Jean Salem e a cultura integral

por Miguel Urbano Rodrigues

Jean Salem. Foi recentemente publicado um livro-entrevista de Jean Salem ("Resistances"). Livro importante e belíssimo que traduz, em ritmo alucinante, uma reflexão permanente sobre a aventura humana, o pensamento, o quotidiano, o amor, a ideia de revolução, a arte, a diversidade das culturas, a procura da felicidade possível. O pensamento de Jean Salem é uma notável confirmação da vitalidade e actualidade do marxismo. Não de um marxismo académico, mas do marxismo reflectido por um académico que é também um revolucionário.

Desde a Antiguidade apareceram homens que conceberam a ideia do estado Universal. Os primeiros foram o persa Dario e o macedónio Alexandre.

Muito mais numerosos foram aqueles para os quais a tentação do saber absoluto foi tema de meditação. Num livro importante e belíssimo, que deveria ser editado em muitas línguas, o assunto é aflorado de passagem por Jean Salem.

É um estranho livro-entrevista, resumo de uma conversa de muitos dias com Ayméric Monville [1] .

Jean Salem evoca a sua vida desde a infância em Argel, a adolescência na Provença, tutelado por uma avó e uma tia idosas (quando o pai, Henri Alleg, estava preso por ter dirigido um jornal que defendia a independência da Argélia), a passagem por Praga e Ivanovo, na URSS, um breve regresso a Argel e, depois, em Paris, patamar de uma fascinante corrida pela vida e pelo mundo.

Em Confessions, Rousseau afirma no preambulo que ninguém antes terá ido tao longe ao revelar-se, exibindo-se sem restrições.

Exagerou. Muitos abriram -se mais. Entre eles, transcorridos dois seculos, Jean Salem, um intelectual muito diferente do autor do Contrato Social.

Resistances é, em ritmo alucinante, uma reflexão permanente sobre a aventura humana, o pensamento, o quotidiano, o amor, a ideia de revolução, a arte, a diversidade das culturas, a procura da felicidade possível.

No seu diálogo com Ayméric Monville, Salem confessa-se sem pudor. Quase polemiza, não obstante convergirem quase permanentemente. Ayméric é também filósofo e marxista e os temas abordados inserem-se no seu mundo interior.

A chuva de citações, a referência a dezenas de autores, clássicos e não clássicos (elogio e reparo), quase perturba. A erudição é torrencial; o leitor sente dificuldade em acompanhar Salem nas suas transposições. De Epicuro passa a Alexandre, de Lucrécio, Petrónio e Cícero a autores do nosso tempo, com Maupassant – um escritor "sublime" para Salem – atravessando Resistances como referência incontornável. Na crítica a Marchais invoca Platão.

Nos capítulos sobre o amor, muito densos, Jean mergulha o presente no passado para iluminar a relação amorosa numa contemporaneidade em transição para um futuro imprevisível. Casado durante mais de um quarto de seculo e divorciado, continua a perseguir o amor (e a felicidade epicuriana) com uma tenacidade invulgar.

Epicuro, Demócrito e o discípulo romano Lucrécio não abrem portas à depravação. Pelo contrário. Mas desaconselham a monogamia, enaltecida pelo romantismo como virtude no amor. Na procura da felicidade, optam pela amitié amoureuse e desaprovam a paixão e a entrega permanente e exclusiva a uma única parceira ao longo da vida.

Por que optou Salem pela filosofia grega para tema? Ele esclarece. Pensou inicialmente em Marx, mas, que iria produzir de inovador se já havia 6000 teses sobre o autor de O Capital ?

Na época o comunismo na universidade francesa era olhado como velharia obsoleta. Dedicou-se então aos clássicos. Estudou grego, latim e inclusive o idioma dos Egipto faraónico. E tomou a decisão de escrever a sua tese sobre os materialistas gregos que lhe surgiram como precursores do marxismo.

SIONISMO E MARX NA SORBONNE

Filho e neto, por via materna e paterna, de judeus comunistas, Salem, foi desde a juventude aquilo a que Trotsky chamou "um judeu não judeu". Mas tendo passado a infância e o início da adolescência em França, a avó mostrou-lhe a estrela hebraica, que era obrigada a usar na época de Pétain. Não foi fácil a sua convivência com a temática do sionismo quando o estado de Israel se implantou na Palestina. São belas as páginas em que evoca a evolução da sua postura perante o problema até à condenação frontal da engrenagem que exerce hoje o poder naquela monstruosa sociedade teocrática neofascista.

Alguns dos capítulos mais interessantes de Resistances são aqueles em que Salem, no seu diálogo com Améric Monville, recorda o desafio vitorioso que foi a criação na Sorbonne do Seminário "Marx no Seculo XXI" .

Quando surgiu a ideia, a maioria dos seus amigos e camaradas concluiu que o projeto não tinha pernas para andar.Era um tremendo desafio fazer renascer na viragem do seculo o interesse pelo marxismo num pais em que a grande maioria dos antigos intelectuais comunistas, em cambalhotas de oportunismo, tinha evoluído para uma adesão mais ou menos explicita ao capitalismo.

Jean Salem enfrentou-o e venceu. O Seminário, semanal, em que exerce o papel de organizador e moderador, alcançou um prestígio inesperado. Assistem a cada sessão 150 a 200 pessoas e é acompanhado na Internet por aproximadamente 30 000. Por ali desfilaram já académicos marxistas de múltiplas tendências, algumas quase incompatíveis. Entre eles, Domenico Losurdo, Remy Herrera, David Harvey, Slavoj Zizek, Alain Badiou, Michel Lowy, Samir Amin, Enrique Dussel, André Tosel, Anni de Lacroix Riz e um gigante já falecido, Georges Labica.

A DESERÇÃO DA "ESQUERDA", O FIM DA URSS E O IDEAL COMUNISTA

A IV Parte, dedicada a Politica e Ideologia é a mais polémica pela reflexão de Salem sobre a deserção, daquilo a que em França chamavam "esquerda". O filósofo marxista arrasa o Partido Socialista Francês. Mas não poupa o PCF cuja galopada para a direita a partir da direção de Georges Marchais critica com dureza. A renuncia aos seus princípios e valores acentua-se dramaticamente após o fim da URSS. Com Robert Hue o anti sovietismo marca-lhe a caminhada rumo à social social-democracia e Salem não identifica mais nele um partido revolucionário. Após um debate interior doloroso, afasta-se então da militância. Não renovou o cartão do Partido, mas não rompeu oficialmente. Como dizia Geoges Labica, tomou distância para continuar a ser comunista.

Foi sem surpresa, mas com um sentimento de repulsa, que, nos anos de chumbo, registou a transformação de ex-camaradas em colaboradores do sistema que haviam condenado. Em tentativa de justificar a metaformofose invocavam a revolução técnico cientifica que mudara o mundo. Paradoxalmente, aqueles que mais se tinham destacado quando militantes pelo seu sectarismo exacerbado passaram em rapidíssima transição a satanizar a URSS e o comunismo.

"Todos eles – diz a Ayméric – nos comícios do Partido, como escuteiros robotizados, berravam na época: "Viva a União Soviética". Erguendo o punho bem alto e olhando o vizinho para ver se fazia o mesmo com idêntico entusiasmo".

Não falta em Resistances um capítulo sobre o "stalinismo". Salem distancia-se da posição de Losurdo, mas não aceita também as teses dos historiadores anticomunistas que apresentam Stalin como um monstro, teses inseparáveis da satanização da União Soviética. Cita alias elogios hoje esquecidos de Churchill a Stalin, proferidos já na fase da guerra fria. Como trechos deste, pronunciado na Camara dos Comuns em 21 de Dezembro de1959: "Era uma personalidade extraordinária, que nos impressionava muito… Possuía um grande sentido do humor e do sarcasmo, e a capacidade de conhecer exatamente os nossos pensamentos … Possuía uma profunda sabedoria, refletida e lógica, isenta de pânico".

No anexo que fecha Resistances Jean Salem publica o discurso que pronunciou no funeral do pai em 29 de Julho de 2013.

Li esse texto com profunda emoção porque Henri Alleg não foi para mim somente um amigo e um camarada maravilhoso. Já o afirmei e repito: de todos os revolucionários que conheci foi o mais próximo da perfeição, do mítico homem novo imaginado por Marx e Lénine.

Transcrevo a seguir o parágrafo final da despedida de Salem ao pai que manteve sempre a sua convicção de que o capitalismo, provisoriamente triunfante, acabará por ser erradicado da Terra: "Foi fiel a essas ideias, que, segundo ele, tinham a marca da evidência, que o nosso pai desejava ardentemente ver a ideia comunista continuar a encarnar-se numa doutrina de combate e numa organização sólida, coerente. Foi na adesão a essas ideias que ele conseguiu ate ao fim permanecer fiel ao seu ideal. Aos seus sonhos da juventude, assim como a todos os combates que todos nós aqui hoje rendemos homenagem. A todos esses combates que, num mundo onde as nuvens se acumulam incessantemente, que, na nossa dimensão, daremos continuidade".

Identifico em Jean Salem um grande humanista revolucionário – espécie em via de extinção – um dos raros intelectuais do nosso tempo que, em luta interior permanente, caminha pela vida como o pai, aproximando-se do inatingível homem novo.

Vila Nova de Gaia, 26 de Março de 2015

[1] Jean Salem, Resistances, entretiens avec Ayméric Monville, Editions Delga , Paris, 2015

Livros de Jean Salem:
  • Librairie Renaissance

    O original encontra-se em www.odiario.info/?p=3607


    Este artigo encontra-se em http://resistir.info/ .
  • 10/Abr/15