A auto-imolação da Europa, a imperícia do Fed e a mudança da ordem mundial

Michael Hudson [*]
entrevistado por Mohammad Itmaizeh,
da Almayadeen TV (Líbano)

 .

Almayadeen: A Europa experimenta neste momento elevados preços da energia com repercussões no setor industrial, como o encerramento de fábricas e elevados custos de produção. Na sua opinião, os países europeus têm capacidade e recursos para impedir que os investimentos industriais lhe "escapem"? Especialmente porque os EUA planeiam em geral restaurar a indústria no seu país, portanto, isso pode representar uma oportunidade para atrair as indústrias europeias para se mudarem para lá e aproveitarem os preços da energia mais baratos. Esta mudança terá amplas repercussões nas capacidades produtivas e na competitividade da Europa, bem como na sua balança comercial. Então, o que acontecerá com a posição da Europa no sistema económico global? Continuará a fazer parte do centro capitalista ou desviar-se-á dele?

Michael Hudson: A sua pergunta basicamente responde a si mesma. Os líderes políticos europeus não estão dispostos a resistir às exigências dos EUA. Tudo o que eles podem fazer é reclamar de seus maus-tratos. Isso levou a uma divisão entre empresários alemães e outros empresários europeus e os partidos políticos europeus.

Ver, por exemplo, Político, 24/novembro/2022: Europe accuses US of profiting from war (Europa acusa EUA de lucrar com a guerra).

Os subsídios e impostos verdes de Biden, segundo Bruxelas, desviam injustamente o comércio da UE e ameaçam destruir as indústrias europeias. Apesar das objeções formais da Europa, Washington até agora não mostrou sinais de recuar. (...) o preço que os europeus pagam é quase quatro vezes mais alto do que os mesmos custos de combustível na América. Depois, há o provável aumento de encomendas de kits militares fabricados nos EUA, já que os exércitos europeus estão a ficar sem esse material depois do envio de armas para a Ucrânia.

Mas mesmo os negócios estão a render-se e a planear mudarem-se para os Estados Unidos, tornarem-se empresas americanas. As empresas estão planeando novos investimentos nos EUA ou até mesmo realojando os seus negócios existentes na Europa para fábricas americanas. Ainda esta semana, a multinacional química Solvay anunciou que está a escolher os EUA em detrimento da Europa para novos investimentos.

Para um cenário do consequente despovoamento e desindustrialização da Europa, ver o êxodo em massa de pessoas da Letónia, Estónia e Lituânia a partir de 1991.

A alternativa é mudarem-se para a Rússia ou a China, que produzem energia – e também armas – a um custo muito menor do que os Estados Unidos. O problema é que a Europa não se pode retirar da NATO sem dissolver a União Europeia, a qual está comprometida com a política militar da NATO e, portanto, com uma imensa drenagem da balança de pagamentos para comprar armas americanas de alto preço, bem como outros bens que necessita.

Se a questão é por quanto tempo a Alemanha e a Europa podem colocar a lealdade política e militar aos Estados Unidos acima de sua própria prosperidade económica e emprego, a resposta dos Verdes é que a "terapia de choque" ajudará a tornar a Europa mais verde. À primeira vista, isso está certo, pois a indústria pesada está a fechar. Mas parece que o combustível do futuro da Europa será o carvão e o abate das suas florestas.

Por outro lado, a Reserva Federal dos EUA está a prosseguir políticas que têm consequências internas e externas.

Almayadeen: A nível interno se a fonte da inflação é a oferta e não a procura, então qual é o propósito de aumentar as taxas de juro, especialmente porque a Reserva Federal dos EUA está ciente, como afirmado por muitos de seus funcionários, de que as suas medidas levarão a uma recessão económica? Por quê insistir em tais medidas, mesmo que não tenham salvo a economia dos EUA de um novo aumento nas taxas de inflação?

MH: Culpar a inflação de preços de hoje pelo facto de os trabalhadores ganharem demais é simplesmente uma desculpa para impor uma nova guerra de classes contra o trabalho. É óbvio que os níveis salariais não forçaram o aumento dos preços do petróleo, gás, fertilizantes e cereais. Esses aumentos de preços são o resultado das sanções dos EUA. Mas a alegação central da ortodoxia económica neoliberal de hoje é que todos os problemas são causados pelo trabalho ser muito ganancioso e colocar seus próprios padrões de vida acima do ideal de criar uma classe rentista rica para dominá-la.

O objetivo de cortar o crédito é reduzir o emprego, trazendo uma nova recessão e assim reverter os salários – e também tornar as condições de trabalho muito mais duras, bloqueando a sindicalização e cortando programas públicos sobre gastos sociais. A economia é para ser thatcherizada – tudo isso cavalgando a crista das sanções anti-russas americanas e alegando que isso cria uma crise que requer o desmantelamento da infraestrutura pública levando à sua privatização e financeirização.

Almayadeen: No plano externo: o aumento das taxas de juro provocou muitas crises em todo o mundo. Não foram apenas os países "em desenvolvimento" ou os países do Sul global que foram afetados pelas repercussões dos aumentos das taxas de juros, como os altos custos da dívida e a diminuição do investimento e da poupança, mas também se refletiu na Europa (incluindo a Grã-Bretanha), e parece que as políticas monetárias americanas não se importam com o que acontece fora do território dos Estados Unidos. Em 2008, por exemplo, a Reserva Federal dos EUA foi forçada a abrir linhas de crédito para salvar países como o Japão do colapso causado pela crise financeira global que originalmente se originou na América. Será este o mesmo padrão que a América impõe/imporá hoje? Ou prosseguirá sem levar em conta o que acontecerá em todo o mundo?

MH: Os Estados Unidos realmente se importam com o que acontece fora dos Estados Unidos. Essa é a essência do imperialismo: tem o cuidado de conquistar outros países económica, financeira e tecnologicamente, tornando-os dependentes para o país hegemónico possa cobrar preços de monopólio e desviar o excedente económico para suas próprias elites financeiras e corporativas.

O objetivo da diplomacia unilateral dos EUA é estabelecer a dependência comercial, monetária e militar. É assim que os políticos "se importam" com o que os países estrangeiros estão fazendo – e por que os EUA se intrometem tanto com os seus processos políticos.

Almayadeen: Após a guerra russo-ucraniana, emergiram formações de blocos económicos entre países além do bloco ocidental. Os blocos que se haviam formado anteriormente tornaram-se mais fortes devido à nova realidade resultante dessa guerra, como os acordos entre Rússia e China, Rússia e Índia, e entre Irão e Rússia, e Irão e China. Mesmo o comportamento de alguns dos países BRICS, que estão próximos do Ocidente, não foi hostil em relação à Rússia. Parece que o objetivo desses blocos é ser contra o império ocidental liderado pelos Estados Unidos, isso implica que estamos testemunhando uma reformulação da globalização económica? E por que isso não aconteceu antes de agora?

MH: As sanções dos EUA e o confronto militar estão levando outros países a se defenderem criando alternativas ao dólar americano e também a depender de fornecedores além dos EUA em alimentos, energia e tecnologia crítica para que possam evitar serem "sancionados" forçando-os a cumprir os ditames dos EUA.

Essa rutura não ocorreu antes porque não era urgente. Têm sido as sanções dos EUA e a ameaça de que a guerra EUA/NATO contra a Rússia persistirá por muito mais tempo do que a da Ucrânia. Em última análise, é um impulso contra a China, e o presidente Biden disse que isso levará vinte anos ou mais. Para os EUA, a ameaça de perder sua capacidade de controlar a política económica de outras nações é uma ameaça ao que eles veem como a sua própria civilização. O choque de civilizações é entre as tentativas dos EUA criarem uma ordem mundial neorentista, neofeudal, e uma de ganho mútuo e prosperidade. Como Rosa Luxemburgo colocou as coisas há um século, o choque é entre a barbárie e o socialismo.

Almayadeen: Nas últimas décadas, o mundo tem assistido a um aumento significativo da dívida, quer se trate de dívida das famílias ou de dívida soberana, onde é que isto termina? A dívida continuará a aumentar infinitamente ou as coisas chegarão a uma crise global da dívida? E se isso acontecer, quais são as consequências na forma do sistema financeiro global?

MH: A matemática exponencial da dívida remunerada torna inevitáveis as crises da dívida. Esse tem sido o caso há milhares de anos. O caminho de expansão da dívida é mais rápido do que o da economia "real" subjacente.

Em algum momento, ou as dívidas terão que ser eliminadas – anuladas – ou os países cairão na servidão pela dívida para com as potências credoras, assim como dentro das nações credoras a economia está polarizada entre os credores, o 1%, e os 99% cada vez mais endividados. Eu explico esta dinâmica em The Destiny of Civilization: Finance Capitalism, Industrial Capitalism or Socialism, bem como em Killing the host.

O sistema global precisará ir além da dependência do dólar americano e transformar os sistemas bancários e de crédito nacionais em serviços públicos. Essa é a única maneira pela qual os governos podem reduzir ou anular a dívida – principalmente, a dívida devida a si mesmos – sem incitar a uma luta política e mesmo violenta contra as suas tentativas de libertar a economia de suas despesas gerais de dívida.

28/Novembro/2022

[*] Economista. As suas obras principais encontram-se aqui.

O original encontra-se em www.nakedcapitalism.com/2022/11/michael-hudson-answers-questions-on-europes-self-immolation-feds-malpractice-changing-world-order.html.

Esta entrevista encontra-se em resistir.info

12/Dez/22