia e China. Isso não faz sentido. Jaishankar, depois de uma reunião bilateral com Wang Yi, declarou – de uma forma muito metafórica chinesa – que “os três pontos mútuos – respeito mútuo, sensibilidade mútua e interesse mútuo – guiarão nossos laços bilaterais”.

Isso se aplica ao impasse ainda não resolvido entre suas fronteiras; ao delicado equilíbrio que Nova Délhi precisa encontrar para apaziguar os americanos em sua obsessão pelo Indo-Pacífico (ninguém na Ásia usa o termo “Indo-Pacífico”; é Ásia-Pacífico); e também se relaciona às insuficiências indianas quando se trata de fingir ser um líder do Sul Global em comparação com a China.

A China de fato se considera parte do Sul Global. Wang Yiwei, da Universidade Renmin, autor do melhor livro sobre a Iniciativa do Cinturão e da Estrada (BRI), argumenta que Pequim se congratula com o “senso de identidade” proporcionado pelo fato de representar o Sul Global e de ter sido obrigada a resistir à hegemonia e à retórica de “desglobalização” de Washington.

A nova matriz multinodal

Astana mais uma vez revelou como os principais impulsionadores da SCO estão avançando rapidamente em tudo, desde a cooperação energética até os corredores de transporte transfronteiriços. Putin e Xi discutiram o progresso na construção do enorme gasoduto Power of Siberia 2, bem como a necessidade da Ásia Central de ter a China como fornecedora de fundos e tecnologia para desenvolver suas economias.

A China é agora o maior parceiro comercial do Cazaquistão (o comércio bilateral é de US$ 41 bilhões, e continua crescendo). Crucialmente, quando Xi se encontrou com o presidente do Cazaquistão, Kassym-Jomart Tokayev, ele apoiou a candidatura de Astana para participar do BRICS+.

Tokayev estava radiante:   “Aprofundar a cooperação amigável e estratégica com a China é uma prioridade estratégica inabalável para o Cazaquistão”. E isso significa mais projetos no âmbito da BRI.

O Cazaquistão – que compartilha uma fronteira de mais de 1.700 km com Xinjiang – é absolutamente central em todas essas frentes:   BRI, SCO, EAEU, em breve BRICS e, por último, mas não menos importante, a Rota de Transporte Internacional Transcaspiana.

Esse é o famoso Corredor do Meio, que liga a China à Europa por meio do Cazaquistão, do Mar Cáspio, da Geórgia, da Turquia e do Mar Negro.

Sim, esse corredor ignora a Rússia:   o principal motivo é que os comerciantes chineses e europeus estão aterrorizados com as sanções secundárias americanas. Pequim, de forma pragmática, apoia a construção desse corredor como um projeto de BRI desde 2022. Na verdade, Xi e Tokayev inauguraram o que também pode ser chamado de Expresso Transcaspiano China-Europa por meio de um link de vídeo; eles viram os primeiros caminhões chineses chegando à estrada para um porto do Mar Cáspio no Cazaquistão.

Xi e Putin discutiram o corredor, é claro. A Rússia entende as restrições chinesas. E, afinal, o comércio entre a Rússia e a China usa seus próprios corredores, à prova de sanções.

Mais uma vez, os hackers do Divide e impera – alheios ao óbvio, para não mencionar os pontos mais delicados da integração da Eurásia – recorrem à sua velha narrativa empoeirada: o Sul Global está fragmentado, a China e a Rússia não concordam com o papel da SCO, da BRI e da EAEU. Mais uma vez, um absurdo.

Todas as frentes estão progredindo em paralelo. O Banco de Desenvolvimento da SCO foi inicialmente proposto pela China. O Ministério das Finanças da Rússia – que é uma organização gigantesca, com 10 vice-ministros – não estava tão entusiasmado, com o argumento de que o capital chinês inundaria a Ásia Central. Agora isso mudou, pois o Irã – que tem parcerias estratégicas com a Rússia e a China – está bastante entusiasmado.

A estrategicamente importante ferrovia China-Quirguistão-Uzbequistão – um projeto da BRI – desenvolveu-se lentamente, mas agora estará em alta velocidade, por uma decisão mútua de Putin e Xi. Moscou sabe que Pequim – temendo o tsunami de sanções – não pode usar a Transiberiana como a principal rota comercial terrestre para a Europa.

Portanto, a nova ferrovia Quirguistão-Uzbequistão é a solução, reduzindo a viagem para a Europa em 900 km. Putin disse pessoalmente ao presidente do Quirguistão, Sadyr Japarov, que não há oposição russa; pelo contrário, Moscou apoia totalmente os projetos interconectados lançados pelo BRICS e/ou financiados pela EAEU.

É fascinante observar a dinâmica Rússia-China em jogo no centro de organizações multilaterais como a SCO. Moscou se vê como líder da futura ordem multipolar, mesmo que não se considere, tecnicamente, um membro do Sul Global (Lavrov insiste em “Maioria Global”).

Quanto ao “pivô para o Leste” da Rússia, na verdade ele começou na década de 2010, mesmo antes de Maidan em Kiev, quando Moscou começou a consolidar seriamente as relações com, bem, o Sul Global.

Não é de se admirar que, agora, Moscou veja claramente a nova realidade multinodal em evolução – SCO e SCO+, BRICS 10 e BRICS+, EAEU, ASEAN, INSTC, novas plataformas de acordo comercial, a nova arquitetura de segurança da Eurásia – como o coração pulsante da estratégia complexa e de longo prazo de destruir meticulosamente o domínio da Pax Americana.

05/Julho/2024

[*] Analista geopolítico.

O original encontra-se em sputnikglobe.com/20240705/pepe-escobar-why-the-sco-summit-in-kazakhstan-was-a-game-changer-1119251048.html e a tradução em sakerlatam.blog/por-que-a-cupula-da-sco-no-cazaquistao-foi-um-divisor-de-aguas/

Este artigo encontra-se em resistir.info

07/Jul/24