Sobre o desenvolvimento da indústria energética

– Reunião através de videoconferência conduzida por Vladimir Putin.

Vladimir Putin

Putin em videoconferência.

A reunião contou com a presença do vice-primeiro ministro Alexander Novak, dos assistentes presidenciais Igor Levitin e Maxim Oreshkin, do ministro dos Recursos Naturais e Ambiente Alexander Kozlov, do ministro da Indústria e Comércio Denis Manturov, do ministro do Desenvolvimento Económico Maxim Reshetnikov, do ministro das Finanças Anton Siluanov, do ministro da Energia Nikolai Shulginov, do Chefe do Serviço Federal Anti-Monopólio Maxim Shaskolsky, dos governadores e chefes das principais empresas de energia.


Presidente da Rússia Vladimir Putin: Boa tarde, colegas.

Ontem revimos planos a longo prazo ligados à política climática global e hoje sugiro que discutamos mais pormenorizadamente a situação actual no mercado da energia e as perspectivas do seu desenvolvimento.

Vários governadores de regiões russas estão a participar na nossa reunião. Creio que esta é uma boa oportunidade para analisar conjuntamente os aspectos regionais dos principais processos que ocorrem no mercado global da energia.

Agora, a economia mundial está a recuperar bem após a crise do ano passado. A procura de energia está a crescer e, por conseguinte, os preços estão a subir em flecha.

Como sabem, o mercado global da energia não tolera movimentos e caprichos frenéticos. Os planos de investimento nesta área são a longo prazo. Portanto, quaisquer acções abruptas e precipitadas podem levar, e, a julgar pela situação actual do mercado, já estão a conduzir a graves desequilíbrios como os que estamos a ver no mercado europeu, que foi afectado este ano por vários factores desfavoráveis de uma só vez.

Em primeiro lugar, a rápida recuperação pós-crise da economia "aqueceu" a procura de energia.

Em segundo lugar, as reservas de gás em muitas instalações de armazenamento subterrâneo de muitos países europeus diminuíram em resultado do Inverno rigoroso do início de 2021. Refiro-me precisamente às suas instalações de armazenamento subterrâneo de gás, as instalações de armazenamento subterrâneo dos nossos parceiros europeus.

Em terceiro lugar, a produção de energia eólica diminuiu visivelmente mais tarde no Verão, devido ao tempo quente e sem vento. Também se deve ter em consideração que o balanço energético mudou drasticamente na Europa nos últimos dez anos. Muitos países da região abandonaram as suas centrais a carvão e nucleares em favor da produção de energia eólica fortemente dependente das condições climatéricas.

E, finalmente, quarto, as práticas dos nossos parceiros europeus [são os culpados]. Estas práticas têm reconfirmado que, falando correctamente, cometeram erros. Estivemos a falar com a antiga Comissão Europeia; todas as suas actividades tinham como objectivo reduzir os chamados contratos a longo prazo e transitar para o intercâmbio comercial de gás.

Verificou-se – e hoje isto é absolutamente óbvio – que esta política está errada, errada pela razão de não ter em conta as especificidades do mercado do gás, que dependem de um grande número de factores de incerteza. Os consumidores, incluindo, por exemplo, os produtores de fertilizantes, estão a perder todos os preços de referência. Tudo isto está a conduzir a falhas e, como já disse, a desequilíbrios.

Como resultado, o preço do gás bateu todos os recordes históricos. Hoje aproxima-se dos 2.000 dólares por mil metros cúbicos de gás, o que é mais de dez vezes o preço médio do ano passado. Gostaria de pedir aos meus colegas que relatassem em pormenor os desenvolvimentos.

Entretanto, gostaria de sublinhar que a Rússia tem sido sempre um fornecedor fiável de gás [natural] aos seus consumidores em todo o mundo, tanto na Ásia como na Europa. A Rússia cumpre sempre todas as suas obrigações na íntegra – todas as suas obrigações, gostaria de sublinhar isto.

Mesmo antes desta reunião, olhei para um documento de referência da Gazprom. As nossas exportações para fora das antigas repúblicas soviéticas, principalmente para a Europa, evidentemente, atingiram um recorde em 2018, com entregas minúsculas na Ásia que não tiveram qualquer impacto sério sobre estes números.

Assim, em 2018, atingimos um pico recorde de 201,7 mil milhões de metros cúbicos. Em 2019, os nossos parceiros pediram menos, pelo que as entregas foram ligeiramente inferiores a 199,4 mil milhões de metros cúbicos. Marcado pela pandemia, em 2020 assistiu-se a um declínio na produção europeia, arrastando as exportações de gás para 179,35 mil milhões de metros cúbicos. A economia tem-se recuperado em 2021. Nos primeiros nove meses, as entregas aumentaram 18,8 mil milhões de metros cúbicos, ou seja, 15 por cento em relação ao ano anterior. Se este impulso continuar, as nossas exportações de combustível para a Europa, incluindo gás natural, podem muito bem estabelecer um novo recorde.

A propósito, os contratos de exportação de gás a longo prazo da Gazprom estabelecem níveis mínimos e máximos de fornecimento, e a Gazprom nunca recusou pedidos de mais fornecimentos por parte dos seus consumidores, desde que estes tenham apresentado os respectivos pedidos. Não houve um único caso em que a Gazprom tenha recusado um pedido.

A República Federal da Alemanha é o maior consumidor europeu da Rússia. Nos primeiros nove meses de 2021, aumentou as suas importações de gás natural da Rússia em 10,12 mil milhões de metros cúbicos, para 131,8% em comparação com o mesmo período do ano passado. Mesmo em 2020, quando as entregas globais para a Europa diminuíram em termos anuais, ainda aumentamos as exportações para a Alemanha em 4,7 mil milhões de metros cúbicos, o que nos dá 112,9 por cento.

Devo dizer que tem havido todo o tipo de especulação sobre o sistema de trânsito de gás da Ucrânia e as entregas através deste país. Gostaria de reiterar que, nos termos do contrato, temos de bombear 40 mil milhões de metros cúbicos de gás por ano através do sistema de trânsito de gás da Ucrânia. Nos primeiros nove meses de 2021, a Gazprom aumentou os seus fornecimentos, ou devo dizer volumes de trânsito através da Ucrânia, em mais de oito por cento. Temos todo o direito de acreditar que excederemos as nossas obrigações contratuais em termos de trânsito de gás através da Ucrânia.

Aumentar ainda mais estes volumes não faz sentido económico para a Gazprom, uma vez que os custos também serão mais elevados. É muito mais barato fornecer gás utilizando os novos gasodutos, poupando-nos cerca de 3 mil milhões de dólares por ano para os volumes de fornecimento em causa.

Além disso, gostaria de informar aqueles que realmente se preocupam com a preservação do ambiente, ao invés de usar isto apenas como uma arma política, que os novos gasodutos que foram lançados nos últimos anos ou estão prestes a ficar operacionais podem reduzir as emissões de CO2 5,6 vezes graças ao seu novo equipamento. Consequentemente, os volumes de fornecimento sobem, enquanto as emissões descem. Isto tem a ver com as características superiores destas condutas, permitindo-lhes bombear gás a uma pressão mais elevada.

Toda a gente deve saber isto.

No entanto, colegas, hoje gostaria que apresentassem as vossas propostas sobre o que mais pode ser feito para estabilizar o mercado global de energia. Estamos prontos para este trabalho e gostaríamos que este fosse um projecto de base totalmente comercial, com o devido respeito pelos interesses de todos os participantes neste processo.

Gostaria de salientar que a situação actual do mercado energético europeu é outro exemplo claro do facto de decisões precipitadas, e muito menos politicamente influenciadas, serem inaceitáveis em qualquer esfera, mas especialmente quando se trata do fornecimento de energia do qual depende o funcionamento sustentável das empresas e o bem-estar e qualidade de vida de milhões de pessoas.

Por conseguinte, as nossas decisões relativas ao desenvolvimento do complexo de combustível e energia do nosso país, a Rússia, devem ser prudentes, tendo em conta os nossos interesses nacionais e, mais importante ainda, as necessidades dos nossos cidadãos, e, claro, devem ser sustentáveis a longo prazo. Devemos tentar olhar para além do horizonte não apenas de uma década, mas de duas ou três décadas.

Segundo peritos internacionais, incluindo os da OPEP, a procura de petróleo começará a desacelerar a partir de 2035, mas o consumo global de petróleo aumentará até 2045, aproximadamente 0,7 por cento ao ano.

A procura de gás natural continuará a crescer mais rapidamente, mais de 1% ao ano, principalmente porque o gás como combustível mais limpo estará a substituir o carvão no balanço energético global.

Os peritos internacionais acreditam que a procura de carvão aumentará ligeiramente nos próximos cinco anos, especialmente no Sudeste Asiático, depois, de acordo com as suas previsões, atingirá um patamar em 10-15 anos antes de diminuir.

Mas temos de fazer uma análise abrangente do impacto de potenciais mudanças no sector energético, da sua influência na nossa economia, e considerar minuciosamente todos os cenários de desenvolvimento possíveis.

As nossas acções, tais como a transição para orientações orçamentais e o contínuo reabastecimento do Fundo Nacional da Riqueza, asseguram a estabilidade a longo prazo da nossa economia independentemente de qualquer evolução da política externa ou da actividade económica externa, como o ano passado demonstrou amplamente.

Ao mesmo tempo, temos de diversificar a nossa economia, investindo activamente em infraestruturas e na criação de novas empresas. Deve ser dada especial atenção às nossas regiões produtoras de carvão, onde devem ser criados novos postos de trabalho fora do sector do carvão. Já dei estas instruções.

Hoje gostaria de ouvir um relatório abrangente sobre o que já foi feito a este respeito, e proponho também que discutamos hoje o desenvolvimento de novas esferas energéticas promissoras, incluindo pequenas centrais nucleares, energia de hidrogénio e fontes de energia renováveis, tais como a energia das marés, que poderiam ter um enorme potencial.

Ainda ontem falámos sobre isto. Sim, há muitos assuntos por resolver nessa esfera, mas temos definitivamente de pensar sobre isto, lançar os estudos necessários, incluindo a investigação científica, e fazer isto de forma muito séria e exaustiva, pensando, como já mencionei, várias décadas à frente.

Passemos à nossa agenda. Tem a palavra o vice-primeiro-ministro Alexander Novak.


Vice-primeiro ministro Alexander Novak: Falando acerca do mercado do gás, ele também recuperou para o nível anterior à crise. Falou em pormenor sobre a crise que se está a desenrolar na Europa e na Ásia. Os preços subiram aí em 500 dólares num só dia. É óbvio que isto resulta não só de factores fundamentais relacionados com a escolha dos políticos europeus de contratos à vista (spot contracts) em detrimento dos contratos a longo prazo, mas também de uma previsão errada do equilíbrio entre a oferta e a procura nos seus países, o que está ligado, em parte, a um aumento do consumo e a um declínio da produção de gás na Europa. Por exemplo, estamos conscientes de que desde 2013 a produção de gás desceu 10% na Noruega e 70% nos Países Baixos, que costumava ser um fornecedor importante na Europa. No entanto, estes factores não teriam tido uma influência tão grande no crescimento dos preços sem a actual especulação do mercado e histeria geral.

Na verdade, tudo começou no Verão passado, quando estava extremamente quente na América Latina, havia uma onda de calor, e os Estados Unidos reorientaram os seus abastecimentos de GNL para a América Latina. Isto criou uma escassez de GNL, tanto na Europa como na Ásia. Um rápido crescimento do consumo de energia na Ásia, principalmente em meio à escassez de instalações de produção de energia, criou uma escassez de abastecimento. Consequentemente, a escassez de gás nas instalações subterrâneas de armazenamento de gás na Europa, com a devida consideração pelo Inverno passado, como já mencionou, é de aproximadamente 25 mil milhões de metros cúbicos.

Estes são, de facto, factores graves. Contudo, eu diria também que a especulação do mercado, que está a fazer subir os preços, é também muito forte. Isto exige muito provavelmente uma investigação sobre as actividades dos especuladores da bolsa, porque objectivamente o preço actual não reflecte a situação actual.

Na generalidade, diria que tais preços não são bons para o mercado do gás. Claro que as empresas fornecedoras de gás estão a ter lucro, mas fundamentalmente, muitas empresas, especialmente as químicas do gás, podem ter de fechar nestas circunstâncias, o que já está a acontecer, como podemos ver acontecer na Grã-Bretanha e em vários outros países da Europa e noutros locais. Estes preços aceleraram a transição para fontes de energia renováveis e, naturalmente, um desejo de investir em projectos de produção, que são, de facto, menos eficazes. Por conseguinte, o mercado deve ser estabilizado o mais rapidamente possível.

Senhor Presidente, como salientou, neste caso, a Rússia está a honrar plenamente os seus compromissos ao abrigo de contratos quando se trata de fornecer volumes, que, historicamente, excedem o volume de fornecimentos à Europa.

Na minha opinião, existem dois factores, que poderiam arrefecer a situação actual. Em primeiro lugar, é a conclusão antecipada da certificação e a emissão de uma licença de bombagem de gás através do gasoduto Nord Stream 2 concluído. Isto daria um sinal positivo.

Em segundo lugar, se possível e prático, o gás adicional, mesmo que em pequenas quantidades, deveria ser negociado na bolsa electrónica em São Petersburgo, o que reduziria o efeito da especulação do mercado.

No entanto, deve-se lembrar que a bombagem de gás para as nossas instalações de armazenamento subterrâneo ainda está em curso. Durará mais 10 a 14 dias. É importante ter isto em conta, porque em primeiro lugar temos de assegurar um abastecimento suficiente para a época de Outono e Inverno no nosso país.


Vladimir Putin: Sr. Novak, propôs aumentar o fornecimento de gás ao mercado e vender mais nas bolsas de mercadorias, a fim de arrefecer a procura especulativa e ultrapassar o frenesim comercial na Europa. Isto pode e deve ser feito, embora não no mercado à vista europeu, mas, como já disse, nas bolsas de São Petersburgo.

Na generalidade, como disse nas minhas observações iniciais, a proposta de mudar para um sistema de intercâmbio [comercial] de gás natural veio dos peritos da Comissão Europeia ao abrigo do mandato anterior, na sua maioria peritos britânicos. Onde estão agora os peritos britânicos com as suas propostas? Sabemos onde eles estão, mas os consumidores na Europa continental foram deixados a sofrer com tais iniciativas.

Precisamos de discutir mais uma vez o intercâmbio comercial e assim faremos. Se puder ajudar a arrefecer a procura febril, esta pode ser uma opção, mas é claro que isto não deve ser em nosso prejuízo. Refiro-me aos clientes que compram gás em instalações de armazenamento subterrâneo durante os picos de Outono e Inverno na Rússia, como já foi dito. Em geral, o intercâmbio comercial de gás não é eficaz, uma vez que comporta múltiplos riscos, e sempre lhes dissemos isso. Afinal, isto não é como o comércio de relógios, cuecas ou gravatas, ou carros; nem sequer é como o petróleo, que pode ser produzido e armazenado em qualquer lugar, inclusive em petroleiros, à espera de que a situação do mercado se esclareça. O gás é diferente, uma vez que não pode ser armazenado desta forma. Mesmo o GNL tem de ser produzido, liquefeito, carregado em navios metaneiros, entregue e depois convertido de novo em estado gasoso. Este é um processo dispendioso e complexo. Não funciona dessa forma.

O que estamos a ver hoje é o resultado das suas acções persistentes ou, para o dizer sem rodeios, descuidadas, no mínimo, com consequências terríveis para o mercado. O aumento do fornecimento de gás através do sistema de transporte de gás da Ucrânia é possível, mas isto geraria perdas para a Gazprom.

Como já disse, a Gazprom poupa cerca de 3 mil milhões de dólares por ano nos seus novos gasodutos porque utiliza o mais recente equipamento de bombagem e novas tubagens, pelo que a pressão pode ser maior, o que é impossível no sistema de transporte de gás da Ucrânia. Há décadas que não beneficia de quaisquer actualizações, e qualquer das suas condutas pode rebentar a qualquer momento ou pode ocorrer qualquer outro acidente.

Se isto acontecer, todos sofrerão, incluindo o operador de trânsito e os consumidores.

Por esta razão, precisamos de rever as oportunidades de aumentar a oferta no mercado, mas temos de ser cautelosos. Peço-vos que discutam isto com a Gazprom e façam os cálculos necessários. Concordo consigo que a procura febril não é aquilo de que precisamos, uma vez que tal tumulto não promete nada de bom.

Lembro-me das discussões no seio da Comissão Europeia, eu próprio estive em Bruxelas. Não me lembro, mas penso que o senhor esteve lá para o fazer. Falar com os chamados especialistas não foi fácil, uma vez que eles tendem a ter uma atitude algo snob e acreditam que a sua opinião é a única correcta, e não querem ouvir mais nada. Espero que desta vez algo mude.

Ao mesmo tempo, concordo plenamente consigo que precisamos de olhar para o futuro e, claro, de estar atentos ao que se está a passar em todo o mundo.


Vladimir Putin: Sr. Shulginov, lamentavelmente, preciso de voltar às questões do gás, porque há demasiadas especulações.

Como vê, a Gazprom acredita que seria economicamente mais conveniente, mais rentável para ela pagar a multa imposta pela Ucrânia para poder aumentar o volume do fluxo de gás através dos novos sistemas pelas razões que mencionei:   a pressão na [nova] tubagem é maior, as emissões de CO2 são menores, e os custos globais são inferiores em cerca de 3 mil milhões de dólares por ano.

Mas eu pedi-lhes que não o fizessem. Temos de cumprir integralmente as obrigações contratuais relativas ao trânsito do nosso gás através da Ucrânia, através do sistema de trânsito de gás ucraniano.

Em primeiro lugar, ninguém, incluindo a Ucrânia, deve ser colocado numa situação difícil apesar de todos os factores em jogo nas relações russo-ucranianas de hoje. E em segundo lugar, não devemos minar a confiança na Gazprom como um parceiro fiável, absolutamente fiável em todos os aspectos.

Gostaria de lhe pedir, na qualidade de ministro da Energia, que acompanhe pessoalmente estas questões e que zele para que a Gazprom cumpra todas as suas obrigações contratuais relativamente ao trânsito do gás russo para a Europa através da Ucrânia.


Governador da Área Autónoma Yamal-Nenets Dmitry Artyukhov: Senhor Presidente, gostaria de voltar à questão do gás. Há um problema para o qual gostaria de chamar a vossa atenção.

Cerca de 70% do gás russo está a ser produzido na região de Nadym-Pur-Taz. É o coração da nossa indústria do gás, onde tudo o que é necessário foi criado nos últimos 50 anos, incluindo caminhos-de-ferro, auto-estradas, instalações de produção de energia e cidades inteiras. Temos quase meio milhão de profissionais da indústria do gás, grande parte com várias gerações de profissionais, e equipas muito fortes que asseguram hoje a produção de gás.

No entanto, é um facto que os recursos fáceis de gás fácil – gás cenomaníano – estão a esgotar-se gradualmente, pelo que um número crescente de novos projectos que estamos hoje a discutir estão localizados mais a norte. A frase "Plataforma Árctica" já soa como o nosso próximo objectivo.

Por outro lado, a nossa região tradicional, que dispõe de todas as infra-estruturas necessárias, tem ainda um potencial considerável para a continuação da produção de gás. Mas o assunto diz respeito a campos de gás difíceis, principalmente as formações Achimov e Jurássica.

Senhor Presidente, gostaria de dizer, a título de exemplo, que o primeiro gás fluiu em Yamal em 1962, quando o depósito de Tazovskoye foi descoberto. A produção comercial começou aí há apenas três meses: demorámos 50 anos desde a descoberta da primeira jazida na região até à produção comercial. Este difícil campo esperou 50 anos para que isto acontecesse.

Na verdade, temos muitos campos de gás tão claros mas difíceis, com milhões de milhões (trillions) de metros cúbicos em produção potencial. É claro que deve ser implementado um grande pacote de medidas para começar a utilizá-los, tais como actos regulamentares, soluções tecnológicas e, claro, incentivos económicos e fiscais.

Outra coisa importante é que os campos de gás difíceis têm sempre, o que é um facto, grandes volumes de condensado de gás, WLHF (wide light hidrocarbon fraction, grande fracção de hidrocarbonetos leves) e etano. Isto vai, naturalmente, ao encontro dos objectivos de desenvolvimento da indústria petroquímica e do gás. No futuro, estas matérias-primas serão postas a bom uso em Tobolsk e na Região do Volga.

Sr. Presidente, presidiu a uma reunião aqui em Yamal em 2009 sobre o desenvolvimento da Península de Yamal, e foram adoptadas várias decisões chave. Passaram mais de dez anos desde então e, ao olharmos para trás, podemos ver que tudo foi realizado, e que todas as decisões que foram tomadas foram cumpridas. O campo Bovanenkovskoye começou a funcionar, e o Yamal LNG também foi lançado ainda mais cedo do que o previsto.

Na minha opinião, estamos agora perante a mesma importante tarefa e gostaríamos de lhe pedir que emitisse uma instrução sobre a elaboração de um programa abrangente para o desenvolvimento dos depósitos de gás difíceis de extrair do Yamal. Isto, naturalmente, criaria muita procura no sector, geraria enormes receitas fiscais, e apoiaria um equilíbrio de produção de gás, o que é um aspecto muito importante, como mencionou logo no início.

Gostaria de lhe pedir que emitisse esta instrução sobre os depósitos de gás difíceis de extrair. A indústria petrolífera já percorreu largamente este caminho, e é mais do que tempo de a indústria do gás começar a avançar.

Vladimir Putin: Sr. Artyukhov, o senhor levantou uma questão muito importante. Está a falar aqui de jazidas antigas que estão a ser gradualmente esgotadas?

Dmitry Artyukhov: Estou a falar de depósitos antigos e depósitos de reserva que até agora permanecem inexplorados. Como exemplo, gostaria de mencionar o campo de Tazovskoye que permaneceu adormecido durante 50 anos.

Vladimir Putin: Estou a ver, este é de facto um assunto importante. Obrigado por o ter levantado.

A questão é que a União Soviética desenvolveu estes depósitos há décadas e estabeleceu a conhecida rota Urengoy-Pomary-Uzhgorod que alcançou a Europa. Tal como na Noruega e na Holanda, estes depósitos estão a ser gradualmente esgotados, e a Gazprom está a desenvolver novos depósitos mais a norte.

O governador acaba de mencionar a região vizinha de Nadym-Pur-Tazovsky. Ainda assim, este é um lugar diferente, e os novos sistemas de gasodutos que o ligam aos principais consumidores europeus são mais curtos em 2.000 quilómetros. Consequentemente, a Gazprom considera muito mais rentável a entrega de gás através destes sistemas, através dos gasodutos Nord Stream 1 e Nord Stream 2. Isto é mais rentável, mais curto e, portanto, mais barato, no que diz respeito ao fornecedor, a Gazprom, e ao cliente final europeu, nomeadamente os consumidores domésticos e industriais.

Mas concordo com o Sr. Artyukhov que não devemos esquecer os depósitos que temos vindo a desenvolver há décadas, e devemos tomar as medidas necessárias para assegurar uma produção mais equilibrada. Também registaremos isto na decisão de hoje.


CEO da Inter RAO PJSC Boris Kovalchuk: Sr. Presidente, obrigado por me dar a palavra.

Uma vez que o Grupo Inter RAO é um único operador de exportação/importação de electricidade, deixe-me citar alguns dados sobre o que se está a passar nos mercados europeus.

Mas vamos começar pela Rússia. Durante os primeiros oito meses deste ano, o valor total do mercado grossista de electricidade/potência eléctrica da Federação Russa (todo o nosso mercado de electricidade) cresceu 3,7 por cento no contexto de uma inflação de quase 6 por cento. Tudo isto (com muito de sobra) está no âmbito das instruções dadas na sequência da reunião da Comissão para o Sector dos Combustíveis e da Energia em Kemerovo.

Agora de volta ao que está a acontecer na Europa. Tomemos os mercados do Reino Unido, Alemanha, França, Finlândia e dos Estados Bálticos, onde operamos. Durante os primeiros oito meses de 2021, os preços subiram 100 por cento em relação ao mesmo período em 2020, e outros 100 por cento em Setembro deste ano. Neste momento tenho os dados do comércio de futuros para amanhã, e mais uma vez o aumento de preços ascende a 100-150 por cento. A partir de hoje, o crescimento global dos preços da electricidade na Europa é praticamente de 1.000 por cento. Isto a comparar com 4 por cento na Rússia. Na Rússia, o preço total da electricidade é de cerca de 20 euros por 1 megawatt-hora.

Deixem-me mencionar os preços de amanhã na Europa: Lituânia - 256 euros; Letónia - 347 euros, Alemanha - 302,5 euros, França - 298,3 euros, e Reino Unido - 320 euros. Como podemos ver, os mercados estrangeiros são quase dez vezes mais caros do que o mercado russo. Tudo isto em conformidade com as decisões que aprovou na reunião da comissão em Kemerovo.


Gostaria apenas de citar alguns exemplos. Em Itália, por exemplo, foi decidido aumentar os preços da electricidade ao consumidor em 29,8%, a partir de 1 de Outubro, e os preços do gás em 14,4%, uma coisa absolutamente impossível na Rússia. A Espanha aprovou a 14 de Setembro uma lei especial de emergência que limita a indexação das tarifas de três meses em 4,4%. Na Federação Russa, as tarifas aumentam 4-5 por cento ao ano e, além disso, há um esforço contínuo para combater o aumento. A França congelou o crescimento dos preços antes das suas eleições [presidenciais], consciente do que isto pode levar posteriormente a aumentos de 13 por cento nos preços do gás da Engie.

Estas são as realidades. Devido aos seus esforços e ao trabalho do Governo, a indústria energética russa está a assegurar uma produção de electricidade fiável e competitiva. Esta é a nossa vantagem, especialmente se tivermos em conta o nosso equilíbrio.

Quanto aos impostos transfronteiriços do carbono, apoiamos inteiramente o que disse para assegurar que estas abordagens sejam suaves e sem problemas.

Mas aqui está um facto curioso. A Alemanha está na vanguarda dos esforços para reduzir as emissões de CO2. No entanto, o que está realmente a acontecer? O preço na Alemanha é 10 vezes mais alto, ao passo que as centrais a carvão representam 27% do cabaz energético do país, em comparação com os 13% da Rússia. Por esta razão, isto é estranho quando se luta pela neutralidade de carbono com preços tão elevados e o dobro da quota do carvão no cabaz energético, em comparação com a Federação Russa. Por exemplo, apenas 3% dos 60 GW obtidos a partir de energias renováveis, principalmente eólicas, estarão disponíveis amanhã na bolsa de energia alemã. De facto, um quarto do sistema energético alemão não está a funcionar. É por esta razão que isto está a acontecer.

Só para efeitos de comparação, veja-se o preço na Ucrânia. Hoje os preços variam entre 67 e 70 euros, embora a economia ucraniana esteja muito distante da União Europeia, e seja maioritariamente alimentada por centrais nucleares, e os seus custos já tenham sido amortizados. Ainda assim, este é um preço insuportável para as empresas.

Sr. Presidente, não vou dar qualquer outro exemplo, excepto este. Na Alemanha, as agências governamentais produzem videoclipes dizendo às pessoas como passar o Inverno sem iluminação ou aquecimento, como colocar velas em vasos para aquecer uma sala, e como fazer janelas à prova de correntes de ar com fita adesiva e película aderente. Há apenas alguns anos atrás, isto teria sido impossível de imaginar, como se a idade da pedra tivesse voltado.


Vladimir Putin: Obrigado, Sr. Kovalchuk.

Sim, tinha toda a razão em perguntar como podem eles lutar pela neutralidade de carbono, se a quota do carvão no balanço energético na Europa, e neste caso estamos a falar da Alemanha, é duas vezes mais elevada do que na Rússia? Bem, acontece que podem. Isto é o que eles, quero dizer os europeus, estão a fazer e a tentar fazer à custa de terceiros. Neste caso, estão a tentar fazê-lo à nossa custa, à custa da Federação Russa. Espero realmente que sejamos capazes de lançar um diálogo sobre este assunto, tendo em consideração os interesses de todas as partes no mercado global da energia.

06/Outubro/2021

Ver também:
  • IEA: Gas Market Report, Q4 2021
  • Guerras globais do gás: a diversão mal começou!
  • O original encontra-se em http://en.kremlin.ru/events/president/news/66866

    Este artigo encontra-se em resistir.info

    08/Out/21