Obsceno

– A mistificação trapaceira dos que promovem as energias intermitentes e os veículos elétricos

Irina Slav [*]

'Nau dos loucos', de Bosch.

"Qualquer fonte de energia é intermitente, mas as energias renováveis são talvez as menos intermitentes, uma vez que utilizam o sol e o vento. A peça crucial que falta às energias renováveis é a escassez de infraestruturas".

Esta profunda revelação vem do diretor da Agência Internacional de Energias Renováveis, Francesco La Camera, e deveria ser incluída nos manuais escolares quando chegar a altura de estudar as razões do fracasso da transição energética.

O evidente desrespeito de La Camera pela física, que não posso encarar senão como deliberado, é o mais recente sinal de que a transição está a correr tão bem que os seus defensores precisam de recorrer a mentiras ainda mais flagrantes do que antes a fim de manter a narrativa.

É claro que La Camera não está sozinho nesta tentativa desesperada, mas como o meu tempo e espaço mental – e a minha paciência – são limitados, vou concentrar-me na minha estrela da transição favorita de todos os tempos, Fatih Birol, da Agência Internacional de Energia (AIE, da OCDE), que esta semana nos agraciou com mais um artigo de opinião no Financial Times, cheio de tantas mentiras óbvias que é uma maravilha não ter entrado em combustão espontânea quando foi concluído.

Dispensando a habitual abertura de "tempestades devastadoras, inundações, secas e ondas de calor", que claramente constituem o equivalente a um sonho húmido acordado para Birol e amigos, comecemos com uma contradição que é sintomática do estado mental popular entre os cruzados ocidentais do clima.

No primeiro parágrafo da sua ode à transição, Birol informa-nos, de forma sombria, que "a quantidade de emissões de gases com efeito de estufa que os seres humanos estão a libertar para a atmosfera continua a subir, não a descer".

No parágrafo seguinte, porém, ficamos a saber, com alguma surpresa para mim, que "tecnologias como a energia solar, a energia eólica e os carros elétricos estão cada vez mais a substituir a necessidade de combustíveis fósseis e a controlar as emissões".

É com grande prazer que vos apresento esta manchete da Bloomberg de agosto do ano passado:   Procura global de petróleo bate recorde e preços podem subir (Global Oil Demand Hits Record and Prices May Climb), afirma AIE.

Não é com menos prazer que vos apresento também esta manchete, da Al Jazeera: O uso global de carvão atingirá um recorde em 2023, diz agência de energia. Agência de energia? Nada mais nada menos do que a AIE de Birol.

O único hidrocarboneto que não bateu um recorde de procura no ano passado foi o gás, graças à Europa. Mas, a procura global de gás deverá registar um crescimento mais forte em 2024, apesar do aumento da incerteza geopolítica, segundo a nossa maior agência de energia de sempre.

Estas e outras notícias mostram claramente que está a haver uma substituição maciça da necessidade de hidrocarbonetos graças à energia solar, eólica e aos carros eléctricos. A substituição é tão maciça que a procura de petróleo, gás e carvão está a atingir o seu máximo em 2030, tal como a AIE previu no ano passado. Será que está mesmo?

Claro que não. Aqui está uma notícia lacrimosa da Bloomberg sobre o assunto: "O mundo está a usar mais petróleo do que nunca e este ano a procura está a superar as expectativas novamente, levantando questões sobre quando será atingido o pico do consumo global". Inserir imagem de um humanoide a furar a procura de petróleo com um pau, com uma bolha a dizer "Vá lá, pico, agora".

Continuamos com as mentiras descaradas quando Birol nos diz, com cara séria, que "agora é mais barato construir projetos de energia eólica e solar em terra do que novas centrais de combustíveis fósseis por quase toda a parte do mundo". A expressão "quase em todo a parte" é adorável. Não é assim com a suposição tácita de que ele provavelmente se refere apenas aos custos iniciais e ao facto de as instalações eólicas e solares não estarem sujeitas a uma pesada tributação punitiva.

Depois, vem uma declaração ainda mais divertida – ou irritante, dependendo da disposição de cada um – sobre os veículos eléctricos.

"Entretanto, o preço dos automóveis eléctricos continua a descer e a sua quota de mercado a aumentar. Em 2020, cerca de um em cada 25 carros vendidos em todo o mundo era elétrico; apenas alguns anos mais tarde, em 2023, era um em cada cinco".

Repartição do mercado de veículos elétricos.

Um em cada cinco seria 20%, certo? Só que os veículos eléctricos não representaram 20% de todas as vendas de automóveis no ano passado. As vendas totais de VEs, híbridos e veículos com pilha de combustível no ano passado situaram-se entre 13 milhões (de acordo com este relatório) e 13,6 milhões (de acordo com este outro relatório).

Os cálculos do total de vendas de automóveis variam entre 75,3 milhões, segundo a Statista, a 88,8 milhões, segundo a Wards Intelligence, e a 89,8 milhões, segundo a Moody's. Em nenhum destes cálculos as vendas de veículos eléctricos representam uma quota de 20%, mesmo incluindo os híbridos. Mas quem é que vai verificar isso? Quer dizer, é o diretor da AIE que nos diz como as coisas são. Ele tem de ter razão, dado o seu cargo de responsabilidade. As pessoas em posições de responsabilidade nunca mentem.

Continuando, Fatih O Honesto tem outra prenda para nos dar: inovação. "Após as preocupações de que estrangulamentos no fornecimento de minerais críticos, como o lítio, pudessem dificultar a produção de baterias para veículos elétricos, a indústria respondeu com a rápida introdução no mercado de novos produtos químicos para baterias que reduzirão a sua dependência de minerais essenciais".

Então, ouviu falar do novo veículo elétrico que a Renault está a fabricar com uma bateria sem lítio que pode carregar em cinco minutos e manter uma autonomia de 500 km? Não? Bem, eu também não. Porque não aconteceu. Peço desculpa aos fãs da Renault por estar a implicar com a empresa, mas ainda não recuperei do trauma de ver o Ami. Procurem no Google por vossa conta e risco.

O que está a acontecer é o desenvolvimento de baterias alternativas em laboratório. Quando estas tecnologias estiverem prontas para a produção em massa – se é que alguma vez estarão – os fabricantes de automóveis terão gasto tanto em tecnologia de iões de lítio que mudar para um novo tipo de bateria seria basicamente um suicídio.

E isto apesar do facto de serem os fabricantes de automóveis que estão envolvidos na investigação destas novas baterias. Mas estes são pormenores que não interessam a ninguém. A inovação é uma palavra mágica e deve ser encarada como uma varinha mágica que faz as coisas acontecerem simplesmente por ser proferida pela boca certa.

Mas a lista de boas notícias para a transição não se fica por aqui. Há mais de onde veio a anterior. A nível do emprego.

"A energia limpa é também onde estão os empregos", diz-nos Birol. "As suas indústrias – incluindo as energias renováveis, os carros eléctricos e as bombas de calor – já são responsáveis por mais da metade do emprego no sector energético global e continuam a criar cada vez mais postos de trabalho".

Neste ponto, não me importo de vos dizer que estava em conflito. A ética e a integridade diziam-me para fazer a pesquisa de empregos e comparar números. O cinismo e o poder de dedução sugeriram-me que renunciasse a este exercício, porque é claro que os números não vão dar razão a Birol. O cinismo e o poder de dedução venceram.

Não é possível que a energia eólica, a energia solar, os veículos eléctricos e as bombas de calor representem mais de 50% do emprego global no sector da energia. Não quando os produtores de energia solar nos EUA estão a falir. Não quando os fabricantes de bombas de calor estão a lutar para vender os seus produtos.

Não quando quatro pessoas são suficientes para instalar um sistema solar de 100 kW num telhado e mesmo duas fariam o trabalho, embora demorasse mais tempo. E muito menos quando um dos maiores argumentos de venda dos veículos eléctricos – menos peças móveis – significa que os veículos eléctricos requerem menos trabalhadores para serem fabricados.

No final, chegamos ao objetivo da mensagem. É o que consta do seguinte parágrafo:   "Por último, mas não menos importante, o agravamento dos impactos do aquecimento global, causado principalmente pelas emissões de combustíveis fósseis, é cada vez mais evidente para os cidadãos de todo o mundo, os quais, ao longo do tempo, exigirão mais, e não menos, acções climáticas dos seus governos".

Sim, por favor, comecem a exigir mais ação climática aos vossos governos, para que possamos continuar a fazer correr a narrativa apocalíptica que mantém tantas pessoas empregadas em ONGs, consultoras e empresas de investigação. É aí que estão os empregos "verdes".

Estão a ganhar bom dinheiro a lidar com o medo e seria uma pena ver esse dinheiro ir para outro lado completamente desnecessário, como uma energia mais acessível. E, por amor ao clima, não tentem pensar, limitem-se a ouvir e a repetir o que vos dizemos. Não estamos a mentir-vos, juramos.

Alguns poderão perguntar porque é que continuo a mastigar Fatih Birol. A resposta está nos relatórios da CERAWeek que citam vários executivos da indústria energética que admitem ter ficado surpreendidos com a força da procura de petróleo face à adversidade económica.

Uma das razões pelas quais ficaram surpreendidos, para além de terem esquecido o conceito de elasticidade da procura, foi o constante refrão da AIE de que a procura de petróleo está a descer, a descer, a descer e a desaparecer. O que não é verdade. E nem vai ser tão cedo.

Birol é um indivíduo numa posição de grande responsabilidade. Quando ele fala, as pessoas ouvem-no. E acabam por tomar decisões erradas que, muitas vezes, podem custar muito dinheiro e um desconforto significativo a milhões de pessoas. É por isso que estou a implicar com ele.

A propósito, ouviu falar da carta que dois congressistas republicanos escreveram a Birol, acusando-o de transformar a AIE numa "claque da transição"? Precisamos de mais gente como eles.

22/Março/2024

Da mesma autora:
  • Interview for the Corbett Report
  • [*] Analista de assuntos energéticos.

    O original encontra-se em irinaslav.substack.com/p/obscene

    Este artigo encontra-se em resistir.info

    24/Mar/24