Biden verifica a realidade na Europa

M. K. Bhadrakumar [*]

Importações da UE de gás russo, 2021.

A viagem europeia do Presidente dos EUA Joe Biden nos dias 25-26 de Março é miserável. Vozes discordantes levantam-se na Europa à medida que as sanções ocidentais contra a Rússia começam a explodir com aumentos de preços e escassez de combustível e electricidade. E isto é só o começo, pois Moscovo ainda não anunciou quaisquer medidas de retaliação como tais.

A parte mais cruel de tudo isto é que o Ministério da Defesa russo escolheu a viagem de Biden como cenário perfeito para enquadrar as verdadeiras proporções do êxito da sua operação especial na Ucrânia. A credibilidade dos EUA e da NATO está perigosamente próxima de ser irremediavelmente prejudicada, uma vez que o carro de guerra russo rola através da Ucrânia com o duplo objectivo da "desmilitarização" e "desnazificação".

O Estado-Maior Geral russo revelou, na sexta-feira, que as louvadas Forças Armadas Ucranianas, treinadas pela NATO e pelos EUA, sofreram perdas devastadoras: A força aérea e a defesa aérea ucranianas estão quase completamente destruídas, ao passo que a Marinha do país deixou de existir e cerca de 11,5% de todo o pessoal militar foi posto fora de acção. (a Ucrânia não tem reservas organizadas).

De acordo com o Vice-Chefe do Estado-Maior Geral russo, Coronel General Sergey Rudskoy, a Ucrânia perdeu grande parte dos seus veículos de combate (tanques, veículos blindados, etc), um terço dos seus MLRS (Multiple Launch Rocket System) e bem mais de três quartos dos seus sistemas de defesa aérea de mísseis e sistemas de mísseis tácticos Tochka-U.

Dezasseis dos principais aeródromos militares na Ucrânia foram postos fora de acção, 39 bases de armazenamento e arsenais destruídos (os quais continham até 70% de todos os stocks de equipamento militar, material e combustível, e mais de 1.054 mil toneladas de munições).

Curiosamente, na sequência dos intensos ataques de alta precisão às bases e campos de treino, mercenários estrangeiros estão a abandonar a Ucrânia. Durante a semana passada, 285 mercenários escaparam para a Polónia, Hungria e Roménia. As forças russas estão a destruir sistematicamente os carregamentos ocidentais de armas.

OBJECTIVOS ALCANÇADOS

Ainda mais importante, a missão de libertação do Donbass está prestes a ser cumprida. Em termos simples, os principais objectivos da primeira fase da operação foram alcançados.

Além de Kiev, as tropas russas bloquearam as cidades do norte e leste de Chernigov, Sumy, Kharkov e Nikolaev, enquanto que no sul, Kherson e a maior parte da região de Zaporozhye estão sob pleno controlo – com a intenção não só de encadear forças ucranianas como também de impedir o seu agrupamento na região do Donbass. (Ver o meu artigo Dissecting Ukraine imbroglio, Tribune, 21 de Março de 2022)

"Não planeámos atacar estas cidades desde o princípio, a fim de evitar a destruição e minimizar perdas entre o pessoal e os civis", disse Rudskoy. Mas, acrescentou ele, tal opção também não está excluída no período que se segue.

É evidente que Washington e as capitais europeias estão bem conscientes de que a operação russa está a decorrer como previsto e que não há como impedi-la. Assim, a cimeira extraordinária da NATO de 24 de Março confirmou que a aliança não está disposta a entrar num confronto militar com o Exército Russo.

Em vez disso, a cimeira decidiu reforçar a defesa dos seus próprios territórios! Quatro novos grupos de combate multinacionais da NATO de 40.000 militares serão instalados na Bulgária, Hungria, Roménia e Eslováquia, numa base permanente. A proposta da Polónia de instalar unidades militares da NATO na Ucrânia foi rejeitada liminarmente.

Contudo, a Polónia tem alguns outros planos, nomeadamente, instalar contingentes nas regiões ocidentais da Ucrânia para apoiar o "fraternal povo ucraniano", com a agenda inconfessa de recuperar o controlo sobre os territórios historicamente disputados naquelas regiões. Que pacto faustiano terá sido selado em Varsóvia a 25 de Março entre Biden e o seu homólogo polaco, Duda, permanece pouco claro. Claramente, abutres estão a circular sobre os céus da Ucrânia. (Ver o meu blogue Biden wings his way to the borderlands of Ukraine, 24 de Março de 2022)

Na verdade, se a Polónia fizer um lance por território ucraniano (com o apoio tácito de Biden), será que a Bielorrússia ficaria muito atrás para assumir o controlo das regiões de Polesie e Volyn na Ucrânia? Possivelmente não. Basta dizer que, no período desde o golpe apoiado pela CIA em Kiev, em 2014, quando os EUA assumiram o lugar do condutor, a Ucrânia perdeu a sua soberania e está agora perigosamente próxima de desaparecer por completo do mapa da Europa!

Washington – Biden pessoalmente, tendo sido o homem no ponto da administração Obama na Kiev de 2014 – deveria carregar esta pesada cruz nos livros de história.

PROPOSTA ESPANTOSA

Quanto aos líderes europeus, encontram-se num mundo surrealista, fora de contacto com as realidades espantosas de uma nova ordem mundial. Biden, de oitenta anos, com uma compreensão limitada do fluxo torrencial dos acontecimentos, fez uma proposta espantosa na sua conferência de imprensa em Bruxelas, na quinta-feira, de que a Ucrânia deveria substituir a Rússia no G20!

Mas Biden tem uma alma gémea na chefe da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, cuja última ameaça é que as empresas russas de petróleo e gás "não serão autorizadas a exigir o pagamento de combustível em rublos". Ela felizmente está inconsciente de que a UE não tem mais meios eficazes para pressionar empresas russas!

O Presidente russo Vladimir Putin apanhou de surpresa os líderes ocidentais amontoados em Bruxelas com o seu anúncio de que a Rússia começará prontamente a cobrar rublos aos países "inamistosos" pelo fornecimento de gás. Há mais de 45 países hostis na lista – os EUA e os membros da UE mais Reino Unido, Austrália, Canadá, Singapura, Montenegro e Suíça. (Ver o explicador da RT, What buying gas in rubles means for Russia and the West).

Efectivamente, Moscovo está, por um lado, a reforçar o rublo enfraquecido, enquanto que, por outro lado, está a enviar a mensagem de que é a pioneira a nível internacional numa nova vaga para contornar o dólar como divisa para commodities.

No entanto, Moscovo continua também a fornecer regularmente gás russo para trânsito para a Europa através da Ucrânia para atender os pedidos dos consumidores europeus (109,5 milhões de metros cúbicos a partir de 26 de Março!) A questão é que, apesar da retórica altissonante, recentemente a Europa aumentou as suas compras de gás à Rússia de forma significativa, contra o pano de fundo de preços spot astronomicamente elevados!

O Conselho Europeu reunido em Bruxelas a 25 de Março com a presença de Biden falhou em adoptar quaisquer medidas concretas para fazer face ao crescimento dos preços da energia e não conseguiu chegar a uma abordagem unificada à decisão da Rússia de receber pagamentos pelo seu gás apenas em rublos.

Acerca da proposta da Comissão Europeia de estabelecer um novo sistema de compra comum de gás para impedir ofertas mais altas de preços, a declaração final do Conselho Europeu limita-se a dizer que os líderes concordaram em "trabalhar em conjunto na compra voluntária comum de gás, GNL e hidrogénio", o que significa que as compras comuns só podem ser efectuadas pelos países da UE que estejam dispostos a unir-se. [Ênfase acrescentada].

É um longo caminho para a Europa dispensar o gás russo. O Presidente sérvio Aleksandar Vucic disse ontem: "Há escassez de gás, e é por isso que precisamos conversar com os russos. A Europa avançará no sentido de reduzir a sua dependência do gás russo, mas poderá isto acontecer nos próximos anos? Isto é muito difícil".

"A Europa consome 500 mil milhões de metros cúbicos de gás, enquanto a América e o Qatar podem oferecer 15 mil milhões, até à última molécula... Foi por isso que os políticos alemães e austríacos me contaram: "Não podemos simplesmente destruir-nos a nós próprios". Se impusermos sanções à Rússia no domínio do petróleo e do gás, nos destruiremos a nós próprios". É como dar um tiro no próprio pé antes de nos precipitarmos num combate". É assim que certas pessoas racionais no Ocidente vêem as coisas hoje".

Com as previsões catastróficas de um fracasso militar russo na Ucrânia começando a desintegrar-se e com o ricochete das sanções da Rússia a começarem a morder, os europeus estão apanhados numa armadilha. Ficarão raivosos com o passar do tempo.

26/Março/2022

Ver também:
  • Resultados actuais da operação militar especial na Ucrânia
  • [*] Antigo embaixador da Índia, analista político.

    O original encontra-se em www.indianpunchline.com/bidens-reality-check-in-europe/

    Este artigo encontra-se em resistir.info

    27/Mar/22