Governo insiste na destruição da TAP

por SITAVA [*]

'. Os trabalhadores do Grupo TAP e o povo português foram hoje surpreendidos pelo anúncio, completamente inesperado, de que o Governo se prepara para entregar o Grupo TAP a um dos pretendentes que se apresentaram à "herança" de mais uma fatia da soberania nacional.

Depois do escândalo que foi, em 15 de Maio, a escolha em apenas três dias das propostas que passavam à segunda fase, fomos agora violentados por mais esta fraude, de em apenas dois dias úteis, o Conselho de Administração da TAP, a Parpública, os assessores e consultores vários, os escritórios de advogados e o Governo, conseguiram descortinar, decidir e escolher o feliz contemplado com mais uma empresa pública, por sinal a última grande empresa nacional ainda não entregue ao capital estrangeiro. Nem na roleta do casino se ganham prémios tão rapidamente.

É inacreditável a impunidade com que este Governo destrói o país. Nos últimos anos foram alienados para o controlo do capital internacional mais de trinta mil milhões de activos, bem mais de 20% do PIB português. Este impressionante número, que aumentaria se o governo conseguisse concretizar mais esta patifaria, este autêntico crime de lesa pátria, dá bem a dimensão da catástrofe que tem sido imposta a Portugal, e que se acentuaria com a perda de mais este importante factor de soberania nacional.

Os trabalhadores do Grupo TAP e o povo português não vão baixar os braços. O SITAVA tudo tem feito, e continuará a fazer, para que este inacreditável processo de privatização, este autentico acto de pirataria, perpetrado contra a TAP, não se consume.

O SITAVA irá participar em todas as iniciativas contra a privatização que vierem a ser desencadeadas no seio da empresa, e também no exterior, de modo a continuar a dar visibilidade a esta luta que, estamos convictos, não é uma causa perdida.

CONTRA A PRIVATIZAÇÃO DA TAP
UNIDOS SOMOS MAIS FORTES
11/Junho/2015

[*] Sindicato dos Trabalhadores da Aviação e Aeroportos

O original encontra-se em www.sitava.pt/images/stories/pdf/news/com20150611_TAP.pdf


Este comunicado encontra-se em http://resistir.info/ .

05/Jun/15