Os neocons fizeram a Geórgia

por Paul Craig Roberts [*]

O êxito da propaganda, das mentiras e da farsa do Regime Bush junto a americanos crédulos e desatentos desde o 11/Setembro tem feito difícil para pessoas inteligentes e conscientes estarem optimistas acerca do futuro dos Estados Unidos. Durante quase oito anos os media dos EUA serviram como Ministério da Propaganda para um regime criminoso de guerra. Americanos incapazes de pensar por si próprios, de lerem entre as linhas, ou de acessarem medias estrangeiros na Internet sofreram lavagem cerebral.

Como disse o propagandista nazi Joseph Goebbels, é fácil enganar um povo. Basta dizer-lhes que foram atacados e agitar a bandeira.

Isto certamente funcionou com americanos.

A credulidade e despreocupação do povo americano tem feito muitas vítimas. Há 1,25 milhão de iraquianos mortos. Há 4 milhões de iraquianos deslocados. Ninguém sabe quantos ficaram mutilados e órfãos.

O Iraque está em ruínas, sua infraestrutura destruída por bombas, mísseis e helicópteros artilhados americanos.

Não sabemos o número de mortos no Afeganistão, mas mesmo o regime fantoche americano protesta contra repetidas matanças de mulheres e crianças por tropas dos EUA e da NATO.

Não sabemos qual seria o número de mortos no Irão se Darth Cheney e os neocons tiverem êxito na sua trama com Israel para bombardear o Irão, talvez com ogivas nucleares.

O que sabemos é que todo este assassínio e destruição não tem justificação e é perverso. É o trabalho de homens perversos que não têm pruridos acerca de mentir e enganar a fim de matar pessoas inocentes para cumprirem a sua agenda não declarada.

Que tais pessoas perversas tenham controle sobre o governo e os media dos Estados Unidos condena o público americano até a eternidade.

A América nunca recuperará da vergonha e da desonra amontoada sobre si pelo Regime Bush pilotado pelos neocons.

O êxito da propaganda neocon tem sido tão grande que o partido da oposição não levantou um dedo para controlar as acções criminosas do Regime Bush. Mesmo Obama, que promete "mudança" está demasiado intimidado pelo êxito neocon na lavagem cerebral da população americana para fazer o que os seus apoiantes esperavam que fizesse e afastar-nos da vergonha na qual o Regime Bush pilotado pelos neocons nos aprisionou.

Isto resume o estado pessimista em que vivo antes do sinal verde dado pelo Regime Bush ao fantoche na Geórgia para fazer a limpeza étnica de russos na Ossétia do Sul a fim de neutralizar o movimento separatista. Os media americanos, vulgo, o Ministério das Mentiras e do Engano, mais uma vez ajudaram o criminoso Regime Bush e proclamara uma 'Invasão russa' para encobrir a limpeza étnica de russos na Ossétia do Sul pelo assalto militar georgiano.

Só que desta vez o resto do mundo não engoliu a história. Os muitos anos de mentiras – 11/Setembro, armas de destruição maciça iraquianas, conexões al Qaeda, concentrados de urânio, ataque de antrax, ogivas nucleares iranianas, "os Estados Unidos não torturam", os bombardeamentos de festas de casamento, funerais e jogos de futebol de crianças, Abu Ghraib, traslados de prisioneiros (renditions), Guantanamo, várias "tramas terroristas" fabricadas, o assalto determinado a liberdades civis – cobraram o seu preço à credibilidade americana. Já ninguém fora da América acredita mais nos media americanos ou no governo americano.

O resto do mundo relatou o factos – um assalto a civis russos por tropas georgianas treinadas e equipadas por americanos e israelenses.

O Regime Bush, dominado pelo excesso de confiança, esperava que a Rússia aceitasse este acto de hegemonia americana. Mas os russos não o fizeram, e os militares georgianos foram postos em fuga para salvarem a sua vida.

A resposta republicana pilotada pelos neocons à falha russa em seguir o roteiro e deixar-se intimidar pela "potência única" foi tão imbecil que estilhaçou a lavagem cerebral à qual sucumbiram tantos americanos.

McCain declarou: "No século XXI nações não invadem outras nações". Imagine as risadas que Jon Stewart [1] conseguirá com isto no Daily Show. Nos primeiros anos do século XXI os Estados Unidos já invadiram dois países e tem estado a tocar os tambores para atacar um terceiro. O presidente Bush, o invasor chefe do século XXI, repetiu a afirmação de McCain de que países não invadem outros países. http://news.bbc.co.uk/2/hi/europe/7556857.stm

Esta afirmação dissonante chocou mesmo americanos de cérebro lavado, como revelam leituras de emails. Se no século XXI países não invadem outros países, o que Bush está a fazer no Iraque e no Afeganistão, e o que são as armadas navais e a propaganda preparada contra o Irão?

Terão os dois piores instigadores da guerra dos tempos modernos – Bush e McCain – cancelado o ataque americano/israelense ao Irão? Se McCain for eleito presidente, irá ele retirar tropas americanas do Iraque e do Afeganistão pois "nações não invadem outras nações", ou irá o presidente Bush antecipar-se a ele?

Todos nós sabemos a resposta.

Os dois palhaços estão espantados pelo facto de os americanos terem ensinado hegemonia aos russos, os quais anteriormente operavam, ingenuamente talvez, na base da boa vontade.

Subitamente os europeus ocidentais perceberam que ser aliado dos Estados Unidos é como segurar um tigre pela cauda. Nenhum país europeu quer ser arremessado a uma guerra com a Rússia. A Alemanha, a França e a Itália devem estar a agradecer a Deus terem bloqueado a entrada da Geórgia na NATO.

A Ucrânia, onde se estabeleceu um nacionalismo doentio financiado pelos neocon da National Endowment for Democracy, será o próximo conflito entre as pretensões americanas e a Rússia. A Rússia está a ser ensinada pelos neocons de que libertar as partes constituintes do seu império não resultou na sua independência mas sim na sua absorção dentro do Império Americano.

A menos que bastantes americanos possam ultrapassar o seu estado de lavagem cerebral e as máquinas de votar falsificadas da Diebold, remover os republicanos imbecis e tornar os neoconservadores responsáveis pelos seus crimes contra a humanidade, um enlouquecido governo neocon americano provocará a guerra nuclear com a Rússia.

Os neoconservadores representam o maior perigo alguma vez já enfrentado pelos Estados Unidos e pelo mundo. A humanidade não tem inimigo maior.

15/Agosto/2008

_______
[1] Jon Stewart: comediante americano conhecido pelas sátiras políticas.


[*] Ex secretário assistente do Tesouro na administração Reagan. Foi editor associado da página editorial do Wall Street Journal e editor colaborador da National Review. É co-autor de The Tyranny of Good Intentions . Email: PaulCraigRoberts@yahoo.com

O original encontra-se em http://www.counterpunch.org/roberts08152008.html


Este artigo encontra-se em http://resistir.info/ .
19/Ago/08