China planeia aproveitar o grande êxodo petrolífero da Rússia

– As consequências inesperadas...

Irina Slav [*]

Parceiros de exportação da Rússia.

Em meio ao êxodo da Rússia por parte de empresas da Europa Ocidental e dos EUA, as empresas chinesas estão a procurar tomar o seu lugar, informou esta semana a Bloomberg, citando fontes anónimas que são conhecidas.

Era só uma questão de tempo, realmente. A natureza abomina o vácuo, tal como os negócios. Além disso, os negociantes chineses são bastante pragmáticos, ao contrário dos seus homólogos e concorrentes ocidentais. Assim, quando a BP, a Shell e praticamente toda a gente, excepto a TotalEnergies francesa, deixaram a Rússia na sequência da crise da Ucrânia, empresas energéticas chinesas detidas pelo governo começaram a considerar a possibilidade de entrarem.

Segundo fontes da Bloomberg, o governo de Pequim está a conversar com quatro entidades estatais sobre a aquisição de participações em empresas petrolíferas e metalúrgicas russas. As entidades incluem a China National Petroleum Corp, ou CNPC, China Petrochemical Corp, ou Sinopec, a maior refinaria do país, bem como a Aluminum Corp e o China Minmetals Group.

Conversações, segundo a reportagem, também estavam a decorrer entre empresas chinesas e russas, embora fosse demasiado cedo para dizer se iriam acabar em acordos. As possibilidades de acordos, no entanto, são bastante boas. É um dos exemplos mais claros de benefícios mútuos: A China precisa de matérias-primas para crescer; a Rússia tem as matérias-primas e precisa de dinheiro.

É uma situação vantajosa para todos e tem um bónus potencialmente crucial: reforçaria ainda mais as transacções não-dólares entre os dois países, minando a dominância global do dólar e, com o tempo, imunizando os dois países de futuras acções sancionatórias.

A Rússia já está a aceitar pagamentos em yuan pelas suas exportações para a China, e empresas russas apressam-se a abrir contas em bancos chineses, informou a Axios no início desta semana. Vários bancos russos estão também a considerar uma mudança para o sistema de pagamento por cartão da China, o UnionPay, após a saída do Visa e do Mastercard. Uma aquisição de participações por empresas chinesas em empresas petrolíferas e metalúrgicas só reforçaria este processo.

Há anos que analistas escrevem sobre os esforços de internacionalização do yuan da China. Não é um segredo, mas sim um aspecto importante dos planos de expansão global bastante visíveis da China que têm preocupado governos ocidentais. E no entanto, tudo indica que o que estes governos estão a fazer é facilitar a expansão da China.

A onda de sanções contra a Rússia destinava-se a punir o Kremlin – e a população russa juntamente com este – pela invasão da Ucrânia. Contudo, uma grande consequência não pretendida dessa punição foi empurrar a Rússia e a China para os braços um do outro.

Isto dificilmente é algo que esteja em consonância com Bruxelas, Londres, ou Washington, pois tanto a Europa como os EUA lutam com custos de energia mais elevados, conduzindo a uma inflação cada vez maior numa altura em que se planeia gastar milhares de milhões na transição energética. No entanto, foi algo que Bruxelas, Londres e Washington fizeram praticamente sozinhos.

A China tem um apetite quase insaciável por energia, e não se afasta da utilização de combustíveis fósseis para satisfazer este apetite. Ao contrário dos governos da Europa e dos EUA, Pequim não está com pressa frenética de reduzir as emissões. O seu objectivo para emissões zero é 2060. E se a Rússia estiver, por força de sanções, a vender o seu petróleo com desconto, então tanto melhor para os compradores chineses.

O que seria ainda melhor seria, por exemplo, substituir a BP como accionista da Rosneft. Alguns observadores da indústria com uma memória mais longa lembrar-se-iam de que a participação na Rosneft foi a única coisa que impediu a BP de escorregar para uma perda durante a última queda do petróleo, graças ao regime fiscal russo e à taxa de câmbio rublo/dólar.

No entanto, com a transição energética a decorrer com firmeza, a julgar por declarações feitas em ambos os lados do Atlântico, os metais estão também no centro do palco ao lado do petróleo e do gás. A China já tem dominância em minerais críticos graças à sua enorme capacidade de processamento de terras raras. Ela gostaria de aumentar a sua presença no alumínio e, porque não, também no níquel.

Tudo isto aprofundaria uma desvantagem já significativa para o Ocidente. De facto, para alguns, o cenário de uma parceria Rússia-China enquadra-se na categoria de "pesadelo". No entanto, o Ocidente é que tem estado mais activo na viabilização desta parceria ao não considerar as consequências das suas acções. E como todos sabemos, todas as acções têm consequências, muitas vezes não pretendidas e por vezes prejudiciais para quem as pratica.

10/Março/2022

Ver também:
  • Press review: How many companies suspend work in Russia and global grain shortages loom
  • [*] Redactora de Oilprice.com, com mais de uma década de experiência na cobertura da indústria de petróleo e gás.

    O original encontra-se em oilprice.com/Energy/Energy-General/China-Plans-To-Take-Advantage-Of-The-Big-Oil-Exodus-From-Russia.html

    Este artigo encontra-se em resistir.info

    11/Mar/22