A caraterística mais surpreendente do caso Assange

Paul Craig Roberts [*]

Apoiantes de Assange frente ao tribunal, 27/Mar/24.

A coisa mais extraordinária sobre Julian Assange é que ele está a ser tratado como se fosse um cidadão americano. "Traição" foi o grito original, agora convertido em "espionagem".

Não houve espionagem. A Wikileaks publicou e disponibilizou ao New York Times, a The Guardian e a outros órgãos de comunicação social informações que foram objeto de fuga de informação. Os órgãos de comunicação social publicaram a informação, tal como a Wikileaks, mas não foram acusados. A Wikileaks também não é acusada. Apenas Julian Assange é acusado.

Nada é diferente de Ellsberg ter divulgado os Pentagon Papers ao New York Times. O governo dos EUA queria processar ambos, mas foi impedido pela Primeira Emenda e pelo dever, há muito aceite, dos órgãos de comunicação social de responsabilizar o governo. A deterioração acentuada do poder protetor da Primeira Emenda e da liberdade jornalística desde 1971 demonstra o aumento da tirania. Julian Assange está a ser vítima de tirania, não de uma acusação legítima.

Examinemos cuidadosamente a questão da "espionagem". A espionagem é uma função de todas as embaixadas em todo o mundo. O objetivo das embaixadas não é apenas representar os interesses comerciais e políticos de um país. Têm também por objetivo recolher informações, quanto mais sensíveis melhor. Quando o pessoal da embaixada é apanhado a praticar espionagem, é obrigado a abandonar o país. Não são objeto de processo judicial.

É sabido que as embaixadas dos Estados Unidos contêm agentes da CIA que se fazem passar por diplomatas. De acordo com o protocolo que rege o caso Assange, a Rússia, a China e qualquer outro país poderiam prender membros das embaixadas dos EUA e levá-los a julgamento. De facto, muitos países poderiam fazer o mesmo uns aos outros. O que o impede não é apenas o bom senso, mas o facto de os cidadãos estrangeiros não estarem sujeitos às leis de outros países. Só os Estados Unidos, que se imaginam como uma espécie de potência única internacional, afirmam a primazia mundial das suas leis. Esta afirmação é absurda e não tem qualquer base jurídica.

O processo orquestrado, de facto juridicamente incorreto, contra Assange baseia-se apenas na exigência de vingança de Washington. Eis do que Assange é culpado:   Divulgou informações que mostraram de forma conclusiva que o governo dos Estados Unidos é um mentiroso, um trapaceiro dos seus aliados e um criminoso de guerra. O objetivo do processo contra Assange é vingar-se dele e intimidar todos os jornalistas para que nunca mais publiquem informação desfavorável ao governo dos EUA.

Por outras palavras, o objetivo do caso Assange é acabar para sempre com a capacidade dos meios de comunicação social de responsabilizar o governo. O caso Assange é a base fundamental da tirania. Uma vez que esteja em vigor, a tirania é desencadeada.

O facto de tantos "patriotas" idiotas apoiarem a "captura de Assange" indica uma estupidez completa. "Apanhar o Assange" significa apanharem-se a eles próprios, e são demasiado estúpidos para o ver.

É assim que a liberdade é assassinada.

https://www.bbc.com/news/live/uk-68663344?src_origin=BBCS_BBC

27/Março/2024

Ver também:
  • https://wikileaks.org/
  • [*] Economista, estado-unidense.

    O original encontra-se em www.paulcraigroberts.org/2024/03/27/the-most-astounding-feature-of-the-assange-case/

    Este artigo encontra-se em resistir.info

    28/Mar/24