A fase 2 da Grande Reinicialização: Os jogos com a fome

– É o colapso do sistema financeiro e a inflação concomitante a principal causa do que está rapidamente a tornar-se uma crise global.

Eamon McKinney [*]

.

Parece-lhe que está a viver num filme de ficção científica que viu quando era mais jovem? O mundo de hoje parece  uma coleção de clipes desse género que prenunciavam um futuro distópico e sombrio para a humanidade. Economias em colapso, distúrbios com a alimentação, polícia militarizada brutal, vigilância total e propaganda implacável e cada vez mais absurda. Já não é um cenário futuro, isso está a acontecer agora em mais de 100 países em todo o mundo. Como mais de 90 nações estão perigosamente perto de deixar de pagar as suas dívidas, podemos esperar que esses protestos se espalhem e se intensifiquem. A trágica situação no Sri Lanka é um presságio do que está para vir. A escassez de alimentos e de energia está a prejudicar ainda mais as economias que já foram devastadas pelo golpe da Covid. Na verdade, não há escassez real de alimentos ou energia. É o colapso do sistema financeiro e a inflação concomitante que é a principal causa do que está rapidamente a tornar-se uma crise global. Muitas causas e culpados serão responsabilizados pelo que está por vir, mas é preciso reconhecer que todos esses problemas podem ser rastreados até uma fonte. E, nada disso é acidental, é mais um movimento no plano dos Globalistas para a “Grande Reinicialização”. Se a Covid foi a fase um, a Alimentação é a fase 2.

A Grande Reinicialização exige a destruição das economias e sociedades como as conhecemos. Para os Globalistas, trata-se de manter o controle após o inevitável e provavelmente iminente colapso do sistema financeiro neoliberal. Deixar a população mundial à fome até à submissão parece ser uma parte óbvia desse plano. Este é um futuro em que aqueles que não foram mortos pela Covid estarão a comer insetos. O que teria sido considerado uma teoria da conspiração selvagem apenas há alguns meses atrás agora é difícil de negar.

Incêndios em mais de 100 fábricas de processamento de alimentos nos Estados Unidos, escassez de alimentos para bebés e a recusa deliberada de reiniciar os abundantes recursos energéticos nacionais dos Estados Unidos são indicações da natureza deliberada desse plano. A primeira ação de Biden após a eleição foi fechar o oleoduto do Canadá. Sem energia acessível não há fertilizantes, sem fertilizantes não há agricultura. Os agricultores americanos sentiram-se pressionados a não cultivar desde que Biden assumiu o cargo. Diariamente parece que o governo está a decretar novas medidas para agravar ainda mais o problema.

A Califórnia, por exemplo, promulgou uma nova lei que impede que os camionistas independentes tenham acesso aos portos da Califórnia. Os independentes compõem a maioria dos camionistas e isso só servirá para criar mais caos na cadeia de abastecimentos, como foi testemunhado nos portos de Los Angeles no ano passado. O caos durou meses e foi a causa da destruição de milhares de pequenas empresas que não conseguiam obter mercadorias. A incompetência por si só não pode explicar isso.

Tal como acontece com a maior parte da agenda dos Globalistas, isto está há anos a ser preparado. A Fundação Rockefeller é uma forte apoiante do WEF [Forum Económico Mundial – Forum de Davos], (se não fosse, não existiria). A fundação escreve sobre “redefinir o prato” desde 2020. Era isto que queria dizer: controlo total do abastecimento de alimentos pelas principais multinacionais agrícolas. O magnata Bill Gates é agora o maior proprietário de terras agrícolas nos Estados Unidos e está a comprar mais rapidamente. Ele investe em leite para bebés e há escassez de leite para bebés, ele investe em terras agrícolas e há escassez de alimentos, ele investe em vacinas e há uma pandemia e mais pandemias prometidas. Vê-se aqui um padrão?

O fantoche de Rockefeller e velho globalista, Henry Kissinger, disse há mais de 30 anos: “Quem controla o abastecimento de alimentos controla as pessoas; quem controla a energia pode controlar continentes inteiros; quem controla o dinheiro pode controlar o mundo”. Os Globalistas já não controlam o sistema monetário global. Sistemas alternativos impulsionados pela China e pela Rússia despojaram-nos desse monopólio. Eles já não controlam a energia do mundo, como recentemente comprovado pela Rússia e Arábia Saudita. Tudo o que resta é a comida para controlar as populações.

Todos viram o protesto dos agricultores na Holanda contra a apropriação de terras proposta pelo governo sob o pretexto de cortar fertilizantes nitrogenados. O setor agrícola holandês é composto principalmente por pequenas famílias agrícolas multigeracionais. Eles não cumprirão, o seu protesto foi acompanhado por agricultores de todo o mundo que enfrentam as mesmas ameaças. Essa pretensão de eliminar os fertilizantes químicos faz parte do plano da ONU 2030 e da Grande Reinicialização. Qualquer noção de que poderia produzir resultados em níveis sustentáveis foi destruída pelos resultados no Sri Lanka e no Gana. Ambos foram pressionados a eliminar fertilizantes químicos em troca de incentivos, o que fizeram. Agora, aqueles setores agrícolas outrora produtivos foram devastados, forçando essas nações outrora auto-suficientes a importar alimentos com moeda estrangeira que já não têm. Não há solução imediata para isso, fome e mais agitação social seguir-se-ão inevitavelmente.

Os Globalistas preferem mover-se lentamente, implementando os seus planos de forma gradual para que possam passar despercebidos pelas massas. No entanto, o tempo não está do seu lado, o inverno chegará em breve à Europa e os efeitos do absurdo e auto-destrutivo embargo ao petróleo e gás russos serão sentidos. O mundo ocidental não pode substituir o petróleo e o gás necessários que antes obteve de forma acessível da Rússia. Além da agricultura, as casas ficarão sem aquecimento, a indústria será forçada a fechar e a inflação tornará as necessidades básicas da vida inacessíveis para a maioria das pessoas. Os Globalistas muito em breve sentirão toda a ira dos “comedores inúteis” que gostariam de eliminar.

Antes dos atuais protestos dos agricultores, muitos desconheciam o WEF ou as realidades do proposto “Green New Deal” delineado na Agenda 2030 da ONU. Alarmistas e ideólogos climáticos, ninguém concorda com isso. Os Globalistas exageraram seriamente e subestimaram o poder e o bom senso dos “comedores inúteis”. O mundo como o conhecemos parecerá muito diferente nos próximos anos, mas esse futuro não será decidido pelos Globalistas. O fator determinante será a rapidez com que as massas se levantarão e reconhecerão o inimigo comum, a Rússia não é o inimigo do povo europeu, nem a China, o inimigo comum da humanidade está muito mais perto de casa, em Davos, Bruxelas e Washington.

Os Globalistas não devem ser temidos. As suas ações são ridículas e de cada vez que falam expõem-se ainda mais. Que eles pensaram que poderiam forçar a Grande Reinicialização no mundo mostra o quão distantes da realidade eles estão. A arrogância demonstrada por Klaus Schwab e pelo WEF em nos explicar como será o futuro que eles decidiram, dará início à sua queda. Eles estão a perder e a sua agenda está a falhar. Se não fosse assim, eles já teriam vencido. E, para os Globalistas que parecem estar a tirar as suas ideias dos filmes de ficção científica nos Jogos com a Fome, as pessoas vencem e as elites deixam de ter onde se esconder.

20/Julho/2022

Do mesmo autor:
  • The Greatest Trick the Devil Ever Pulled
  • Ver também:
  • A recessão provocada
  • [*] Sinólogo com mais de 40 anos de experiência na China. É diretor executivo da CBN Global, empresa que já geriu mais de 300 grandes projectos estrangeiros naquele país. Vive em Qingdao, província de Xantum, RPC.

    O original encontra-se em www.strategic-culture.org/news/2022/07/20/the-great-reset-phase-2-the-hunger-games/ e a tradução em pelosocialismo.blogs.sapo.pt/a-grande-reinicializacao-fase-2-os-209051

    Este artigo encontra-se em resistir.info

    06/Ago/22