O FMI financia o terrorismo ao ajudar a Ucrânia

Oleksiy Mozhin [*]
entrevistado por Igor Naimushin, da RIA Novosti

Oleksiy Mozhin.

Alexei Mozhin, Diretor Executivo da Rússia no Fundo Monetário Internacional (FMI), falou numa entrevista à RIA Novosti sobre a razão pela qual o Fundo se está a tornar cada vez mais politizado e desonesto, sobre desacordos geopolíticos, sobre a forma como os EUA perturbaram a reunião dos BRICS no local do Fundo ao não emitirem vistos para a delegação russa dentro do prazo exigido e sobre a forma como a saída do FMI irá privar a organização do seu estatuto global.

As reuniões ministeriais da primavera do Fundo Monetário Internacional e do Banco Mundial terminaram recentemente em Washington. Que avaliação faz dos acontecimentos?

Se falarmos dos acontecimentos que tiveram lugar, diria que nunca houve uma reunião ministerial da primavera tão desagradável como a deste ano. Terminou com o facto de a delegação russa nem sequer ter recebido uma cadeira à mesa na sessão plenária do Comité Monetário e Financeiro Internacional (CMFI) ministerial. Além disso, não fomos informados desse facto com antecedência. Naturalmente, apresentei imediatamente as minhas queixas ao secretário do comité, que explicou que nenhum dos nossos dirigentes de alto nível tinha comparecido. Entretanto, o ministro das Finanças, Anton Siluanov, falou muito bem no seu discurso em vídeo.

Ao mesmo tempo, sempre que, no período que antecede estes eventos, os organizadores nos pedem para indicar o vice-governador em exercício, inscrevemos sempre os vice-ministros e eu. Mas, como resultado, ficámos privados da oportunidade de dizer seja o que for. Por exemplo, se tivesse havido ataques à Rússia nos discursos de outros participantes, não teríamos podido responder-lhes. Mas felizmente não houve nenhum. Isto nunca aconteceu na minha vida.

Houve alguma dificuldade na obtenção de vistos americanos para os membros da delegação russa que planeavam deslocar-se aos Estados Unidos?

O vice-ministro das Finanças, Ivan Chebeskov, e o Primeiro Vice-Presidente do Banco da Rússia, Vladimir Chistyukhin, deviam deslocar-se aos Estados Unidos. Tinham pedido vistos. Além disso, os funcionários destas agências deveriam ir com eles. Os vistos foram entregues aos funcionários mais jovens do Banco da Rússia, que os receberam num prazo aceitável, mas não o Vice-Presidente. Ninguém do Ministério das Finanças recebeu os vistos – estavam a arrastar os pés. Por fim, na semana passada, na terça-feira (16 de abril), a Embaixada dos Estados Unidos notificou-os de que podiam obter vistos e de que os podiam emitir. Nessa altura, todos, incluindo o primeiro vice-governador do Banco da Rússia e representantes do Ministério das Finanças, haviam cancelado os bilhetes de avião e as reservas de hotel a fim de não pagarem multas elevadas em caso de não comparecimento. O prazo de anulação terminou alguns dias antes da obtenção dos vistos. Aliás, estava prevista para terça-feira uma reunião dos vice-ministros das Finanças e dos presidentes dos bancos centrais dos BRICS, que acabou por ser interrompida.

Foi um autêntico sadismo, para dizer as coisas nas suas palavras próprias. Quando os vistos foram concedidos, não eram necessários. Isto é desprezível e baixeza ao ponto do sadismo. Não consigo imaginar que a Rússia se possa comportar assim com os nossos piores inimigos. É uma questão de cultura, somos diferentes.

Na reunião da primavera do Comité Monetário e Financeiro Internacional não foi possível chegar a acordo sobre o comunicado final. O que impediu os membros do IMFC de chegarem a um acordo?

Pela quinta vez consecutiva, os participantes não conseguiram chegar a um acordo. O Comité reúne-se duas vezes por ano: no outono, para as reuniões anuais, e na primavera, para as reuniões ministeriais da primavera. Anteriormente, a Espanha presidiu o Comité durante dois anos e quatro reuniões. O Ocidente insistiu num preâmbulo político com insultos e acusações contra a Rússia, que nos recusámos a assinar. Em resultado disso, foi emitida uma declaração do presidente em vez de um comunicado. Agora, pela primeira vez, a Arábia Saudita presidiu à reunião e fez um excelente trabalho ao tentar chegar a acordo sobre um texto, embora se tenha tornado ainda mais difícil porque, para além do conflito ucraniano, havia também o conflito absolutamente horrível do Médio Oriente. A frase-chave era: "Os membros do IMFC debateram o impacto macroeconómico e financeiro global das guerras e conflitos, incluindo a guerra na Ucrânia e a crise humanitária na Faixa de Gaza, bem como a perturbação da navegação no Mar Vermelho". No final, concordámos com este texto, que foi apresentado, dado o enorme esforço feito pela presidência saudita. Três presidentes não concordaram com o texto. Dois presidentes que representam grupos de pequenos países europeus e um presidente que representa um grupo de grandes países muçulmanos. Os europeus queriam condenar diretamente a Rússia, enquanto os países muçulmanos não se sentiam confortáveis com a expressão "crise humanitária" sem mencionar Israel. Estes participantes impediram a adoção do comunicado. Aliás, na reunião anterior, realizada em Marraquexe, Marrocos, os pequenos países europeus também "mataram" o comunicado.

Como avalia o impacto das crescentes contradições geopolíticas no trabalho do Fundo Monetário Internacional?

Não temos razões para estarmos satisfeitos com o que está a acontecer no FMI. Infelizmente, constatamos que as divergências geopolíticas tiveram um impacto nas actividades do Fundo. O FMI tornou-se uma vítima, talvez a principal vítima da situação geopolítica. Vemos que o Fundo está a tornar-se cada vez mais politizado e, consequentemente, cada vez mais desonesto. Vemos muitos exemplos de como certos acontecimentos negativos são destacados para alguns países e encobertos para outros. Os acontecimentos positivos são também encobertos para uns e apresentados para outros. Há muitos exemplos deste género nos documentos do Fundo.

Por exemplo, quando se fala dos problemas da elevada dívida pública, a tónica é sempre colocada nas dívidas dos países pobres e de rendimento médio, mas isso é silenciado no que se refere aos países de rendimento elevado, onde essas dívidas são incomensuráveis, e o que fazer em relação a elas – não há resposta. Sempre houve parcialidade nas análises do Fundo, mas o grau a que chegou agora é fora de série.

A crise da dívida no mundo é um dos principais temas de discussão na plataforma do FMI. Quais são, na sua opinião, as formas de resolver a elevada dívida pública?

A dívida pública divide-se em obrigações bilaterais para com países estrangeiros ou para com organizações internacionais como o FMI ou o Banco Mundial. Uma parte substancial da dívida é devida a detentores privados de obrigações do Estado. Estes são representantes do sector privado que não querem anular nada.

O que fazer com os países pobres é geralmente claro – estas dívidas devem ser anuladas ou reestruturadas. O mesmo se aplica aos países de rendimento médio. A questão principal é saber o que é que os países ricos, como os EUA, vão fazer com esta dívida. Na minha opinião, a sua situação é desesperada. Quais são as suas opções? A primeira opção é seguir o caminho mais simples: conseguir um excedente orçamental primário e mantê-lo durante vários anos, dependendo do calendário de redução da dívida. Reduzir lentamente a dívida pública em conjunto com a inevitável recessão.

A segunda possibilidade é sair da dívida através do crescimento da economia, reduzir o rácio da dívida pública em relação ao PIB através de um crescimento elevado. A terceira opção é desvalorizar a dívida pública através da inflação, como fizeram os americanos e os britânicos após o fim da Segunda Guerra Mundial, promovendo a inflação e simplesmente desvalorizando a dívida.

A quarta opção é não fazer nada e ver essa dívida crescer sem parar, como fez o Japão. O exemplo do Japão mostra que se pode "chutar a lata pela estrada" durante bastante tempo sem fazer nada, mas isso tem um preço elevado. A economia japonesa não cresce há mais de 30 anos.

Na América, em 2023, só os pagamentos de juros da dívida pública representavam 10% do total das receitas orçamentais. Existe também um indicador das necessidades brutas de financiamento, que mostra quanto é necessário pedir emprestado para financiar tanto o défice orçamental como os pagamentos do capital da dívida. Nos EUA, este montante atingiu 37% do PIB em 2023.

Numa reunião do Conselho de Administração, levantei a questão sobre as possibilidades de reduzir a dívida pública dos EUA. Foi-me respondido que uma abordagem direta nas circunstâncias políticas internas dos Estados Unidos é simplesmente inimaginável. Todas as projeções do fundo prevêem um crescimento muito lento a curto e médio prazo. É também impossível sair da dívida ou desvalorizá-la através da inflação. A única opção é não fazer nada, seguindo o exemplo do Japão.

Há ainda a quinta opção, a mais repugnante, que é uma reestruturação unilateral da dívida dos EUA, em que as autoridades anunciam uma troca obrigatória das antigas obrigações do Estado por novas obrigações com termos diferentes, prazos mais longos e taxas de juro mais baixas. Se o fizerem para todos os detentores de obrigações, estarão a matar imediatamente os seus próprios bancos, que são grandes detentores de títulos do Ministério das Finanças dos EUA. Por conseguinte, é mais provável que o façam apenas para os detentores estrangeiros de obrigações do Estado – os bancos centrais de todos os países do mundo. O que seria muito para além do bem e do mal.

Como avalia o risco de colapso do atual sistema monetário internacional?

O dólar americano desempenha um papel fundamental no chamado sistema monetário internacional, que se baseia em três elementos principais:   taxas de câmbio de mercado flutuantes, fluxos de capitais transfronteiriços livres e o papel do dólar americano como principal moeda de reserva.

Em última análise, o sistema assenta na confiança de que os ativos em dólares são seguros. Na minha opinião, se a dívida dos EUA apenas aumentar – o que é agora o cenário de base – então é claro que a confiança na segurança dos ativos em dólares irá diminuir. Quando essa confiança desaparecer, a economia global tornar-se-á um caos.

Existe a possibilidade de um colapso do sistema monetário mundial? Parece-me que essa possibilidade existe. Além disso, já está a ocorrer um "assalto" ao dólar, se olharmos para o que está a acontecer com os preços do ouro. É interessante notar que os bancos centrais estão a vender ativos em dólares e a comprar ouro. Há também uma procura sem precedentes de ouro por parte das famílias. Isto deve-se à crescente desconfiança na segurança dos ativos em dólares.

Poderão os BRICS oferecer um substituto para o desatualizado sistema monetário global dependente da moeda americana?

Muito se tem escrito sobre as deficiências do atual sistema. E muitas publicações mencionam os BRICS no contexto de que esta associação pode oferecer uma alternativa. Para começar, é possível criar uma unidade de conta BRICS, que se basearia num cabaz de moedas dos cinco países membros da associação:  40 por cento do yuan chinês, 25 por cento da rupia indiana, 15 por cento do rublo russo e do real brasileiro e 5 por cento do rand sul-africano. Uma espécie de "Brics DES" [Direitos Especiais de Saque]. É também possível efetuar cotações diárias das principais mercadorias de troca:   petróleo, cereais, ouro, outros metais, madeira e outros. Também será possível contabilizar e converter o comércio mútuo dentro dos BRICS. Este é um projeto muito bom. Em primeiro lugar, é tecnicamente muito simples e bastante económico. Com base nesta unidade de conta, é possível fornecer cotações diárias de todas as outras moedas. Esta proposta está a ser discutida. No caso de colapso do dólar e do sistema monetário internacional, será necessário transformar a unidade de conta dos BRICS numa moeda real apoiada em mercadorias transaccionadas em bolsa.

O FMI reconhece o possível confisco dos ativos soberanos da Rússia pelo Ocidente como uma das ameaças ao sistema monetário mundial. Como é que estas acções afectarão a confiança dos investidores?

As nossas reservas foram-nos roubadas e este é o maior roubo da história da humanidade. Não somos os primeiros a ser roubados, houve o Irão, a Venezuela, o Afeganistão. Mas, claro, nunca houve um roubo de 300 mil milhões de dólares. O mundo inteiro está a ver o que está a acontecer, e é um sinal claro para todos de que podem ser tratados da mesma forma se houver necessidade. Ao mesmo tempo, os americanos detêm apenas 5 por cento do montante. Quanto aos países europeus, por um lado, Christine Lagarde, Presidente do Banco Central Europeu, disse recentemente que isto é ilegal. Por outro lado, há uma proposta de emissão de obrigações por 30 anos, garantidas por estes ativos e pelas receitas deles provenientes, fornecendo fundos à Ucrânia. Assim, propõe-se que os ativos não sejam devolvidos à Rússia durante 30 anos e que as receitas deles provenientes sejam apropriadas.

Como é que o apoio do FMI ajuda a economia da Ucrânia? [NR]

Ao prestar apoio à Ucrânia, o Fundo está a financiar diretamente o terrorismo, como tenho afirmado repetidamente nas reuniões do Conselho de Administração. Ao mesmo tempo, os empréstimos que são concedidos permitem sobretudo à Ucrânia reembolsar os empréstimos antigos. Como resultado, não há praticamente nenhum aumento líquido dos recursos do fundo.

Qual é o valor de a Rússia continuar a ser membro do FMI, tendo em conta a atual politização do fundo e da sua agenda?

É claro que os principais accionistas do fundo são os nossos piores inimigos. No entanto, também se apercebem de que, se sairmos, o Fundo deixa de ser uma instituição global. Além disso, outros países seguirão a Rússia. Não precisamos para nada do Fundo, mas beneficiamos de documentos e do acesso à informação. Enviamos muitas análises para o Ministério das Finanças e para o Banco Central. Além disso, se sairmos, enfraqueceremos as posições dos participantes do fundo que precisam do nosso apoio. Afinal, a composição do conselho de administração está igualmente dividida:   12 lugares são ocupados por países ocidentais e não ocidentais. A distribuição dos votos é de cerca de 60% a 40% a favor dos países ocidentais.

A propósito, a popularidade do conselho de administração russo nunca foi tão elevada entre os representantes dos países não ocidentais como após o início da operação especial. A nossa retirada irá enfraquecer muito a sua posição. A Rússia é um aliado forte. Desafiámos o Ocidente, tanto a nível militar como económico, e estamos a conseguir lidar com a situação, inclusive mostrando a força da nossa economia.

03/Maio/2024

[NR] Em 2014 o FMI anunciou um empréstimo de US$17,5 mil milhões ao regime nazi ucraniano. Ao conceder este empréstimo gigante o FMI rompeu os seus próprios estatutos, que proíbem emprestar a países em guerra.

Ver também:
  • A Duma pediu para não manter relações económicas com o FMI, 02/Mai/24
  • O FMI comentou o possível confisco de ativos russos, 19/Abr24
  • O FMI melhorou a previsão de crescimento do PIB da Rússia para 2024-2025
  • [*] Representante da Rússia junto ao FMI.

    O original encontra-se em ria.ru/20240503/mozhin-1943497292.html

    Esta entrevista encontra-se em resistir.info

    07/Mai/24