Os benefícios das importações de petróleo bruto russo

– Quem foram os beneficiados

RUPE [*]

Exportações de petróleo russas após as sanções.

Sanções ocidentais e ações indianas

O exemplo mais frequentemente citado da política independente e auto-afirmativa da Índia nos últimos tempos foi a sua decisão de importar petróleo bruto da Rússia, apesar das sanções ocidentais contra este país.

Será que as importações de petróleo russo pela Índia "serviram o povo indiano", como afirmou o ministro dos Negócios Estrangeiros Jaishankar, desafiando os ditames dos EUA, do Reino Unido e da Europa? A realidade é que o povo indiano não beneficiou. Como veremos mais adiante, os beneficiários foram os países ocidentais, os refinadores do sector privado na Índia e, em certa medida, as finanças do Governo da Índia (e não o povo indiano).

Com as sanções impostas à Rússia, as potências ocidentais pretendiam atingir dois objectivos: (1) queriam manter o fluxo de petróleo da Rússia, controlando assim os preços internacionais do petróleo, e (2) ao mesmo tempo, queriam manter as receitas da Rússia baixas, mantendo assim a pressão sobre o governo russo. Por conseguinte, impuseram um limite máximo de 60 dólares por barril ao preço a que o petróleo bruto podia ser importado da Rússia por qualquer país; este preço era muito inferior ao preço de mercado. Para as importações dentro desse limite, também eram permitidos outros serviços relacionados com o transporte e o financiamento. O objetivo explícito destas isenções era "reduzir os aumentos de preços provocados por condições de mercado extraordinárias, limitando simultaneamente as receitas petrolíferas russas" [1].

As potências ocidentais podiam fazer cumprir este objetivo recorrendo ao domínio do dólar, ao seu domínio nos transportes marítimos e nos seguros e ao seu domínio sobre as infra-estruturas financeiras mundiais. Por exemplo, um banco indiano que facilitasse pagamentos desafiando as sanções ocidentais poderia encontrar-se sob sanções ocidentais. Assim, as empresas indianas que importam petróleo bruto da Rússia aderiram, de um modo geral, ao limite de 60 dólares durante muito tempo (e tiveram de manter registos pormenorizados para provar esse facto às potências ocidentais). Agora que a Rússia está a vender a preços superiores ao limite, a Índia está a mudar, ou melhor, está a ser mudada, para outros fornecedores. Significativamente, o Governo mantém silêncio sobre a natureza involuntária desta mudança.

As potências ocidentais importam petróleo russo através de outros países

É verdade que os países da "coligação do preço máximo" – a União Europeia, a maioria dos outros países do Grupo dos 7 e a Austrália – proibiram ou limitaram as importações de petróleo bruto e de produtos petrolíferos russos. No entanto, os países da coligação "price cap" aumentaram, simultaneamente, de forma acentuada as importações de produtos petrolíferos refinados provenientes de outro grupo de países: China, Índia, Turquia, Emirados Árabes Unidos e Singapura. Estes últimos países, por sua vez, aumentaram as suas importações do petróleo bruto russo (com um desconto considerável) – de facto, tornaram-se os maiores importadores do bruto russo, que refinaram e exportaram como produtos petrolíferos para os países da coligação de preços máximos. Em resumo, em vez de importarem diretamente o petróleo bruto ou os produtos petrolíferos russos, as potências ocidentais fizeram importações através de um grupo de países que refinaram o petróleo bruto. Uma vez que o crude russo era convertido em produtos petrolíferos num país terceiro, tornava-se um produto desse país, uma lacuna que permitia à Europa comprar petróleo russo refinado em produtos petrolíferos por empresas indianas.

Assim, um relatório do CREA, uma ONG sediada em Helsínquia, chama a este último grupo "países de lavagem"; a implicação é que eles estavam a "lavar" o petróleo russo[2]. A origem do crude era conhecida desde o primeiro dia. Como o próprio relatório admite, "esta é atualmente uma forma legal de exportar produtos petrolíferos para países que estão a impor sanções à Rússia, uma vez que a origem do produto foi alterada". De facto, as sanções foram concebidas precisamente para permitir este tipo de procedimento.

Dos países com preços máximos, os maiores importadores eram a UE, seguida da Austrália, dos EUA, do Reino Unido e do Japão. Os chamados "países lavadores" (como a Índia) aumentaram as suas exportações para os países da coligação de preços máximos em 26% em termos de volume (mais 10 milhões de toneladas) no período de 12 meses após o início da guerra na Ucrânia, mas as suas exportações para outros países quase não aumentaram.

No período entre a data da imposição do preço máximo (5 de dezembro de 2022) e o primeiro aniversário da guerra (24 de fevereiro de 2023), a Índia tornou-se, juntamente com a China, o principal importador mundial de crude russo. A Índia tornou-se também o maior exportador individual de produtos petrolíferos para os países da coligação do preço máximo. O porto indiano de Sikka, em Gujarat, que serve a refinaria de Jamnagar da Reliance, é o maior porto de exportação de produtos petrolíferos para os países da coligação Price-Cap e o maior porto importador de petróleo bruto da Rússia; logo a seguir está Vadinar, um porto próximo que serve a refinaria da Nayara Energy (propriedade da empresa russa Rosneft). Antes do início do conflito Rússia-Ucrânia, em fevereiro de 2022, a quota da Rússia no cabaz de importação de petróleo bruto da Índia era de 0,2 por cento; subiu para 42 por cento em abril-junho de 2023[3].

Quem transportou este petróleo? Durante este período, 56% do petróleo bruto russo enviado para os "países lavandaria" foi transportado em navios pertencentes e/ou segurados por países da coligação price cap. (Entretanto, a União Europeia continuou a ser o principal cliente do GNL russo e do gás canalizado, e o segundo maior cliente do GPL russo[4]).

Contrariamente à retórica das autoridades ocidentais e indianas, as importações de crude russo pela Índia não enfrentaram a oposição dos EUA e da Europa. Os funcionários dos EUA declararam explicitamente que a compra de petróleo bruto russo dos Urais pela Índia, a preços inferiores ao "preço máximo" de 60 dólares fixado pelos países do G-7 em dezembro, contribuía para os "objectivos gémeos dos EUA de assegurar a existência de petróleo suficiente no mercado, mas não de dar à Rússia um preço superior pelas suas exportações"[5].

O governo indiano adoptou uma posição semelhante: O ministro do Petróleo, Hardeep Singh Puri, afirmou que os países ocidentais "não estavam descontentes" com o facto de a Índia estar a comprar petróleo russo e salientou que, se a Índia tivesse comprado mais petróleo aos países do Golfo, teria feito subir os preços do crude a nível mundial.[6] Também Jaishankar recordou a uma audiência em Londres que "na realidade, suavizámos os mercados do petróleo e do gás através das nossas políticas de compra. Consequentemente, conseguimos gerir a inflação mundial. Estou à espera do vosso agradecimento"[7].

Quem beneficiou?

As importações de crude russo foram efectuadas a um preço inferior ao preço a que as empresas indianas importavam dos seus fornecedores tradicionais, a Arábia Saudita e o Iraque, e, por conseguinte, levaram o custo médio das importações de petróleo da Índia para um nível mais baixo do que seria de outro modo. O Indian Express calculou que, nos 14 meses que terminaram em maio de 2023, as empresas indianas dos sectores público e privado pouparam mais de 7 mil milhões de dólares[8].

No entanto, estas importações não "serviram o povo indiano":

(1) As empresas privadas que importaram o crude russo, nomeadamente a Reliance Industries Ltd (RIL) e a Nayara Energy, exportaram principalmente os seus produtos petrolíferos. Por exemplo, a RIL produziu 42,1 milhões de toneladas de combustíveis para transportes em 2022-23 e exportou 36,1 milhões de toneladas desses combustíveis[9]. Desta forma, as empresas privadas foram responsáveis por 77% das exportações de produtos petrolíferos em 2022-23[10]. O desconto sobre o petróleo russo e os elevados preços internacionais dos produtos petrolíferos aumentaram enormemente os lucros das empresas privadas. A atividade de refinação de produtos petrolíferos gera um emprego insignificante. O benefício das importações de crude russo por empresas privadas não reverteu a favor do povo indiano, mas sim das empresas.

(2) As empresas do setor público – Indian Oil Corporation, Bharat Petroleum e Hindustan Petroleum – também importaram petróleo bruto russo, refinaram-no e venderam os produtos no mercado interno; no entanto, não repercutiram este benefício sob a forma de preços mais baixos da gasolina e do gasóleo, que permaneceram congelados desde maio de 2022. Crisil Ratings projeta que as três empresas de comercialização de petróleo do setor público terão um lucro operacional de um milhão de milhões de rupias em 2023-24.[11] Essas três empresas do setor público foram os três principais contribuintes para o crescimento do lucro corporativo no primeiro trimestre de 2023-24. Os lucros excessivos das empresas de comercialização de petróleo do sector público representam, de facto, uma extração dos consumidores indianos. Isto para além da grande contribuição do sector petrolífero para o erário público central sob a forma de impostos indirectos, que tem sido, em média, superior a 400 000 milhões de rupias por ano nos últimos três anos[12].

Tanto as receitas dos impostos indiretos como os lucros das empresas de comercialização de petróleo são obtidos à custa do povo indiano. Trata-se de grandes extracções, se nos lembrarmos de que o consumo de energia dos indianos é extremamente baixo segundo os padrões internacionais, o que reflecte a sua pobreza real. (O consumo de petróleo per capita da Índia, medido em quilowatts-hora, é de 1.970, em comparação com os 5.485 da China, os 29.684 dos EUA e uma média mundial de 6.642.[13] As proporções relativas ao consumo total de energia per capita são semelhantes).

Poder-se-ia argumentar que qualquer aumento dos lucros das empresas indianas, quer do sector privado quer do sector público, constitui um benefício para a "Índia". Isto está de acordo com o pensamento que celebra o PIB da Índia supostamente a atingir os picos de 4 mil milhões de dólares, 5 mil milhões de dólares, e assim por diante, sem investigar o agravamento da condição da maioria dos indianos.

Continuação do domínio ocidental

A aplicação do preço máximo continua. Em 17 de abril de 2023, o Gabinete de Controlo de Activos Estrangeiros dos EUA (OFAC) emitiu um alerta sobre a possível "evasão" do preço máximo do petróleo bruto russo e estipulou que os transportadores e as instituições financeiras conservassem registos (incluindo custos de transporte, frete e seguro) para provar que esse petróleo foi comprado abaixo do preço máximo, sob pena de serem penalizados[14]. No mesmo dia, o ministro das Finanças indiano afirmou que o limite máximo seria ultrapassado se necessário, dizendo que "temos uma grande população e, por conseguinte, temos de procurar preços que sejam acessíveis para nós"[15].

No entanto, contrariamente à afirmação do ministro das Finanças, um funcionário de uma empresa indiana de comercialização de petróleo declarou sem rodeios que "o limite de preços não foi violado e os pagamentos relativos ao petróleo bruto russo têm sido efectuados. Se fosse esse o caso, os pagamentos teriam cessado."[16] Em agosto, a Business Standard informou que "grandes bancos como o SBI, o Bank of Baroda e o ICICI estão a tornar a vida "miserável" para as refinarias, exigindo uma extensa documentação, e recusam-se a aceitar pagamentos relativos a transacções efectuadas acima do preço de 60 dólares por barril, um limite imposto pelas potências ocidentais."[17]

Um dos principais expedidores de petróleo russo para a Índia desde o início da guerra foi a Gatik Ship Management, sediada em Bombaim. Claramente uma fachada para exportadores russos ou importadores indianos, sua frota aumentou de dois navios-tanque químicos em 2021 para 58 navios em 2023, quase exclusivamente transportando petróleo bruto russo para a Índia. Em abril, o American Club[18], que faz parte do Grupo Internacional de Clubes P&I que seguram 90 por cento do transporte marítimo a nível mundial, retirou a cobertura de seguro da frota da Gatik. A Lloyd's List observou que este facto "sugere que as cargas já não estão em conformidade com o limite máximo do preço do petróleo do G7"[19]. A Ingosstrakh, uma grande seguradora russa que opera na cobertura de navios, não renovou a cobertura do seguro do Gatik que expirou em abril[20].

O Lloyd's Register comunicou à empresa indiana Gatik Ship Management, que se tornou um importante transportador de petróleo russo desde a guerra na Ucrânia, que irá retirar a certificação de 21 dos seus navios até 3 de junho. As sociedades de classificação, como a Lloyd's Register em Londres, prestam serviços que incluem controlos de navegabilidade, certificação que é vital para garantir os seguros e a entrada nos portos[21].

A moeda de pagamento do petróleo russo tem sido um problema não resolvido. Embora a Índia tenha efectuado alguns pagamentos pelo petróleo russo pagando dirhams, a moeda dos Emirados Árabes Unidos (EAU), em contas bancárias russas no Dubai, "os funcionários dos EAU disseram aos seus homólogos indianos que os seus bancos ou a sua moeda não podem ser utilizados para pagar o petróleo russo cujo preço seja superior ao limite máximo. Washington e Londres intensificaram a pressão sobre o emirado, o que levou os funcionários a examinar as operações de empresas e bancos russos sediados no Dubai e a recusar licenças em alguns casos"[22].

A Índia importou 49,4 mil milhões de dólares de bens (principalmente petróleo) da Rússia em 2022-23, enquanto as suas exportações para a Rússia foram de apenas 3,1 mil milhões de dólares. Como resultado, a Rússia acumulou grandes somas em rúpias para as quais não tem uso. Pediu o pagamento em dólares americanos, dirham dos Emirados Árabes Unidos (que está indexado ao dólar americano) ou yuan chinês. A Índia não pode continuar a pagar em dólares, devido à ameaça de sanções americanas, e está relutante em continuar a pagar em yuan, a moeda do país que considera ser o seu principal adversário. No entanto, as empresas indianas – Indian Oil Corporation, Reliance e Nayara Energy – fizeram, de facto, alguns pagamentos em yuan[23] –- um facto que é altamente embaraçoso para os quadrantes oficiais na Índia.

O aperto do controlo e o silêncio das autoridades indianas

As importações indianas de petróleo da Rússia registaram uma queda acentuada na segunda metade do ano civil de 2023. O ministro do Petróleo afirma vigorosamente que tal se deve exclusivamente ao aumento do preço do petróleo russo. "Se eles (a Rússia) não nos oferecerem (um bom) desconto, porque é que lhes havemos de comprar", afirmou[24].

No entanto, é pouco provável que as importações de petróleo russo, mesmo aos preços actuais mais elevados, não sejam competitivas. A verdadeira razão para a mudança do governo indiano é que qualquer importação de petróleo russo a preços superiores a 60 dólares por barril atrai sanções dos EUA, e os EUA estão agora a sancionar de forma mais agressiva os petroleiros que "violam" este ditame. Em novembro de 2023, três navios que transportavam regularmente petróleo russo para a Indian Oil Corporation (IOC) foram sancionados pelos EUA[25].

Em 5 de janeiro, a Bloomberg noticiou que 14 petroleiros que transportavam 11 mil milhões de barris de petróleo russo, com destino à Índia, "hesitaram, deram meia volta ou desligaram o equipamento que informa os sistemas de localização digital da sua localização e do que estão a fazer durante o último mês ou mais.... Os sinais de possíveis perturbações surgem poucas semanas depois de o Tesouro dos EUA ter imposto as sanções mais abrangentes aos comerciantes de petróleo russos e à empresa estatal de transporte marítimo Sovcomflot desde o início da guerra na Ucrânia"[26].

Esta situação está a levar a Índia a recorrer a outras fontes: As agências de localização de navios informaram que pelo menos cinco cargas de petróleo de Sakhalin da Rússia, originalmente destinadas à IOC da Índia, estavam agora a dirigir-se para outros locais, provavelmente para a China, e a IOC teve de se esforçar para compensar o défice com importações sauditas,[27] que são mais caras.[28] Uma vez que a Índia estava a importar petróleo russo precisamente porque era mais barato, esta mudança forçada do petróleo russo significa que está agora a ter de pagar preços mais elevados.

Notavelmente, apesar destas medidas agressivas dos EUA contra navios com destino à Índia, levando a Índia a mudar para fontes de petróleo mais caras, o governo indiano tem mantido um silêncio total sobre o assunto.

[1] Regulamento 2022/1904 do Conselho da União Europeia, de 6 de outubro de 2022.
[2] Centro de Investigação sobre Energia e Ar Limpo, The Laundromat: How the price cap coalition whitewashes Russian oil in third countries, sem data, https://energyandcleanair.org/publication/the-laundromat-how-the-price-cap-coalition-whitewashes-russian-oil-in-third-countries/
[3] "India's fuel exports to EU up 572% since Ukraine war", Times of India, 14 de junho de 2023; "Has India's appetite for Russian oil peaked? O que mostram os últimos dados", Economic Times, 20 de julho de 2023.
[4] https://energyandcleanair.org/june-2023-monthly-snapshot-on-russian-fossil-fuel-exports-sanctions/
[5] Suhasini Haider, "US will not sanction India for buying Russian oil, say senior American officials", Hindu, 9 de fevereiro de 2023.
[6] "Western countries 'not unhappy' that India is buying Russian oil: Hardeep Singh Puri", PTI, 15 de março de 2023.
[7] "Jaishankar 'waiting for a thank you' as India softens oil markets amid Russia-Ukraine war", Hindustan Times, 16 de novembro de 2023.
[8] Sukalp Sharma, "Discounted Russian crude imports saved Indian refiners $7 billion", Indian Express, 5 de julho de 2023.
[9] Relatório anual da Reliance Industries Ltd, 2022-23, p. 104.
[10] Petroleum Policy and Analysis Cell (PPAC), India's Oil and Gas Ready Reckoner FY 2022-23.
[11] "BPCL expected to report better profit in Q1 FY24", Hindu Business Line, July 26, 2023.
[12] PPAC, op. cit., p. 111.
[13] Our World in Data, https://ourworldindata.org/grapher/per-capita-oil?tab=table
[14] Gabinete de Controlo dos Bens Estrangeiros, Estados Unidos, "OFAC Alert", 17 de abril de 2023, https://ofac.treasury.gov/recent-actions/20230417
[15] "India could buy Russian oil past cap if OPEC+ cuts boost costs", Bloomberg, 16 de abril de 2023.
[16] "SBI seeks oil data to avoid sanction risk", Mint,
[17] S. Dinakar, "Indian purchases of Russian crude slump by record 25% in August", Business Standard, 12 de agosto de 2023.
[18] American Steamship Owners Mutual Protection and Indemnity Association, Inc.
[19] Michelle Wiese Bockmann, "Dark fleet's biggest shipowner Gatik Ship Management loses western insurance cover", 6 de abril de 2023. https://lloydslist.maritimeintelligence.informa.com/LL1144635/Dark-fleets-biggest-shipowner-Gatik-Ship-Management-loses-Western-insurance-cover
[20] Reuters, "Lloyd's Register drops ships of Indian carrier Gatik Ship Management", 26 de maio de 2023.
[21] Ibid.
[22] S. Dinakar, "India's unabated tryst with Russian crude oil is slowly coming to an end", Business Standard, 24 de abril de 2023.
[23] Shivangi Acharya, Riddhima Talwani, "Indian refiners used yuan to pay for some Russian oil imports, official says", Reuters, 14 de julho de 2023.
[24] Nidhi Verma, "India's Russian oil imports drop on pricing, not due to payment woes", Reuters, 3 de janeiro de 2024.
[25] Florence Tan, Muyu Xu e Nidhi Verma, "Tankers recently sanctioned by US supplied Russian oil to India", Reuters, 17 de novembro de 2023.
[26] Sherry Su e Julian Lee, "Russia oil tankers do strange things since US sanctions ramp-up", Bloomberg, 5 de janeiro de 2024.
[27] Nidhi Verma e Mohi Narayan, "India turns to Saudi as purchases of Russian oil fall in Dec", Reuters, 2 de janeiro de 2024.
[28] Ver o gráfico em Nidhi Verma, "Indian refiners set to ask for extra Saudi oil after sharp price cut", Reuters, 10 de janeiro de 2024.

18/Janeiro/2024

[*] Research Unit for Political Economy, Índia

O original encontra-se em rupeindia.wordpress.com/2024/01/18/indias-new-era-and-western-imperialism-in-2023-part-2/

Este artigo encontra-se em resistir.info

04/Abr/24