A Europa na encruzilhada do gás e da recessão

– “A crise do gás levará a eurozona à recessão”, afirma a agência de classificação Fitch

Revista Misión Verdad [*]

Janet Yellen e Ursula von der Leyen.

A União Europeia (UE) encontra-se neste momento presa no seu próprio covil, uma vez que atua como bloqueadora do fornecimento e comercialização do gás russo no território europeu, o mesmo recurso energético do qual é extremamente dependente.

Basta ver estes dados para ficar clara a auto-flagelação da UE:

  1. A UE depende de importações líquidas para abastecer 84% do seu consumo interno de gás.
  2. Cerca de 38% das importações de gás da UE provêm da Rússia.
  3. Impedir que a Rússia forneça gás através das “sanções” europeias arrastará a eurozona à recessão.

No fim desta semana, em vésperas do inverno, os países do G7 acordaram impor o tão anunciado topo de preços (price cap) ao petróleo russo. Naturalmente, esta ideia nasceu do lado estado-unidense: foi a secretária do Tesouro, Janet Yellen, que disse em Junho que a “ferramenta mais poderosa” que têm é a de limitar o preço do petróleo russo a fim de supostamente reduzir a inflação. Inclusive, ao sair da reunião do G7, o chanceler do Reino Unido, Nadhim Zahawi, disse que a decisão estava tomada em Washington com a secretária Yellen.

Um trecho da Declaração do G7 explica que publicariam os preços sem dar mais pormenores:

“O topo do preço inicial será estabelecido num nível baseado numa variedade de contribuições técnicas e será decidido pela coligação completa antes da implementação em cada jurisdição. O preço de topo será comunicado publicamente de maneira clara e transparente. A eficácia e o impacto do preço de topo serão monitorados de perto e o nível de preços será revisto conforme seja necessário”.

Tantos ataques à OPEP+, alcunhando essa organização como cartel, faz com que esta nova medida revele subrepticiamente que o G7 procura operar como cartel a fim de fixar preços convenientes nestes complexo cenário, onde nenhum desses países conta com os recursos energéticos suficientes para o jogo de forças nestas dinâmicas em comparação com a Rússia.

Produção petrolífera da Rússia, milhões de barris.

O vice-primeiro-ministro russo Alexander Novak respondeu que se os Estados ou as empresas impuserem restrições aos preços, a Rússia simplesmente não fornecerá petróleo e produtos derivados do petróleo. Novak também comentou essa medida poderia destruir por completo o mercado petrolífero mundial.

Cabe destacar que, diante das sequências de medidas coercivas contra a Rússia, os rendimentos petrolíferos mantiveram-se porque Moscovo encontrou novos mercados na Ásia e conta com uma forte plataforma gasista e petrolífera que lhe permitiu esquivar-se às balas ocidentais.

De facto, as projeções de Novak sobre a produção do fim do ano rondam os 525 milhões de toneladas, mantendo o nível do ano passado que registou 524 milhões de toneladas.

Por outro lado, em meio à corrida pela busca de novas alternativas ao fornecimento do gás russo, há dias o chanceler alemão Olaf Scholz recebeu o presidente do governo da Espanha, Pedro Sánchez, a fim de abordar a possível reativação da construção do gasoduto Mid-Catalunha (MidCat), cuja rede gasista percorreria a Península Ibérica ligando a Espanha e a França.

O projeto do gasoduto Mid-Catalunha (MidCat).

O projeto deste gasoduto ressuscitado foi concebido para reconduzir o gás argelino armazenado em Espanha para a França e, a partir daí, redistribuir o gás a outros países europeus, como é o caso da Alemanha. A sua construção fora paralisada devido aos custos. [NT]

No entanto, o governo francês não está convencido a participar nesse projeto por duas razões: primeiro, terminar a construção levaria muito tempo; segundo, o custo da construção seria altíssimo; e, não menos importante, é que só poderia abastecer 2 a 2,5% do consumo de gás europeu.

Somada a toda esta teia de interesses, o Gabinete Europeu de Estatística registou no mês de Agosto uma inflação de 9%, devido ao aumento dos preços da energia e dos alimentos.

Além disso, a agência internacional de classificação de crédito Fitch Ratings publicou um relatório, “A crise do gás empurrará a eurozona à recessão”, indicando ser provável que ocorra uma recessão na eurozona em consequência do aprofundamento da crise do gás. Este desenlace aconteceria no que resta do segundo semestre deste ano e com a Alemanha e a Itália a experimentarem quedas anuais no seu PIB para 2023.

A agência considera que o impacto económico desta crise poderia desaparecer em 2024 porque, supostamente, seriam ajustadas as estruturas de produção e fornecimento de energia. Para consegui-lo, deve-se contar comum grande capital com o objetivo de investir em parques petrolíferos-gasistas, em portos, rotas comerciais, etc.

Assim, a medida do price cap só funcionaria se outros Estados, como a Índia ou a China, se envolvessem nessa rede ou cartel do G7, porque são atores de peso na compra destas commodities.

Além disso, a ameaça sancionatória a grandes atores do tabuleiro internacional que ignorem o price cap ficaria apenas nisso: numa ameaça, uma vez que as condições atuais não se prestam a “sancionar” a toda uma acumulação ampla de países. O colapso da queda generalizada das cadeias de fornecimento seria, neste caso, iminente.

03/Setembro/2022

[NT] Uma alternativa (talvez mais barata) ao MidCat terrestre seria um gasoduto submarino que contornasse os Pirineus.  No entanto, há dois problemas que antecedem as dificuldades da sua construção:  1) A pequena capacidade da rede francesa agora existente dificilmente poderia receber o fluxo adicional previsto de 7,5 mil milhões de m3/ano;   2) O facto de o atual governo espanhol agora estar de candeia às avessas com o da Argélia por ter resolvido apoiar o Marrocos na questão do Saara Ocidental.  O corte verificado este ano, por iniciativa argelina, do gasoduto entre a Argélia e a Espanha através do Marrocos (que abastecia Portugal) é uma indicação desse estremecimento das relações.

Ver também:
  • Um erro estratégico europeu: a questão das sanções e da energia, Jacques Sapir
  • O novo disparate do Sr. Scholz, Jorge Figueiredo
  • [*] Publicação venezuelana.

    O original encontra-se em misionverdad.com/globalistan/europa-en-la-encrucijada-del-gas-y-la-recesion. Tradução de JF.

    Este artigo encontra-se em resistir.info

    05/Ago/22