Os custos de 20 anos de “guerra ao terrorismo”:
US$8 milhões de milhões e 900 mil mortes

Universidade Brown

Custos humanos das guerras imperiais.

Um novo relatório do Costs of War project da Brown University revelou que 20 anos de guerras pós-11 de setembro custaram aos EUA cerca de 8 milhões de milhões de dólares e mataram mais de 900 mil pessoas.

O projeto Costs of War, fundado há mais de uma década no Watson Institute for International and Public Affairs e dirigido por dois professores da Universidade Brown, divulgou o seu influente relatório anual antes do 20º aniversário dos ataques terroristas de 11 de setembro, na cidade de Nova York City, Washington, DC e Pensilvânia, sobre o ímpeto para um contínuo esforço americano para erradicar o terrorismo no Médio Oriente Médio e noutras partes.

“A guerra foi longa, complexa, horrível e mal sucedida... e continua em mais de 80 países”, disse Catherine Lutz, codiretora de Costs of War e professora de relações públicas e internacionais da Universidade Brown, durante um evento virtual organizado pelo Watson Institute no dia 1 de setembro. “O Pentágono e os militares dos EUA já absorveram a maior parte do orçamento federal discricionário, e a maioria das pessoas ignora-o. A nossa tarefa, agora e nos próximos anos, é educar o público sobre as maneiras como financiamos essas guerras e a escala desse financiamento”.

Custos orçamentais das guerras dos EUA.

A estimativa de 8 milhões de milhões de dólares da equipa de investigadores incluiu todos os custos diretos das guerras pós-11 de setembro do país, incluindo o financiamento das Operações de Contingência no Exterior do Departamento de Defesa; despesas de guerra do Departamento de Estado e custos relacionados com a guerra contra o terrorismo, incluindo aumentos relacionados com a guerra no orçamento base do Pentágono; cuidar dos veteranos até o momento e no futuro; despesas do Departamento de Segurança Interna; e pagamentos de juros sobre empréstimos para essas guerras. O total inclui os recursos que o governo Biden solicitou em maio de 2021.[1]

O número de mortos é estimado entre 897 000 a 929.000, incluindo militares dos EUA, combatentes aliados, combatentes adversários, civis, jornalistas e trabalhadores de ajuda humanitária que foram mortos em resultado direto da guerra, seja por bombas, balas ou fogo. Não inclui, observaram os pesquisadores, as muitas mortes indiretas que a guerra contra o terrorismo causou por meio de doenças, migrações e perda de acesso a alimentos ou água potável.

“As mortes que registamos estão provavelmente muito subestimadas relativamente ao verdadeiro tributo que essas guerras causaram em vidas humanas”, disse Neta Crawford, cofundadora do projeto e professora de ciência política na Universidade de Boston. “É fundamental que consideremos adequadamente as vastas e variadas consequências das muitas guerras e operações de contraterrorismo dos EUA desde 11 de setembro, enquanto fazemos uma pausa e refletimos sobre todas as vidas perdidas”.

"Daqui a 20 anos ainda estaremos a avaliar os altos custos societais das guerras do Afeganistão e do Iraque – muito tempo depois de as forças estado-unidenses terem partido".
Stephanie Savell, co-directora, Costs of War project

O relatório surge no final da polémica retirada dos EUA do Afeganistão, onde os rebeldes Talibã capturaram todas as principais cidades e tomaram o controlo do governo enquanto unidades militares americanas procuravam retirar 123 mil soldados, diplomatas e aliados. Dos 8 milhões de milhões de dólares, 2,3 milhões de milhões são atribuídos à zona de guerra Afeganistão/Paquistão, de acordo com o relatório.

Num discurso à nação em 31 de agosto, o presidente Joe Biden citou as estimativas de Costs of War para mostrar o fardo financeiro e humano da guerra de 20 anos no Afeganistão enquanto defendia sua decisão de se retirar do país. “Nós já não tínhamos um propósito claro numa missão sem fim no Afeganistão”, disse Biden. “Depois de mais de 2 milhões de milhões de dólares gastos no Afeganistão, custos que os pesquisadores da Brown University estimaram em mais de 300 milhões por dia durante 20 anos – sim, o povo americano deveria ouvir isto ... o que perdemos como consequência, em termos de oportunidades? (...) Eu me recuso a enviar filhos e filhas da América para lutar em uma guerra que deveria ter terminado há muito tempo.”

Mesmo com a saída dos EUA do Afeganistão, as estimativas do Costs of War mostram que os americanos estão longe de pagar a conta da guerra contra o terrorismo, que continua em vários continentes. O custo acumulado da intervenção militar na zona de guerra Iraque/Síria aumentou para 2,1 milhões de milhões desde 11 de setembro, e cerca de 355 milhões de milhões a mais para financiar a presença militar noutros países, incluindo a Somália e um punhado de países africanos.

E quando as guerras terminarem, os custos da guerra continuarão a aumentar, observa o relatório: um montante de 2,2 milhões de milhões é estimado para custos financeiros totais que já foram reservados para os cuidados futuros para os veteranos militares, disseram os investigadores. Além disto os EUA e outros países poderiam pagar o custo dos danos ambientais causados pelas guerras nas gerações vindouras.

“O que realmente realizamos em 20 anos de guerras pós-11 de setembro e a que preço?” disse Stephanie Savell, codiretora do Projeto Costs of War e pesquisadora sénior associada do Watson Institute. “Daqui a vinte anos, ainda estaremos calculando os altos custos sociais das guerras do Afeganistão e do Iraque – muito depois de as forças dos EUA terem partido”,

O evento virtual do Watson Institute incluiu comentários de vários pesquisadores associados ao Projeto Costs of War, o senador americano Jack Reed, DR.I., e os representantes dos EUA Barbara Lee, D-Calif., David Cicilline, DR.I., e Ro Khanna, D-Calif. Foi moderado por Murtaza Hussain, um repórter de segurança nacional do Intercept.

01/Setembro/2021

[1] A íntegra (24 p.) do estudo dos custos orçamentais encontra-se aqui.

O original encontra-se em www.brown.edu/news/2021-09-01/costsofwar

Este artigo encontra-se em resistir.info

22/Set/21