A cleptocracia somos nós

– Criptomoeda dos EUA como um centro bancário offshore

Michael Hudson [*]

Mulher a acusar.

O Wall Street Journal publicou hoje (14/junho/2024) um artigo revelador de Paul D. Ryan, "Crypto Could Stave off a U.S. Debt Crisis". O Sr. Ryan, presidente da Câmara dos Republicanos libertários 2015-2019 e agora no American Enterprise Institute de direita, escreve que: "Stablecoins lastreados em dólares fornecem procura para a dívida pública dos EUA e uma maneira de acompanhar a China."

Ele relata que "De acordo com o Departamento do Tesouro e DeFi Llama, um site de análise de criptomoedas, stablecoins baseados em dólares estão se tornando um importante comprador líquido da dívida do governo dos EUA". Se o fundo stablecoin fosse um país, estaria "entre os dez principais países detentores de títulos do Tesouro – menor do que Hong Kong, mas maior do que a Arábia Saudita". Portanto, o resultado de promovê-los oficialmente "seria um aumento imediato e duradouro na procura por dívida dos EUA".

Ryan diz que "o apoio bipartidário no Congresso ... ajudaria a expandir dramaticamente o uso de dólares digitais num determinado momento crítico".

Aqui está a verdadeira lógica. Já escrevi antes sobre como, em 1966 ou 67, eu era economista da balança de pagamentos do Chase Manhattan, e um funcionário do banco, aparentemente vindo do Departamento de Estado, pediu-me para rever um memorando que propunha tornar os Estados Unidos "a nova Suíça".

Ou seja, um paraíso para o dinheiro da droga e outros crimes de branqueamento de capitais, para cleptocratas e evasores fiscais, a fim de ajudar a travar o défice da balança de pagamentos dos EUA, que resultava inteiramente das despesas militares estrangeiras no Sudeste Asiático e noutras partes do mundo.

Atualmente, à medida que os países estrangeiros desdolarizam o seu comércio – por exemplo, quando a Rússia e a China transaccionam petróleo e produtos industriais na moeda de cada um – os estrategas financeiros americanos preocupam-se com o que isso significará para a taxa de câmbio do dólar.

Na verdade, a transação desse comércio externo em moedas que não o dólar não tem qualquer efeito na balança de pagamentos dos EUA. Não aparece na balança comercial nem sequer no investimento estrangeiro, embora a desdolarização possa privar os bancos americanos de comissões de negociação de divisas para tratar dessas transacções.

O que afeta a procura de dólares é a conversão em dólares dos ativos denominados em moeda estrangeira. Este rei da banca confidencial foi o que pressionou tanto o franco suíço nos anos 70 e 80 que fez com que os preços dos produtos suíços saíssem dos mercados estrangeiros. Empresas como a Ciba-Geigy tiveram de deslocar a sua produção para o outro lado da fronteira, para a Alemanha, a fim de evitar que a valorização do franco os tornasse pouco competitivos. (Quando essa empresa me trouxe para cá em 1976, descobri que o preço de uma coca-cola era superior a 10 dólares e que uma refeição normal custava 100 dólares).

Os EUA procuram proteger o elevado valor do dólar, e não baixá-lo, pelo que consideram que atuar como destino de evasores fiscais, criminosos e outros é uma estratégia nacional positiva:   "A cleptocracia somos nós".

O plano não é condenar o crime fiscal e as atividades criminosas mais violentas, mas procurar lucrar por ser o banqueiro dessas funções. A lógica é:   "Como a principal democracia de mercado livre do mundo, estamos a fornecer um local seguro para o capital mundial, independentemente do modo como possa ser 'ganho' ou obtido".

Evitar uma crise da dívida atraindo dívida odiosa não é o futuro de que precisamos.

17/Junho/2024

[*] Economista.

O original encontra-se em michael-hudson.com/2024/06/kleptocracy-is-us/

Este artigo encontra-se em resistir.info

27/Jun/24