Guerra à agricultura global:
A insustentável agenda “sustentável” das Nações Unidas para 2030

F. William Engdahl [*]

Carne produzida em laboratório.

Nas últimas semanas começou um ataque coordenado à nossa agricultura – a capacidade de produzir alimentos para a existência humana. A recente reunião governamental do G20 em Bali, a reunião da Agenda 2030 Cop27 da ONU no Egito, o Fórum Económico Mundial de Davos e Bill Gates são todos cúmplices. Tipicamente, estão a utilizar um enquadramento linguístico distópico para dar a ilusão de que estão a fazer o bem quando estão de facto a avançar com uma agenda que levará à fome e à morte de centenas de milhões, se não milhares de milhões, se lhes for permitido prosseguir. Isto é impulsionado por uma coligação do dinheiro.

Do G20 ao Cop27 e ao WEF

A 13 de Novembro, os representantes do G20 das 20 nações mais influentes, incluindo os EUA, o Reino Unido, a União Europeia (embora não seja uma nação), Alemanha, Itália, França, Japão, Coreia do Sul, e vários países em desenvolvimento, incluindo a China, Índia, Indonésia e Brasil – chegaram a acordo sobre uma declaração final.

O primeiro grande item é um "apelo a uma transformação acelerada no sentido de uma agricultura sustentável e resiliente e de sistemas e cadeias de abastecimento alimentar". Além disso, "trabalhar em conjunto para produzir e distribuir alimentos de forma sustentável, assegurar que os sistemas alimentares contribuam melhor para a adaptação e mitigação das alterações climáticas, e travar e inverter a perda de biodiversidade, diversificar as fontes alimentares...". Além disso, apelaram a um "comércio agrícola inclusivo, previsível e não discriminatório, baseado em regras da OMC". Além disso, "estamos empenhados em apoiar a adoção de práticas e tecnologias inovadoras, incluindo a inovação digital na agricultura e nos sistemas alimentares para aumentar a produtividade e a sustentabilidade em harmonia com a natureza..." Depois vem a declaração reveladora: "Reiteramos o nosso compromisso de alcançar a neutralidade global de emissões líquidas de gases com efeito de estufa/neutralidade de carbono até ou por volta de meados do século". (ênfase minha)

"Agricultura sustentável" com "zero emissões líquidas de gases com efeito de estufa" é o duplo discurso orwelliano. Para uma pessoa de fora da linguística da ONU, as palavras soam demasiado boas. O que de facto está a ser promovido é a destruição mais radical da agricultura e da agricultura a nível mundial em nome da "agricultura sustentável".

A seguir à confabulação do G20 de Bali, durante apenas alguns dias, houve a reunião anual da COP27 das Nações Unidas na Cimeira Climática da Agenda Verde no Egito. Ali, os participantes da maioria dos países da ONU, juntamente com ONGs como a Greenpeace e centenas de outras ONGs verdes, redigiram um segundo apelo. A COP27 lançou algo a que eles chamam de FAST – a nova iniciativa das Nações Unidas Food and Agriculture for Sustainable Transformation (FAST). Rápido, como em "abster-se de alimentos...". Segundo a Forbes, a FAST irá promover uma "mudança para dietas sustentáveis, resistentes ao clima e saudáveis, que ajudariam a reduzir os custos da saúde e das alterações climáticas em até 1,3 triliões de dólares, apoiando simultaneamente a segurança alimentar face às alterações climáticas". Estamos a falar de grandes números. 1,3 milhão de milhões (trillion) de dólares a fim de transitar para "dietas sustentáveis, resistentes ao clima e saudáveis", que reduziriam os custos das alterações climáticas em 1,3 milhão de milhões de dólares. O que se passa realmente por detrás de todas estas palavras?

O Big Money por trás

Segundo a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO), em declarações à Reuters durante a COP27, dentro de um ano a FAO lançará um plano de "perfeito" para a redução dos chamados gases com efeito de estufa provenientes da agricultura.

O impulso para esta guerra contra a agricultura não é surpreendente, pois a Iniciativa FAIRR, uma coligação de gestores de investimentos internacionais com sede no Reino Unido, que se centra nos "riscos e oportunidades materiais dos ESG causados pela produção intensiva de gado". Os seus membros incluem os atores mais influentes nas finanças globais, incluindo BlackRock, JP Morgan Asset Management, Allianz AG da Alemanha, Swiss Re, HSBC Bank, Fidelity Investments, Edmond de Rothschild Asset Management, Credit Suisse, Rockefeller Asset Management, UBS Bank e numerosos outros bancos e fundos de pensões com ativos totais sob sua gestão de 25 milhões de milhões de dólares. Estão agora a desencadear a guerra à agricultura, tal como o fizeram em relação à energia. O Diretor Adjunto da FAO da ONU para as políticas de Alterações Climáticas, Zitouni Ould-Dada, afirmou durante a COP27 que, "Nunca houve tanta atenção à alimentação e à agricultura em nenhum momento antes. Este COP é definitivamente único".

O FAIRR afirma, sem provas, que "a produção alimentar é responsável por cerca de um terço das emissões globais de gases com efeito de estufa e é a principal ameaça para 86% das espécies mundiais em risco de extinção, enquanto a pecuária é responsável por três quartos da perda da floresta húmida amazónica". A FAO pretende propor uma redução drástica da produção pecuária mundial, especialmente de gado, que a FAIRR afirma ser responsável por "quase um terço das emissões globais de metano ligadas à atividade humana, libertadas sob a forma de arrotos de gado, estrume e o cultivo de culturas alimentares". Para eles, a melhor maneira de parar os arrotos e o estrume de vaca é eliminar o gado.

A insustentabilidade da agricultura sustentável

O facto de a FAO da ONU estar prestes a divulgar um roteiro para reduzir drasticamente os chamados gases com efeito de estufa da agricultura global, sob a falsa alegação de "agricultura sustentável" que está a ser conduzida pelos maiores gestores de riqueza do mundo, incluindo BlackRock, JP Morgan, AXA e outros, diz muito sobre a verdadeira agenda. Estas são algumas das instituições financeiras mais corruptas do planeta. Nunca põem um centavo onde não lhes sejam garantidos lucros enormes. A guerra à agricultura é o seu próximo alvo.

O termo "sustentável" foi criado pelo Clube Malthusiano de Roma de David Rockefeller. No seu relatório de 1974, Humankind at the Turning Point, The Clube de Roma argumentou:

As nações não podem ser interdependentes sem que cada uma delas abdique de alguma independência, ou pelo menos reconheça limites à sua própria independência. Agora é o momento de elaborar um plano diretor para o crescimento orgânico sustentável e o desenvolvimento mundial baseado na afetação global de todos os recursos finitos e de um novo sistema económico global. (ênfase minha)

Essa era a formulação inicial da Agenda 21 da ONU, da Agenda2030 e do Grande Reposicionamento de Davos 2020. Em 2015 as nações membros da ONU adotaram os chamados Objectivos de Desenvolvimento Sustentável ou ODS: 17 Objetivos para Transformar o nosso Mundo. O Objetivo 2 é "Acabar com a fome, alcançar a segurança alimentar, melhorar a nutrição e promover a agricultura sustentável".

Mas se lermos com atenção as propostas da COP27, do G20 e do WEF de Davos de Klaus Schwab, encontramos o que se entende por estas simpáticas palavras altissonantes. Agora estamos a ser inundados com afirmações não verificadas, feitas por numerosos modelos de grupos de reflexão financiados por governos e privados, que os nossos sistemas agrícolas são uma das principais causas, sim, do aquecimento global. Não só CO2, mas também metano e nitrogénio. No entanto, todo o argumento global de que o nosso planeta está à beira de uma catástrofe irreversível se não alterarmos radicalmente as nossas emissões até 2030 é um disparate incontrolável proveniente de modelos informáticos opacos. Com base em tais modelos, o IPCC da ONU insiste que se não travarmos um aumento da temperatura global de 1,5 C acima do nível de 1850, até 2050 o mundo acabará essencialmente.

A guerra está apenas a começar

A ONU e o WEF de Davos juntaram-se em 2019 para fazer avançar conjuntamente a Agenda 2030 do SDG da ONU. No sítio web do WEF é abertamente admitido que isto significa livrar-se de fontes de proteínas de carne, introduzir a promoção de carne falsa não comprovada, defender proteínas alternativas, tais como formigas salgadas ou grilos moídos ou minhocas para substituir galinha ou carne de vaca ou carneiro. Na COP27, a discussão foi sobre "dietas que podem permanecer dentro das fronteiras planetárias, incluindo a redução do consumo de carne, o desenvolvimento de alternativas e o incentivo à mudança para mais plantas, culturas e grãos nativos (reduzindo portanto a atual dependência do trigo, milho, arroz, batatas)".

O WEF está a promover uma mudança de dietas de proteínas de carne para dietas veganas, argumentando que seria mais "sustentável". Também promovem alternativas de carne de laboratório cultivada em laboratório ou à base de plantas, tais como os Impossible Burgers financiados por Bill Gates, cujos próprios testes da FDA indicam que é provavelmente cancerígena, uma vez que é produzida com soja OGM e outros produtos saturados com glifosato. A CEO da Air Protein, outra empresa de carne falsa, Lisa Lyons, é uma conselheira especial do WEF. O WEF também promove alternativas de proteínas de insetos à carne. Note-se também que Al Gore é um administrador (trustee) do WEF.

A guerra à criação de animais para carne começa a tornar-se mortalmente séria. O governo da Holanda cujo primeiro-ministro Mark Rutte, anteriormente da Unilever, é um Contribuidor da Agenda do WEF, criou um Ministro especial para o Ambiente e Nitrogénio, Christianne van der Wal. Utilizando as diretrizes de proteção da natureza Natura 2000 da UE, nunca invocadas e desatualizadas, concebidas alegadamente para "proteger musgo e trevo", e com base em dados de testes fraudulentos, o Governo acaba de anunciar que irá encerrar à força 2.500 explorações pecuárias em toda a Holanda. O seu objectivo é forçar 30% das explorações de gado a encerrar ou a enfrentar a desapropriação.

Na Alemanha, a Associação Alemã da Indústria de Carne (VDF), diz que dentro dos próximos quatro a seis meses a Alemanha enfrentará uma escassez de carne e os preços irão disparar. Hubert Kelliger, um membro da direção da VDF disse: "Dentro de quatro, cinco, seis meses teremos lacunas nas prateleiras". Espera-se que a carne de porco venha a sofrer a pior escassez. Os problemas no fornecimento de carne devem-se ao facto de Berlim insistir em reduzir o número de cabeças de gado em 50% para reduzir as emissões de aquecimento global. No Canadá, o governo de Trudeau, outro produto do WEF de Davos, segundo o Financial Post de 27 de Julho, planeia reduzir as emissões de fertilizantes em 30% até 2030, como parte de um plano para chegar ao zero líquido nas próximas três décadas. Mas os produtores dizem que para o conseguir, podem ter de reduzir significativamente a produção de cereais.

Quando o Presidente autocrático do Sri Lanka proibiu toda a importação de fertilizantes azotados em Abril de 2021, num esforço brutal para regressar a um passado de agricultura "sustentável", as colheitas caíram em sete meses e a fome e a ruína dos agricultores e os protestos em massa forçaram-no a fugir do país. Ordenou que todo o país mudasse imediatamente para a agricultura biológica, mas não proporcionou aos agricultores tal formação.

Combine tudo isto com a catastrófica decisão política da UE de proibir o gás natural russo utilizado para fazer fertilizantes à base de nitrogénio, forçando ao encerramento fábricas de fertilizantes em toda a UE, o que causará uma redução global no rendimento das colheitas, e também a falsa onda da gripe das aves que está a ordenar falsamente aos agricultores em toda a América do Norte e na UE que matem dezenas de milhões de galinhas e perus para citar apenas mais alguns casos, e torna-se claro que o nosso mundo enfrenta uma crise alimentar sem precedentes. Tudo pela mudança climática?

30/Novembro/2022

[*] Consultor e professor de risco estratégico, licenciado em política pela Universidade de Princeton e autor de best-sellers sobre petróleo e geopolítica.

O original encontra-se em www.williamengdahl.com/gr30November2022.php.

Este artigo encontra-se em resistir.info

09/Dez/22