Ilyá Ehrenburg e a Espanha da II República

por Miguel Urbano Rodrigues

Ehrenburg, desenho de Picasso. Escrevendo sobre a II República espanhola, Ehrenburg exagerou o negativo e não captou o positivo. A II Republica fracassou, mas Ehrenburg não soube compreender os milhões de espanhóis que a tornaram possível e lutaram para a defender do assalto fascista.

Ilyá Ehrenburg chegou a Espanha em 1931, pouco depois da proclamação da República. A visita foi breve, alguns meses. Mas o choque emocional e estético foi tão forte que tentou transmiti-lo num livro, España, Republica de Trabajadores, publicado em 1932 pela Editora Cenit, de Madrid, reeditado pela Critica, de Barcelona em 1976.

Contrariamente ao que o título sugere, o autor não elogia, sequer defende a jovem república. Aquilo que viu decepcionou-o.

Conhecer a Espanha era uma aspiração sua desde a adolescência. Admirava os seus grandes pintores, a sua música; Don Quijote de Cervantes fascinava-o.

Mas o que observou (e o que sentiu) não correspondeu ao que esperava. Tinha então 40 anos.

Deceção? Não encontro a palavra.

"Este livro - escreveu no prólogo - foi escrito por um russo e para russos". O seu povo, como esclarece – "tem outras montanhas, outras necessidades, outro riso". Mas o abismo que separa os espanhóis dos russos não o impediu de imprimir ao seu livro "um tom apaixonado".

Creio que ele não conseguiu superar tudo o que dificultava a um intelectual soviético, comunista, a compreensão do espetáculo caótico da Espanha no ano 31 do seculo passado.

Em dois meses correu muito pelo país. Esteve em Madrid, Barcelona, Valencia, Sevilha, Córdoba, Granada, Cádis e mais cidades. Deambulou pelas planícies da Andaluzia, conheceu as vinhas e olivais de Jerez, as minas das Astúrias, os estaleiros e tabernas de Bilbau, as rias galegas, a meseta desolada das duas Castelas, as huertas e os laranjais de Murcia, as aldeias misérrimas de Las Hurdes. Muita terra, muita gente em tempo mínimo.

Ehrenburg escreve maravilhosamente. O estilo que o celebrizou em romances, ensaios, nas memórias, e em reportagens como correspondente de guerra, é identificável neste livro amargo e apaixonado.

As páginas onde recorre à ironia para caracterizar a desordem, as contradições, o burlesco, o épico da Espanha que renegara a monarquia dos Bourbons destilam amargura.

A República somente no nome adotado oficialmente era de trabalhadores. Nas fábricas, nos campos, nas minas, nos portos, na função pública os trabalhadores continuavam a ser desprezados e explorados.

Os grandes senhores, intocáveis, mantinham os seus privilégios; os novos ministros, os governadores, os alcaides da Republica exibiam uma atitude de classe; os cardeais, os bispos, os curas de aldeia comportavam-se como o clero da época da Inquisição; a mulher continuava a ser tratada como fêmea que servia para o prazer e gerar filhos.

Na Espanha tradicionalista, estagnada economicamente, o exército, a Guardia Civil e a Policia permaneciam, como antes, ao serviço dos poderosos, vocacionados para a repressão.

É através de breves estórias de párias, de pessoas vencidas, sem passado e sem futuro, que esboça o mapa humano de uma República que enterrava a esperança, afundada no imobilismo.

Exagera nas generalizações. O desfile de preguiçosos, de bêbedos, de políticos incompetentes e corruptos, é ininterrupto. Choca.
Satiriza a Espanha folclórica, das procissões, dos leques e peinetas. Condena o mundo cruel das corridas de touros; acha que o trabalho do toureiro quase não "oferece perigo", porque "os touros são animais pacíficos".

Mas nem tudo lhe pareceu negativo. A admiração do escritor vai para a minoria dos inconformados, respeita e elogia os rebeldes, os grevistas, os trabalhadores revolucionários.

Ecos deturpados da grande revolução que mudou a vida na URSS chegavam à Espanha da Republica. O país dos sovietes inspirava admiração aos oprimidos, ódio e medo aos opressores. Mas a ideia do que ali se passa é confusa.

Ehrenburg gostaria de ter encontrado comunistas responsáveis, organizados, mobilizados para a transformação da vida. E não os encontrou. Paradoxalmente é generoso nas referências aos anarquistas, à FAI. Elogia Durruti, enxerga nele um revolucionário quase comunista.

Os governos da Republica burguesa de 1931 e 1932 eram - como o escritor afirmou - profundamente reacionários. Mas ele extrapola, envolve na crítica a totalidade do aparelho de Estado e a maioria do povo.

Na contra capa do livro, o editor escreve: "O tempo demonstraria a lucidez com que o escritor russo analisa a realidade daquela república burguesa que se auto-intitulou com um sarcasmo involuntário "república de trabalhadores".

Discordo dessa opinião. O escritor exagerou o negativo e não captou o positivo.

A II Republica fracassou, mas Ehrenburg não soube compreender os milhões de espanhóis que a tornaram possível e lutaram para a defender do assalto fascista.

Vila Nova de Gaia, Março de 2015

O original encontra-se em http://www.odiario.info/?p=3653

Este artigo encontra-se em http://resistir.info/ .
23/Mai/15