O rosto da hipocrisia em toda a sua glória

Irina Slavirina Slav [*]

Logo do Euro 24.

Estava a planear ler alguns relatórios recentes sobre coisas divertidas, como subsídios para empregos verdes e a manutenção do petróleo no solo, mas ontem à noite tive finalmente oportunidade de ver um jogo do Euro 24 e o meu plano mudou.

A razão pela qual mudou foi que nesse jogo, ou melhor, na publicidade à volta do relvado, a face da hipocrisia mostrou-se em toda a sua glória. Poderão argumentar que vemos essa face diariamente em todos os relatórios Euractiv, em todas as notícias da secção "Europa" da Reuters e de outros meios de comunicação social, mas acho que aqueles anúncios à volta do campo foram a gota de água.

Assim, enquanto via dez cidadãos alemães de ascendência estrangeira com estranhas camisolas roxas a perseguir dez húngaros, não pude deixar de reparar que a maioria dos anúncios era de empresas como a Hisense, a Aliexpress, a Alicom, a BYD, a Vivo e uma carteira digital ou algo do género que o Google me disse ser um negócio da Alibaba.

Por outras palavras, cinco dos treze patrocinadores oficiais do Euro 24 são empresas chinesas. Cinco empresas chinesas patrocinam um evento desportivo num continente cujo governo supranacional está a tentar travar uma guerra comercial com Pequim – nomeadamente no sector dos automóveis eléctricos, em que a BYD é líder.

O dinheiro fala, dir-se-ia, e com toda a razão. Foi também o dinheiro que falou quando as importações de gás natural russo para a Europa ultrapassaram as importações dos EUA, enquanto os chamados líderes europeus continuavam com a sua diarreia verbal sobre como afastar a UE do gás russo e como vão proibir totalmente todas as importações de gás russo porque há demasiado gás amigo dos EUA, no Qatar, no Azerbaijão e na Noruega. Sim, o dinheiro fala e a UE, a face da hipocrisia, finge que não fala.

A propósito, a notícia acima foi-nos trazida graciosamente pelo Financial Times – a mesma publicação que, em abril, orgulhosamente relatou Como a Europa resolveu o seu problema de gás russo. Aparentemente, a solução para o problema do gás russo era importar mais desse mesmo gás. Uma solução engenhosa, sem dúvida, e nada hipócrita.

A face da hipocrisia também importa alegremente quantidades maciças de óleo alimentar usado da Adivinhe Onde, porque a sua própria produção não é nem de perto nem de longe suficiente para satisfazer a procura do sector dos transportes aéreos, que tem sido forçado a misturar quantidades crescentes do chamado combustível de aviação sustentável ao seu combustível normal, devido às emissões.

Foi a ONG ambientalista Transport & Environment que deu o alarme esta semana, num relatório em que avisava que a China, a maior fonte mundial de óleo alimentar usado, que é a matéria-prima padrão para os SAF (Sustainable Aviation Fuel), está prestes a esgotar-se devido ao aumento da procura da Europa e dos EUA. No dia seguinte o patrão do Aeroporto de Frankfurt torceu a faca na ferida ao dizer: "Não há suficiente combustível sustentável para cumprir as quotas". Acho que devemos todos começar a fritar.

Entretanto, Bruxelas vai ficar a ferver porque a China disparou o primeiro tiro de retaliação após a brilhante medida tarifária da Miss Hipocrisia sobre os veículos eléctricos. Pequim está a lançar uma investigação anti-dumping sobre as importações de carne de porco e subprodutos de porco europeus, mas Bruxelas "não está preocupada", o que é uma mentira descarada, possivelmente desencadeada pelo embaraço inerente à potencial perceção de que, ao atacar a indústria de veículos eléctricos da China, deixou a sua indústria alimentar vulnerável. E é a vossa única indústria que tem um excedente comercial com a China.

Entretanto, o próprio Conselho da Europa da UE reconheceu finalmente algo que muitos de nós, europeus comuns, temos visto com os nossos próprios olhos e que, mais uma vez, revela a UE como o pântano de fertilizante orgânico hipócrita e racista – sim, racista – que é. O Conselho da Europa concluiu que os refugiados ucranianos brancos receberam melhor tratamento na UE do que os refugiados não brancos do país – e de outros países.

E pensar em que relatos de testemunhas da Bulgária de que os ucranianos recebiam tratamento em hoteis de múltiplas estrelas à beira-mar (pagos pela Bulgária e pela UE), enquanto outros refugiados são mantidos em centros de refugiados nada hoteleiros e os cidadãos búlgaros que perderam as suas casas numa inundação foram alojados em quartos portáteis – e passaram um ano neles – foram descartados como propaganda russa. Porque literalmente – sim, literalmente – todos os factos inconvenientes na Europa de hoje estão a ser descartados como propaganda russa.

A hipocrisia é verdadeiramente encantadora e este tratamento seletivo dos refugiados pode ser a sua manifestação mais encantadora de sempre. Porque este tratamento seletivo está a ser feito pelos mesmos governos que são tão fortemente a favor de mais imigração. Isto faz-nos suspeitar que eles não fazem a mínima ideia do que estão a fazer em qualquer momento.

Um funcionário do Conselho da Europa teve mesmo a coragem ou o lapso de autocontrolo de afirmar um facto evolutivo. Questionado sobre se o melhor tratamento recebido pelos ucranianos se devia à sua cor de pele, o presidente da comissão antirracismo do Conselho disse o seguinte:   "Quando as pessoas são mais ou menos como nós, é sempre mais fácil".

Bem, tudo certo então. Os europeus não são de todo racistas, mas tratariam melhor uma família ucraniana branca do que uma família iraquiana porque a primeira é "mais ou menos como eles" e a segunda tem uma cor diferente. Sinceramente, custou-me um pouco a acreditar que ele tivesse realmente dito isto. Mas disse-o. O Conselho da mesma Europa que concebeu a política de imigração de braços abertos e fez com que os governos nacionais e os seus media serviçais atenuarem todos os relatos de violência de imigrantes contra habitantes locais e ampliarem todos os incidentes de violência para outra direção. A hipocrisia é gloriosa.

Mas está a ficar ainda melhor. A UE está atualmente a discutir aquilo a que chama moderação de mensagens digitais. A tentativa de censura é disfarçada com o nobre objetivo de impedir o abuso sexual online de crianças, porque naturalmente tem de ser assim. Mas o que isto significa é que a UE lê todas as nossas mensagens e, essencialmente, torna a encriptação sem sentido – ou a privacidade. Mas não faz mal. Podemos recusar que as nossas conversas sejam rastreadas. Só não poderemos partilhar links e imagens. Para já, claro. Porque a UE defende tanto a liberdade de expressão quanto a igualdade e o não racismo.

20/Junho/2024

[*] Analista especializada em energia.

O original encontra-se em irinaslav.substack.com/p/the-face-of-hypocrisy-in-all-its

Este artigo encontra-se em resistir.info

22/Jun/24