Imperialismo agrícola na UE

Michael Hudson [*]

Agricultura europeia ameaçada pelo império.

Desde a Segunda Guerra Mundial, os estrategas comerciais dos Estados Unidos têm baseado a sua política internacional no controlo de dois produtos fundamentais:   o petróleo e os cereais. Em termos económicos, têm sido o pilar da balança de pagamentos dos EUA, as principais categorias de excedentes de exportação (juntamente com as armas), especialmente à medida que a economia americana se desindustrializou.

E, politicamente, estas são necessidades básicas de qualquer economia. A diplomacia dos EUA tem procurado tornar outros países dependentes dos cereais americanos. Na década de 1950, a oposição dos EUA à revolução comunista de Mao na China procurou impor um embargo de cereais a esse país. Mas o Canadá rompeu as sanções – criando boa vontade durante décadas.

Os estrategas comerciais dos EUA têm procurado promover a dependência dos cereais aos agricultores americanos, opondo-se às tentativas estrangeiras de alcançar a auto-suficiência em cereais. O mais vergonhoso é o facto de o Banco Mundial se ter recusado, desde o início, a conceder quaisquer empréstimos agrícolas aos países do Sul Global/Terceiro Mundo para a produção de cereais alimentares. Os empréstimos têm-se limitado a promover culturas tropicais que não competem com a produção agrícola dos EUA. O resultado é que países como o Chile, com a maior reserva mundial de fertilizante natural de guano, desperdiçaram as suas receitas de exportação de cobre na compra de cereais americanos que poderiam facilmente ter produzido eles próprios.

Assim que o Mercado Comum/CEE, com sete membros, foi criado em 1958, a sua Política Agrícola Comum (PAC) tornou-se a principal área de conflito diplomático entre a CEE e os Estados Unidos. Esta foi uma das razões pelas quais os diplomatas americanos promoveram a Associação Europeia de Comércio Livre (EFTA) como rival. Os diplomatas norte-americanos tinham incorporado o forte protecionismo agrícola dos Estados Unidos nos acordos comerciais. A Lei de Ajustamento Agrícola do Presidente Roosevelt, os apoios aos preços ("preços de paridade"), os serviços de extensão agrícola e outros apoios governamentais fizeram com que os ganhos sustentados de produtividade agrícola excedessem os de qualquer outro país.

Não admira, portanto, que a PAC europeia tenha procurado obter ganhos semelhantes para o seu sector agrícola e, consequentemente, contribuições para a balança comercial da França, da Alemanha e de outros países membros. Para a CEE, a PAC foi a principal e mais bem sucedida realização económica das décadas de 1960 e 1970. A Europa tornou-se um grande exportador de cereais. Não havia nada que a diplomacia dos Estados Unidos pudesse fazer para preservar o seu anterior domínio do mercado neste domínio.

Este êxito fez da agricultura um elemento-chave da diplomacia francesa e alemã com a CEE, que se transformou na atual Comunidade Europeia. Obviamente, estes dois grandes produtores agrícolas procuraram manter a sua própria posição dominante.

É natural que os novos países membros da UE desejem subsídios para a sua própria agricultura, de modo a obterem ganhos de produtividade agrícola semelhantes e apoios semelhantes. Esta tem sido uma luta política permanente no seio da UE. E chegou ao auge com a guerra na Ucrânia, que procura aceder ao mercado europeu. Os solos ucranianos são famosos por serem os mais ricos e produtivos do mundo, o que faz do país um exportador mundial natural de cereais, sementes de girassol e outros produtos agrícolas.

Mas, mais uma vez, os interesses diplomáticos dos EUA são antagónicos aos da UE. Empresas americanas compraram grandes extensões de terras agrícolas ucranianas e procuram aceder aos mercados europeus, a começar pela Polónia. O seu presidente Andrej Duda explicou o problema numa entrevista à Rádio e Televisão Nacional da Lituânia:

"Gostaria de chamar a atenção para a agricultura industrial, que não é gerida por ucranianos, mas sim por grandes empresas da Europa Ocidental, dos EUA. Se olharmos atualmente para os proprietários da maior parte das terras, não são empresas ucranianas. É uma situação paradoxal e não é de admirar que os agricultores se defendam, porque investiram nas suas explorações agrícolas na Polónia [...] e os produtos agrícolas baratos vindos da Ucrânia são dramaticamente destrutivos para eles".

A ameaça que os cereais ucranianos a baixo preço representam para a Polónia e outros produtores agrícolas europeus foi intensificada por dois acontecimentos importantes. O acesso da Ucrânia ao Mar Negro foi bloqueado, deixando o transporte ferroviário para o ocidente como a principal alternativa para escoar os seus cereais. E a empresa americana BlackRock trabalhou com o Presidente ucraniano Zelensky para organizar o investimento americano e europeu na agricultura ucraniana à escala industrial, a fim de ajudar a fornecer divisas ao país na sua guerra contra a Rússia, apoiada pela NATO.

Os lobbies nacionais ucranianos juntaram-se à pressão diplomática dos EUA para obterem acesso livre de direitos aduaneiros ao mercado de cereais da UE. Os agricultores polacos procuraram recentemente impedir que as importações de cereais ucranianos baixassem os preços a que podem vender os seus próprios cereais. Sem apoios aos preços para estes e outros agricultores da UE, a ameaça da concorrência agrícola ucraniana apoiada pelos EUA constitui um importante fator de dissuasão da adesão da Ucrânia à UE.

Como tal, reaviva o conflito de interesses agrícolas entre os EUA e a Europa, que se arrasta há mais de meio século. A extensão dos apoios económicos da UE à concorrência agrícola ucraniana seria, na esfera do comércio agrícola, o equivalente à destruição do gasoduto Nord Stream, prejudicando a prosperidade europeia.

Os interesses agrícolas dos EUA na oposição à PAC da CEE após 1958 opõem agora os interesses de investimento dos EUA aos actuais produtores agrícolas da UE.

28/Maio/2024

[*] Economista.

Publicado em Berliner Wochenende e em michael-hudson.com/2024/05/agricultural-imperialism-in-the-eu/

Este artigo encontra-se em resistir.info

19/Jun/24