A Europa irá pagar toda a confusão na Ucrânia

por Michael Hudson [*]

"O acordo do gás natural entre a Ucrânia e a Rússia só foi possível porque a Europa percebeu que não obteria gás se não apoiasse a Ucrânia". M.H.

A geopolítica dos gasodutos. RT: Quão importante é este acordo do gás [assinado em 30/Outubro] para a Ucrânia e para a Europa?

MH: Aparentemente é mais importante para a Europa porque foi esta que cedeu no negócio. O problema nunca foi acerca do preço do gás russo. O problema era a Ucrânia persistir em tentar simplesmente aumentar uma factura de gás que era cada vez maior a cada mês e a cada ano e finalmente incumprir. No Tesouro dos EUA, estrategas já haviam discutido em público como a Ucrânia poderia simplesmente evitar pagar à Rússia o dinheiro que lhe devia indo a tribunal e protelando o assunto. Assim, compreensivelmente, a Rússia disse: "Nós precisamos do crédito antecipadamente". O sr. Oettinger da Comissão Europeia respondeu: "Espere um minuto, Rússia, porque você simplesmente não lhes empresta o dinheiro. Eles o reembolsarão". E o sr. Putin no discurso do Valdai Club, em Sochi, foi muito claro. Olhe, a Rússia já lhes emprestou 11 mil milhões de dólares, muito mais do que qualquer outro empréstimo já feito à Ucrânia. A Ucrânia está em bancarrota, está dilacerada. Por que não, talvez um banco europeu, financiar o empréstimo? Finalmente, o sr. Oettinger cedeu. A Europa disse: "OK, o FMI vai emprestar à Ucrânia o dinheiro para pagar à Rússia pelo gás para o fecho do ano". De modo que a Ucrânia acabaria por dever o dinheiro ao FMI e à Comissão Europeia, não à Rússia. Assim a Rússia não será exposta a ter de emprestar qualquer dinheiro mais a uma economia arruinada.

RT: Pensa que foi a UE que cedeu naquele negócio e não a Ucrânia ou a Rússia. Por que?

MH: A Ucrânia passou no exame. A Ucrânia disse: "Estamos falidos, não temos qualquer dinheiro, gastámos tudo que tínhamos na guerra. Nossa indústria de exportação está em colapso. Se precisarmos de gás, simplesmente roubaremos o gás que a Rússia está a enviar para a Europa. Não vamos morrer de fome e de frio – simplesmente tomaremos o vosso gás". E Putin disse: "Bem, se eles tentarem roubar gás, como já fizeram há alguns anos atrás, nós simplesmente fecharemos a torneira e a Europa não terá gás". Assim a Europa percebeu que não obteria o gás se não escorrasse a Ucrânia e de repente a Europa está a ter de pagar pela guerra da Ucrânia contra a Rússia. A Europa vai ter de pagar por toda a confusão na Ucrânia a fim de obter gás e não era assim que ela esperava que acontecesse.

RT: Pensa que este acordo melhorará as relações entre a Europa e a Rússia?

MH: A Europa está muito desconfortável em ser pressionada pelos EUA que, basicamente, disseram: "Deixamos vocês e a Rússia combaterem". A Europa já está a sofrer. A Alemanha sempre se virou para a Rússia, o tempo todo. Cinquenta anos atrás, recordo que Konrad Adenauer sempre fez um discurso muito pró ocidental e pró americano, mas sempre se voltou economicamente para a Rússia. Assim, naturalmente a Europa, a Alemanha em especial, quiseram manter seus laços com a Rússia. O problema é que os EUA querem começar uma nova Guerra-Fria. O que criou um bocado de ressentimento na Europa e ela finalmente está a capitular. Isto significa que a pressão dos EUA para incitar a Europa contra a Rússia fracassou.

RT: Poderíamos agora esperar um abrandamento das sanções contra a Rússia?

MH: Não, a Europa ainda está a ser pressionada, a sanções são pressionadas pela NATO e a NATO está a pressionar por uma confrontação militar com a Rússia. As sanções vão continuar a menos que a Rússia ceda a Crimeia, o que certamente não acontecerá. As sanções estão a ferir a Europa, mas estão a revelar-se como um grande benefício para a Rússia porque finalmente ela está a perceber: "Não podemos depender de outros países para o abastecimento de produtos básicos, temos de reconstruir a nossa indústria". E as sanções estão a permitir à Rússia dar subsídios à sua indústria e agricultura que do contrário não podia fazer. Assim a Rússia gosta das sanções, a Europa está a sofrer e os americanos estão a descobrir que subitamente os europeus estão mais zangados com eles do que com a Rússia.

01/Novembro/2014

Ver também:
  • O empréstimo do FMI à Ucrânia, sob a nova guerra fria , Michael Hudson, 14/Set/14
  • O FMI empurra a Ucrânia para um "suicídio voluntário" , Michael Hudson, 31/Jul/14
  • Ukraine's Debt Burden as Europe's Next Big Headache (O fardo da dívida da Ucrânia como a próxima dor de cabeça da Europa), Olga Shedrova, 04/Nov/14

    [*] Autor de The Bubble and Beyond e Finance Capitalism and Its Discontents .   mh@michael-hudson.com

    O original encontra-se em michael-hudson.com/2014/11/europe-to-pay-for-the-whole-mess-in-ukraine/


    Este artigo encontra-se em http://resistir.info/ .
  • 07/Nov/14