A roubar o dinheiro da Rússia

Dmitry Orlov [*]

Banca.

No final de abril, a Câmara dos Deputados dos EUA aprovou uma legislação que, se promulgada, permitiria que Biden (ou quem quer que seja o próximo a aquecer a sua cadeira) confiscasse os ativos estatais russos congelados e os entregasse ao regime de Kiev. Há cerca de US$7 a 8 mil milhões desses ativos, o que não é suficiente para comprar um condomínio com vista para o mar em Miami para cada um dos inúmeros comparsas de Zelensky, mas confiscá-los abriria um precedente muito ruim. Anteriormente, as únicas ocasiões em que os ativos estatais de outro Estado podiam ser confiscados era em casos de capitulação desse Estado como resultado da perda de uma guerra. Mas os EUA e o restante da OTAN negam veementemente que estejam em guerra com a Rússia (uma guerra por procuração usando os ucranianos como bucha de canhão – talvez – essa palavra “procuração” indica a diferença entre vida e morte para o Ocidente).

Embora os US$7 a 8 mil milhões não sejam muito e possam ser descartados como um pouco de caridade russa para o bem dos americanos cada vez mais falidos (os EUA têm um défice comercial com a Rússia de cerca de US$10 mil milhões por ano, o que também é um tipo de caridade), o sinal que essa parte da legislação enviou à União Europeia é que seus mestres e comandantes estrangeiros gostariam que ela seguisse o exemplo. E acontece que a Euroclear, com sede na Bélgica, possui cerca de US$300 mil milhões em ativos russos congelados, e o desaparecimento de uma quantia tão significativa certamente seria vista em Moscou como algo semelhante a uma declaração de guerra – algo que geralmente acaba mal para os europeus:   cavalaria russa em Paris, tanques russos em Berlim… e quem sabe o que os russos vão inventar desta vez.

O pior de tudo é que, se os europeus roubarem esse dinheiro e o derem ao alegre bando de ladrões de Zelensky, os russos não precisarão fazer nada. A Rússia, na verdade, não precisa desse dinheiro – pelo menos não tão cedo – tendo, no momento, uma dívida externa insignificante e uma economia que está crescendo bem – mas a UE certamente precisa. A maior parte desse dinheiro está na forma de eurobônus, ou seja, a Rússia investiu seu dinheiro na economia europeia, onde está mantendo as empresas abertas e as pessoas empregadas. A venda desses títulos para levantar dinheiro destinado aos ucranianos numa liquidação seria desastrosa para as finanças já instáveis da Europa, aumentando as taxas de juros, a inflação, as taxas de falência e o desemprego.

O seguinte a gritar alto foi o Fundo Monetário Internacional. Ele é uma ferramenta que o Ocidente usa para tirar vantagem injusta das nações concorrentes no Sul Global, contando com o fato de que 55% dos votos dentro dele são controlados pelos EUA, Reino Unido, UE e Japão, que votam em bloco. O FMI controla os bancos centrais nacionais de duas maneiras:   estabelecendo certas regras que favorecem o Ocidente e emitindo crédito com certas condições, como programas de austeridade que causam os mundialmente famosos “motins do FMI”. Mas se os bancos centrais de todo o mundo, ao verem a riqueza soberana russa ser roubada impunemente, começarem a hesitar em colocar sua própria riqueza soberana nas instituições financeiras ocidentais, o FMI perderá a capacidade de ditar termos para o resto do mundo, pondo fim a cinco séculos de controle financeiro global exercido pelos interesses bancários ocidentais.

Tetraedros abandonados.

A maior ironia é que os ucranianos, se recebessem esse dinheiro roubado, obviamente continuariam a roubá-lo. Recentemente, o mundo inteiro teve a oportunidade de se divertir com fotos das linhas defensivas ucranianas, construídas com dinheiro americano. Havia os blocos tetraédricos de betão que, se alinhados em fileiras, impediriam a passagem de veículos com esteiras – exceto que os ucranianos simplesmente os empilharam ao longo da frente russa, talvez porque tenham roubado o dinheiro necessário para colocá-los em fileiras. Além disso, está claro que o betão com o qual foram moldados não era bom e já estavam desmoronando após apenas uma temporada sob chuva e neve. Aparentemente, eles também roubaram a maior parte do cimento, e esses blocos eram feitos principalmente de ar (é fácil obter porosidade adicionando muita água à mistura) e areia (ou, talvez, apenas sujeira), e os tanques russos provavelmente os esmagariam. O mundo também teve a possibilidade de se divertir com os abrigos ucranianos, pagos igualmente pelos americanos. Eles precisam ser protegidos na parte superior por três camadas de troncos. Os ucranianos fingiram não ter entendido as instruções e protegeram cada trincheira com apenas três troncos solitários… e roubaram o resto.

Não se surpreenda; desde a sua independência, há quase 33 anos, a Ucrânia só pensa em roubo. Nesse período, como a economia de pior desempenho do mundo, ela passou de potência econômica da União Soviética a um cenário de total miséria. Embora a Operação Militar Especial da Rússia para desmilitarizá-la e desnazificá-la tenha acelerado consideravelmente sua desindustrialização e despovoamento, seu destino já estava selado bem antes disso. Isso tem a ver com uma certa propensão ucraniana a roubar tudo:   como um elemento-chave da cultura ucraniana, os ucranianos se orgulham e honram uns aos outros por sua capacidade de roubar e enganar. A corrupção é o que mantém a Ucrânia funcionando. Além disso, ela é contagiosa:   por que você acha que todos esses patetas ocidentais têm feito repetidas viagens a Kiev (apanhando um lento comboio noturno para chegar lá, pois a Ucrânia é mantida como zona de exclusão aérea pela força aérea russa)? É para usar sua bagagem diplomática a fim de recuperar parte do saque que deram aos ucranianos, depois de estes o terem convertido em dinheiro. E agora essa podridão mental aparentemente se espalhou para Washington e Bruxelas, onde o apetite é tal que eles estão considerando saquear diretamente a riqueza soberana da Rússia. Se ao menos tivessem estudado seu próprio Otto von Bismarck (1815-1898), que escreveu o seguinte:

“Erwarten Sie nicht, einmal ausgenutzt Schwäche Russlands ist, werden Sie immer Dividenden erhalten. Russland immer wieder für ihr Geld. Und wenn sie kommen—nicht auf der Jesuit unterzeichneten Vereinbarung, die Sie verlassen, sind Sie sollen zu rechtfertigen. Sie sind nicht das Papier wert, es steht geschrieben. Deshalb, mit der Russischen Kosten oder Fairplay oder kein Spiel.” (Otto Eduard Leopold von Bismarck-Schönhausen)

“Não espere que, depois de tirar proveito da fraqueza da Rússia, você receberá dividendos para sempre. Os russos sempre vêm buscar seu dinheiro. E quando eles vierem, não confie nos acordos jesuíticos que você os fez assinar. Eles não valem o papel em que estão escritos. Portanto, com os russos, ou você joga limpo ou não joga nada.” (tradução minha)

22/Maio/2024

Ver também:
  • Comment by the Russian Permanent Mission to the EU regarding the EU decision on the use of proceeds from Russian assets, 21 May 2024
  • [*] Escritor.

    O original encontra-se em boosty.to/cluborlov/posts/63806e3c-455b-4563-a7f6-ac004e5af658 e a tradução em sakerlatam.blog/roubando-o-dinheiro-da-russia/

    Este artigo encontra-se em resistir.info

    /Mai/24